Pages

Thursday, December 20, 2007

FELIZ CHANUKÁ!!! BON ANNÉE!!!


*clique na imagem para ler a mensagem...
Monday, December 17, 2007

vidiotices

...um post leva a outro e como a gente acabou falando de programas bizarros da tv no anterior, que tal listarmos aqui alguns deles? Acho que o imbativel é o "Oportunidades" da celeste maria, uma espécie de hebe dos suburbios cariocas. Ela começou fazendo isso comprando horário na CNT, já ha mais de dez anos, e está há cinco com esse novo no canal comunitário net-rio (16). Aí, tem esse tal de tafarrel, que é mais hilário do que se fosse um quadro de hermes & renato, o tal do ayres filho (lembrei agora do sujeito, já aplica desde os 80s!), tinha o jacaré, nas madrugas da rede tv!, esse camarada do funk podreira. quando tinha directv eu pegava o programa da mama porpeta na gazeta/sp! e foi de curitiba que saiu o alborghetti, um gil gomes piorado. Q mais?

*na foto, Bob, o mendigo de meu bairro, que eu chamo de caminhante, pq ele anda paca, e, claro, não vê televisão. Sortudo (rs).
Thursday, December 13, 2007

Surfando na olhota

Que o Texas é uma terra de loucos, muitos de nós sabemos (não é, Pacheco?). Por isso, só podia ter saído de lá os Butthole Surfers, uma das bandas mais dementes que já pisaram num palco neste planeta. Em algum momento do final dos anos 80 eu era louco por estes camaradas, capitaneados por Gibby Haynes, um celerado que, em vez de ir matar gente por aí, formou uma banda de rock. Os B-Surfers só faziam shows doidões, movidos a ácido e coisa pior. Tanto que, um show deles, lançado em VHS na época, se chamava Live PCPP (que é o código para pó de anjo). Reza a lenda que foi Haynes quem introduziu o ácido no maluquete Daniel Johnston. Assisti a este show em SP, no Madame Satã, numa festa cuja fila dava voltas no quarteirão, afinal, não era todo dia que se havia a chance de ve-los. Os discos tbm eram mucho locos. Parte deles nem existe em CD, pq eram lançados pela alternativa Touch&Go. Nos anos 90, os surfistas do olho do cú (nome que nem sempre era grafado na integra, por motivos óbvios) assinaram com a Capitol Records por dica de kurt cobain, do nirvana. Alias, por causa de kurt, muita banda maluca conseguiu contrato com majors entre 91 e 95. Mas eles eram mais alucinados antes, tiveram que polir um pouco o som. Fizeram ate um clipe com visual do Robert Williams. E andam meio sumidos ultimamente. Para quem não conhece, recomendo correr atrás...

Tuesday, December 11, 2007

PQ NO ME GUSTA NAVIDAD

PQ PESSOAS QUE NEM ME DÃO BOM DIA DURANTE O ANO, PASSAM MISTERIOSAMENTE A SORRIR PRA MIM E PEDIR UMA TAL DE "CAIXINHA" # PQ AQUELA TAL "ARVORE" (QUE NAO SE PARECE COM UMA) ME IMPEDE DE DAR UM ROLE TRANQUILO EM VOLTA DA LAGOA E ATRAVANCA O TRANSITO NAS REDONDEZAS # PQ AS PESSOAS COMPRAM PRESENTES QUE NAO GOSTARIAM DE DAR E GANHAM OUTROS QUE NAO GOSTARIAM DE RECEBER (NAO ERA MELHOR CADA UM COMPRAR PRA SI O QUE TAVA A FIM?) # E ISSO TUDO POR OBRIGAÇÃO, NÃO REALMENTE POR QUE GOSTAM DE FAZER ISSO # E DEPOIS VÃO TODOS TROCAR AS TRALHAS POR OUTRAS, O QUE DÁ TABALHO E TE FAZ IR AO SHOPPING # TBM PQ, NO FIM DAS CONTAS, O TAL NATAL SE RESUME A ISSO, A UMA GRANDE FESTA COMERCIAL, GERAL NEM TEM MAIS NOÇÃO DO QUE REALMENTE SIGNIFICA A DATA # E AS MUSICAS NATALINAS, EM GERAL, SÃO MUITO CHATAS # E AS PESSOAS FICAM COM A OBRIGAÇÃO DE SEREM FELIZES # E OS QUE ESTÃO NA MERDA FICAM AINDA MAIS INFELIZES COM O CLIMA DA DATA # ENTÃO, FELIZ CHANUKA!
Friday, December 07, 2007

Muzik...stops!


Morreu há dois dias, mas só foi divulgado hj a tarde, o extraordinario compositor/maestro alemão vanguardista Karlheinz Stockhausen. Ele tinha 79 anos. E todos que gostam de mogwai, battles, godspeed, tortoise e eletronica experimental devem tributo ao camarada.

Para se ter idéia da importância do cara, basta dizer que, sem ele, o Kraftwerk não existiria, como os próprios robôs germânicos sempre afirmavam. Stockhausen começou a experimentar com a música eletrônica desde os anos 40. Por isso, quando o Kraftwerk surgiu, seus discos se encontravam nas estantes de música clássica, junto com os de Stockhausen e companhia.

Tive a chance de ve-lo na unica vez em que veio ao Brasil, nos anos 90 (trazido por jocy oliveira), quando fez uma unica apresentação na Sala Cecilia Meirelles. Antes de morrer, ainda provocou polêmica ao comentar que os ataques de 11 de setembro "foram a maior obra de arte que alguém poderia imaginar". Depois disso, ficou proibido de se apresentar em Nova York, mesmo tendo se desculpado posteriormente.

R.I.P.
Wednesday, December 05, 2007

WINIFRED ATWELL É O QUE HÁ!!!


SE VC NAO A CONHECE, PROCURE, EMBORA ELA JA TENHA MORRIDO HA 25 ANOS!!! PLIM PLOM PLIMK TICKLETT VRUUMM...

Você já matou?...


...uma formiguinha, por exemplo? Pensei nisso hj, enquanto caminhava pela borda da laguna, me desviando das formigas trabalhadeiras que habitam por ali. Já identifiquei quatro tipos diferentes delas, embora existam mais de dez mil espécies diferentes (vc sabia-bia-bia?). Não gosto muito de matar, voluntariamente, bichinhos ou insetos. Por mais que seja aquele besouro bizarro que entra pela sua janela, prefiro pegá-lo com um papel e zunir longe. Já baratas...

Não que eu tenha qualquer parada cármica ou espiritual com eles (não acredito nem nesses lances de reencarnação ou em paraísos póstumos), mas acho que, já que a gente tá dividindo o mesmo espaço com estes seres (que chegaram primeiro que nós na área), pq não deixá-los desfrutar mais um pouco de sua curtísisma vida? Então, libere-os.

Mas, qndo criança, vi um gatinho se afogar num barril e não pude fazer nada para evitar. Só fiquei lá, olhando uns garotos maiores (que testavam se o gato nadaria ou afundaria) fazer a parada...
Sunday, December 02, 2007

Jessica vs Jessica vs Jessica

Ma babe e uma grande amiga nossa odeiam a Jessica Alba, sobretudo depois que a viram nos filmes do Quarteto Fantástico. Quando eu pergunto os motivos além deste (má atuação), enfileiram uma lista enorme. Mas a amiga, como eu, dá um voto para a Jessica Biel (essa, ma gal só sacou recentemente no filme "London"). Entre as duas Jessicas, todos só fecham com a Jessica Rabbit, mas essa é desenho animado do Roger Rabbit.

Minha opinião? Nunca "comprei" a Alba. Desde que ela apareceu naquela série fracassada, "Dark angel", que eu acho-a apenas ok. Como atriz, zero, mas como mulher, não jogava fora, claro. Aliás, o único filme dela mais aturável quase ninguém viu, "Dicionário de cama". E só. Ela me soa um bocado artificial, tipo uma garotinha teleguiada, que se garante no sorriso. Mas é um nome quente em Hollywood, garante a bilheteria dos fimes ruins que geralmente faz.

Já a Jessica Biel é breathtaking. A descobri no novo "Massacre da serra elétrica". Achei o papel horrivel, o final idiota, mas prestei atenção além da barriguinha sarada da dona. Desde então, entre um filme flop, como "Stealth", e outros, como um "Blade" (acima) aqui, um "O ilusionista" ali, ela vai levando. Ainda não teve um grande papel num grande filme, mas deve chegar lá (pelo menos, nota-se que ela tem mais talentos artisticos que a outra). E nem falei da Jessica Simpson. Mas essa é caso perdido.

*eu ja quis ter uma filha e botar esse nome, ate que uma novela das oito fez isso e acabou com meu sonho (sem contar que nao tenho filha :-))
Wednesday, November 28, 2007

Digitalismo


Imagino q a maioria dos coveiros já esteja familiarizado com as novidades tecnologicas digitais. Mas como tenho visto muita besteira dita e escrita sobre as transmissões da tv digital, aqui vão alguns toques para desfazer as pequenas duvidas (e aceito complementos, claro):

-Comprar uma tv de lcd ou plasma hdtv ready n quer dizer q ela capte transmissoes digitais. O ready significa q ela está pronta para receber imagens com maior definição (acima de 800).

-Só as tvs full hdd é q ja suportam sinais acima de mil e, algumas, ja tem conversores embutidos. Fora isso, será necessário ligar mais uma paradinha na sua tv, barata ou cara, tubo, lcd ou plasma.

-A rigor, as transmissoes digitais ja existem ha quase uma decada, atraves das tvs pagas via satelite, como directv/sky (q tbm sao interativas), so que a gente, em casa, recebia os sinais digitais, mas eles nao eram decodificados ao passarem para os nossos aparelhos de tv, nao compativeis. entao, a transmissao era digital, mas a recepção analogica (como ainda é, mesmo q vc use net ou tva digital).

-o sinal digital da tv aberta sera transmitido via uhf. ou seja, alem de vc ter o conversor (mais um trambolho pra ligar/plugar em sua tv, alem dos decodificadores de net/tva), vc tbm vai precisar de uma antena receptora de uhf digital, tanto interna quanto externa (se for o caso). mesmo se nao tiver tv por assinatura, tbm terá q usar o decodificador e a antena extra.

-e não precisa se afobar. a principio, apenas as imagens da tv aberta ficarao mais definidas (embora nem todos os pgms sejam transmitidos em hdtv, mesmo nos eua é assim), mas a interatividade ainda demora um pouco a vir. mas quem ja usa tv por satelite ou trocou para tva ou net digital ja tem essas imagens + limpas e recursos interativos, independentemente de tudo referente a tv digital aberta. Uma coisa é transmissão em alta definição (hd), outra é a recepção digital. nem sempre as duas coisas vem juntas. Vai levar tempo pra equiparar tudo...

*qndo o rádio digital chegar, tbm sera necessario mudar os aparelhos existentes. o q acontecerá, além do som + puro, é q poderemos ler os nomes das musicas na tela, q nem idtag de mp3.
Sunday, November 25, 2007

Não deu polícia

Ainda da série reminiscências, o comentário do Guarany sobre o Cure em 1987 (mesmo ano do show do Echo no canecão, boa safra) ter sido o primeiro show internacional dele no Brasil, me fez lembrar de meu primeiro, com o Police, também no Maracanazinho. Foi semanas antes deles estourarem nas radios daqui com "Do do do da da da", o grande publico nao os conhecia (so a galera alternativa e new wave), e eles so incluiram o brasil/rio na rota pq tavam filmando um video chamado "Police around the world" (ta passando um doc no HBO em que o Copeland fala que nem sabia em que cidade do mundo estava, era tudo so pra incluir no video e justificar). Lugar a meia-bomba, os fas la no gargarejo (a gente comprava ingresso de arquibancada e pulava pra pista, era alto!) e, no final, um amigo meu pegou as baquetas do Copeland, e Sting rasgou e jogou pedaços daquela indefectivel camiseta do The Beat, que ele usava nos clipes. Como sempre, o som do lugar era uma porcaria, mas a gente se divertia por estar começando a entrar na rota de shows, e ver o Police então era o equivalente a ver os Arctic Monkeys hoje em dia. Mas ainda não sei se vou querer reve-los no maracanazão, no bailão nostalgia...
Saturday, November 24, 2007

The truth about Mary


Na primeira vez em que o The Cure esteve aqui (entre 1986 e 87, não lembro bem), rolou uma coletiva no Rio Palace, no Posto Seis (que agora se chama Pestana, ou algo assim). Mais uma vez, fui lá de intrometido, já que ainda não trabalhava pro jornal, mas conhecia uma galera de imprensa, rádio e gravadoras, entre eles o Zé Roberto Mahr e o Antonio Carlos Miguel, hoje no grobo, que me deixavam entrar.

A coletiva corria com aquelas perguntas idiotas de sempre (pq o novo disco se chama wild mood swings?), até que eu e zé (que não podiamos fazer perguntas, já que éramos penetras), pedimos ao miguel para fazer uma perguntinha capciosa, quem era a tal mary de quem o robert smith tanto falava em letras e entrevistas? Mas, pra tocar um terror, pedimos pro mig perguntar quem era, se o tecladista lol tolhurst ou o baixista simon gallup. O mig, inocentemente, fez a pergunta, que nem precisou ser traduzida, pq robertinho sacou o sentido. Imediatamante ele encerrou a coletiva, rolou um mal estar, e todos sairam batidos.

Até hj, qndo lembro disso, rola um misto de vergonha e vontade de rir. Uns dez anos mais tarde estive cara a cara com smith na inglaterra, qndo o cure voltaria pro hollywood rock. claro que nem toquei no assunto dessa forma, mas perguntei sobre a Mary. Ele disse que ela tava no andar de cima da casa que eles estavam usando como estúdio (que ele dizia pertencer a Lady Windermere, personagem de um livro de Oscar Wilde, mas ninguem da imprensa brazuca sacou a referência). Mais tarde, soube que a dona da casa era a atriz Jane Seymour, a Dra. Quinn! Quanto a Mary, jamais saberemos da resposta (as vzs bob diz que é sua "irmã")...
Friday, November 23, 2007

He´s lost control



A maioria das pessoas só conheceu Joy Division depois da morte de Ian Curtis. "Closer", o doloroso álbum póstumo, foi quem espalhou a aura da banda pelo mundo. Eu mesmo comecei a ouvir "Unknown pleasures" praticamente dias antes do Ian Curtis morrer. Naqueles tempos tudo chegava aqui muito depois. O estranho é que, à distância, eu e meus amigos dark sonhávamos em ter aquela tristeza e usar aquele capote inglês, sem imaginar que, na real, a vida do cara foi miserável. Mas ficou a triste poesia de Curtis, uma das provas de que so dá para fazer esse tipo de letra/poema se vc realmente estiver vivendo o que escreve na carne. Não dá pra forjar sofrimento e dor.

Escrevo isso após ver "Control", o filme basedado em livro da viúva de Curtis, Deborah, que nos revela lados da vida de Ian que jamais imaginávamos. Não achei o filme excelente, apenas bom, apesar de direção segura de Anton Corbjin, o cara que moldou o visual do Depeche Mode através de seus clipes em sépia e p-b. Mas é um filme necessário e faz um contraponto com o que vimos em "24 hour party people", já que a carreira do Joy teve pouca cobertura devido a ter sido tão efêmera. Peter Hook disse em público, semana passada, que odiou o filme. Compreensível. Ele mostra o lado mais familiar de Curtis e meio que se resume a uma história de amor mal resolvida envolvendo um cara que não estava pronto para tudo o que aconteceu.

Não li o livro de Deborah Curtis (feita pela ótima Samantha Morton) para comparar com o filme. Mas, no fim, o filme serve pelo menos para nos dar mais alguns detalhes sobre a curta vida daquele cara que amava David Bowie, Iggy Pop e Lou Reed, que criou um estilo até hoje imitado por bandas e performers no mundo todo. O belo nisso tudo é que, podem copiar a estética, mas nunca terão realmente a essência...

Lista de desejos

Bom, o ano já está acabando, agora tudo acontece só depois do carnaval (as coisas que acontecem entre agora e o carnaval eu abomino).

Então, que tal fazer uma lista de desejos de bandas e artistas que gostariamos de ver em terras tuipiniquins em 2008 (mesmo que a maioria chegue aqui como refugo de festivais que acontecem na argentina e no chile). eu começo e vcs continuam:

-Muse (deve ser o melhor show ao vivo de uma banda atual)
-Garbage (nem que seja a turnê de despedida, qualquer coisa)
-Justice vs Simian, ou qualquer das duas combinações
-System of a Down (antes que acabe)
-Radiohead (parece que, finalmente, virão em 2008)

Bis: White Stripes, NIN, PJ Harvey, Mars Volta, Chemical Brothers, Qotsa, Depeche Mode...
Monday, November 19, 2007

Do coxy ao cérebro

Carl Cox é o cara. O DJ mais gente fina do mundo continua igualzinho a última vez em que estive com ele ao vivo, no Ultimate Base, em Londres, final dos 90s. Por conta disso, pedi pra ele repetir uma foto na mesma pose em que tirou comigo lá no clube londrino (que não existe mais, foi comprado pela companhia do metrô, ele contou), mais meu broder Gordy Wolverine, que esteve comigo na mesma viagem e com quem fiz a rota dos clubes na época (ficamos uma semana dormindo tipo 4hrs por dia e saindo direto toda noite!). A pose foi no clube 69, nesta segunda, em Ipanema, onde rolou a private de lançamento da festança que ele fará sexta 23, no Vivo Rio. Coxy aproveitou e fez um set de hora e pouca, dando uma geral em todos os estilos e mostrando que DJ se faz na hora, ao vivo, sem essa parada de final scratch e serato, que é pra quem não se garante nas pick-ups, mesmo que seja uma moderna mk-II para CDs, que foi o que ele pilotou, aliás, com maestria...
Saturday, November 17, 2007

LSD Sound, sista!


Us V them, over and over again! The time has coming. Yeah yeah yeah yeah yeah yeah yeah! It´s time to get away... from here. We are the south america scum! All my fiends knows abou this. E o LCD Soundsystem abalou a Lapa como um LSD trip system de disco-punk e rock beats...

Bom, não teve sound of silver, nem disco infiltrator ou the beat connection, mas tribulations rolou e someone great is gone quando tudo acabou. LCD I love and you don´t bring me down. Nem o som do circo. Mas o som do silver ficou no ar e james murphy e sua banda tocaram em my house com uma human beat box de primeira, uma oriental e dois caras bacanas do !!! Shake shake shake?

Po, Bjorka foi bacana naquela tenda abafada do team/teen, mas LCD valeu mais do que todo aquele festival de poseurs. Não lotou, mas só tinha fãs, neguinho cantando as musicas em corinho, fraternalmente, roda de mosh, uma loura meio vagaba e bebada fez stage dive e tudo rolou na paz, com Murphy bear comentando no fim: vcs foram a platéia mais quente da turnê. Uau!
Thursday, November 15, 2007

Deu no jornal...



...Que o gás natural GNV vai aumentar e pode até faltar. Isso depois que um monte de gente (principalmente taxistas) gastou uma nota preta pra fazer a conversão dos motores. Dá pra acreditar em alguma coisa dita pelos poderes publicos aqui (lembram-se do carro a alcool?)

...Que vão proibir distribuição de panfletos e todo o tipo de coisas que te vendem ou empurram nas esquinas dos sinais de transito. Mas, peraí, não era preciso antes proibir a presença de menores abandonados jogando bolinhas e pedindo dinheiro em baixo de chuva? Isso é imoral.

...Que o caos aéreo vai piorar (uma redundancia) no feriadão e eles vão tentar fazer uma nova malha aérea pra evitar transtornos. Vem cá, pq não repetem a malha como era antes do caos, incluindo as rotas feitas pela Varig, que era o que mantinha nossos aviões na linha?

...E um estudo revela que caiu o nível de pobreza na América Latina, isso porque, quem ganhava 80 contos por mês agora ganha 81, e assim passou da linha da indigencia absoluta para a pobreza remediada. Parece piada. Manda um pesquisador viver com essa merreca. Não dura um dia.

Falem sério, por favor! (*cliquem na ilustração para surpresa)
Tuesday, November 13, 2007

Feliz 2008

Tecnicamente o ano já acabou. a partir de agora vai ser uma enrolação só para chegar logo as festas e ai neguinho ja vai emendando direto um feriadao no outro ate o carnaval.

sendo assim, ta na hora da gente começar a postar as nossa listas de melhores do ano (seja la do que for). vou começar com alguns discos e depois vou inserindo mais coisas...

sons:

-sound of silver, lcd soundsystem
-chromophobia, gui boratto
-myths of near future, klaxons
-icky thump, white stripes
-era vulgaris, qotsa
-neon bible, arcade fire
-cross, justice
-our love to admire, interpol
- myth takes, !!!
- CSS (a versão gringa)

visuais (cine/tv):

-planeta terror
-the king of kong
-real time with bill maher
-chelsea lately
- a vida dos outros

gigs:

- LCD (circo)
-interpol (nyc)
-bjork (tim)
-CSS (terra)
Thursday, November 08, 2007

Lo$ Muerto$



O dia de finados já passou, mas dois cadáveres do rock americano nunca saem de cena: elvis (que, tecnicamente, não morreu) e kurt cobain. O segundo ultrapassou o primeiro em termos de direitos autorais póstumos. O atormentado Cobain vale mais morto do que vivo. E quem se deu bem nessa parada toda foi a viúva, Courtney Love, que cuida de todo o espólio e não precisa fazer mais nada na vida, nem gravar mais discos, só cuidar do botox e da filha Frances Bean.

Outro cadáver que começa a valer cada vez mais é o de Ian Curtis, do Joy Division, que tá virando a banda do momento outra vez. Como Kurt, sua vida tbm virou filme, Control (exibido na mostra de cinema). Mas saiu hj na imprensa inglesa que a viuva dele, Deborah, nao gostou nada do filme (que é baseado num livro escrito por ela). Opinião compartilhada por Peter Hook, do New Order, que recomenda aos fãs o doc "Joy Division", feito por um cara que já trabalhou com Radiohead naquele doc "Meeting people is easy". Hj mesmo vi uma pat com uma camiseta do Joy Division toda customizada com detalhes glam. Whattafuck?

Por aqui quem rende alguns caraminguás a sete palmos são cazuza e renato russo. o primeiro ja virou filme (ok), e o segundo, uma boa peça musical que ainda está rodando por aí. O que eu nao entendo em todos estes casos é que, qndo essa galera tava viva e era novidade, em geral era execrada pelo publico (bom, elvis virou pop logo), chamados de viados, malucos e drogados. Parece que certos artistas so ganham respeito depois de defuntos. Tomara que Lobão demore a bater as botas. E cassia eller? Apesar dela ser talentosa, no fim, virou um clichê ambulante do rock. e até morreu assim...
Wednesday, November 07, 2007

Dia e noiterréia

Outra historinha bizarra envolve o Rod Stewart. O cara já tinha estado aqui e feito um show com a praça da apoteose lotada. Virou tipo o queridinho da vez. Então, o prefeito do rio (nao sei quem era na epoca, devia ser o alencar) chamou o escoces pra fazer um show na praia de copacabana, em pleno reveillon. Claro que o ex-coveiro topou. Rio no verão, mulé, samba e futebol (e $$$).

Acontece que, na vespera e no dia, mesmo com aquele calorzão, Rod (vara?) encheu a cara de caipirinha e comeu feijoada a rodo. Resultado: bateu uma diarréia, caganeira, rosca solta braba no camarada. O que fazer? Cancelar o show? Que nada. Rod se entupiu de pepto-bismol e foi lá e mandou ver. Mas, no intervalo de cada música, ia no backstage e chamava o raul num balde. Ele até trocou de roupa (pô, usava calça branca!). E assim conseguiu dar o seu recado.

Anos depois encontrei o ex-faces num restaurante em Londra, mas ele tava cercado de louras e seguranças. Deu vontade de perguntar se ele se lembrava da caganeira tropical (rs)
Tuesday, November 06, 2007

NIGGA MY ASS!

Nao sei pq, me lembrei de um momento do passado, qndo fui na coletiva de James Brown, numa das vzs em que ele esteve aqui. Nessa epoca eu n trabalhava pro jornal, mas qndo sabia q ia ter alguma coletiva me infiltrava via amigos ou na careta mesmo (foi assim, p ex, que penetrei na coletiva do kiss, no caesar park). acho q vi na tv uma tradução fora do contexto e me lembrei do ocorrido.

foi mais ou menos assim: a coletiva (no velho hotel nacional) tinha tradução instantânea. uma dona de oculos, com cara de professora, do lado do godfather do soul, translava as frases pra ele, que respondia de volta. tudo ia bem, ate q uma pessoa perguntou sobre a questao dos negros etc e tal, e a tradutora mandou na lata para james brown: ta ta ta ta ta NIGGA bla bla bla. Cara, mr dynamite ficou branco, quase socou a dona (coisa q ele fazia bem, foi boxeador) e saiu batido. Rápido panos quentes, tiveram que explicar pra ele que no brasil nao era pejorativo usar o termo negro e a dona se confundiu. Correção feita, the hardest workman of show business voltou para a mesa e, com nigga mudado para black people, as coisas continuaram, mas o clima mudou totalmente...
Saturday, November 03, 2007

Resumo...

Quando o tunel fechou vimos que somos uma cidade nao preparada para esse tipo de caos, justamente pq nao temos um sistema de transportes publicos decente (ou seja, um bom metrô). Por outro lado, isso fez com que as pessoas andassem mais a pé, de bike, dividindo carona ou de onibus, o que prova que nao é preciso tanto carro nas ruas, ainda mais na nossa apertada urbe.

Ai vem a comemoração pq a copa de 2014 vai ser no brasil. comemorar o q, se eramos os unicos concorrentes a sede? ai vao um bando de politicos em trem da alegria pra suíça, esquecendo de tudo por aqui. e qndo chega a hora de discutir verbas pra saude e educação, é a maior briga, mas nao serao poupados esforços e dinheiro para fazer da copa um megaevento. pobre brasil.

E, muito tempo depois de constatado, mas deixado na encolha, o povo descobre q vem tomando leite longa vida "vitaminado" com todo o tipo de ingredientes secretos. agora, imagine o q mais nao rola por ai com todo o tipo de adulteração. fazer o q, comer e beber so o q produzirmos?

E ai mais um idiota morre numa festa de musica eletronica e as otoridades e midia dao mais destaque para o fato de ser uma rave, de tocar e-music. como se a culpa fosse da musica, nao do idiota que vai nesses lances (como iria numa micareta, pagode ou show de rock) so pra se drogar e nem isso sabe fazer direito (foram-se os tempos em que os gra-finos cheiravam cocaina em bandejas de prata no copacabana palace, como lembrava paulo francis). Waaalll....
Friday, November 02, 2007

NADAVÊ!


O cinema brasileiro nunca conseguiu fazer um filme de tematica adolescente decente. A tentativa mais recente é "podecrer!", q estreia hj. Pelo nome, parece um filme de hippie, ne? Mas é sobre uma galera da zs no começo dos anos 80 (apesar de escapar algumas girias que so surgiriam mais recentemente, tipo caiu a ficha e fala sério). O que me irritou mais no filme foi que os playbas usam camisa do clash e dos ramones (nenhum play da zs na epoca sacava essas bandas, fora a galera do skate, posso dizer isso na boa pq andava com essa galera, e quem usava ouvia punk e new wave), mas tem uma banda que toca rock tradicional, nadave com punk rock ou o som novo da época!

Qndo o filme acabou, caiu a minha ficha: ele repete toda a estrutura narrativa do melhor filme teen do cinema americano, "fast times at ridgemont high" (aqui, picardias estudantis!), que se passa justamente em 1982, na california. O segundo melhor é "Dazed and confused" (ambos na foto). E, por aqui, um que chegou perto da perfeição foi "Menino do Rio", que é realmente dos anos 80, e o mais recente "1972", que infelizmente poucos viram (mas ta saindo agora em DVD). mas esse podecrer! é fraco (só os atores principais salvam), nao emociona. Ainda não foi dessa vez que o cinema brazuca atual fez um bom filme teen.
Thursday, November 01, 2007

ELECTRIC HEAD


...É O NOME DA FESTA/PROJETO QUE EU MANTENHO DESDE A PRIMEIRA METADE DOS ANOS 90. PRIMEIRO, COMEÇOU COMO UM SITE, JÁ EXTINTO, POR VOLTA DE 1994 (O SITE DUROU UNS CINCO ANOS, COMEÇO DA INTERNET, TUDO ERA DIFERENTE DE HOJE). JÁ A FESTA, APÓS ALGUMAS EDIÇÕES ITINERANTES POR CASARÕES EM BOTAFOGO A PARTIR DE 1995, DEPOIS GANHOU POUSO FIXO NO ENTÃO IMPORTANTE CLUBE BUNKER, EM COPACABANA, DE SAUDOSA MEMORIA.

A E-HEAD RESIDIU NA SALA 2 DA BUNKER DE 1997 (QNDO A CASA ABRIU) ATÉ 2005, JÁ NA DECADENCIA DO LUGAR, QUE FOI ENTREGUE A INCOMPETENTES (A GALERA PRO SAIU, E UMA PARTE ABRIU A FOSFOBOX). FORAM OITO ANOS, SEMPRE AS SEXTAS, NO AUGE DA CENA ELETRONICA CARIOCA, COM TECHNO CLASSIC, ELECTRO RETRO, PROG TRANCE E HARD HOUSE, BASICAMENTE, REVELANDO VARIOS DJS LOCAIS (ALEXEY, KMILLA, RAVE GIRL, JAY B) E ABRIGANDO DJS GRINGOS, QUE EU CONHECIA PELO SITE (TEVE GENTE DO CANADÁ, ALEMANHA, ISRAEL E LONDRES QUE VEIO TOCAR COMIGO ASSIM, INCLUINDO A DUPLA ANALOG PUSSY E PACOU.

ISSO TUDO SO PRA DIZER QUE A E-HEAD VOLTARA A TER UM POUSO FIXO, UMA VEZ POR MES, SEMPRE JUNTO COM A FESTA QUEBRA TUDO DA KMILLA NA FOSFOBOX. CONTUDO, A ESTREIA SERA AMANHA (2/DEZ), NA NOITE MILIMETRICA, POR CONTA DE DATAS DE ZIGGY PREVIAMENTE AGENDADAS. A PARADA COMEÇA CEDO, PQ AGORA A FOSFO ABERAS DEZ, POR CAUSA DO BAR, E ROLAM UNS FILMES NO TELAO ATE UMAS ONZE E TAL. A PARTIR DAI, E-MUSIC PARA QUEM CONHECE: CLASSICOS DO TECHNO E TUDO O QUE NAO FOR FAROFA. SE PUDEREM, APAREÇAM...
Tuesday, October 30, 2007

ROCK-SE!


NESTA QUARTA-FEIRA, 31 DE OUTUNRO, NO CLUBE 69 (QUE FICA EM CIMA DO BAR DEVASSE DE IPANEMA, NA ESQUINA DE PRUDENTE DE MORAES COM FARME, NA QUADRA DA PRAIA) ESTREIA A NOVA FESTA DE JOSE ROBERTO MAHR, A ROCK-SE!

EU E O TITO DA PARADISO (CASA DA MATRIZ) SEREMOS OS CONVIDADOS DA ESTRÉIA E, POR ISOS, O ZÉ ME LIBEROIU UMA LISTA DE CONVIDADOS, DE DEZ DA NOITE A UMA DA MANHÃ, QUE ENTRARÃO NA FESTA SEM PAGAR E AINDA TERÃO DIREITO A BEBIDAS LIBERADAS DURANTE O COQUETELKD E LANÇAMENTO.

MAS, PARA ISSO, OS INTERESSADOS TERÃO QUE DROPAR OS NOMES AQUI NESTE POST, ATÉ A QUARTA-PFEIRA, AO MEIO-DIA, PARA QUE EU REPASSE A LISTA PARA O ZÉ, QUE FICARÁ NA PORTA. QUEM CHEGAR DEPOIS DE 1AM PAGA R$ 15 E NAO TEM MAIS BEBIDA LIBERADA, PQ O COQUETEL JA TERA SE EN CERRADO. CAPISCE?

*os nomes nao aparecerão no post, mas quem disse que vai já está na lista, ok? a lista fecha às 16h de hj (quarta)
Sunday, October 28, 2007

tim, noite 2


JULIETTE & THE LICKS = no que pese o fato de Juliette ser uma ótima performer e recitar direitinho a cartilha dos clichês do rock, sua banda é apenas ok e as músicas são monótonas e parecidas com o rock farofa dos anos 80. Qualquer banda de bar no US toca igual. Se naquele palco estivesse o Garbage as coisas teriam sido muito melhores, sem duvida.

THE KILLERS = show grandioso como os americanos sabem fazer, realçando a cafonália de Las Vegas com o lado mórmom de Brandon Flowers, que parecia um pastor. Nota dez na produção, mas fica aquele sentimento de algo burocrático. Flowers (e suas flores), ao vivo lembra o extinto Freddie Mercury. Na volta pro bis, uma versão alegrinha demais para "Shadowplay" do Joy Division (que está na trilha de "Control"). Mas as músicas do primeiro disco são melhores. E o Muse, também.



CRAIG ARMSTRONG = o maestro do massive attack fez um set atmosférico e com clima de chill out, q as vzs virava um electro de pista e acordava o povo (que só vai nessa tenda pra aparecer e bater papo). mas, qndo tava ficando bom, acabou, justamente pela falta das cobra killer, que nao vieram. se tivesse um hype em cima enchia. O lance foi voltar depois pro Spank Rock e GirlTalk, que botaram fogo na cool.
Saturday, October 27, 2007

tim, noite 1



BJÖRK = o primeiro tim no mam fechou com um maravilhoso show de bjork com 808 state numa tarde de domingo. depois, ela voltou para um show anti-climatico no metropolitan. e, agora, na marina da gloria, fez uma apresentacao fantastica. nao tao boa qnto da primeira vez, mas sempre surpreendente. Bjork é índio e alien ao mesmo tempo, mixa muito bem terra e tecnologia sem q vire aquela coisa chata de musica experimental étnica. sempre vale a pena.

HOT CHIP (foto2) = se o devo fosse ingles é fa do new order teria virado o hot chip. os rapazes ingleses são muito melhor ao vivo do que no disco, quase uma versao tosca de kraftwerk com ecos de synth-pop dos anos 80. e se garantiram tocando logo os dois unicos hits (boy from school e over & over) e fecharam o set com duas novas musicas novas e longas, citando "temptation" do new order na primeira, e "when doves cry" do prince, na segunda. cade o rock? ta no chip quente.

ARCTIC MONKEYS = parece q a ficha ainda nao caiu para os garotos do interior da inglaterra (sheffield). os caipirinhas estavam visivelmente chapados coma reação do publico. alex turner mal acreditou qndo abriu uma roda de mosh em "when the sun goes down". uma coisa é ver moleques nos festivais de verao europeu. outra, ver sulamericanos, brazucas, fazendo o mesmo, e entoando melodias de estadio de futebol pros ritmos das músicas. show de bola, show de show, banda afiada, igual ou melhor que nos discos, curto e certeiro. tomara que eles nao caiam no deslumbre da fama, se droguem e acabem mal. é a maior menor banda do momento. e a gente teve a sorte de ve-los assim.


Thursday, October 25, 2007

A volta dos freaks & geeks


No começo dos anos 90 existiu uma serie sensacional chamada "Freaks & geeks " (já fiz post disso aqui qndo a caixa de DVDs com todos os eps saiu, infelizmente nao no brasil), que nao deu certo. Era boa demais pra TV aberta. Mas seu produtor/criador, Judd Apatow, esperou a galera daquela safra crescer, e, enquanto ganhava dinheiro estourando Steve Carell, desabrochou os freaks e geeks dele, que agora estao revolucionando a comedia para jovens adultos.

Além do "virgem de 40 anos", outras duas produções de Apatow criaram os parâmetros para a moderna comédia dos anos 00: "knocked up/ligeiramente gravidos" e "superbad", ambos em cartaz na cidade. Nestes filmes, Apatow usa parte da galera que se revelou em f&g, como o seth rogen (que esta nos tres filmes) e mais alguns do elenco secundario. Rogen, alias, é um dos roteiristas de "Superbad", baseado em memorias da adolescencia do proprio. Ele seria aquele tipo gordinho, mas, como ja tava alem da idade pra isso, aparece no filme como um dos policiais pirados. O texto do filme é excelente.

Foi mais ou menos assim que aconteceu com a gente, fora o fato de que aqui é fácil de se conseguir birita, sem perrengue...
Monday, October 22, 2007

Tim ou Terra?

Nesse finde chega o Tim Fest 2007 ao Rio. Só que, se vc quiser ver Bjork (com Antony & The Johnsons), Killers (com Juliette & The Licks) ou Arctic Monkeys (com Hot Chip) terá que pagar um bilhete unitário de R$ 180 para CADA, ou a metade, se tiver carteira de estudante. Já em SP, onde dizem, que a galera tem mais grana e vai a tudo qnto é show, paga-se apenas um preço único pra ver essa gente toda (menos Antony), acho que cerca de 150 contos. Ou seja, dá pra ir a SP de buzum e voltar e ainda assim vai se gastar menos do que vendo tudo aqui no Rio a pé.

Aí, uma semana depois tem o festival Planeta Terra, em São Paulo (ah, paulistas, compensados com tantos shows legais em troca da poluição constante e do triste e sujo Tietê) com Lily Allen, Kasabian, Devo, CSS, datarock, Devo, Vitalic e outros, tudo isso por um preço só, menos que uma entrada de Tim aqui. To pensando em ir pra Sampa no meio da semana que vem pra já pegar os Chemical Brothers e esticar até o Terra, aproveitando pra visitar uns amigos nos dois dias entre um e outro. É um lineup que me agrada mais, em termos gerais. Quem ai vai fazer igual?
Saturday, October 20, 2007

vivemos em loop

Sempre que se está de férias, longe de sua realidade, qndo a gente volta sente um baque. ele é maior ou menor de acordo com sua idade ou lugar visitado (ja quis abandonar tudo sem olhar pra tras meia duzia de vzs). só uma coisa não muda: voltar e notar que, por aqui, nada muda, absolutamente, em uma semana ou 20 anos (bom, antes do real a moeda local mudava quase toda semana). apesar do tamanho do país, o brasil é regido basicamente pelo que a rede globo mostra. saiu no jn, é verdade inquestionavel. os jornais e revistas dao manchetes para fatos novelescos como se reais fossem. por mais que os sopranos fizessem sucesso nos eua, a serie jamais sairia com chamada de capa no ny times, p ex. afinal, aquele é um jornal serio. ja nosso pais, nao. ai, a gente pega o jornal e sao sempre as mesmas noticias: politico roubou, menor matou, o escandalo tal estourou, so que, no fim, nenhuma das partes paga pelo crime e dai a algum tempo eles se renovam e se repetem. e a vagabunda do mes na playvaca sempre rende fotos e comentarios em toda parte, como se importancia tivesse. entao vem o futebol e parece ate coisa de aposentados falando de previsao do tempo, nada muda e tudo fica igual. no fim, vivemos numa provincia, num mundinho, onde 90% das pessoas so tem os mesmos tres assuntos para conversar e te acham estranho caso vc nao tenha um time ou veja novela. caramba, ha todo um mundo la fora! por isso, hj mal tenho meia duzia de amigos e vivo quieto. vcs aqui sao os meus amigos mais proximos e presentes com so quais converso, e que se manifestam de forma menos idiotizada. no fim, o intelectual é o meu cão, que em sua santa ignorancia ta cagando pra tudo isso. e eu vou atrás e limpo a caca, é claro (rs)
Wednesday, October 17, 2007

NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!!

NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!! NÃO COMPREM NADA NO SUBMARINO!!!

*to quase um mes tentando trocar um lance que veio com defeito e esses putos ainda nao me atenderam, ficam no jogo de empurra, duas semanas so pra conseguir fazer contato (impossivel por telefone, quase impossivel por email), nao trocam, nao cancelam, nada. ja fiz troca por site americano q levou menos tempo. entao, se vcs nao quiserem se aborrecer, FUJAM DESSE SITE, É O PIOR DO BRASIL!!!
Tuesday, October 16, 2007

troca-troca

Lembram-se de quando éramos guris (levando em conta que a maioria dos coveiros estao ja na casa dos 18 anos +) e juntavamos tampinhas, caixas ou bagulhos do tipo para trocar por algum brinde? uma de minhas coleções favoritas foi a de garrafas miniaturas de coca-cola, que vinham com o logo de cada pais (cocas arabes, gregas, japas etc). a gente juntava um numero tal de tampinhas, esperava passar o caminhao ou ia nalgum posto de troca (tipo uma padaria) e, sem dar nenhum puto em volta, levava pra casa um case com 4 ou 6 garrafinhas. cool...

pensei nisso pq notei q, hj em, dia, nao se ganha nada em troca de nada, tem q pagar. vi um anuncio do jornal lance, que da uma replica da camisa que pelé usou qndo fez o gol mil. mas, pra levar, tem q juntar trocentos selos, q saem diariamente no jornal, e ainda dar mais uns 20 contos pra poder ter a tal camisa. e os brindes atuais da coca, da elma chips e similares sempre pedem grana em troca, nao sao mais gratuitos. ou seja, alem de vc consumr o produto ou pagar pra ter algum selo, ainda por cima tem que dar um plus. Isso pra mim é picaretagem...
Monday, October 15, 2007

Lixo de luxo


Por incrivel que pareça, sairam uns cds bons por aqui essa semana: os novos do Hard Fi e Ash, o primeiro do Justice (esse me surpreendeu) e a coletanea do Garbage. E semana que vem sai aqui, finalmente, o novo do LCD Soundsystem, provavelmente pq a banda ta vindo tocar cá.

Confesso que nutro grande apreço pelo Garbage, uma das últimas bandas com um(a) bandleader com alto poder de carisma, nao só pq soy macho e a shirley manson é um pedaço de mulher. Já perdi shows da banda por duas vzs, por chegar na cidade na véspera. Um deles foi a primeira gig do garbage em londres, no astoria, em 1995. sold out, claro. desde então, espero a oportunidade de ve-los, aqui ou lá fora (tenho uma amiga q ate ja trabalhou com eles no making of de um clipe). agora as chances são menores, pq a banda tá meio se fragmentando, vem ai um solo da shirley e coisa e tal. mas, quem sabe, com a saida do cd best of eles nao resolvem fazer uma turne e pousar finalmente por aqui? vale lembrar que o primeiro disco do garbage beira a perfeiçao, pq todas as musicas são boas. tanto que cinco delas estao na seleção do best of...

up & down

poizé. como o guarany comentou no post abaixo, a gente aqui falou muito dos downloads, mas nao tanto do conteudo, de dois dos mais baixados itens do momento, o filme "tropa de elite" e o novo disco do radiohead, "in rainbows". eu já começo respondendo ao nosso amigo em oz: nunca fui tao fa assim do radiohead, nao. mas adoraria ver um show da banda. na epoca em que eles lançaram os melhores discos, anos 90, eu tava mais na eletronica e gostava mais do primal scream. mas ouvi "ok computer" e achei um discaço. e, antes disso, adorava "freak". e, sim, gostei do novo disco, embora ele nao seja a obra-prima que todos esperavam.

já sobre "tropa...", vi antes baixado, como metade do pais, mas revi no cinema. achei a mesma coisa, nao mudou nada, so o fato de ter a porrada na cara de forma maior. nao acho o filme fascista, ate pq ele nao toma partido nenhum, so narra os fatos. tbm nada tenho contra mary jane (pra mim, pior é ver criança nas ruas), mas é inegavel q a q rola na zs vem dos morros da regiao. e ai, sim, quem usa ta bancando trafica, assim como a grana do videogame pirata q a gente compra no camelo acaba na mao de algum mafioso chines. a n ser q se plante ou se copie em casa. o fato é q o caos criminal/social q rola na cidade ta fora de controle e pra botar isso no lugar vai levar tempo. o bope é só uma gota no oceano. a responsa é nossa...
Monday, October 08, 2007

Metaaaalll!!!


É praticamente impossivel para um garoto na casa dos 13, 15 anos, passar incólume pelo heavy metal. Apesar de meu background ser punk/goth, tive minha fase heavy em paralelo, ouvindo muito motorhead, maiden, girlschool e judas. Depois tive uma fase forte com Metallica, Anthrax e Megadeth, sem contar Suicidal, q era mezzo punk, mezzo metal. O sentimento headbanger me voltou após assistir ao excelente doc "Metal: a headbanger´s journey", que tá em cartaz numa sala do Unibanco Arteplex. Ele foi feito pelo headbanger e antropólogo canadense Sam Dunn (na foto, na Noruega), e, por isso, não tem bullshit. O cara cresceu batendo cabeça e, usando de sua profissão, viajou parte do planeta e entrevistou os principais ícones do gênero para tentar explicar o que faz do heavy metal um som tão querido pelos moleques (e tão odiado pelos pais e otoridades), e que, mesmo fora da mídia, nunca sai de moda. Eu diria q isso tem muito a ver com testosterona e rebeldia, inerentes a quem é teen e macho. E só quem já rodou no mosh sabe a sensação de liberdade, de soltar os bichos, de fúria que existe lá. No fim das contas, o hm é saudavel para os kids. melhor do que extravasar essa raiva em casa, na escola, nos outros. É a melhor válvula de escape, melhor do que terapia. Assista ou baixe, pq ja tem no isohunt...
*pra quem n sabe, essa parada dos dedos em chifrinhos foi introduzida pelo dio, baseado no q ele via a avó italiana, e ultra religiosa, fazer com as pessoas estranhas na rua (rs)
Sunday, October 07, 2007

Glasto não tá gasto


Essa semana as TVs por assinatura andaram exibindo programas sobre festivais musicais que rolam anualmente no verão inglês. A TNT passou trechos do V Festival deste ano (que rolou ha uns dois meses). Este botei pra gravar e verei depois. O problema é que na TNT os programas passam com som mono e com intervalos. É a TV aberta do cabo. Mas ontem, depois de chegar do prantão do grobo (onde estou agora enqnto digito), assiti na HBO a "Glastonbury". Primeiro, achei se tratar de mais uma coletânea do famoso festival. Mas, na verdade, era um fabuloso documentário dirigido por Julien Temple (que já fez clipes do Cure e assinou o filme-manifesto "The great rock´n´roll swinddle", dos Pistols). Ele não só traça os 30 anos do festival, como o faz de uma forma absolutamente diferente do formal. Temple começa falando do lugar onde rola o festival, no Vale de Avalon, ao lado de Stonehenge, onde, supostamente, estaria enterrado o rei Arthur da lenda de Excalibur. Daí em diante trata do tema de forma mágica e poética, com trechos de músicas entrando de acordo com a época enfocada e com o tema do segmento (com raros filmes caseiros dos anos 70 pra cá). Ele tbm dá espaço pro dono do festival, o fazendeiro Mike Eavis, se expressar, sem chapa branca. Pode-se dizer que Glastonbury (ou Glasto, como os brits o chamam) é o festival quitenssencial do planeta, não é para amadores, e o único ainda onde se encontra hippies e malucos de verdade, embora ele hj já esteja um tanto sanitizado. É como Brigadoon, a mística cidade que só aparece uns dias a cada tanto tempo. Provavelmente, este é o melhor doc sobre um festival musical já feito, muito mais revelador do que "Woodstock", p ex; que, aliás, anda sendo exibido em versão restaurada e completa num dos canais Cinemax.
*alguem ai ja foi no glasto ou em algum grande festival europeu?
Thursday, October 04, 2007

Notícias do mundo bizarro


Como disse o Vida Fuleira num comment do post abaixo... Aproveito para dar mais algumas: perto aqui do grobo, na saída do túnel que fica ao lado do O Dia, tem um daqueles típicos acampamentos de mendigos. Só que, para demarcar terreno, vejam o que o dono do pedaço escreveu num imenso cartaz num papel branco: PROIBIDO CAGAR AQUI!

Hoje dei a minha primeira flanada pela cidade após a volta da ilha do norte. E notei uma coisa que já sabia, mas que já tava, literalmente, entranhado no meu cotidiano. Não se pode andar em nehnuma rua do centro do rio sem sentir o inconfundivel cheiro de urina. Mija-se em toda parte, a toda hora, de todo jeito (e, pelo que ja vi em livros de historia, é uma tradição local, já se mijava assim nos tempos do império). Meu cãozinho faz o mesmo na rua do meu bairro (o cocô eu cato), mas é pra marcar território. E ele não tira o pau na frente de senhoras, só levanta a perninha, discretamente. Já aqui, os marmanjos sacam a pistola na maior, seja dia ou noite, passando gente ou não, e demarcam todas as paredes das ruas da cidade. Não se pode andar perto dos prédios do centro velho sob o perigo de ficar fedendo a urina. Terceiro mundo? Latrina!
*qual a opiniao de vcs sobre o assunto?
Thursday, September 27, 2007

State of Empire



Pra fechar a semana de posts sobre manhatã/new amsterdam/new york, alguns tópicos:

1-entre os passeios q n fiz (e n faria) está uma tour com o verdadeiro Kramer (de Seinfeld) pela bagatela de $ 37, 50. Ela dura 3hrs e passa pelos points q inspiraram a serie (q era gravada em los angeles, em cenarios). ha tbm o tour dos Sopranos, um pouco mais caro, mas q inclui uma pasta sciutta no final. mas como fui a new jersey, fiz parte daquele caminho q tony faz saindo do tunel. ver manhattan do outro lado da poça é bem mais bonito q a vista do rio a partir de niterói, pq parece q vc ta vendo um cenario sci-fi e ainda pega a lady liberty pelas costas.

2- a galera da ilha nao remoe o 11 de setembro. tava la na data e notei q a cidade ja deu a volta por cima. a cerimonia na tv deve ter sido mais vista por aqui do q por la, vida que segue. mas a cidade e a galera local está bem mais amigavel depois do funesto evento, for sure.

3- só seremos uma civilização qndo tivermos um metro q realmente funcione, como os de ny, londres e paris (daqui ha uns 500 anos?). como é bom se locomover para toda parte rapido e seguro pelo underground (fui ao brooklyn e cruzei a ilha varias vzs assim). toda vez q pego um bus aqui e vejo o caos nas ruas bate uma depre. isso tira ate o animo das pessoas no dia a dia. aqui tem muito carro e toda a malha de transprte urbano esta mal tramada. shame total. vc sai muito mais assim, a qq hora, chova ou seja noite, pq é mais pratico e democratico.



4-ja tinha comentado aqui da ultima vez q la estive, mas o east village ja era de vez. tirando umas lojinhas na bleeker e st. marks (tipo kim´s, sounds, trash & vaudeville), tudo foi tomado por starbucks. e tem a tal cbgb fashions, loja q me recusei a entrar. parece butique de ipanema. so em williamsburgo, no brooklyn (teve show do bonde do rola no sabado, mas era o mesmo dia/hora do simian), ainda resta um pouco do clima under original de ny. por outro lado, os clubes e points para shows voltaram a abrir e a agenda ta bem mais agitada. uma semana la vale por uns dois ou tres lineups de tim festival. e nada se compara a poder andar na rua a qq hora dia/noite, levando o q for, e se sentir realmente livre. num sat nite sai de uma festa no soho, atravessei little italy em pleno dia de sao genaro (parecia o parque shangai, na penha, tinha ate a mulher gorila!)), sai em chinatown e peguei o metro na boaça, numa rua escura). a gente daqui leva uns tres dias pra se acostumar a isso e volta querendo andar assim no bairro, mas logo bate a nóia de sempre.

é isso. amo o rio, mas a gente aqui vive sempre on the edge, nao pode relaxar ou dar mole...

Tuesday, September 25, 2007

Ripley vale replay


Qndo se faz turismo, inevitavelmente se cai em armadilhas. Em NY, p ex, existem algumas, tipo o passeio a estatua da liberdade (q nunca fiz) ou subir ao topo do empire state. ja fiz este ultimo num verao e foi dose, embora ver manhattane arredores do alto seja de tirar o folego. nao recomendo a quem tem claustrofobia, pq leva mais de 40mins pra chegar até o topo (filas, dois elevadores, mais filas) e periga vc pegar um turista frances com todo aquele cecê, como rolou comigo (rs). mas um passeio bizarro, q adiei por anos foi visitar o odditorium do ripley´s believe it or not. ele tem varias filiais pelos eua (na florida, p ex, é uma casa virada ao contrário). mas depois do spamalot e com um cupom de desconto fui na filial da broadway, q fica ao lado do museu de cera de madame tussaud (nesse nao vou mesmo, pagar quase 40 contos pra ver estatuas!). o ripley me custou 16 pratas (sem o desconto custa 20) e me deu quse uma hora de bizarrices inenarraveis. e o melhor: quase tudo é interativo, entao vc pode mexer em tudo, fotografar e tal, fazendo parte da ação (como eu fiz, na foto acima, sou a cabeça à esquerda). mas a maior parte das atrações pende para o morbido ou para a violencia. e em certas partes chega a dar medo (no final tem um black hole q qndo vc atravessa tudo revira!). tai uma tourist trap q vale a pena enfrentar uma vez na vida. ate pq, sempre fui fa das bizarrices do ripley, seja na serie de tv ou naqueles quadrinhos que vinham nas revistas de palavras cruzadas...

Avra kadavra!


Não tive tempo de ir ao cinema em NY pq agora os filmes estream aqui quase na mesma semana (fora os baixados) e não tinha nada de especial passando (o novo Cronemberg abriu no dia em que sai fora). Então, a opção foi ver a versão gigante de "Harry Potter e a ordem da Fenix" no Imax, que ficava só ha dois quarteirões donde eu tava. Até porque, os últimos 20 minutos do filme são projetados em 3D. então foi irresistível. Confesso que não sou fã do bruxinho e sua turma, mas achei este último filme o melhor da série. É o que tem mais qualidade dramatica e de roteiro, que não apela tanto para os efeitos, além de ser conciso e bem editado. Justamente por isso, quase toda a ação e efeitos estão nessa parte final. E realmente é incrivel ver o filme naquela tela maior que um prédio de seis andares e com esse plus do efeito tridimensional no final. Só não entendo porque e não passaram nenhuma cópia assim aqui, já que agora temos dois cinemas que exibem filmes em 3d digitais, um no kinoplex do Norteshopping e um do cinemark da barra. Esse HP foi exibido em 3d com óculos normais (lentes cinzas), nao com aqueles quase capacetes de lentes lcd dos filmes especiais do imax, logo poderia ter rolado assim tbm aqui. A proxima atração 3d do imax será um filme de ação e fantasia chamado "Beowulf", em novembro.
Sunday, September 23, 2007

mini maxi


Desde q me entendo como amante da musica pra viagem, espero pelo gadget de som perfeito. O radio transistor foi o começo. mas so pegava am/fm. depois veio o walkman da sony, que deixava vc levar a sua propria musica em fita cassete. so muitos anos depois apareceu o ipod da apple, embora nao tenha sido o primeiro toca-mp3 (ja existiam aparelhos da creative e iriver), foi o mais bonito e com maior capacidade de armazenamento. mas andar por ai com um hd de 30 giga no bolso nao era a minha ideia de portabilidade. entao eles criaram o ipod mini, q seria uma maravilha, nao fosse sua bateria horrivel que mal durava quatro horas (e morria em menos de um ano). o ipod nano foi um grande avanço, mas tem o problema geral dos ipods: so toca musica e, va la, mostra capas de cds (pro resto tem que comprar montes de perifericos por fora). nesta viagem achei o meu gadget perfeito ate a proxima temporada, o creative zen plus. alem de caber dentro da palma da mao, toca mp3, grava voz, tem fm, toca video, fotos, é agenda e ainda grava de fonte externa atraves de cabo inline (passei uns singles em vinil pra ele sem precisar instalar programa algum!). e tudo isso por 50 contos a menos que um ipod nano (é menor). tem opções de 2 a 8 giga. quem vai atras do hype paga mais e tem menos. eu vou atras do que me satisfaz.

Psicô



Museu nem sempre é sinonimo de coisa chata e velharia. Por aqui demoraram a compreeender isso e recentemente espaços como o CCBB e o Oi-Telemar abriram para mostras de vanguarda ou de temática mais pop. Já vi expo de fotos de astros do rock em sisudas galerias em Londra. Em NYC isso tbm é corriqueiro, seja onde for, do Met a galeria mais hype. Vc pode ver uma expo de motos Harley Davidson, por exmplo, no estiloso Guggenheim, qnto pode ver algo sobre Chanel no tradicional Metropolitan. Grafite, punk rock, hip hop e coisa e tal já são pratos do dia. Dessa vez, consegui pegar o finalzinho da mostra Summer of Love, que acabou domingo passado. Ela era toda dedicada a cultura psicodélica dos anos 1960 do século passado e tomou dois andares inteiros e mais algumas partes do Whitney Museum. Na primeira parte havia uma pequena área para a cultura lisérgica londrina, mas a maior parte era sobre a americana, onde a parada se desenvolveu mais forte. No pátio do museu ainda tinha o carro da foto (a única coisa que se podia clicar da mostra, mesmo assim, de fora), que pertenceu a Janis Joplin. No geral, muitas imagens, cartazes de shows e várias salas exibindo projeções muito loucas ou que mexiam com os sentidos. Me senti meio numa gig dos Chemical Brothers em alguns momentos (rs).
Saturday, September 22, 2007

SPAM! SPAM! SPAM!


Não sou chegado em musicais da broadway, pq geralmente sao produções bregas para turistas jecas. Nao veria Cats nem q me pagassem. Miss Saigon? To fora! Mas qndo se trata de uma adaptação de alguma coisa que já vi e gostei, e que sacaneia com o esquema, vejo na boa. Foi o caso de Spamalot, baseado no filme "Em busca do cálice sagrado", do monty python. Da outra vez q tive na ilha as sessoes tavam lotadas (pq tinha o Hank Azaria). Desta vez, reservei antes e rolou na boa. Quem ja viu o impagavel filme dos Python sabe do q se trata: é uma versão trash da lenda do rei arthur e os cavaleiros da tavola redonda, como naquele filme Excalibur, só que na base da caricatura e do exagero, bem ao estilo dos geniais ingleses. Mas, como funcionaria isso na Broadway, para o povão? Simples: adicionaram quatro numeros musicais de cenas q nao estao no filme, mantiveram os melhores momentos deste (o dark knight, o povo de ni, o coelhinho assassino etc) e arremataram tudo bem a moda da Broadway, com exagero, cafonalia e alguma viadagem inevitavel ao genero. Como nao é super produção, o preço do ingresso é quase igual a de um show de pop/rock, varia na casa dos 35 a 50 contos (o show do interpol custava $ 40). A adaptação é do próprio Eric Idle, com um toque de alguem da area dos musicais. Agora, mal posso esperar para ver a versão sing & dance para Young Frankenstein, do Mel Brooks, que abre em novembro, mas estará com ensaios abertos (pagos) em outubro, já à venda. Mas quem for na área e quiser algo bem camp, a dica é ver Xanadu, que esculacha carinhosamente (!) com o filme, segundo um amigo meu que encontrei lá e já tinha visto. Ele disse q rola uma interaçao total da platéia, que vai no visual, bem ao estilo rocky horror show, com todo mundo cantando aquelas musicas do elo e da olivia newton-john! Essa fica pra outra. Ni! *alias, comi spam de verdade, que apesar de parecido com a nossa presuntada enlatada, é bem mais gostoso (rs)

CAN I HELP YOU?


Porque homens nao gostam de ir as compras/ao shopping? No meu caso, pelo desagradavel jeito dos vendedores daqui ficarem em cima de vc. Por isso, elegi tres lojas americanas como as que mais gosto de ir qndo la estou, urban outfitters, barnes & noble e target, pelos seguinte motivos: na primeira (uma multimarca q tem de tudo um pouco), vc pode pegar, revirar e experimentar qualquer roupa, cavucar os armarios de tenis (sairam edições limitadas dos all stars com ramones e iron maiden), abrir as paradas fechadas, que nenhuma alma viva te incomoda. vc vai e vem dos provadores, deita em todos os sofas, e o maximo que ouve, na entrada, e olhe lá, é um bom dia. e se levar algo e nao gostar é só voltar e trocar. a pessoa nem olha na tua cara ou pergunta qq coisa (sem contar q é tudo galera, bacanas e simpáticos). ja na barnes & noble (a livraria dos meus sonhos) da pra ir de travesseiro, sonzinho e frapuccino nas maos. ai, rume para a ala de musicas/filmes ou para a newsstand. vc pode ler tudo, se deitar no chão, rolar, dormir, ninguem aparece pra dizer nada (acho que isso so aconteceria se vc ficar nu e praticar sexo com alguem). por isso, quase todas as revistas q trazem cds encartados tinham sido rapinadas. nestas duas, da ate pra levar o caozinho. ja na target (uma loja do tipo tem tudo, de fazer as americanas daqui parecerem vendinhas de cidades do interior), que é imensa, da para morar la uns dias e nem vao notar a sua presença. qndo cheguei lá, logo que abriu, vi um coroa com jeito de mendigo saindo da loja. realmente deve ter passado a noite naqueles corredores maiores do que alguns quarteiroes de copacabana. nao sei se é pq aqui cada venda conta e por isso te enchem o saco (lá se ganha por hora, whatever). mas eu só faço compras em lugares assim, onde sou ignorado (rs). se precisar da ajuda do vendedor, chamo, oras (e lá, eles ate vem meio de má vontade :-)). ou seja, aqui isso nao existe, logo, corro de shoppings e lojas e perfiro comprar online (nunca tive problemas dessa forma). o ruim é q assim n dá pra experimentar. e vcs, tbm são assim?
Friday, September 21, 2007

THE POLICE


Apesar da "Timeout" local duvidar de que eles seriam capazes de lotar a arena principal do mega Madison Square Garden (e o Village Voice não dar muito destaque), a banda novaiorquina INTERPOL (acostumada a tocar em venues para 300 a 500 pessoas) chegou lá. Os fãs novaiorquinos apoiaram os filhos da cidade e a imensa arena onde rolam jogos de basquete, lutas de boxe e por onde já passaram shows memoráveis de bandas clássicas como Led Zeppelin, U2 e Depeche Mode, quase lotou seus mais de 20 mil lugares na noite da última sexta-feira. Só havia lugares vagos nos cantos e bem lá pra cima/atrás. A fila frontal tava cheia, a segunda ala tava super lotada e as areas sentadas estavam fully packed. E o INTERPOL ao vivo é muuuito melhor que nos discos. E souberam fazer um excelente show sem firulas, sem qerer parecer big, sem papo furado ou efeitos excessivos (os truques cenicos e de luz eram na medida). O set foi quase todo do disco novo, com alguns hits antigos como "Slow hand", claro. A primeira parte durou 60 minutos intensos, depois um encore com mais tres e um final/coda, só com uns trechos instrumentais. Enquanto a banda é eficiente (o baixista Carlos D nao estava com seus visuais esquisitos das fotos), o vocal Daniel Kessler é muito bom. E, o melhor de tudo, um show com uma qualidade de som que a gente nao ve aqui, seja no circo, tim fest ou no claro hall. era o Madison, imenso, e nao tinha eco nem delay, se ouvia tudo claramente e no volume certo. Meu show do ano, até agora, fácil... *(ah, quem abriu foram os Liars e Cat Power e sua nova banda)
Friday, September 07, 2007

FUI PESCAR


COMO VCS SABEM, TODO ANO PEGO MEU CANIÇO, SAMBURÁ E AS ISCAS E VOU PARA AS CORREDEIRAS DO NORTE VER A SUBIDA DOS SALMÕES E A PIRACEMA DOS PACUS. É UM ESPETÁCULO DESLUMBRANTE DA NATUREZA, QUE ME DESLUMBRA. POIS BEM, CHEGOU A HORA DE NOVO. ENTÃO, FICAREI CERCA DE 20 DIAS OFF THE HOOK (DESCULPEM O TROCADILHO). MAS DEIXEM RECADOS AQUI QUE, EVENTUALMENTE, ELES SERÃO LIDOS E POSTADOS. JÁ AS POSTAS DE PEIXES...
Thursday, September 06, 2007

abram los ojos

Não tenho nada contra a apple, não. Sei da importancia que a empresa de steve jobs teve para os pcs e tbm da revolução musical que promoveu com os ipods, sem contar o design matador. Mas fiquei estupefato com a importancia que a imprensa tem dado aos novos lançamentos da linha ipod que vão sair no fim do mês nos eua, como se fosse algo inedito. ficam enchendo a boca pra falar que a tela é touchscreen, que tem conexao wi-fi, até 160giga e coisa e tal. mas a maioria dos aparelhos da marca francesa archos ja tem tudo isso e muito mais ha muito tempo, so que ninguem fala, pq nao é da apple ou do steve jobs. o archos 605, por exemplo, que é o mais básico da linha com touchscreen (tela 4.3 contra a 3.5 da apple) e wi-fi, já faz tudo isso que o ipod, por um preço mais em conta, e com mais espaço (vai de 30 a 160gb). e ainda mais: conectado a uma tv com dock adaptador, vira um mini tivo e grava direto, com programação, qq fonte (vhs, dvd, cable, satelçite etc), grava voz (só não tem fm). e custa só 250 dolares (30giga, os equivalentes ipods novos só vao ate a metade disso). com o av craddle chega 300 contos. e, como vcs podem ver na foto, tem acabamento solido, bacana, bons controles, tela widescreen e navega na internet com mini browser opera. e melhor: nao precisa usar nenhum tipo de programa, é click e drag! vira um hd externo simplesmente. steve jobs, vc ja chegou atrasado, meu filho...
Sunday, September 02, 2007

Pega um, pega geral!


Fiz um comentario no post abaixo sobre "tropa de elite", mas depois do comment de lord vader resolvi expandir o assunto. TROPA DE ELITE É UM FILME DUCARALHO!!! nao ia ve-lo agora,só qndo estreasse, mas depois de ver tanta gente falar sobre e na falta de um piratao no camelodromo (confiscaram tudo), fui de torrent mesmo. Realmente, ele só realça o qnto CDD era apenas um protótipo da real, apesar de ser bacana. TROPA DE ELITE é o bicho. o filme me deixou bolado e ate meio assustado, tipo querendo sartar fora ou ligar o foda-se de uma vez por todas. Tudo o q a gente imagina q rola entre a policia e a bandidagem carioca é mostrado na real, pq o livro (vide imagem) que inspirou o filme foi escrito (em conjunto) por um camarada que realmente fez parte do BOPE. Nossa sorte é q bandido nao pensa grande, nem faz faculdade, pq pra tomar a cidade era só rolar uma integração entre as favelas e um plano estrategico conjunto. No dia q aparecer um chefe mais instruido, isso aqui vai tudo pro saco. guerra civil vai ser pouco. Ta tudo dominado!!! O filme vai estourar nas bilheterias...
Thursday, August 30, 2007

O TRÊS É DEMAIS!!!


DEPOIS DE UMA TEMPORADA DE FERIAS COM VARIOS BLOCKBUSTERS AMERICANOS DECEPCIONANTES, COMO O VAZIO "PIRATAS DO CARIBE" (PRA QUÊ?), O OCO "TRANSFORMERS" (ESTRAGARAM OS ROBÔS), O ÓBVIO "SHREK TERCEIRO" (PIADAS REPETITIVAS), O POBRE "QUARTETO FANTASTICO & O SURFISTA PRATEADO" (SÓ PARA CRIANCINHAS), O APENAS OK DOS SIMPSONS (BOM, MAS ABAIXO DOS MELHORES EPISODIOS DA TV) E O FRACO "HOMEM-ARANHA 3" (NÃO CONSEGUI VER "RATATOUILLE", INFELIZMENTE), EIS QUE SURGE UM FILME FIM DE TRILOGIA QUE QUEBRA AQUELE DITADO QUE DIZ QUE TRÊS É DEMAIS. NO CASO, "O ULTIMATO BOURNE" É UM FILME DEMAIS, DE BOM.

O DESFECHO DA SERIE BASEADA EM LIVROS DE ESPIONAGEM DOS ANOS 60 (ESCRITOS POR ROBERT LUDLUM, NUNCA LI NENHUM) E MUITO BEM ADAPTADOS PARA OS DIA DE HOJE É ELETRIZANTE COMO UM BOM EPISODIO DE "ALIAS". ALIÁS, JJ ABRAMS DEVE TER FICADO MORDIDO COM ESSE FILME (BEM MELHOR QUE MI:3). É DAQUELES QUE SE APLAUDE NO FINAL, COMO ROLOU NA SESSÃO QUE EU TAVA (NAO OUVI ISSO EM NENHUM DOS FILMES CITADOS ACIMA). A GENTE ATÉ ACREDITA QUE O PASTEL DO MATT DAMON É AQUILO TUDO MESMO. SÓ UM AVISO: O FILME NÃO É INDICADO PARA QUEM TEM MOTION SICKNESS, QUEM ENJOA FACIL COM MUITO MOVIMENTO. E COM MOBY FECHANDO MAIS UMA VEZ A TRILHA COM UM REMIX DE "EXTREME WAYS", FORMÔ!

*apesar do cartaz mostrar a ilha de Manhattan (onde o filme termina), ele se passa mesmo em Londres, Paris, Turim (Itália), Madri e Tânger (Marrocos), tudo na real, sem cenários virtuais...
Wednesday, August 29, 2007

This ain´t no party, this ain´t no disco...


...this ain´t no foolin around, diz um verso de "Life during wartime", dos Talking Heads, que cita o CBGB como um dos pontos de resistência da cena undergroud novaiorquina. Pois bem, não há mais o clube, como todos sabemos. E agora, nem mais o seu dono. Menos de um ano depois do fechamento da lendária casa de rock novaiorquina CBGB (Country BlueGrass & Blues, pois antes lá era um bar do tipo), faleceu o seu dono, Hilly Kristal. Ele morreu ontem, aos 75 anos, de câncer no pulmão, contra o qual já lutava ha tempos. Apesar do fim do clube, permanece aberta em Manhattan uma loja de produtos com a grife da casa, a CBGB Fashions, onde se vende cortinas, suportes de guitarra e todo o tipo de memorabilia, como camisetas com o famoso logo da casa. Com a morte de Kristal, não se sabe se irão adiante os planos de abrir uma filial do clube em Las Vegas, como havia sido anunciado. Kristal tinha planos de abrir uma cópia quase perfeita do CBGB, inclusive com o mesmo balcão do bar, o palco, as cortinas e os mictórios (onde certa vez Johnny Ramone mijou na perna dele, costumava contar), que ele salvou dos escombros do original. Mas, quer saber? É melhor assim. O que já foi, foi. Agora fica a lenda. R.I.P.

*kristal em foto feita pela amiga ciça na noite anterior ao show bota-fora antes do fechamento do cbgb ano passado...
Tuesday, August 28, 2007

it´s the money...

...como diz a vinhetinha numa faixa do primeiro disco do dj shadow. it is. tava vendo um filme ao acaso e, por alguns instantes, numa daquelas cenas em que um cara diz que vai matar geral se nao pagarem a ele o que ele quer, pensei: tudo é dinheiro. a prostituta vende seu corpo por tutu, o matador de aluguel apaga qualquer um pela grana, as pessoas sao simpaticas com vc qndo ha money envolvido, toda a industria de drogas, armas, farmaceutica, do petroleo, só se move a verdinhas, nada acontece sem que role algum cascalho, inclusive casamentos sem amor e empregos forçados. nao descobri a roda. so parei pra pensar nela.

mas, sem a grana, a gente nao seria melhor (embora, no futuro de star trek, como o dinheiro ja nao existe, o homem move-se pela ciencia em prol do bem comum). na época das trocas e escambos já rolava picaretagem, matava-se e enganava-se tbm. é da essencia do ser humano cobiçar, almejar, fazer qq coisa por uns trocados, seja lá do que for feita a moeda de troca. mas, quem faz do dinheiro a mola mestra de sua vida, é um infeliz. eu tento nao deixar o vil metal me motivar (senão, nem seria jornalista :-)), mas nao dá pra viver sem ele nessa sociedade de puro consumo. nem q seja pra pagar a minha banda larga. mas ele não é o meu deus. no way...
Friday, August 24, 2007

PF


O que seria de nós sem o dogão podrão da madruga? Ou do pastel com caldo de cana do centrão? E daquele restaurante furreca da esquina, que, quando vc tá sem rango em casa, corre lá pra bater um pf por menos de derreáu? Poizé, não seríamos ninguém (rs). Digo isso pq fico preocupado com a proliferação de botecos de grife pela cidade, onde não se vai de chinelão ou camisa largada, nem se come dois pastel por menos de dez mangos. Tava no Lebrão e resolvi almoçar na área. Escolhi o galeto, claro, onde por cerca de 20 contos (cerca de cinco folhas de alface do Celeiro, do outro lado da rua) se faz uma lauta refeição (com sobras), com direito a linguiçinha. O q será dos aposentados e durangos do bairro qndo o galeto fechar (pelo visto, isso não demora, pq na área só tem japa e lugar de comida cara)? Os fast-foods já não são mais baratos. Um sanduba basico, com acompanhamentos, nao sai por menos de dez pratas num MacRonald. Estaremos todos condenados ao miojo caseiro? Visitei um broder last wik na Abolição e ele me levou numa pizzaria q faz até pizza de chocolate branco, preço no esquema, bate entope legal. O boteco (legítimo) da esquina não pode morrer. A baixa gastronomia não pode sucumbir. Cada dia que passa eles estão acabando na zs e na cidade de modo geral, deixando apenas as carrocinhas do combo salgado + resfresco. Chega de lugares metidos à besta da moda, viva o prato feito!
Tuesday, August 21, 2007

LINEUP DO TIM/RIO


Grade RIO DE JANEIRO – Marina da Glória

26 de outubro (sexta-feira)

‘Jazz US’ (20h)

  • Joe Lovano Nonet
  • Joey DeFrancesco Trio e convidado especial Bobby Hutcherson
  • Cecil Taylor
  • Conrad Herwig’s Latin Side Band

TIM Volta’ (20h)

  • Antony and The Johnsons
  • Björk

‘Novas Divas’ (22h30)

  • Katia B
  • Cibelle
  • Feist
  • Cat Power and Dirty Delta Blues

‘Novo Rock UK’ (23h30)

  • Hot Chip
  • Arctic Monkeys

‘Novo Rock BR (1h00 de 27/10)

  • Vanguart
  • Montage
  • Del Rey

27 de outubro (sábado)

‘Euro Jazz’ (20h00)

  • Eldar
  • Roberta Gambarini Quartet
  • Sylvain Luc Quartet
  • Stepano Di Battista Quartet

‘Novo Rock US’ (20h00)

  • Juliette and The Licks
  • The Killers

‘TIM Cool’ (22h30)

  • Projeto Axial
  • Winona’ featuring Craig Armstrong and Scott Fraser
  • cirKus com Neneh Cherry

TIM Festa / ‘TIM na Pista’ (1h00 de 28/10)

  • Alexandre Herchcovitch e Johnny Luxo
  • MOO
  • Guab

TIM Festa / ‘TIM Disco House’ (1h00 de 28/10)

  • Lindstrøm
  • Toktok

TIM Festa / ‘Funk Mundial’ (1h00 de 28/10)

  • MC Gringo
  • Daniel Haaksman
  • DJ Sandrinho
  • Count of Monte Cristal (Hervé) & Sinden
  • Diplo
  • DJ Marlboro

TIM Festa / ‘TIM Mash Up’ (1h00 de 28/10)

  • Spank Rock
  • Girl Talk
  • e ai, o q acharam?

NA CIDADE

OCTOBERFESTIVAS:

FESTIVAL DO RIO  ÚLTIMA CHANCE   de 16 a 18 de outubro   Estação NET Botafogo 1 + Estação NET Rio 4 e 5     ESTAÇÃO NET BOTAFOGO 1: 16/10/2017         Estação NET Botafogo 1  15:00     Ocidental Dir. Neïl Beloufa 16/10/2017         Estação NET Botafogo 1  17:00     Matar Jesus Dir. Laura Mora 16/10/2017         Estação NET Botafogo 1  19:00     Memórias do subdesenvolvimento Dir. Tomás Gutiérrez Alea 16/10/2017         Estação NET Botafogo 1  21:00     As misândricas Dir. Bruce LaBruce   17/10/2017         Estação NET Botafogo 1  15:00     Ensiriados Dir. Philippe Van Leeuw 17/10/2017         Estação NET Botafogo 1  17:00     Antipornô             Sion Dir. Sono 17/10/2017         Estação NET Botafogo 1  19:00     Patti Cake$ Dir. Geremy Jasper 17/10/2017         Estação NET Botafogo 1  21:00     Meu colégio inteiro afundando no mar Dir. Dash Shaw   18/10/2017         Estação NET Botafogo 1  15:00     Últimos homens em Aleppo Dir. Firas Fayyad 18/10/2017         Estação NET Botafogo 1  17:00     Cadáveres bronzeados Dir. Hélène Cattet, Bruno Forzani 18/10/2017         Estação NET Botafogo 1  17:00     Sal Dir. Diego Freitas 18/10/2017         Estação NET Botafogo 1  19:00     Alanis Dir. Anahí Berneri 18/10/2017         Estação NET Botafogo 1  21:00     How to Talk to Girls at Parties Dir. John Cameron Mitchell  

ESTAÇÃO NET RIO: 16/10/2017         Estação NET Rio 5             14:15     Kim Dotcom: Agarrado na web Dir. Annie Goldson 16/10/2017         Estação NET Rio 5             16:15     God's Own Country Dir. Francis Lee 16/10/2017         Estação NET Rio 4             18:00     A liberdade do diabo Dir. Everardo González 16/10/2017         Estação NET Rio 5             18:45     Golden Exits Dir. Alex Ross Perry 16/10/2017         Estação NET Rio 4             19:45     As entrevistas de Putin Dir. Oliver Stone 16/10/2017         Estação NET Rio 5             21:00     A vendedora de fósforos Dir. Alejo Moguillansky   17/10/2017         Estação NET Rio 5             14:15     Encriptado Dir. Nick de Pencier 17/10/2017         Estação NET Rio 5             16:15     Eduardo II Dir. Derek Jarman 17/10/2017         Estação NET Rio 4             17:30     Top of the Lake: China Girl Dir. Jane Campion, Ariel Kleiman 17/10/2017         Estação NET Rio 5             18:45     Titicut Follies Dir. Frederick Wiseman 17/10/2017         Estação NET Rio 5             21:00     Invisível Dir. Pablo Giorgelli

  18/10/2017         Estação NET Rio 5             14:15     Senhora Fang Dir. Wang Bing 18/10/2017         Estação NET Rio 5             16:00     Minha adorável lavanderia Dir. Stephen Frears 18/10/2017         Estação NET Rio 4             17:20     Tangerine Dream: a revolução do som Dir. Margarete Kreuzer 18/10/2017         Estação NET Rio 5             17:50     Cicciolina - Madrinha do escândalo  Dir. Alessandro Melazzini 18/10/2017         Estação NET Rio 5             19:00     O diabo e o Padre Amorth Dir. William Friedkin 18/10/2017         Estação NET Rio 4             19:10     Long Strange Trip: A viagem do Grateful Dead Dir. Amir Bar-Lev 18/10/2017         Estação NET Rio 5             20:30     Ex Libris: Biblioteca pública de Nova York Dir. Frederick Wiseman   INGRESSOS: R$22,00 / meia: R$11,00 Meia entrada para quem comprou Passaporte

UCI INAUGURA A PRIMEIRA SALA DE CINEMA XPLUS LASER DO BRASIL, NO RIO DE JANEIRO: No ano em que comemora duas décadas no Brasil, a rede UCI reforça sua missão de oferecer ao público a melhor experiência em cinema e o que há de mais moderno no mundo, no mercado audiovisual. No Rio, inova mais uma vez com a primeira sala XPLUS Laser do país. A novidade será no maior complexo de cinemas brasileiro, o UCI New York City Center, que este ano também recebeu a primeira 4DX da cidade, com cadeiras que se movimentam e efeitos especiais. A aquisição do novo projetor a laser torna ainda mais imersiva a tecnologia da XPLUS, que tem projeção 3D de última geração, tela gigante com definição 4K e som Dolby Atmos™, com mais de 54 caixas acústicas e 128 streams de áudio que criam a ilusão de um campo infinito ao redor de cada espectador.

PROGRAMAÇÃO DO BLUE NOTE JAZZ CLUB RIO (ONDE ERA A MIRANDA, NO COMPLEXO LAGOON, NA LAGOA, LADO LEBLON):     Outubro   20/10 – Sexta-feira 21:00 Chick Corea & Steve Gadd Band 23:30 Chick Corea & Steve Gadd Band   Novembro 02/11 Quinta-feira 20:00 Spyro Gyra 22:30 Spyro Gyra   03/11 Sexta-feira 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   04/11 Sábado 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   15/11 Quarta-feira 20:00 Laura Perrudin   16/11 Quinta-feira 20:00 Didier Lockwood Trio 22:30 Didier Lockwood Trio

MAIOR APOSTA DO ROCK MINEIRO, GAMP LANCA O SINGLE “VERSOS PLANOS”: O rock mineiro volta à grande rede com ´Versos planos´, novo single da banda GAMP, que sai pela Midas Music. Gravado sob a batuta de Rick Bonadio na direção artística, a canção vai ter o clip lançado agora em outubro. O GAMP já emplacou dois hits nas rádios de todo o país. Em 2015 ganhou destaque com uma releitura de “Hoje Eu Quero Sair Só”, sucesso com Lenine nos anos 90. A versão da banda chegou a estar entre as mais tocadas no dial brasileiro. "Versos Planos" – Ouça aqui:  https://open.spotify.com/track/6Xz6RpURLNr2vgmsZFFWnq

Zucchero (o 'roberto carlos da itália') vem fazer shows no Brasil em outubro. Seguem as datas: Rio de Janeiro, no dia 26 de outubro, no Teatro Bradesco Rio São Paulo, no dia 27 de outubro, no Teatro Bradesco Porto Alegre, no dia 28 de outubro, no Teatro do Bourbon Country  

AGENDA CUTURAL BARATOS DA RIBEIRO: Sábado, 21 de outubro, a partir das 17h: VESPEIRO com as bandas Estranhos Românticos e Imperfeitos Quinta-feira, 26 de outubro, a partir das 19h: LEVADAS DA BECA, com as DJs Ana Paula Moniz (Beca Brechó), Bia Andrade & Ana Galli + uma convidada surpresa! Sábado, 11 de novembro, a partir das 17h: VESPEIRO com a banda Os Alquimistas (MS) e Mauk + Pedro White & banda fazendo tributo duplo: ao Bruce Springsteen e ao Tom Petty! RUA PAULINO FERNANDES 15, BOTAFOGO/RJ

SOM: A HISTÓRIA QUE NÃO VEMOS                                      CCBB São Paulo – 4 a 23 de outubro     O som sempre esteve presente nas nossas vidas. Desde o quarto mês de gestação, é o primeiro sentido que desenvolvemos. É por meio do som que se dá nosso primeiro contato com o mundo exterior. Com ele, nossa personalidade ganha seus contornos iniciais. Mas, na sala escura do cinema, muitas vezes, ele não tem o seu valor reconhecido

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 9 de setembro a 12 de novembro de 2017, a exposição Natureza Concreta, que discute e aprofunda um tema de interesse permanente na arte, na ciência e na filosofia: as relações dos seres humanos com a natureza e o mundo que os cerca. Entre fotografias, vídeos e instalações em formatos variados, serão apresentadas 94 obras de 17 artistas e grupos brasileiros. O projeto tem curadoria de Mauro Trindade e patrocínio da Caixa Econômica Federal e do Governo Federal.

5º FEIRA/ 19 OUT - ABERTURA DA MOSTRA JÓIAS DO CINEMA DINAMARQUÊS: CINE JOIA DO RIO DE JANEIRO EXIBE SEIS LONGAS INÉDITOS DO PAÍS NÓRDICO, E O PRIMEIRO DOC LONGA-METRAGEM FILMADO NA GROENLÂNDIA.



(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers