NA COVA DO LEÃO

Wednesday, April 18, 2012

JOSS WHEDON, I LOVE YOU!



Quando, no final dos anos 90, comecei a ver a série 'Buffy, a caça-vampiros', baseada num filme mal sucedido (com kristy swanson, donald sutherland, rutger hauer, pee wee herman e luke perry), era tipo um prazer culpado. Qndo vc dizia pra alguem que assistia a tal serie, era olhado errado ou sacaneado. As pessoas, em geral (e antes de a serie virar cult), tinham preconceito para ver e perceber a qualidade dos roteiros, do elenco, dos personagens, dos temas, da primeira grande reinvenção do mito dos vampiros, bem antes dessa moda twilight e derivados -- tbm foi a primeira serie de tv com um casal gay/lésbico, antes do 'escandalo' do outing da ellen degeneres. alem do mais, a buffy delineada por joss whedon (com sensacional interpretação de sarah michelle gellar, que foi revelada ali) tinha todas as caracteristicas de uma heroina de hqs. Seus amigos, chamados de scooby gang, xander e willow, eram o máximo. seu mentor, o ingles gilles, perfeito. a bad girl, faith, um sonho. e o amor proibido de buffy, o vampiro galã angel (que depois até ganhou serie propria), dava o toque final.


Com a fama posterior de Buffy (que, depois da tv, prosseguiu como serie em quadrinhos), Whedon entrou na roda e passou a ser nome citado em todos os grandes projetos de cinema ou tv, como jj abrams é hj (ja esteve cotado para dirigir spider-man antes de sam raimi, p ex). mas, infelizemente, ele nao teve sucesso com seu caro western sci-fi, firefly, nem com dollhouse, serie que mereceria a tv fechada para ir mais fundo no tema, e acabou escrevendo roteiros para hqs enquanto sua vez nao chegava. e, um dia, ela chegou. com o anuncio de que ele seria o diretor de avengers/os vingadores, todos os fas poderiam suspirar tranquilos. ele nao ia fazer merda. e nao fez. Não apenas fez um dos melhores filmes de super herois de todos os tempos, como tbm o melhor da marvel até hj. além disso, the avengers é um fabuloso filme de guerra, indo além do blockbuster cheio de efeitos de sempre. há uma diferença abismal entre qualquer transformers da vida e este genial filme que reune alguns dos maiores herois das hqs de todos os tempos, como hulk, thor, capitão américa e homem de ferro. Todos, com suas personalidades e caracteristicas bem delineadas, e ninguém é principal/secundário.


Na bem armada trama, que ja vai direto ao assunto -- pois os filmes solo de cada heroi ja contaram o que era preciso contar --, a grande sacada é o inicio da relação entre cada um deles, porque, ate ali, nenhum era amigo do outro. thor é arrogante, porque um deus; tony stark/iron man, é sacana, pq um genio; capitao américa, um ingenuo patriota perdido no tempo; e hulk, o cara do pavio curto. ainda há natasha/viúva negra e clint barton/gavião arqueiro -- com seus passados obscuros --, além do chefe da s.h.i.e.l.d., nick fury (na tela, negro, o que nunca foi nos gibis, mas sam jackson soube lhe dar o toque certo). Contudo, junta-los nao é garantia de nada. é preciso um objetivo comum. quem traz isso é loki, o irmao maligno de thor, que almeja conquistar nosso planeta, com o auxilio de um exercito de monstros de outra dimensão. E tudo isso dá certo, com um filme que realiza o sonho de cada um de nós, que começou a ler os gibis da marvel quando moleque, e nunca pensou que, um dia, poderia ver isso de tal forma, no cinema, exatamente do jeito como jack kirby desenhou e stan lee imaginou. Quando acontece a primeira grande cena dos vingadores, juntos, pela primeira vez!, e botando pra foder nas ruas de nova york, as lagrimas escorrem dos olhos. É a prova de mais um trunfo da magia do cinema. e a gente pensa ou diz no escurinho: joss whedon, eu te amo!

Sunday, April 15, 2012

DIGITAL: NA TELA, FICA BEM MELHOR DO QUE NA GRAVAÇÃO

Uma das coisas sobre as quais mais se falou desde o advento do CD foi sobre a queda da qualidade de som devido a compressão do áudio quando ele se torna digital. O assunto ficou mais forte com a chegada do mp3 e a compressão ainda maior, que tornou a musica que se ouve hj em tocadores portateis um lixo (pra quem tem a referencia anterior). No meu caso, eu acho o som do vinil melhor, sim, do que o do CD (meu ouvido é quem diz na hora em que ouço um e outro), sobretudo nos graves e volume (o CD distorce apos certa altura). Nao compro musica online e, entre mp3 e cd (se nao tiver vinil), prefiro o CD áudio, que pelo menos usa uma compressão menor, ainda que hj exista o flac. Vi um pgm chamado 'on track', no qual levam uma banda atual pra gravar faixas em vinil (no que vi, eram os Foals), e o veredito da banda foi: o som do vinil ficou bem mais proximo do real, ja que nao se perde nada como acontece na conversão para o digital. fato.


Mas o assunto aqui será imagem. Agora é a vez do cinema. Em menos de dois anos, nao serao mais feitos filmes em pelicula (sua produção já esta sendo encerrada) e os projetores analogos nos eua, p ex, serao todos trocados por digitais, de 4k (como o da sony, na foto), que são equivalentes a alta definição para a tv, só que 4 vzs mais -- e o resto do mundo vai acompanhar, se nao, nao terá como exibir os filmes. Pessoalmente, nao acho que o filme digital seja pior do que a película (fora na hora da fotografia). Nao vejo a a distorção/diferença gritante que rola entre o som do vinil, cd e mp3, p ex. Claro que certas nuances da fotografia (como a granulagem) serao comprometidas, pois certos filmes realçavam mais esse lado em pelicula, ja que o digital é sempre limpinho. Mas, o filme digital é extremamente limpido, claro, sem arranhoes. Nao existirá mais aquele problema de iluminação, que torna certos filmes mais escuros, ou de pulos de cenas, p ex. teremos sempre projeções muito boas, estáveis, no geral, aliado a um som igualmente bom. O operador tem apenas de seguir os parametros.

Essa alta definição, ja presente nos blu-rays (que, no entanto, não são ainda 2 ou 4k, embora ja existam monitores assim no japão, que fazem upscaling), nos fará ver filmes como eles foram feitos originalmente. Tem gente que acha que nao rola de ver filme antigo e em p-b em blu-ray, pq estes nao sao digitais, feitos hj. Ledo engano. O bd proporciona que a gente veja aquele filme antigo em pb no esplendor original de sua fotografia e resolução, ja que as telas e projetores nunca estiveram no mesmo patamar para exibi-los como deveriam, enqto que a película, sim. E, claro, um filme rodado hj, em cameras 4k (que seria o equivalente ao full hd para o cinema) e projetados assim nas telas, ficarao ainda mais fantasticos. O novo 'Underworld' já e um destes filmes. Pena que, aqui, ele nao teve essa projeçao (bom, temos uma sala imax e outra 4k no uci, lá já vai dar pra sentir a diferença, como deu em 'Cowboys & aliens'). Ja o 3D hi-def se destaca dos demais em qualidade, mesmo que exibido num cinema 'comum', pq tem mais brilho e ajuda nos filmes mais escuros.

Mais uns 10, 12 anos e o cinema como conhecemos hj, será/estará totalmente diferente... (@tomleao)
Saturday, April 07, 2012

CADAVERES DO GRUNGE

Com as mortes de Kurt Cobain e Layne Staley no calendário do mês, lembrei dos breves contatos que tive com ambos. Primeiro com Cobain: estava num plantão, junto com eva joory, e nossa missão era emboscar alguem do nirvana nos corredores do hotel intercontinental, em sao conrado (onde kurt e courtney ja tinham armado barracos homericos no finde). Eu e eva circulamos pelo hall, fomos ate ao bar (infiltrados, claro) e, numa dessas, passa Cobain, alucinado, gritando, nao dizendo coisa com coisa. Usava aquela roupa meio pijama com que aparece em algumas fotos. Curioso como me lembrou renato russo, alguns anos antes, em igual estado, pelos corredores de um hotel em brasilia. Eram almas gemeas, no sentido de serem idolos pop que se auto-imolaram publicamente, em nome da fama. Nesta noite, nao teve jogo com Cobain. Na tarde seguinte, ele foi gentil com a galera do pgm College Radio. E só (bom, amigo meu, roberto berliner, pegou o braço da guitarra que ele quebrou no show). Eu e Eva acabamos no quarto do baixista krist novoselic, falando de politica local e mundial, com a imensidao da rocinha emoldurando a janela do quarto, servindo como contra-ponto.



Em outro hotel, o ex-rio palace, no posto seis (copa), buscava falar com alguem de outro hollywood rock. dando incertas pelo lobby (no qual, certa vez, shaun ryder me ofereceu tabletes de ecstasy), de repente, surge Layne, com um skate de street nas mãos e doido para saber onde podia usa-lo. me aproximei e dei a dica do bowl (mal feito) do arpoador, ali do lado. Em ultimo caso, dava para brincar um pouco no redondo da praça, com aquele visual ao fundo. Ele topou, e levei-o até lá. Mas, para nao perder a confiança do cara, nao atuei como jornalista, e sim como skatista. Layne era bem discreto, falava baixo e pouco, e nao aparentava estar constantemente chapado, como kurt. nesta tarde, definitivamente, nao estava. Entao, falamos apenas de skate, contei pra ele um pouco da cena local (ainda nao tinhamos bob arrebentando na gringa) e ele disse que sempre andava de skate quando queria dar um tempo. Nao parecia aquele cara sombrio e angustiado das letras do aic. O que me passou, é que ele era um cara muito fragilizado, que exorcizava seus demos via música. adorei o show da banda, e ouvi muitas vzs, após sua morte, Layne e a questão final da letra de 'would?'


Monday, April 02, 2012

CLAVES PRETAS


Ha duas semanas, rolou de falar com o Dan Auerbach (o de barba na foto acima), vocalista e guitarrista da dupla americana Black Keys (a outra metade é o baterista/produtor Patrick Carney), e eu não perdi a chance. Ele falou pouco, pq era a morning after de um show, tava cansadão e com a voz detonada, mas contente. 'Tocamos em Chicago a noite passada, e foi muito legal, porque o Michael Jordan tava lá assistindo', fez questão de frisar.

 O papo que está no ar é que o Black Keys seria o 'Arcade Fire' da vez. Ou seja, uma banda indie que vai ser grande este ano, já figurando nas capas de revistas mainstream, tipo a 'Rolling Stone' e talz. Procede?
Dan = Não sei... só se for pq somos indie e estamos nas capas de revistas agora. Pode ser... mas somos bem diferentes, musicalmente...

Eles tinham tocado no imenso Madison Square Garden (nyc) ha poucas semanas, e já se preparavam para uma nova data no local. E ai, assustou?
 Dan = Tocamos lá na semana passada, e vamos tocar de novo em breve; é meio assustador, sim, pq é muito grande. Mas lotou. Acho que isso nos ajudou a aquecer para os shows nos festivais de verão na Europa, que serão muitos, alguns em lugares grandes -- lembrou, mas esquecendo de citar o americano  Coachella, no qual tocaram no dia 13 de abril.

O novo disco do BK, 'EL CAMINO' (lançado aqui via Warner), já é o sétimo deles. Tem gente que só ouviu falar de Black Keys de uns dois anos pra cá -- em parte pq eles foram ofuscados pelo fato de serem contemporaneos do white stripes e ter uma formação similar e fazer um som meio parecido--. Como ele vê a carreira da banda após sete álbuns, e o reconhecimento mais amplo vindo só agora?
 Dan = Bom, sete é um número especial, mágico, rolou uma progressão natural. Mas, de certa forma, foi algo meio inesperado (só ficar famoso agora), pq nós mesmos, às vzs, achávamos que não chegaríamos lá. Já pensamos até em carreira solo -- revelou.

Os americanos tem uma estreita relação com carros (numa sociedade que os privilegia), e El Camino é um modelo de van. Qual a relação deles com automóveis, e com o El Camino, em especial?
Dan = Nossa relação com carros é forte, e uma banda precisa muito de uma van para começar a fazer turnês. Nós sempre estamos num carro, de certa maneira. Nossa van é nossa casa em grande parte do ano. Nós realmente temos um El Camino, e resolvemos homenageá-lo...

Perguntei, de brincadeira, como não confundir Black Keys com várias outras bandas 'blacks' por aí, como Black Lips, Black Kids, Black Crowes, e até mesmo Black Sabbath (rs)
Dan = (rindo) Bom, pelo menos não temos nada a ver com o Black Eyed Peas (gargalhadas gerais). Das outras citadas, nós gostamos. Acho que ter 'black' no nome soa cool...

 Os Black Keys vem de Ohio, terra da batata, e tbm de Devo e The Pretenders. Ele me disse se chegaram a ter alguma influência destas bandas clássicas dos 80s:
 Dan = Diria que temos algo do Devo, pq gostava deles quando criança. Sei da (carreira da) Chrissie Hynde, a respeitamos. Ohio continua tendo uma cena muito underground, não sai muita coisa de lá, só a cada 20 anos, mais ou menos (rs),,,

No novo disco, eles trabalharam novamente com o dj/produtor Dangermouse, a metade da dupla Gnarls Barkley, que esteve com eles em 'attack & release' (2008)
 Dan = Ele é um cara muito bacana, já virou um irmão da gente. Por isso o chamamos de volta. Ele realmente entende do que faz...

No final do papo, Dan deixou escapar, sem dar detalhes, que já estão se movendo para vir tocar na América do Sul muito em breve:
 Dan = Já estamos nos mexendo para fazer isso (tocar no Brasil e arredores) e já recebemos ofertas, mas não podemos falar nada ainda...

 

NA CIDADE

JANEIRO TEM DUAS FACES:

CASAS & SHOWS: Circo Voador 19 - Samba Rap Festival: Elza Soares / Karol Conka 20 - Samba Rap Festival: Emicida / Jongo da Serrinha / Bateria da Império Serrano 25 - Phoenix (FRA) 26 - Vanessa da Mata / Fióti / DJ Incidental 27 - Barão Vermelho

Fundição Progresso 19 - BaianaSystem 20 - Tim Music no Samba: Xande de Pilares & Mumuzinho - Participação: Bateria do Salgueiro 26 – Johnny Hooker / Letrux 27 - Nando Reis

Teatro Odisseia 21 - Radnor With Lee (EUA) 28 - Demon Hunter (EUA) / Pantokrator (SUE)

Teatro Riachuelo 16 - Leila Pinheiro: Voz & Piano 23 - Ed Motta: Baile do Flashback 30 - Laila Garin & A Roda

Teatro Rival 20 - João Bosco: Voz & Violão 25 - Angela Ro Ro 26 - Bloco Sargento Pimenta 27 - Geraldo Azevedo: Voz & Violão

Audio Rebel 16 - Adaury Mothé Trio 17 - Rafael Rocha Quinteto 28 - N.D.R. / Triunfe / Dissonância 29 - Ana Baird & Camila Costa: Perigosas

Espaço Sérgio Porto 18 - Sinara 25 - Karine Carvalho: Galega Hits

Sala Baden Powell 19 - Sempre Livre / Sylvinho Blau Blau / Dr. Silvana & Cia. 20 – Nelson Sargento 21 – Banda do Síndico 24 - João Donato - Participação: Carlos Lyra & Roberto Menescal & Marcos Valle 25 - Mario Adnet: Jobim Jazz 26 – Marcos Ariel 27 – Cris Delanno 28 - Azymuth

Beco das Garrafas 17 - André Gonçalves 18 - Lu Oliveira 19 - Georgiana de Moraes & Fernanda Cunha & Camilla Dias: Homenagem a Vinicius de Moraes (20h) 19 - Joyce Cândido: Homenagem a Elis Regina (22h30) 20 - Hélio Delmiro (21h) 20 - Maíra Freitas & Taís Feijão (22h30) 21 - Dóris Monteiro 24 - Rosana Sabença 25 - Conexão Rio: Homenagem a Tom Jobim 26 - Amanda Bravo: Homenagem a Durval Ferreira - Participação: Paulinho Trompete, Mauricio Einhorn, Rosana Sabença, Billy Blanco Jr., Thaís Fraga 27 - Hector Costita & Joseval Paes 31 - Maria Luiza

Casa de Cultura Laura Alvim 16 - Dani Black 21 – Pedro Mann 23 - Davi Moraes 28 – Qinho Canta Marina Lima 30 - Matheus VK

Teatro Café Pequeno 18 – Verônica Sabino 25 – Elisa Queirós

Blue Note Rio 16 - Big Gilson 17 - Roberto Menescal 18 - Gabriel Moura 19 - Daniel Jobim & Daniel Boaventura: Homenagem a Tom Jobim & Frank Sinatra 20 - MPB-4 23 - Escalandrum (ARG) 24 - Mayer Hawthorne (EUA) 25 - Wanda Sá & Gilson Peranzzetta & Mauro Senise: Homenagem a Tom Jobim & Vinicius de Moraes

KM de Vantagens Hall 19 – Molejo & É O Tchan – Participação: Ludmilla 20 - Ney Matogrosso: Atento aos Sinais

Imperator 23 - Jazz Pras Sete: Chico Costa & Quarteto Artilheiro 24 - Quartas Brasileiras: Cordão da Bola Preta 27 - Forró Lánalaje: Marcelo Mimoso Trio / DJ Edna Carvalho 28 - Bloco Pipoca & Guaraná 31 - Toquinho: Voz & Violão - Participação: Camilla Faustino

Centro de Referência da Música (Tijuca) 17 - Ellen de Lima & Reginaldo Bessa: Homenagem a Lamartine Babo 18 - Rosa Marya Colin - Participação: Jefferson Gonçalves 19 - André Gabeh 17 - Eduardo Dussek 24 - Quinteto em Tom Maior 25 - Rosane Corrêa: Homenagem a Ella Fitzgerald 26 - Daíra: Homenagem a Belchior 31 - Ana Egito

Baile do Digitaldubs - HUB (Santo Cristo) 21 - Cedric "The Congos" Myton (JAM) 28 - Mad Professor & Aisha

Música no Deck - Barraca do Pepê (Barra da Tijuca) 20 – Filipe Ret 21 – Kell Smith 27 – Um 44k 28 – Luiza Possi Barra Blues Festival 26 - Sergio Diab Stratoman / Projeto Soul Jazz / Ana Egito / Alamo Leal Blues Groover’s / Corcel Mágico 27 - RJ Café / UniJazz Brasil / The Blue Fever / Sergio Rocha / Serra Blues Trio 28 - André Barroso / WestSide Blues / State of Blues / Victor Biglione Festival Downtown Sunset - Shopping Downtown (Barra da Tijuca) 20 – Gabriel O Pensador 27 – Biquini Cavadão

Rio Rock & Blues - Rock Experience (Lapa) 19 - Titanossauros / Conexão Japeri 20 - Love & The Lovers / The Loreleis 26 - The Smiths Cover 27 - Pedro Santana Trio / Elemento Surpresa / A Bolha Revisited

Circuito SESI 24 - Centro: Fhernanda Fernandes - Participação: Nana Kozak, Sandra Duailibe, Clarisse Grova, Ninah Joh, Andréa França

MIXXX: 17 – Matheus VK – Teto Solar / Botafogo 19 - Maratona Black - Baile Charme – Gafieira Elite / Centro 19 - O Rappa: Tour de Despedida – Quadra da Mocidade / Padre Miguel 20 - Festival Rock in Brisa 4: 90 Contos / Cosmobox – Espaço Tequila´s / Guaratiba 20 - Playmobille / Tem Amor – La Esquina / Lapa 20 - Indivíduo K / Cândido / Banheiro Azul – O Pecado Mora ao Lado / Praça da Bandeira 21 - Aniversário de 57 Anos do Cacique de Ramos 21 - Festival Lona Rock Sunday: Memora / The Outs / Corcel Mágico – Lona Terra / Guadalupe 21 - Lu Oliveira – Praia de Conceição de Jacareí / Mangaratiba 26 - Laurent Garnier (FRA) 26 - Bloco do S Convida KL Jay – Fosfobox / Copacabana 27 - Slide / Sollarium / Fresno / Glória / Strike - Clube Tamoio / São Gonçalo 27 – Matanza – Arena Fernando Torres / Parque de Madureira 27 - Visibilidade Transvestigenere - Beco Encantado: Mulher Pepita & MC Xuxu – Beco do Rato / Lapa 28 - Festa Divina Circus: IZA – Clube 4 Linhas / Bento Ribeiro 28 - Bloco Eficiente: Inclusão Se Faz Com Várias Mãos – Praça Paris / Glória 28 - Facing Fear / Stuff / Cidade Nua – Rock´N Beer Pub / São Gonçalo

exposição de fotografias de Raymond Depardon, “Un moment si doux”. Depois de passar por Paris e Buenos Aires, o CCBB Rio recebe as 170 fotografias de diferentes cores e formatos tiradas na Europa, África e América Latina, incluindo o Brasil. Ate 22 de janeiro. qua-seg 9am-21pm. Grátis.

FESTIVAL DE CULTURA DIGITAL: De 18 a 20 de janeiro, quinta a sábado, acontece no CCBB RJ DIGI – Festival de cultura digital, uma mega programação que inclui imersão, reflexão e diversão. Tem até shows geek. quinta, 19 de janeiro, às 21h, apresentação da orquestra Ritornello de Jedi, com repertório de trilhas musicais de videogames, séries e desenhos, com cordas e vozes, e arranjos exclusivos. O objetivo é dar acesso à formação clássica com temas musicais do cotidiano. sexta, 20 janeiro, às 21h, é a vez de The Screeners, banda que faz releituras rock ’n’ roll de trilhas sonoras clássicas do cinema, de videogames, séries de TV, desenhos animados. É tudo grátis, das 9 às 21h.

MOSTRA NA CAIXA CULTURAL RIO DE JANEIRO EXIBE O CINEMA DE HAL HARTLEY Programação reúne todos os 14 longas do diretor americano, além de debate, sessões comentadas e um curso de roteiro cinematográfico de 23 de janeiro a 4 de fevereiro de 2018 (terça a domingo)

O Ministério da Cultura, o Centro Cultural Banco do Brasil e a Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro apresentam a 14ª Mostra Melhores Filmes do Ano Além das exibições dos filmes, a mostra traz homenagens e catálogo especial com textos sobre os filmes e as iniciativas cinematográficas que fizeram a diferença em 2017 De 24 de janeiro a 1 de fevereiro
PROG IN BRASIL: Carl Palmer, Premiata Forneria Marconi, estarão no Brasil em 2018, se apresentando nas cidades de Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo, como parte da Top Cat Concert Series 2018. Os italianos do Premiata Forneria Marconi CHEGAM EM ABRIL. O grupo de rock progressivo, formado em 1971, vem lançar seu novo álbum 'Emotional tattoos', e também vai tocar seus clássicos. Maio vai trazer o baterista do Emerson, Lake & Palmer e também do Asia, Carl Palmer, com seu tributo ao ELP.Show promete surpresas com algumas participações especiais de peso.

No dia 24/jan, começa no CCBB SP a mostra Sonora: Ennio Morricone, que homanageia o maestro no ano que completa 90 anos. Ao todo, serão exibidos 22 filmes que têm a marca musical do maestro.

Nico Rezende fará show em homenagem a Chet Baker dia 26/01 no Blue Note. Aliás, esse ano completa 30 anos da morte do Chet!!! 2018 marca o trigésimo aniversário da morte de Chet Baker. Nico Rezende presta homenagem ao trompetista no palco do Blue Note Rio, no dia 26 de janeiro (sexta), para apresentar alguns clássicos imortalizados por Baker. Estão no programa canções como ‘Time after time’, My funny valentine’ e ‘There will never be another you’.

RU PAUL´S DRAG RACE TOUR: Em 2018, as drag queens de RuPaul's Drag Race vão levar a turnê oficial do reality-show, WERQ THE WORLD TOUR, para a terra do “Come to Brazil”! Michelle Visage vai comandar a apresentação no Brasil e todos os shows contarão com performances ao vivo de algumas das drag queens mais inesquecíveis de RuPaul's Drag Race, entre elas, as recém-divulgadas participantes da terceira temporada de All Stars, Shangela e Kennedy Davenport. Outras fan favorites devem marcar presença, como Detox, Kim Chi, Violet Chachki, Valentina e Peppermint. Ainda haverá um pré-show com DJ set e performance de Lady Bunny, a drag queen que é uma lenda da cena noturna de Nova York. 23/FEV TEATRO BRADESCO/RJ

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers