NA COVA DO LEÃO

Sunday, January 29, 2012

RUPTURA DISCO-PUNK


O SHOW DO RAPTURE NO CIRCO (27/01/12) NAO FOI DAQUELES QUE CAUSAM COMOÇÃO, MAS FOI MUITO BOM. A PRIMEIRA VEZ QUE VI A BANDA, NUM TIM FEST, EM 2003, NAO CURTI. ACHEI UM SHOW CAOTICO E GRITADO DEMAIS. EU NAO ERA FA DE TUDO NO DISCO 'ECHOES', SO DA FAIXA-TITULO (QUE ME INCOMODAVA UM POUCO, POR SOAR PIL DEMAIS) E MAIS UMAS POUCAS (OLIO, ENTRE ELAS). MAS, COM A CHEGADA DO SEGUNDO ALBUM, 'PIECES OF PEOPLE WE LOVE', UNS TRES ANOS DEPOIS, GOSTEI MAIS. E TOCAVA VARIAS FAIXAS DESSE DISCO EM MINHAS GIGS. NAO PUDE VER O SHOW DESTE DISCO NO PLANETA TERRA DE 2007, MAS PEGUEI UMA GIG DA BANDA NO TRABENDO, NA CITTE DE LA MUSIQUE, EM PARIS, E ADOREI O MIX DO DISCO-PUNK AMERICANO COM O FRENCH TOUCH DADO POR PHILIPPE ZDAR, DO MOTORBASS/CASSIUS, AO SOM DA BANDA, APOS PRODUZIR SEU NOVO TRABALHO, 'IN THE GRACE OF YOUR LOVE', UM DE MEUS DISCOS FAVORITOS DE 2011.
E, AGORA, SEM O LCD NA ESTRADA, SOBROU PRO RAPTURE O TRONO DESTE TIPO DE SOM, JA QUE ELES PAVIMENTARAM ESTE CAMINHO, JUNTOS, NO COMEÇO DA DECADA 00, VIA DFA. E, AGORA, COM UM REPERTORIO JA MAIS DENSO, DEU PRA CRIAR UM SETLIST IGUALMENTE DENSO, QUE RESULTOU NUM SHOW BEM AMARRADO, COM UMA PRIMEIRA HORA PERFEITA E DANÇANTE, E COM OS 15MINS FINAIS DO ENCORE FUNCIONANDO COMO CHILL OUT, COM FAIXAS MAIS CALMAS DO NOVO DISCO E O GRAND FINALE COM 'HOW DEEP IS YOUR LOVE'. A VOZ DE LUKE JENNER JA NAO É MAIS TAO AGUDA (AINDA BEM) E O BAIXISTA ORIGINAL FAZ FALTA, MAS O RAPTURE EM SI NAO FOI ABALADO COM ISSO. E, AINDA É A UNICA BANDA EM QUE UM SAXOFONISTA NAO IRRITA. ASSIM, FECHA-SE MAIS UM CICLO. QUE VENHA O SOM 01.


CLIP DO COVEIRO @SELUSAVA
Friday, January 27, 2012

DON´T THINK, JUST DANCE!


NOS DIAS 3 E 4 DE FEVEREIRO SERA EXIBIDO PELA REDE UCI NO BRASIL O FILME DOS CHEMICAL BROTHERS 'DON´T THINK'. MAS NAO SE TRATA DE UM DOC OU ALGO DO TIPO. É, SIMPLES E DIRETAMENTE, UMA VERSAO FILMADA E EDITADA (SEM CORTES) DE CONCERTO DA DUPLA ED & TOM CHEMICAL NO FESTIVAL FUJI ROCK, NO JAPAO, 2011. ENTÃO, DO COMEÇO AO FIM, É PURO SOM E IMAGEM, SEM FALAS. O CURIOSO É QUE O FILME DOS CHEM BROS TINHA TUDO PARA SER EM 3D (COMO O SHOW DA KYLIE), JA QUE É ALTAMENTE LISERGICO E ABUSA DE EFEITOS NO TELÃO E DAS CORES VERDE E VERMELHO, MAS NÃO É. PENA, NESSE CASO, TERIA TUDO A VER. ALIAS, OS CINEMAS QUE O EXIBEM PODERIAM, APENAS NESTE DIA, DAR UM TRATO E COLOCAR ESTROBOS E CAIXA DE REFORÇO DE GRAVES NAS SALAS -- E TIRAR AS CADEIRAS DAS PRIMEIRAS FILEIRAS -- JÁ QUE A VONTADE DE DANÇAR É CONTAGIANTE (COMO ACONTECEU NUM CINEMA EM LOS ANGELES, QUE TEVE DE INTERROMPER A SESSÃO PRA ACALMAR A GALERA). MAS ISSO NAO TEM ROLADO. ATENÇÃO: RECLAME SE O SOM ESTIVER BAIXO EM SUA SESSÃO. NA CABINE EM QUE FUI, ELE TAVA BAIXO, E, SEM PESO, METADE DA VIAGEM VAI PRO RALO. ENJOY THE TRIP!

Saturday, January 21, 2012

SHHHH!!!


O cinema hj chegou a um tal nivel tecnico q ate cansa. Eu sempre gostei das novidades na telona, do efeito sensurround aos filmes 3D, do telao do imax a projeção digital 4k (e sinto falta por nao ter visto Ben-Hur em 70m/m, pois eu sequer era nascido qndo ele estreou). Mas, as vzs, é tanta tecnica q se esquecem do filme, sao apenas produtos sem alma, na maioria das vzs. Por isso, hj a maioria deles parece demo de computer graphics, tudo roda, gira, explode. Dai que, um filme mudo (!) e em preto e branco (!!), como 'O artista', acaba soando como o maior dos truques, justamente por oferecer uma experiencia diametralmente oposta a de um 'Avatar'.

E foi com imenso prazer q assisti a este filme ousado para os dias de hj, apesar de contar uma historia simples e ate ja vista, de certa forma, no classico 'cantando na chuva' (a transição do cinema mudo para o falado). Muita gente sequer deve ter visto um filme mudo na vida e vai ate achar isso uma bizarrice. Ano passado, revendo um Chaplin mudo no Municipal, só com o acompanhamento ao vivo da orquestra, pensei: filme p-b muita gente ainda faz, queria ver alguem ter coragem de bancar um filme mudo. O frances Michel Hazanavicius teve. E foi esperto ao fazer essa homenagem a Hollywood, co-produzida com dinheiro americano e usando nomes locais, exceto o ator principal, o frances Jean DuJardin, dos filmes do agente OSS 117 -- que, historicamente, veio antes do famoso James Bond, dai seus filmes se passarem nos anos 50 --, ambos dirigidos pelo mesmo Hazanavicius; um passado no Cairo, e outro, no Rio. O ultimo filme mudo mainstrem foi 'Silent movie' (a ultima loucura de Mel Brooks, 1976), que era colorido.

Mesmo sem som (apenas com a bela trilha de ludovic bource, que ganhou o globo de ouro por ela), 'ouvimos' e sentimos tudo o q se passa na tela (até o corte é aquele quadrado antigo, ele so nao foi rodado em rotação acelerada), esquecemos logo que se trata de um filme mudo e entramos naquele mundo paralelo, mais estranho do que se fosse um sci-fi (como assim, ja existiu um tempo em que os filmes nao 'falavam'?), ainda que parte dos efeitos do filme tenham sido feitos digitalmente, o que soa algo incongruente. Existiu. E, se o novo tem que dar lugar ao mais novo, como sempre, é bom q jamais se esqueça dos pioneiros que abriram o caminho. nao se vai ao futuro sem dar uma olhadinha para tras, parece 'dizer' o filme...

Sunday, January 15, 2012

TAN-TAN




UMA DE MINHAS PRIMEIRAS LEITURAS INFANTIS, FORA GIBIS DISNEY, TURMA DA MONICA E HEROIS MARVEL, FORAM OS ALBUNS DO TINTIN. ATRAVES DELES, ASSIM COMO ROLAVA EM ALGUMAS AVENTURAS DO TIO PATINHAS BY CARL BARKS, EU TRAVEI CONHECIMENTO, PELA PRIMEIRA VEZ, COM POVOS E COSTUMES DIFERENTES. APESAR DO CLIMA COLONIALISTA, JA QUE TINTIN ERA EUROPEU, DESCOBRI AFRICA E ORIENTE EM ALGUMAS DE SUAS AVENTURAS, ANTES DOS DOCUMENTARIOS NA TV. ERA ALGO TAO FASCINANTE E MÁGICO COMO IR A OUTRO PLANETA...

PENA QUE ESSE LADO EH TOTALMENTE DESCARTADO NO FILME DE SPIELBERG (QUE JA ADMITIU QUE UMA DE SUA INSPIRACOES PARA INDIANA JONES, ALEM DOS SERIALS DAS MATINES, FOI O INTREPIDO JORNALISTA BELGA) COM PRODUCAO DE PETER JACKSON. OS DOIS, NOTORIOS EXIBICIONISTAS MASTURBATORIOS DE TECNICAS, SE PREOCUPARAM MAIS COM O VISUAL E O MOVIMENTO DO QUE COM O RESTO, AINDA QUE O RESULTADO SEJA OK. E ISSO SE REFLETE NO FILME. TUDO BEM, HJ TODO MUNDO TEM ACESSO A TUDO VIA INTERNET, NADA MAIS EH MISTERIOSO COMO ANTES, MAS ERA LEGAL DESCOBRIR À MODA DO TINTIN (tiNtiN, COM DOIS ENES, PF). DO JEITO QUE FICOU, DÁ UM POUCO DE SONO E TEDIO, SOBRETUDO NUMA CABINE MATINAL E COM AQUELE 3D EM QUE TUDO GIRA E RODA...

O FILME (BASEADO EM VARIAS AVENTURAS DE TINTIN, MAS USANDO COMO BASE O LICORNE DOURADO, MAS TEM ATE A CANTORA LIRICA CASTAFIORE, P EX), FOI TODO FEITO PELO PROCESSO MOTION CAPTURE (ATORES DE VERDADE DAO VIDA AOS PERSONAGENS DIGITAIS APOS SEREM CAPTURADOS POR COMPUTADOR), E É O MELHOR JA FEITO NESTA TECNICA ATE HJ (COMPARANDO COM BEOWULF E SCROOGE, P EX). TUDO É TECNICAMENTE PERFEITO, OS ATORES/VOZES ESCALADOS SAO BONS (JAMIE BELL, DANIEL CRAIG, O FERA NO ESTILO ANDY 'GOLLUM' SERKIS, SIMON PEGG). MAS TUDO PARECE FEITO APENAS PARA DEMONSTRAR O QNTO O 3D EH SENSACIONAL, O Q A WETA (FIRMA DO JACKSON) EH CAPAZ DE CRIAR, E QUE THEME PARK RIDE MANEIRO AQUILO UM DIA VAI DAR NA FLORIDA. MAS ACABA FALTANDO UM POUCO DE EMOCCAO, QUE SOBRAVA NOS LIVROS DO HERGE. SINCERAMENTE, EU ESPERAVA MAIS DESSE TINTIN, ALEM DE BOA TECNICA. MELHOR VOLTAR AOS LIVROS. OU ENTAO ASSISTIR AS AVENTURAS DE JONNY QUEST, SEU REFLEXO AMERICANO...

*O TINTIN DOS ANOS 60, O CAPITAO HADDOCK ERA ALTO E MAGRO, COMO O ORIGINAL, DIFERENTE DE SUA VERSAO DIGITAL.
Friday, January 06, 2012

O NOME DELA É LISBETH SALANDER


Finalmente cai dentro da trilogia 'Millenium'. Baixei os bd-rips dos tres filmes suecos baseados em tres livros do escritor sueco Stieg Larsson (nunca li nenhum e nem conhecia o cara), que fazem o maior sucesso, inclusive por aqui. O motivo? Comparar com o novo filme do David Fincher (com trilha de Trent Reznor e Atticus Ross, os mesmos de 'The social network'), que estreia aqui em breve, 'The girl with the dragon tattoo', que é o primeiro livro/filme da trilogia e nos apresenta a fascinante personagem Lisbeth Salander, feita à perfeição por Noomi Rapace, que está muito mal aproveitada no novo filme de Sherlock Holmes do Guy Ritchie.

Gostei muito do primeiro filme; que, nao sei pq, nao foi para os cinemas daqui, saiu direto em video e passa no Max. faria sucesso facil. É uma bem urdida trama de crime e investigação que se fecha em si e deixa alguns misterios no ar. Mas, como o livro e a personagem fizeram sucesso, vieram os seguintes. O segundo (o mais fraco) explica quem é Lisbeth, e o terceiro (apenas ok), arremata a trama toda com elementos que foram apresentados nos dois primeiros. Dizem que Fincher fez um remake avant la lettre dos originais. Dizem que o primeiro filme sueco muda um pouco o final do livro. Seja como for, é bom programa para quem gosta do gênero.

O grande atrativo mesmo é Lisbeth, uma punk hacker com um passado sombrio e personalidade multifacetada. Apesar de pequena e fragil, é uma mulher forte e de poucas palavras. O que acaba fascinando um jornalista da revista de reportagens investigativas 'Millenium', que, ao investigar um antigo caso de desaparecimento, acaba se envolvendo com ela, e descobrindo muito mais do que deveria (ou que não queriam que ele soubesse). Se voce assistir apenas ao primeiro filme, ja ta de bom tamanho. Ele é o melhor de todos, e seu final misterioso, nos deixa intrigado.



E AGORA, A VERSÃO AMERICANA (spoilers!):

Nao se pode dizer q david fincher fez um filme ruim, mas ele, certamente, tem bem menos clima do que o original -- ainda q tenha ajeitado mais o todo --, sobretudo nas cenas em que isso se faz necessario. P ex: tanto no momento em que Lisbeth esta sendo assediada por seu tutor, quanto na parte final, no confronto entre mikael e o tal homem q nao amava as mulheres do titulo do livro original sueco, falta pulso e clima, que so a trilha de trent reznor e atticus ross dá. Tbm é notavel que a Lisbeth de rooney mara (que se entregou bastante ao papel, criando ate um sotaque curioso) é levemente adocicada, quase cute, o que a salander de noomi rapace jamais é. O legal é que o filme realmente se passa em Estocolmo -- em vez de alguma cidade americana, tipo o deixe ela entrar --, mesmo com elenco internacional e anglo-parlante. E adicionou alguns detalhes (desnecessarios) que nao estao no filme sueco, mas sao citados no livro. O final do americano é levemente diferente (nao gostei do jeito como eles fizeram a cena do acidente), mas, como nao li o livro, nao sei a quem ele foi mais fiel ou não. Cotação: sueco **** americano ***

NA CIDADE

JANEIRO TEM DUAS FACES:

CASAS & SHOWS: Circo Voador 19 - Samba Rap Festival: Elza Soares / Karol Conka 20 - Samba Rap Festival: Emicida / Jongo da Serrinha / Bateria da Império Serrano 25 - Phoenix (FRA) 26 - Vanessa da Mata / Fióti / DJ Incidental 27 - Barão Vermelho

Fundição Progresso 19 - BaianaSystem 20 - Tim Music no Samba: Xande de Pilares & Mumuzinho - Participação: Bateria do Salgueiro 26 – Johnny Hooker / Letrux 27 - Nando Reis

Teatro Odisseia 21 - Radnor With Lee (EUA) 28 - Demon Hunter (EUA) / Pantokrator (SUE)

Teatro Riachuelo 16 - Leila Pinheiro: Voz & Piano 23 - Ed Motta: Baile do Flashback 30 - Laila Garin & A Roda

Teatro Rival 20 - João Bosco: Voz & Violão 25 - Angela Ro Ro 26 - Bloco Sargento Pimenta 27 - Geraldo Azevedo: Voz & Violão

Audio Rebel 16 - Adaury Mothé Trio 17 - Rafael Rocha Quinteto 28 - N.D.R. / Triunfe / Dissonância 29 - Ana Baird & Camila Costa: Perigosas

Espaço Sérgio Porto 18 - Sinara 25 - Karine Carvalho: Galega Hits

Sala Baden Powell 19 - Sempre Livre / Sylvinho Blau Blau / Dr. Silvana & Cia. 20 – Nelson Sargento 21 – Banda do Síndico 24 - João Donato - Participação: Carlos Lyra & Roberto Menescal & Marcos Valle 25 - Mario Adnet: Jobim Jazz 26 – Marcos Ariel 27 – Cris Delanno 28 - Azymuth

Beco das Garrafas 17 - André Gonçalves 18 - Lu Oliveira 19 - Georgiana de Moraes & Fernanda Cunha & Camilla Dias: Homenagem a Vinicius de Moraes (20h) 19 - Joyce Cândido: Homenagem a Elis Regina (22h30) 20 - Hélio Delmiro (21h) 20 - Maíra Freitas & Taís Feijão (22h30) 21 - Dóris Monteiro 24 - Rosana Sabença 25 - Conexão Rio: Homenagem a Tom Jobim 26 - Amanda Bravo: Homenagem a Durval Ferreira - Participação: Paulinho Trompete, Mauricio Einhorn, Rosana Sabença, Billy Blanco Jr., Thaís Fraga 27 - Hector Costita & Joseval Paes 31 - Maria Luiza

Casa de Cultura Laura Alvim 16 - Dani Black 21 – Pedro Mann 23 - Davi Moraes 28 – Qinho Canta Marina Lima 30 - Matheus VK

Teatro Café Pequeno 18 – Verônica Sabino 25 – Elisa Queirós

Blue Note Rio 16 - Big Gilson 17 - Roberto Menescal 18 - Gabriel Moura 19 - Daniel Jobim & Daniel Boaventura: Homenagem a Tom Jobim & Frank Sinatra 20 - MPB-4 23 - Escalandrum (ARG) 24 - Mayer Hawthorne (EUA) 25 - Wanda Sá & Gilson Peranzzetta & Mauro Senise: Homenagem a Tom Jobim & Vinicius de Moraes

KM de Vantagens Hall 19 – Molejo & É O Tchan – Participação: Ludmilla 20 - Ney Matogrosso: Atento aos Sinais

Imperator 23 - Jazz Pras Sete: Chico Costa & Quarteto Artilheiro 24 - Quartas Brasileiras: Cordão da Bola Preta 27 - Forró Lánalaje: Marcelo Mimoso Trio / DJ Edna Carvalho 28 - Bloco Pipoca & Guaraná 31 - Toquinho: Voz & Violão - Participação: Camilla Faustino

Centro de Referência da Música (Tijuca) 17 - Ellen de Lima & Reginaldo Bessa: Homenagem a Lamartine Babo 18 - Rosa Marya Colin - Participação: Jefferson Gonçalves 19 - André Gabeh 17 - Eduardo Dussek 24 - Quinteto em Tom Maior 25 - Rosane Corrêa: Homenagem a Ella Fitzgerald 26 - Daíra: Homenagem a Belchior 31 - Ana Egito

Baile do Digitaldubs - HUB (Santo Cristo) 21 - Cedric "The Congos" Myton (JAM) 28 - Mad Professor & Aisha

Música no Deck - Barraca do Pepê (Barra da Tijuca) 20 – Filipe Ret 21 – Kell Smith 27 – Um 44k 28 – Luiza Possi Barra Blues Festival 26 - Sergio Diab Stratoman / Projeto Soul Jazz / Ana Egito / Alamo Leal Blues Groover’s / Corcel Mágico 27 - RJ Café / UniJazz Brasil / The Blue Fever / Sergio Rocha / Serra Blues Trio 28 - André Barroso / WestSide Blues / State of Blues / Victor Biglione Festival Downtown Sunset - Shopping Downtown (Barra da Tijuca) 20 – Gabriel O Pensador 27 – Biquini Cavadão

Rio Rock & Blues - Rock Experience (Lapa) 19 - Titanossauros / Conexão Japeri 20 - Love & The Lovers / The Loreleis 26 - The Smiths Cover 27 - Pedro Santana Trio / Elemento Surpresa / A Bolha Revisited

Circuito SESI 24 - Centro: Fhernanda Fernandes - Participação: Nana Kozak, Sandra Duailibe, Clarisse Grova, Ninah Joh, Andréa França

MIXXX: 17 – Matheus VK – Teto Solar / Botafogo 19 - Maratona Black - Baile Charme – Gafieira Elite / Centro 19 - O Rappa: Tour de Despedida – Quadra da Mocidade / Padre Miguel 20 - Festival Rock in Brisa 4: 90 Contos / Cosmobox – Espaço Tequila´s / Guaratiba 20 - Playmobille / Tem Amor – La Esquina / Lapa 20 - Indivíduo K / Cândido / Banheiro Azul – O Pecado Mora ao Lado / Praça da Bandeira 21 - Aniversário de 57 Anos do Cacique de Ramos 21 - Festival Lona Rock Sunday: Memora / The Outs / Corcel Mágico – Lona Terra / Guadalupe 21 - Lu Oliveira – Praia de Conceição de Jacareí / Mangaratiba 26 - Laurent Garnier (FRA) 26 - Bloco do S Convida KL Jay – Fosfobox / Copacabana 27 - Slide / Sollarium / Fresno / Glória / Strike - Clube Tamoio / São Gonçalo 27 – Matanza – Arena Fernando Torres / Parque de Madureira 27 - Visibilidade Transvestigenere - Beco Encantado: Mulher Pepita & MC Xuxu – Beco do Rato / Lapa 28 - Festa Divina Circus: IZA – Clube 4 Linhas / Bento Ribeiro 28 - Bloco Eficiente: Inclusão Se Faz Com Várias Mãos – Praça Paris / Glória 28 - Facing Fear / Stuff / Cidade Nua – Rock´N Beer Pub / São Gonçalo

exposição de fotografias de Raymond Depardon, “Un moment si doux”. Depois de passar por Paris e Buenos Aires, o CCBB Rio recebe as 170 fotografias de diferentes cores e formatos tiradas na Europa, África e América Latina, incluindo o Brasil. Ate 22 de janeiro. qua-seg 9am-21pm. Grátis.

FESTIVAL DE CULTURA DIGITAL: De 18 a 20 de janeiro, quinta a sábado, acontece no CCBB RJ DIGI – Festival de cultura digital, uma mega programação que inclui imersão, reflexão e diversão. Tem até shows geek. quinta, 19 de janeiro, às 21h, apresentação da orquestra Ritornello de Jedi, com repertório de trilhas musicais de videogames, séries e desenhos, com cordas e vozes, e arranjos exclusivos. O objetivo é dar acesso à formação clássica com temas musicais do cotidiano. sexta, 20 janeiro, às 21h, é a vez de The Screeners, banda que faz releituras rock ’n’ roll de trilhas sonoras clássicas do cinema, de videogames, séries de TV, desenhos animados. É tudo grátis, das 9 às 21h.

MOSTRA NA CAIXA CULTURAL RIO DE JANEIRO EXIBE O CINEMA DE HAL HARTLEY Programação reúne todos os 14 longas do diretor americano, além de debate, sessões comentadas e um curso de roteiro cinematográfico de 23 de janeiro a 4 de fevereiro de 2018 (terça a domingo)

O Ministério da Cultura, o Centro Cultural Banco do Brasil e a Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro apresentam a 14ª Mostra Melhores Filmes do Ano Além das exibições dos filmes, a mostra traz homenagens e catálogo especial com textos sobre os filmes e as iniciativas cinematográficas que fizeram a diferença em 2017 De 24 de janeiro a 1 de fevereiro
PROG IN BRASIL: Carl Palmer, Premiata Forneria Marconi, estarão no Brasil em 2018, se apresentando nas cidades de Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo, como parte da Top Cat Concert Series 2018. Os italianos do Premiata Forneria Marconi CHEGAM EM ABRIL. O grupo de rock progressivo, formado em 1971, vem lançar seu novo álbum 'Emotional tattoos', e também vai tocar seus clássicos. Maio vai trazer o baterista do Emerson, Lake & Palmer e também do Asia, Carl Palmer, com seu tributo ao ELP.Show promete surpresas com algumas participações especiais de peso.

No dia 24/jan, começa no CCBB SP a mostra Sonora: Ennio Morricone, que homanageia o maestro no ano que completa 90 anos. Ao todo, serão exibidos 22 filmes que têm a marca musical do maestro.

Nico Rezende fará show em homenagem a Chet Baker dia 26/01 no Blue Note. Aliás, esse ano completa 30 anos da morte do Chet!!! 2018 marca o trigésimo aniversário da morte de Chet Baker. Nico Rezende presta homenagem ao trompetista no palco do Blue Note Rio, no dia 26 de janeiro (sexta), para apresentar alguns clássicos imortalizados por Baker. Estão no programa canções como ‘Time after time’, My funny valentine’ e ‘There will never be another you’.

RU PAUL´S DRAG RACE TOUR: Em 2018, as drag queens de RuPaul's Drag Race vão levar a turnê oficial do reality-show, WERQ THE WORLD TOUR, para a terra do “Come to Brazil”! Michelle Visage vai comandar a apresentação no Brasil e todos os shows contarão com performances ao vivo de algumas das drag queens mais inesquecíveis de RuPaul's Drag Race, entre elas, as recém-divulgadas participantes da terceira temporada de All Stars, Shangela e Kennedy Davenport. Outras fan favorites devem marcar presença, como Detox, Kim Chi, Violet Chachki, Valentina e Peppermint. Ainda haverá um pré-show com DJ set e performance de Lady Bunny, a drag queen que é uma lenda da cena noturna de Nova York. 23/FEV TEATRO BRADESCO/RJ

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers