Pages

Monday, November 28, 2011

KEN RUSSELL R.I.P.


Até uma certa idade eu odiava musicais, pq eles passavam, na sessão da tarde no lugar dos filmes de ação e aventura e as pessoas começavam a cantar e dançar do nada, isso me irritava, agravado pelo fato de, certa vez, minha mae querer me fazer entrar num cinema que tava passando a noviça rebelde, quando, do lado, outro cinema exibia 2001. e aquela roda espacial me agradava mais do que aquela mulezinha correndo feliz com maletas (rs). Contudo, isso começou a mudar quando assisti a meu primeiro musical, Tommy, baseado na opera-rock do The Who. Aí, sim.

Mas Tommy nao seria tao legal e delirante se nao tivesse sido dirigido por Ken Russell, que deu uma bela melhorada no material original (criou mais situações e mudou alguma coisa) e escalou um elenco sensacional (oliver reed, ann margret, elton john, eric clapton, tina turner, jack nicholson etc). A partir dai, fiquei fascinado pelo diretor. Infelizmente, seus filmes geralmente eram improprios para menores ou banidos/cortados no Brasil, pq sempre mexiam com sexualidade ou questionavam a religião (a cena inteira de Clapton em Tommy nunca passou nos cinemas daqui).e, como somos um pais carola -- e saindo da ditadura--, sempre dava merda por aqui.

uma das mais perturbadoras sequencia de "The devils":


Felizmente o VHS apareceu nos anos 80 e pude ver alguns de seus filmes, ainda que em copias piratas, ja que eles tbm nao eram lançados aqui nem em video. Como a delirante biografia de Franz Liszt, Lisztomania, com Roger Daltrey, Rick Wakeman e Ringo Starr; o banido Os demonios (sobre histeria religiosa, que tem cenas realmente perturbadoras e atuações perfeitas de Oliver Reed e Vanessa Redgrave), ate que, depois do sucesso de Tommy, ele passou a fazer alguns filmes para estudios de Hollywood, à sua maneira, claro, que chegaram aqui nos cinemas. Como Altered states (homenageado em Fringe com o tanque de isolamento e a atriz Blair Brown) e Crimes de paixão (ultimo grande papel de Anthony Perkins, como um fanatico moralista que se apaixona por uma prostituta feita por Kathleen Turner, vulgo China Blue).

Nao durou muito, claro, ele era ousado demais para os yankees. Então voltou para a Inglaterra onde fez filmes cults por pequenos estudios, como 'A maldição da serpente' (que lançou hugh grant), 'A ultima dança de Salomé' e seu ultimo grande filme, Gothic (alegoria de como teria sido a noite em que Mary Shelley, Percy Shelley e Lord Byron passaram isolados numa mansão a base de estimulantes, o que originou o livro Frankenstein e varios poemas de Byron e Shelley). Na maioria das vzs, os criticos nao gostavam mais dos exageros e estilo rococó do diretor do que o público ('Faço filmes para incomodar', disse Ken certa vez). Mas é inegavel que ele construiu uma linguagem propria e nunca se ateve as regras do cinema mainstream. fazendo o que lhe dava na telha. É menos um genio num mundo de idiotas assépticos. Palmas para ele!

*o moulin rouge de baz lurhman deve muito a russell...

abaixo, a sequencia cortada no brasil de tommy, com eric clapton:
Thursday, November 24, 2011

MAIS UMA DO PANÇO

tenho q dizer q a historia sobre o show do gangrena na festa hellradio, na torre de babel, esta mal contada e sem ouvir o outro lado. nao foi daquele jeito nao, panço. vc tava la?
Saturday, November 19, 2011

LADYTRON: ROXY MUSIC


Mesmo sem os devidos aparatos tecnicos (iluminação ruim e quase inexistente, qualidade de som apenas aceitavel, dj de esquenta horrivel), o primeiro show do Ladytron em San Sebastian City foi beeem legal. Isto pq, apesar de ser uma banda baseada em beats eletronicos, ao vivo o Ladytron conta com duas vocalistas maravilhosas: a fofa Helen Marnie, que canta ainda melhor do que nos discos (nao tem truque de estudio) e a bela -- e grávida! -- Mira Aroyo, no segundo vocal, as vzs fazendo as intervenções em bulgaro (sua lingua-patria) e enlouquecendo geral na plateia. Ao fundo, Daniel Hunt (q as vzs tbm toca guitarra, o q n rolou desta vez) e Reuben Wu cuidam dos arranjos eletronicos, secundados por um ótimo baterista contratado que nao elimina os beats e dá mais peso ao som. O resultado foram 70 minutos non-stop de pura alegria para os muitos fãs da banda que lá foram.

Levou umas cinco musicas para Marnie se sentir a vontade, mas a medida em q ela captava o calor do publico de volta (jogaram ate flores para elas), a fofa foi se soltando e rodopiando, cantando cada vez melhor e agradecendo a plateia. Mira, super timida, mandava bem nos keys vintage e os rapazes faziam a sua parte, afinal o show era todo das ladies (se nao fosse a barreira, elas seriam tragadas pelos fas, avidos por um toque ou um beijinho). O repertorio pinçou hits de todas as fases, alguns tocados num ritmo levemente mais lento, deixando de fora, entre as classicas, apenas 'Playgirl' (mas incluindo a minha fav, Discotraxx), e terminou botando a varanda do vivo rio abaixo com 'Destroy everything you touch', com a banda saindo de cena aos gritos ensandecidos da plateia. Vai demorar um pouco pra elas voltarem, ate Mira ter o baby e talz, mas que num bis aqui algum dia, Ladytron se apresente num lugar digno de seu nome.

setlist: softpower, international dateline, mirage, ghosts, high rise, true maths, white gold, runaway, ace of hz, little black angel, discotraxx, fighting in built up areas, seventeen, white elephant, destroy everything you touch (show 1h10am-2h20am)

clipe de "Runaway" by @selusava:

Friday, November 18, 2011

HOMELAND: NAO ACREDITE EM NINGUÉM


Noite dessas no twitter, eu tava comentando sobre a qualidade e variedade das series americanas de TV atuais, cada uma melhor do que a outra (Fringe, Dexter, American horror story etc), enquanto que, por aqui, so restam as novelas de sempre, copiadas da principal rede de tv (que as faz muito bem, mas nao muda nada, só o visual) e girando em torno dos mesmos temas (quem matou, quem é o pai e quem é a figura q surge do nada) ou nos mesmos lugares (rio/sp/bahia, familia italiana, ricos vs pobres etc), num ciclo que se repete igual ha decadas e decadas. Culpa do publico? Ou das próprias emissoras que nao dao uma opção a este mesmo publico?

Ja a tv americana, com mais redes ricas e sem monopolio (e onde novela é artigo de quinta, exibido a tarde para desocupados) é capaz de nos brindar, tanto na tv aberta qnto na fechada, com series diversas, muto bem escritas e atuadas (galazinho e mocinha de capa de revista de celebridades nao se cria por lá) e que, na maioria das vzs, sao melhores do que os atuais filmes americanos. O marco foi no começo dos 90s com 'Twin Peaks', mas foi na decada passada, com obras como "The Sopranos' e "Six feet under', que a HBO deu a virada e foi seguida pela concorrencia. Um dos canais que melhor se saiu nessa empreitada foi o Showtime, que ja nos deu 'Dexter' e 'Californication' e agora aparece com a sensacional 'Homeland'.

Nessa temporada atual, adotei as novas series 'Pan Am' e 'Ringer' (com Sarinha Buffy Gellar) e tbm 'The Playboy' club, q ja foi pro saco, alem de manter fidelidade a 'Dexter' (nova temp ta bem melhor q anterior) e 'Fringe' (cada vez melhor). Mas fui alertado por amigos no twitter a assistir Homeland. A principio, fiquei com pe atras, pq parecia mais uma daquelas series a la '24' (terrorismo nos usa) e nao teria saco para um novo Jack Bauer, ainda que este fosse agora uma mulher, minha querida Claire Danes (de 'My so-called life'). Resultado: baixei os 6 eps q estavam disponiveis e simplesmente nao consegui parar de ver apos assistir ao eletrizante piloto. É uma parada meio 'Manchurian candidate'. Claire é uma agente da Cia q acha q o soldado americano resgatado num buraco no Iraque apos oito anos preso - e agora tido como heroi nacional - é, na verdade, é um agente preparado pela al-qaeda para cometer um grande atentado em solo americano. E faz de tudo para comprovar isso.

E mais nao posso dizer. Apenas que no ep 7 rolou um twist sensacional na trama, e que a meio brasileira Morena Baccarin (de V) está lá, atuando muito bem e pagando belos peitinhos. Passa domingo a noite, antes de 'Dexter' (nas torrents, no dia seguinte). De quebra, ha o premiado ator da Broadway Mandy Patinkin (de 'Princess bride'), como o agente que treinou Claire (que está atuando absurdamente bem) e nao acredita nela. Afinal, como acreditar numa mulher que toma remedios controlados pq sofre de bipolaridade? Mas é a mais esperta de todos...
Friday, November 11, 2011

UMA CASA MUITO BEM ASSOMBRADA


Chequei algumas series que estrearam nesta temporada, entre elas 'Ringer' (prazer culpado, por conta da Sarah Michelle Buffy), The Playboy Club (pela Amber Heard e pelo tema, mas essa ja foi pro saco) e 'Pan Am', que ainda não atingiu a velocidade de cruzeiro, mas melhorou; além das favoritas de sempre 'Fringe' (cada vez melhor) e 'Dexter' (nova temp ta sensa, das melhores da serie).

Mas, das novas, a que me impressionou mesmo, positivamente, foi 'American horror story', dos criafdores de 'Glee' e 'Nip/Tuck', o que me fez hesitar em ver, ja que nunca acompanhei estas. Imaginei que seria mais uma serie de terror com casa mal-assombrada com sustos obvios, mas vai além. A partir de uma familia que sai da costa leste americana e vai para Los Angeles, morar numa antiga mansão onde aconteceram crimes hediondos (que eles não sabiam), os roteiristas constroem boas tramas sobre traição, loucura, sexo, crime, tudo com um toque bizarro e senso de humor (mas sem poupar nas cenas gore). E o elenco é vital para que tudo role bem. Ninguem muito conhecido na família, a não ser o canastra Dylan McDermott e a atriz que faz sua esposa, que fez 'Friday night lights" (Connie Britton, excelente milf) e a filha destes, a sensa Taissa Farmiga (irmã mais nova da Vera Farmiga, de 'A orfa'), todos muito bem nos papeis. E, como convidada especial, roubando todas as cenas, Jessica Lange, como a sinistra vizinha que tem uma filha com down. Alem de Denis Ohare (o master vampiro de 'True blood'), como um dos personagens mais asquerosos da TV, um camarada com cancer cerebral terminal. De quebra, o recem-assumido Zachary Quinto aparece como o ultimo dono da casa, um decorador gay afetado.

A serie estreou aqui esta semana -- passa segundas, 23h, no Fox --, mas la fora ja esta com 6 eps exibidos (vi os tres primeiros de enfiada, nao consegui parar de assistir). os eps 4 e 5, um especvial duplo de halloween, é das melhopres coisas no genero que vi na TV em muito tempo. Com muito menos badalação do que 'True blood' ou mesmo o mais sério 'Walking dead', p ex, achei a serie muito mais criativa e interessante no quesito horror. Tomara que emplaque temporada...
Friday, November 04, 2011

X = PUNKABILLY


Nao sou fã do Pearl Jam (mas respeito como banda e pelo historico, milz vzs eles do que um Nickelback, p ex) e nao tava dando muita bola pro show. Ate que descobri, por acaso, que a banda californiana X, ícone do punkabilly, é que está abrindo os shows no Brasil! E não li sobre isso em LUGAR ALGUM! (bon, uns dois sites apenas) Ha cerca de um mes perdi um show deles em NYC, pq era no dia em que eu chegava na cidade e os tickets ja tavam sold out. Na ocasião, eles exibiram o doc 'The unheard music' e tocaram os dois primeiros álbuns, Los Angeles e Wild Gift, na íntegra. Agora, com eles ali na esquina, não vou perder. Apoteose, aqui vou eu!

Formado por Exene Cervenka (voz) John Doe (voz, guitarra, ex-marido de Exene), Billy Zoom (um guitarra rockabilly) e DJ Bonebrake (batera), o X é uma das bandas seminais do punk rock angeleno, junto com Germs, Black Flag, Fear e outras, enfocada naquele doc "The decline of the western civilization'. O toque rockabilly de Zoom deu no punkabilly, reforçado pelo modo de cantar do casal Doe-Cervenka, que remetia aos duetos de Johnny e June Cash. Esta é a primeira vez em mais de 30 anos que a banda vem a América do Sul, e jamais viriam de outra forma.

Ray Manzarek, o tecladista dos Doors, produziu alguns álbuns da banda e disse na ocasião que o X era a mais perfeita tradução de Los Angeles desde a sua banda (da qual eles tocam soul kitchen). Um elogio e tanto. Eles tocam pro volta das 19h e eis aqui o setlist enviado pela produção. Quase todos os hits estão no cardápio. Será a meia hora mais quente deste domingo:

01. Your Phone's Off The Hook But You're Not

02. Johny Hit And Run Paulene

03. Soul Kitchen

04. White Girl

05. Beyond & Back

06. Hungry Wolf

07. Los Angeles

08. Breathless

09. Sugar Light

10. World's A Mess, It's In My Kiss

11. Nausea

12. Because I Do

13. Devil Doll

*o show começou as 19h, durou 40mins e seguiu a risca o setlist acima. foi muito bacana ver a banda de perto e com a formação original. assim q exene começou com 'your phones off the hook', na hora saiu aquela voz de sempre, nao mudou nada! billy zoom, como sempre, rindo e estático ao lado, dj bonebrake arrebentando nas baquetas e john doe em seu terninho rockabilly fazia os contrapontos vocais com exene, que faz deles o johnny e june cash do punk. pena que a cultura rock da plateia fosse quase zero (99% sequer tinha ideia de que banda era aquela) e sequer reconheceram qndo eles tocaram sua versao para 'breathless', do jerry lee lewis (a deles é a melhor, depois da original). mas a banda conseguiu animar parte da plateia apatica em alguns momentos, pq continua afinada como sempre, inclusive no hino punk 'nausea', que, uns 30 anos atras, fazia uma roda de mosh bater bonita aqui ou em los angeles.

NA CIDADE

NOVEMBERINAS:

Teatro Odisseia 17 – Siriun / Gutted Souls / Obituary (EUA)  21 – Delain (HOL) 26 - Vanguart / Ariella

Teatro Rival 16 – Tempero Carioca 17 - Eddie 22 – Rival Rebolado 23 – Nelson Sargento 25 – Festa Batmakumba: Abayomy 30 - Festival Norueguês: Sondre Lerche / Greni

Teatro Riachuelo 22 – Golden Boys

Casa Julieta de Serpa (Praia do Flamengo) 19 - Paris Jazz & Blues: Marcio Lott & Charles Marot Trio  26 - Paris Jazz & Blues: Carol Fazu

Coordenadas Bar (Botafogo) 05, 12, 19 e 26 – Pedro Baby & Convidados 21 - Sérgio Rocha Blues Band: Homenagem a Celso Blues Boy Estúdio Fórum (Botafogo) 24 - Sexta Infame: PxExNxE (COL) / Blaspherion / Lástima / Baga

Solar de Botafogo 16 – Paulo Malaguti 22 - Andrea Dutra & Cacala Carvalho & Elisa Queirós: Salto Triplo 24 - Kosmus / Aura / Psilocibina 29 – Gabriel Calisman Audio Rebel 17 - Ostra Brains / ‎Whatever Happened to Baby Jane (ES) 18 - Os Chás / Ente 19 - Altair Martins & Widor Santiago & Marcelo Magalhães Pinto & Didac Tiago & Roberto Rutigliano: Homenagem a Miles Davis & John Coltrane

Theatro Net Rio 27 -  Alessandra Verney  29 – Silva Canta Marisa Monte 

Blue Note 16 - Didier Lockwood Trio (FRA)  17 - Antônio Carlos & Jocafi Convidam Ithamara Koorax (20h)  17 e 18 - Amaro Freitas (22h30) 22 - Banda Zil (20h) 22 - Lina Nyberg (SUE) – Participação: Ilessi (22h30) 23 – Quarteto do Rio & Roberto Menescal – Participação: Joyce & Wanda Sá & Pedro Miranda (20h) 23 – Insula (22h30) 24 e 25 - Kenny Garret Quartet  29 e 30 - Ed Motta: Baile do Flashback

Ganjah Lapa 16 - Samba Que Elas Querem 17 - Anjos de Vidro / Mara Rúbia 22 - Conterrâneos 28 – Theozin

Sala Baden Powell 18 – Boca Livre 19 - Fhernanda Fernandes - Participação: Andréa França, Clarisse Grova, Nana Kozak, Ninah Jo, Sandra Duailib 22 – Doralyce & Maracutaia 25 - Augusto Martins & Paulo Malaguti 26 - João Carlos Assis Brasil & Carlos Navas

KM de Vantagens Hall 17 e 18 – Marisa Monte & Paulinho da Viola

Praça da Apoteose 18 e 19 - DNCE / Bruno Mars

Teatro da UFF (Niterói) 24 a 26 – MPB – a Era dos Festivais: Soraya Ravenle & Edu Krieger & Marcelo Caldi & Fabiano Salek & PC Castilho

Planet Music (Cascadura) 18 - Fugindo da Realidade / De Outono / Fall Back / Visceral Fear / We Are The Revenge  25 - For Annie / Ollie / Colorado / Visceral Fear

Imperator 19 - Folakemi / Jesuton / DJ Marcello MBGroove 20 – Mariene de Castro 21 – Terraço do Imperator: Jazz Pras Sete: Pimenta Jazz Trio 22 – Marcio Gomes 23 – Humberto Gessinger: “A Revolta dos Dândis – 30 Anos” 24 – Cidade Negra Canta Gilberto Gil 25 – Terraço do Imperator: Forró Lánalaje: Trio Ventura / DJ Edna Carvalho 25 – Paulinho Moska 26 - Fafá de Belém (com Manoel & Felipe Cordeiro): Guitarradas do Pará 28 – Coral Imperator

Centro de Referência da Música (Tijuca) 16 – Magali 17 – Carlos Uzêda 18 – Ana Costa & Carrapicho Rangel 21 - Dagô 23 – Felipe Adetokunbo 24 – Nina Rosa & Thiago Kobe 25 – Rodrigo Maranhão & Pretinho da Serrinha 29 – Joyce Cândido Canta Elis Regina  30 – Michel Taski O Pecado Mora Ao Lado (Praça da Bandeira) 15 - Acidez (MEX) / Pós-Sismo / Juventude Maldita (SP) / Dissgrama  18 - Sétimo Andar / Circus / Roterdan / Pilfer

Aparelho (Centro) 18 - Second Come 24 - Felipe Zenicola / Marcos Campello / Lucas Pires  Motim (Centro) 24 - Gragoatá / Vitor Milagres / Daniel Villares

Quintas no BNDES 19h - grátis 16 - Karla da Silva 23 - CDR Style 30 - Sergio Santos

Teatro Glauce Rocha (Centro) 16 - Fábrica Orquestra  23 - Alice Passos & Maurício Carrilho  30 - Olivia & Francis Hime CCBB 18 - Madrugada no Centro: Larissa Luz - Participação: MV Bill & Caio Prado / Festas Soul de Santa, Trap'in, QXO  Museu de Arte do Rio 24 - Sarau do Alemão / Rincon Sapiência

Som no Deck T.T. Burger - Leblon 19h - grátis 16 - Os Camelos 23 - Pimenta Jazz Trio 30 - Qinho

BRASIL EM TRANSE: Com curadoria de Ismail Xavier e coordenação da Sociedade Amigos da Cinemateca, em parceria com a Cinemateca Brasileira e o Cinusp, esta Mostra reúne mesas de debate e exibição de filmes que acontece de 16 de novembro a 1º de dezembro, em São Paulo. CINEMATECA BRASILEIRA

Circuito SESC 17 - São Gonçalo: Cassiano & Trio Beija Flor (16h - grátis) 18 - Copacabana: Guilherme Pimenta Trio (16h - grátis) 19 - São Gonçalo: Monarco (16h - R$ 20) 20 - São João de Meriti: Ed Motta SOLO (16h - R$ 20) 24 - Niterói: De Leve (19h - R$ 20) 25 - Madureira: De Leve (17h - R$ 20) 25 - Ramos: Cassiano & Trio Beija Flor (17h - grátis) 25 - São Gonçalo: Bebeto (17h - R$ 20) 26 - Madureira: Dorina (17h - grátis) 26 - São Gonçalo: De Leve (19h - R$ 20) 29 - Tijuca: Marcelo D2 & SambaDrive (19h30 - R$ 20) 30 - Tijuca: De Leve (20h - R$ 20) ______________________________

MIXX: 17 – Santos – Praça XV 17 - Victor Bertrami Quarteto - Participação: Azymuth, Arthur Maia, Robertinho Silva, Kiko Continentino – Casa com a Música / Lapa 17 - Aether / Tempus Fugit – Lona Elza Osborne / Campo Grande 18 - Festival Rock no Parque: Bala N'Agulha / Dona Penha – Arena Dicró / Penha 18 - Wake The Dead Festival: Surra (SP) / Rats / Der Baum (SP) / Nove Zero Nove – Magé Futebol Clube 19 - Surra (SP) / Plastic Fire / Halé / Triunfe – La Esquina / Lapa

25 – Qinho - Ahlma.CC / Leblon 25 - AcaraJazZ: Bondesom / Juliana Linhares / Doralyce – Rio City Lab / Santo Cristo 26 - Alaska (SP) / Hover / Whipallas – La Esquina / Lapa 26 - Cervical / Mari & The GoodFellas / Facing Fear – Calabouço / Vila Isabel 29 - Baculeju da Sandra de Sá – Teatro Glaucio Gill / Copacabana

o MIMO, que chega a Olinda nesse fim de semana (17 a 19 de novembro).   É a última etapa de 2017 do festival – depois de passar por Portugal, Tirandentes, Ouro Preto, Paraty e Rio de Janeiro –, com 44 atrações gratuitas de música, cinema e educação.

Abertura da exposição de fotografias de Raymond Depardon, “Un moment si doux”, no dia 1º de novembro. Depois de passar por Paris e Buenos Aires, o CCBB Rio recebe as 170 fotografias de diferentes cores e formatos tiradas na Europa, África e América Latina, incluindo o Brasil. Ate 22 de janeiro. qua-seg 9am-21pm. Grátis.

SHOW SOBREGAL - MARCELA MANGABEIRA Dia: 16 de novembro (quinta-feira) Horário: 20h Local: Teatro Municipal Café Pequeno Endereço: Av. Ataulfo de Paiva, 269, Leblon - Rio de Janeiro, RJ Tel.: 2294-4480

50 ANOS DE CARREIRA: Antônio Carlos e Jocáfi convidam Ithamara Koorax Dia 17 de novembro (sexta) Blue Note Rio – Av. Borges de Medeiro, 1424 - Lagoa   SESSÃO: Sessão: 20 horas

Tropicália ganha exposição tech com livre reinterpretação conceitual Nos 50 anos do movimento, na Galeria BNDES   Os artistas Barbara Castro e Luiz Ludwig, do estúdio Ambos&&, apresentam uma livre reinterpretação dos conceitos do movimento tropicalista à luz da arte e da tecnologia. Com a exposição Vamos Comer, estimulam o público a “devorar” experiências sensoriais e orgânicas, incluindo quatro instalações de arte computacional. Ela está aberta a visitações na Galeria BNDES, no Rio, entre os dias 18 de outubro e 1º de dezembro, de segunda a sexta, das 10h às 19h

Parque Villa-Lobos/SP recebe SlowKids em 18 de novembro     Evento gratuito busca desacelerar as crianças do universo tecnológico com um dia inteiro de brincadeiras tradicionais, teatro, literatura e música; “Kombi dos sonhos” será uma das novidades desta nona edição

MOSTRA DE CINEMA ARGENTINO CONTEMPORÂNEO VOLTA À CAIXA CULTURAL RIO DE JANEIRO EM SUA SEGUNDA EDIÇÃO   Histórias extraordinárias apresenta uma seleção com os melhores filmes recentes do país vizinho. Debates com cineastas e especialistas completam a programação Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Cinema 2 Endereço: Av. Almirante Barroso, 25 – Centro  (Metrô e VLT: Estação Carioca) Telefone: (21) 3980-3815 Data: de 07 a 19 de novembro de 2017 (terça-feira a domingo)

'Cria', novo espetáculo de Alice Ripoll no grupo Suave, traz 'dancinha', dança contemporânea e funk ao Sergio Porto/HUMAITÁ e ao Centro Coreográfico. o trabalho estreia dia 17 com 10 dançarinos em uma mistura inovadora que também traz a dança afro, o afrofunk, o passinho, contato- improvisação e linguagem teatral de 17 a 20 de novembro de 2017 Horários: Sexta-feira - 21h                 Sábado - 21h                 Domingo - 20h                 Segunda-feira - 21h

O espetáculo “Kid Morengueira – Olha o breque!” homenageia Moreira da Silva (1902 – 2000), o cantor que popularizou o samba de breque, tornando-se um ícone da música brasileira. O samba permitiu a ele criticar, sempre com muito bom humor, os poderosos com seus desmandos, os malandros que conheceu na noite, e os compositores que ajudou a tornar conhecidos. A peça estreia para uma curta temporada no Teatro I do Sesc Tijuca - de 03 de novembro a 03 de dezembro, de sexta a domingo, sempre às 20:00.

Após o sucesso da temporada nos meses de abril e maio desse ano, que passou por sete cidades brasileiras e esgotou em todas as praças, o espetáculo “STOMDUP” de Tom Cavalcante volta para novas apresentações no Rio de Janeiro (dia 01 de novembro, no Teatro Bradesco Rio); Natal (dia 30 de novembro, no Teatro Riachuelo); Fortaleza (dia 01 de dezembro, no Teatro RioMar Fortaleza).

SOLID ROCK: a participação da banda Lynyrd Skynyrd no Solid Rock (Curitiba, Pedreira Paulo Leminski, dia 12/12; São Paulo, Allianz Parque, dia 13/13; e Rio de Janeiro, Jeunesse Arena, dia 15/12) acaba de ser CANCELADA por motivos pessoais da banda. No lugar, Cheap Trick será a banda que fará parte do lineup, junto do Deep Purple e Tesla. Mais informações sobre devolução de ingressos serão divulgadas em breve.

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers