NA COVA DO LEÃO

Monday, June 25, 2012

WAKE UP! TIME TO DIE...


EU NÃO TINHA NEM 20 ANOS QNDO 'BLADE RUNNER' ESTREOU. COMO NAO HAVIA INTERNET, CHEGUEI AO FILME POR DUAS VIAS: ERA DO DIRETOR DE 'ALIEN' (E TINHA O HAN SOLO) E POR UMA BOA MATERIA DE CAPA DA REVISTA 'CINEMIN', REPLETA DE FOTOS E DETALHES. ENTÃO, NUMA TARDE VADIA, FUI AO IMENSO CINE RIAN, NA PRAIA DE COPA (ONDE HJ ESTÁ UM HOTEL GRINGO) E VI O FILME. DUAS VZS SEGUIDAS (DAS MAIS DE 20 QUE VERIA NA VIDA). NA PRIMEIRA, FIQUEI IMPACTADO. PELO VISUAL, PELA HISTORIA, POR TUDO. NAO CONHECIA PHILIP K. DICK. SAI DALI DIRETO PRA UMA LIVRARIA, ONDE COMPREI LOGO DOIS TITULOS EM EDIÇÕES PORTUGUESAS DO CARA, INCLUINDO 'VAZIO INFINITO' (QUE, ACHO, FOI A BASE PARA 'TOTAL RECALL') E O PROPRIO 'BLADE RUNNER'. QUE, APESAR DE SER UM CONTO, FOI LANÇADO COMO LIVRO A PARTE PARA CAPITALIZAR EM CIMA DO FILME, QUE JA ERA CULT NA EUROPA QNDO CHEGOU AQUI, MAS FRACASSOU NOS EUA.


NAO DA PARA EXPLICAR O IMPACTO QUE O FILME TEVE EM MIM E NA MINHA GERAÇÃO. INFLUENCIOU NA MODA (MUITA GENTE IA A FESTAS NEW WAVE COM O LOOK DA RACHEL, DA PRIS OU DO ROY), NA PUBLICIDADE, NA DESCOBERTA DA LITERATURA SCI-FI (E DO PRÓPRIO PHILIP K. DICK, QUE MORREU NO ANO DO LANÇAMENTO DO FILME), DO CINEMA NOIR... FEZ PARTE ATE DE UM 'MOVIMENTO' INVENTADO PELA FOLHA E CHAMADO DE 'NEON REALISMO'. ATÉ DANCETERIAS PAULISTANAS COPIAVAM O ESTILO EM SUAS DECORAÇÕES. IAMOS AO CINEMA TODA SEMANA, EM GRUPOS, ONDE QUER QUE ESTIVESSE PASSANDO, PARA VE-LO MAIS UMA VEZ (O VCR CASEIRO AINDA NAO ERA POPULAR); E QNDO SAIU EM VHS LA FORA, LOGO APARECEU UMA COPIA PIRATA COM A VERSAO AMERICANA, QUE TINHA CENAS DIFERENTES DA VERSAO MUNDIAL (EUROPEIA E A QUE PASSOU AQUI). TENHO ESSE VHS EM ALGUM LUGAR. ELE TEM UMA CENA A MAIS DA PERSEGUIÇÃO DE DECKARD A ZOHRA. E, HAVIA TBM A TRILHA ORIGINAL DE VANGELIS E A QUE FOI LANÇADA COMERCIALMENTE, DIFERENTES, PQ ROLOU TRETA ENTRE O GREGO E OS PRODUTORES E A DELE FICOU BANIDA UNS TEMPOS.


ALGUNS ANOS MAIS TARDE, FUI PELA PRIMEIRA VEZ A PARIS, E UMA SALA DE CINEMA NO LES HALLES EXIBIA 'BLADE RUNNER' ININTERRUPTAMENTE DESDE A ESTREIA (ENTAO, JA HAVIAM PASSADO CINCO ANOS!), E CONTINUOU DEPOIS EM SESSOES DE MEIA-NOITE POR 20 ANOS! ATE QUE CHEGOU A VERSAO DO DIRETOR, SEM AQUELA NARRAÇAO QUE IRRITOU O HARRISON FORD (E O FEZ FICAR COM ODIO DO FIlME) E AQUELE FINAL FELIZ 'NADAVE' QUE IRITOU RIDLEY SCOTT (COM CENAS TIRADAS DE SHOTS NAO USADOS POR KUBRICK EM 'O ILUMINADO'). PARA MIM, POUCO MUDOU. SÓ VI UM FILME DIFERENTE DE FATO QNDO SAIU A EDIÇÃO ESPECIAL EM DVD E BLU-RAY QNDO BR FEZ 25 ANOS, QUE, NO BD, TRAZ O CORTE ORIGINAL, EXIBIDO APENAS NA UCLA, COM CENAS E PARTES Q NAO ESTAO EM NENHUMA DAS VERSOES.


EM COMPARAÇÃO COM O CONTO ORIGINAL DE PHILIP K. DICK, LEMBRO QUE OS PERSONAGENS DO FILME SAO MAIS INTERESSANTES, SOBRETUDO OS ANDROIDES. NO TEXTO, DECKARD É UM TIRA MISERAVEL, QUE SO PENSA EM GANHAR DINHEIRO MATANDO REPLICANTES PARA COMPRAR UM ANIMAL ARTIFICIAL PARA A ESPOSA (DAI O TITULO ORIGINAL, 'DO ANDROIDS DREAM WITH ELECTRIC SHEEPS?'), QUE É UM SIMBOLO DE STATUS FORTE NAQUELE FUTURO DISTÓPICO; E O FINAL É MEGA DEPRE, NAO DANDO NENHUMA CHANCE PARA O ROMANCE. NESSE CASO, PREFIRO O FILME -- QUE ME FEZ TER A PERCEPÇÃO DE QUE TODOS TEMOS PRAZO DE VALIDADE, SÓ NAO SABEMOS QUANDO VAMOS EXPIRAR. QUE TEM TBM A CELEBRE FRASE DITA PELO ANDROIDE ROY BATTY ANTES DE MORRER, VCS SABEM QUAL...



*BR TBM TEVE VARIAS DE SUAS FALAS/FRASES SAMPLEADAS EM INUMERAS MUSICAS E INFLUENCIOU O NOME DA BANDA INGLESA TYRRELL CORPORATION E A NOSSA REPLICANTES =)
Monday, June 18, 2012

NO TUNEL DO TEMPO DOS 80S


NUNCA FIZ O TIPO SAUDOSISTA E EVITO TODO O TIPO DE REVIVAL E COISAS DO GENERO. MAS, POR CONTA DO SHOW DOS TITÃS TOCANDO SEU CLÁSSICO ÁLBUM 'CABEÇA DINOSSAURO', ACABEI INDO AO CIRCO PARA VE-LOS HA DOIS SABADOS. NÃO OS VIA DESDE ANTES DO PRIMEIRO ACUSTICO DA BANDA, HA MAIS DE UMA DECADA. E VALEU A PENA TER IDO AO SHOW, NEM QUE TENHA SIDO SÓ PARA CONSTATAR QUE, CABEÇA É REALMENTE O MELHOR DISCO DA BANDA. E UM DOS MELHORES DO ROCK BRASIL DOS 80S. TBM LEMBREI QUE, VI O PRIMEIRO SHOW DE LANÇAMENTO DO DISCO, NO PROJETO SP, EM 1986. FOI IMPACTANTE, O MOMENTO DE VIRADA DA BANDA. TODOS SAIRAM COMENTANDO (ALGO QUE QUASE NAO SE FAZ MAIS HJ EM DIA, ACABOU SHOW, CABOU). O DISCO NÃO TEM UMA SÓ MUSICA RUIM E REPRESENTA MUITO BEM TODAS AS CABEÇAS E ESTILOS DOS TITÃS ORIGINAIS (DA VANGUARDA DO ARNALDO AO PUNK DE BRITO PASSANDO PELO REGGAE DE NANDO E O NEW WAVE/POP E ROCK DO RESTO). A BANDA, APESAR DE APENAS COM QUATRO MEMBROS ORIGINAIS, AINDA MANDA BEM AO VIVO. E AS LETRAS DE CABEÇA (QUE, POR ALGUM TEMPO, FORAM MUITO COMPARADAS COM AS DO PRIMEIRO -- E UNICO -- DISCO DAS MERCENÁRIAS, INCLUSIVE POR MIM) AINDA BOTAM NO CHINELO A MAIORIA DA PRODUÇÃO DO ROCK NACIONAL ATUAL. O QUE FOI QUE ACONTECEU COM A NOVA GERAÇÃO?


NO EMBALO DESTE SHOW, ONDE REECONTREI VARIOS AMIGOS, ACABEI VOLTANDO A LAPA, UMA SEMANA DEPOIS, PARA VER A DOBRADINHA PARALAMAS/CAPITAL, NA FUNDIÇÃO. CONFESSO QUE FUI MAIS PELAS COMPANHIAS, E PQ MA BABE SE AMARRA EM PDS. ALEM DOS FORTES LAÇOS DE AMIZADES QUE TEMOS COM ELES. CONHEÇO OS PARALAMAS DESDE OS ENSAIOS NA CASA DE VOVÓ ONDINA, EM COPA, QNDO ELES AINDA NEM TINHAM NOME. O SHOW DO PDS, COM HERBERT AGORA SENTADO NA CADEIRA DE RODAS, CONTINUA O MESMO: UM DESFILAR DE HITS NON-STOP. INCRIVEL. ELES NAO PRECISAM FAZER MAIS NADA. ACHO QUE NAO PRECISAM PROVAR MAIS NADA PRA NINGUÉM; NESTA MESMA NOITE, PENSEI EM DAR UM ALO PARA OS RAPAZES DO CAPITAL, QUE TBM NAO VIA HA SECULOS -- PQ, QNDO IA A SP NOS 80S, SEMPRE FUI BEM RECEBIDO NA CASA DE FE LEMOS E DE SUA ESPOSA INES, E DINHO SEMPRE FOI CAMARADA. ACABEI NAO FALANDO COM ELES E VENDO SÓ O COMEÇO DO SHOW, JA QUE ENTRARAM APOS AS 2AM. NO PALCO, SE PORTAM MEIO COMO UMA BANDA DE ROCK AMERICANA, COM DINHO MANDANDO MUITAS FRASES FEITAS (USA MUITO 'TA LIGADO') E MUSICAS QUE DIFEREM UM POUCO DO ESTILO DO CAPITAL DO INICIO, COM CANÇÕES COM REFROES PEGAJOSOS, A MAIORIA DE AUTORIA DE ALVIN L.. NADA CONTRA O SHOW E A BANDA. MAS NÃO CURTO TANTO MAIS, EMBORA SEJAM SUPER PROFISSIONAIS. CONTUDO, ASSIM COMO PDS E RPM, O CAPIN CONTINUA GRAVANDO MATERIAL NOVO, EM VEZ DE APENAS LANÇAR ACUSTICOS APELATIVOS E COLETANEAS. ISSO JÁ CONTA MUITOS PONTOS A FAVOR...




Wednesday, June 13, 2012

DUAS FANTASIAS SOMBRIAS

DOIS FILMES DE TEMATICA FANTASTICA, UM JA EM CARTAZ E OUTRO POR ENTRAR, ME PROVOCARAM REAÇÕES ANTECIPADAS DE MEDO, JUSTAMENTE POR SEUS TEMAS: UM, ERA MAIS UMA VERSAO PARA O CONTO DE FADAS DE BRANCA DE NEVE (DEPOIS DAQUELE CARNAVALESCO DO TARSEM), COM CLIMA DE AVENTURA MEDIEVAL; OUTRO, O NOVO DE TIM BURTON APOS O HORRIVEL 'ALICE', CUJO TRAILER ME CAUSAVA ARREPIOS, NO MAU SENTIDO. CONTUDO, NO FIM DAS CONTAS, TANTO 'SNOW WHITE & THE HUNTSMAN' QUANTO 'DARK SHADOWS' NAO DOERAM.


BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR ME PEGOU PQ EU ANDO NUMA FASE MEDIEVAL, POR CONTA DE GAME OF THRONES. ALEM DO QUE, O FILME É MUITO BEM ACABADO (A GENTE VE ONDE ESTA O DINHEIRO), TEM UM CLIMA DE AVENTURA BACANA, E CHARLIZE THERON COMO RAINHA MÁ ESTÁ REALMENTE ASSUSTADORA (MUITO MAIS PRESENTE DO QUE EM PROMETHEUS). APOSTO QUE MUITAS CRIANCINHAS SAIRAM DA SALA COM MEDO DELA. O UNICO DEFEITO DESTE É QUE KRISTEN STEWART CONTINUA ATUANDO DO MESMO JEITO DE SEMPRE: SEM SAL, EMOÇÃO OU EXPRESSÃO. FICA DIFICIL TORCER POR ELA EM VEZ DE PELA MALIGNA RAVENA. DE RESTO, NAO HÁ DO QUE RECLAMAR. É CINEMA BEM FEITO.



O QUE OS DOIS FILMES TEM EM COMUM SAO OS FIGURINOS DESLUMBRANTES DE COLLEEN ATWOOD. ESTA, QUE JA TRABALHOU MUITAS VZS COM TIM BURTON, CRIOU EXCELENTES LOOKS PARA RAVENA. ASSIM COMO CRIOU PARA O VAMPIRO DE DEPP EM DARK SHADOWS. ESTE É ADAPTAÇÃO DE NOVELA/SERIE DE TV AMERICANA DA VIRADA DOS ANOS 1960 PARA 70. SIM, UMA NOVELA COM VAMPIROS QUE PASSAVA A TARDE NA TV! NAO SEI SE PASSOU AQUI, SÓ VI, MUITO DEPOIS, EM VHS. MAS O CLIMA ERA BOM, ASSUSTADOR. NO FILME, HA UM POUCO DEHUMOR, MAS NAO TANTO QUANTO INDICA O TRAILER. ELE NAO É UMA COMEDIA. MAS TBM NAO SE DECIDE ENTRE O TERROR, HUMOR NEGRO OU MELODRAMA GÓTICO.


O QUE PEGA MESMO É QUE SÃO PERSONAGENS DEMAIS PARA TEMPO DE MENOS, NUM ELENCO COMPOSTO, ALEM DE DEPP, POR EVA GREEN, MICHELLE PFEIFFER, CHLOE GRACE MORETZ, HELENA BONHAM CARTER  E OUTROS. DAVA PARA TER CORTADO ALGUNS PAPEIS, COMO O DE JOHNNY LEE MILLER, P EX. JÁ MORETZ PROMETE, MAS EH POUCO EXPLORADA. E COM TANTO A MOSTRAR/CONTAR, DS CONCLUI DE FORMA APRESSADA E USA DE MUITOS EFEITOS ESPECIAIS, ALGUNS DESNECESSARIOS. MAS FUNCIONA MAIS DO QUE EU ESPERAVA. E TEM ATE ALICE COOPER, COMO ELE MESMO, NUM 'HAPPENING' NA MANSAO DOS COLLINS. BURTON JA FOI BEM MELHOR NESSE TIPO DE FILME. MAS, AINDA ASSIM, O SEU TOQUE ESTÁ LÁ. PRINCIPALMENTE NA PRIMEIRA METADE...

Saturday, June 09, 2012

ROTAÇÕES POR SEGUNDO

Conheço o (talvez) único brasileiro que esteve no lendário primeiro show dos Beatles nos USA, no Shea Stadium (nyc), em meados dos 60s, João Luiz de Albuquerque (ainda por aqui, alive & kicking, bless you, fluminense doente), na época, correspondente da revista 'Manchete'. Quando soube disso, perguntei a ele, muito curioso: 'João, como foi?' Resposta: 'Não sei, só ouvi gritos'. Johnny Boy (como o chamo) me disse que, além do palco ser longe e pequeno, com som ruim, tudo o que se ouvia eram o gritos das fãs ecoando pelo estádio e nada mais. Pura histeria. Alguns anos depois de Johnny ter me contado isso, presenciei algo muito parecido, aqui: um show do RPM num maracanãzinho super lotado de fãs histéricas. Nao se ouvia nada do que Paulo Ricardo cantava, só gritos. Só gritos!


O RPM foi a coisa mais próxima que o rock brasileiro teve de beatlemania -- que é algo bem diferente da histeria quase religiosa de fãs do Los Hermanos hoje em dia, e do Legião, ontem -- e jamais houve nada parecido depois. Eu vi (e senti), não me contaram. Estava lá no show do Maracanazinho, em posição privilegiada: entrei e sai no ônibus da banda (que quase virado pelos fãs na saida!) E não estava lá como jornalista. Motivo? Conheci o Paulo antes da fama. Na verdade, era amigo de uma de suas irmãs, a Rosane (a outra é a Cristiane). Apesar de termos morado no bairro do Flamengo na mesma época, só conheci Rosane e Paulo depois, já em SP. Na verdade, conheci Rosane em shows e depois viramos pen pals, correspondentes por carta, contando um ao outro o que rolava lá e cá (pois é, houve um tempo em que nao existia e-mail). Mas, quando fui a SP, passar um dia na casa deles, Paulo já estava em Londres (escrevia pra revista 'somtres' e pro jornal de música 'Canja', do qual quase fui correspondente carioca, não tivesse o jornal acabado, como tudo naquela época sobre musica durava pouco). Por isso, só fui conhecer Paulo de fato já como popstar, e eu como jornalista iniciante.

 Talvez pelo laço de amizade familiar, mesmo quando a banda não falava com ninguem, eles sempre me recebiam ou atendiam minha ligação. Fiz, inclusive, o último release deles, na fase 'quatro coiotes' (disco que foi gravado em los angeles), quando todos estavam brigados entre si, e eu falava com uns e levava o recado pros outros. Fiz tbm o relato do ultimo show deles da fase original no Rio, apenas dois anos depois de toda a comoção no maracanazinho, num Canecão que não lotou. Título de minha matéria: 'crepúsculo voraz' (em alusão ao hit 'alvorada voraz'). O bastante pro Paulo ficar sem falar comigo um tempo. Mas disse a verdade. Nunca fiz media com banda alguma, e tinha a sorte/azar de ter amigos em quase todas as bandas relevantes dos anos 80 (por este motivo, já ficaram sem falar comigo, por minhas opiniões, Lobão, Herbert Vianna, Philippe da Plebe, meio Titãs etc). O RPM nao era mais o mesmo, nao havia como evitar. Nesse dia no Canecão, pelo menos, Paulo ganhou um brinde e tanto: Luciana Vendramini estava na plateia e virou sua namorada.


O RPM foi Beatles até no ponto de ter a sua propria gravadora, que lançou o primeiro e unico disco do Cabine C (e também do selo), 'fÓSFOROS DE oXFORD'. Era a banda da eminencia parda do rock paulistano, Ciro Pessoa -- que esteve tambem na formação inicial pré-discos dos Titãs. O LP 'radio pirata ao vivo', do RPM, é o disco de rock brasileiro que mais vendeu em todos os tempos (mais de dois milhoes de cópias!). O som da banda, para quem nao conheceu na e´poca entender, era meio parecido com o que o Muse faz hj em dia: uma cruza de rock classico, new wave/punk e progressivo (foi a primeira banda local a ter super produção ao vivo, lasers, projeções etc). E tudo isso, essa locura, aconteceu num espaço de dois, tres anos. E a banda nao conseguiu se manter e seguir em frente, como aconteceu com alguns de seus contemporaneos como PDS, Titas, Capital, Ultraje etc, justamente por ter sido o único a ter subido o mais alto no olimpo do pop (com egos inflados por drogas no processo). Provavelmente, jamais teremos e veremos nada parecido com o RPM no rock brasileiro. Eles causaram, sim, uma beatlemania tupiniquim...


*tempos depois encontrei com paulo num show aqui no rio, ele falou comigo, mas ate hoje nao vi nenhum show desse rpm reformado. Nada contra. Pretendo ver um dia.
Tuesday, June 05, 2012

PROMETHEUS: ACORRENTADO AO ALIEN ORIGINAL


PARTICULARMENTE, NAO GOSTO DE PREQUELS, FILMES FEITOS PARA EXPLICAR OU MOSTRAR O Q ACONTECEU ANTES DO QUE JA EH PERFEITO COMO FOI CONTADO E MOSTRADO. EM GERAL, ACRESCENTAM POUCO AO ORIGINAL, QUANDO NAO O PREJUDICA. 'PROMETHEUS', O NOVO FILME DE RIDLEY SCOTT, EM QUE, PELA PRIMEIRA VEZ, O DIRETOR VOLTA AO UNIVERSO DE 'ALIEN' (1979), UM DOS MELHORES SCI-FI DE TERROR DE TODOS OS TEMPOS, NÃO É BEM UM PREQUEL, PARECE, AS VZS, UM REBOOT DISFARÇADO. PQ ELE, ESQUEMATICAMENTE, REPETE O FILME ORIGINAL QUASE PASSO A PASSO. ATE OS PERSONAGENS SÃO SEMELHANTES. E A CENA FINAL, COM NOOMI RAPACE CORRENDO, SÓ DE ROUPAS INTIMAS, SOB LUZ ESTROBOSCOPICA É QUASE UMA CITAÇÃO AVANT LA LETTRE DAQUELE COM A RIPLEY. TUDO ISSO PARA, SÓ NA ULTIMA CENA, MOSTRAR DE ONDE SAIU -- LITERALMENTE -- NOSSO ALIEN FAVORITO. MAS O RUMO DO FILME É OUTRO. MERGULHAR NUMA OUTRA HISTORIA/PERGUNTA: QUEM SOMOS E DE ONDE VIEMOS. E, NISSO, ELE TEM ALGUMA PRETENSÃO DE SER UMA ESPECIE DE 2001 REVISITADO.


TECNICAMENTE, 'PROMETHEUS' É IRRETOCÁVEL, MAS PERDE PONTOS MESMO NO ROTEIRO. SE ALIEN ERA UM SCI-FI B QUE DEU CERTO, PELA FORÇA DE SEU CLIMÃO, TRAMA E, PRINCIPALMENTE, POR APRESENTAR UM NOVO E FORMIDÁVEL MONSTRO -- HJ JÁ NA GALERIA DOS CLÁSSICOS DO CINEMA --, ALEM DA PRIMEIRA HEROINA DESSE TIPO DE FILME; O NOVO TEM GRANA DE SOBRA PARA GASTAR. E GASTOU. MAS NAO IMPRESSIONA TANTO. A NAO SER QUE VC JAMAIS TENHA VISTO O ORIGINAL. ELE TEM UM BOM ELENCO (MICHAEL FASSBENDER, CHARLIZE THERON E NOOMI RAPACE, ALÉM DE UM CARA IGUALZINHO AO TOM HARDY), MAS O UNICO PERSONAGEM BEM DESENVOLVIDO É O DE NOOMI (A LISBETH SALANDER DOS MILLENIUM ORIGINAIS), AINDA QUE O ANDROIDE FEITO POR FASSBENDER TENHA AS MELHORES FALAS (EH IRONICO). SEM A ATUAÇÃO VISCERAL DA SUECA -- UMA MINI RIPLEY --, QUASE TUDO PODERIA TER IDO PELO RALO. JÁ O 3D AJUDA NA PROFUNDIDADE.


PRA QUEM ADORA O ORIGINAL, ESTÁ LÁ, RETRABALHADA, A CONCEPÇÃO VISUAL ORIGINAL DE H.R. GIGER: AQUELA IMENSA SALA ONDE ESTA UMA ESPECIE DE ASTRONAUTA NO COMANDO DO QUE SERIA UMA NAVE, MAS SEM O MESMO CLIMA SINISTRO/NOIR. O FILME ATE TEM CENAS NOJENTAS, MAS, COMO DISSE, PARECEM APENAS CLONADAS DO FILME ORIGINAL (COMO A EM QUE NOOMI FAZ UMA AUTO-CESARIANA PARA EXPELIR O HOSPEDEIRO, EQUIVALENTE A DO JOHN HURT EM TERMOS DE GORE). A GRANDE SACADA DO FILME, NO FIM DAS CONTAS, É DESCOBRIR QUE FASSBENDER NAO ESTÁ PARECIDO COM PETER OTOOLE (FASE LAWRENCE DA ARABIA) A TOA. CONTUDO, FICO NA DUVIDA SE O FILME VAI FAZER MUITO SUCESSO E RECUPERAR SEU CUSTO. ATE PQ, EH UM SCI-FI COMO N SE FAZ HJ EM DIA, MAIS PREOCUPADO COM A TRAMA DO Q COM EFEITOS. SE ISSO ACONTECER, JÁ SABEMOS ONDE (E COM QUEM) SERÁ O PRÓXIMO.

Saturday, June 02, 2012

HellRadio: o inferno no seu dial!

Como alguns de vcs me pediram pra continuar fazendo aqui, e se eu nao contar certas historias que vivi, ninguem vai contar (ou vao ignorar mesmo), aqui vai mais uma: o lendário programa de rádio HellRadio.

Era o começo dos 90s, o rock estava mudando de novo, o grunge batia a porta. mas certos tipos de bandas nao tocavam nem mesmo na dita radio rock do rio, a fluminense fm, vulgo 'maldita'. meu broder andre mueller (o andre x, baixista da plebe rude), na epoca era meu vizinho, ja que tinha a loja rock-it!, em sociedade com dado villa-lobos (legiao). na esquina da minha casa, entao a gente se via muito, pq eu vivia lá -- onde, tbm, programavamos mostras de filmes trash sábados a tarde, junto com rolinha e andré barcinski. E pensamos em levar a proposta de um pgm para a flu, onde eu tinha certa entrada (ja tinha feito a programação do mchawk, de skate music, e tbm fui, por algum tempo, o bucaneiro fantasma do pirate radio, em que jamais divulguei que era eu quem fazia). A ideia era dar um gás na rock-it com o pgm, ja que, como nao rolava grana, a flu nos cedeu de usar vinhetas anunciando a loja e tbm o rio fanzine. Era uma especie de permuta.

E assim foi. Nos deram a hora da zona morta das radios: entre 8 e 10 da noite, depois da voz do brasil, bem na hora de novela e jornal, ninguem ouve radio nessa hora. ninguem, a nao ser os desgarrados. e logo chamamos a atenção destes, pq, no hellradio, tocava tudo o q era banido ou ignorado pela flu, que sempre foi conservadora com os novos sons na programação, e tinha preconceito contra crossover, eletronica, hip hop e talz. nós nao tinhamos qq tipo de preconceito. entao, foi no hellradio que nomes como ministry, body count, dwarves, mudhoney, beastie boys, rollins band e tantos mais nessa linha tiveram chance, alem de tbm tocar demos de bandas locais e nacionais, como a de uma certa banda de forrocore de brasilia chamada raimundos. em poucas semanas ja eramos o talk of the town dos malucos e alternativos. e, logo, recebemos tbm uma ligação do dono da radio, que nao apenas odiava o q a gente tocava (ele achava q ministry, por ser eletronico, era 'dance music'!), como tbm nao gostava do q a gente falava no ar. usavamos uma linguagem direta, e, muitas vzs, criticavamos a própria radio no ar! O resultado foi que, dois meses depois, eles pediram pra gente sair.

Saimos. Mas, em poucos dias, a radio foi inundada por cartas e mais cartas dos ouvintes do pgm, muitas mesmo, algumas ate ameaçando de morte o gerente -- que a gente dedurou no ar antes de sair --, e eles nao tiveram outra opção a nao ser nos chamar de volta! era isso ou ficar recebendo telefonemas irados e perder audiencia. voltamos para mais uma rodada (no total, o programa mal durou um ano) e foi ainda melhor do que antes. nessa fase, passamos a fazer festas hellradio na torre de babel, em ipanema, onde nos foram cedidas noites de terças-feiras pelo sempre antenado gringo cardia, q ouvia o pgm e sacou a nossa onda. nestas festas, se apresentaram, pela primeira vez na zona sul carioca, nomes como piu piu e sua banda, gangrena gasosa, planet hemp (em um de seus primeirissimos shows), alem de outros, como inhumanoids!, p ex. eu e andre eramos os djs das noites, exibiamos filmes, clipes e desenhos de ren & stimpy, e dava um publico razoavel. Isso tbm durou pouco, cerca de seis meses. pq, vcs sabem, como é ate hj, quase nao existe indie na zs e ninguem quer pagar pra entrar. assim, nada dura (e nem paga os custos).

Durante o hellradio, pessoas bem bacanas iam na radio atender o telefone pra gente, ja q eu e andre ficavamos selecionando e tocando as musicas (vinil, cds e cassete), como carla rebecca (nossa ruiva fetiche, que era balconista da rock it), nosso querido (e falecido) rick novaes, amigo de brasilia do andre, que, mais adiante, se reinventou como dj sob o nome de mr spaceley. e, sobretudo, o bernadão erótico. esse foi o nome que demos pro bernardo (futuramente, Bnegão), pq ele tinha um jeito suave, meio chef de south park, de atender as pessoas, sobretudo as mulheres. e, como o pgm era bem na hora do jantar, a gente dizia no ar que estavamos com fome. entao, uns fas que moravam ali perto, passaram a nos trazer pizza quase toda segunda-feira. essa troca com os ouvintes era incrivel!

E assim foi; o Hellradio hj é um pgm mais lembrado do q ouvido, nao tenho UMA FITA sequer do pgm, pois ele era ao vivo e eu nao tinha como deixar gravando, mas de vez em qndo, aparece alguem me dizendo q tem as tais fitas, mas jamais me entrega copias. Tivemos uma pequena sobrevida na radio costa verde, de itaguai (por conta do fa/amigo larry antha, do sex noise). eu e andre iamos uma vez por mes gravar os pgms, pq era longe pra carater, mais de duas horas de carro pela brasil e mais um pedaço da rio-santos ate chegar lá, nao dava pra fazer isso toda semana (só valia pra comprar cerva Itaipava, que nao tinha aqui na época). e, nao sendo ao vivo e sem o calor dos comentarios, nao durou muito. O curioso é que, a tal radio maldita, que nos xingava, pq a gente tocava 'dance music', vendeu o seu espaço no dial para a... Jovem Pan!

*quisemos fazer uma festa de aniversario de 20 anos do hellradio numa famosa casa indie carioca, mas, ate hj, estamos esperando o retorno. sabe como é, rio de janeiro...

NA CIDADE

JANEIRO TEM DUAS FACES:

CASAS & SHOWS: Circo Voador 19 - Samba Rap Festival: Elza Soares / Karol Conka 20 - Samba Rap Festival: Emicida / Jongo da Serrinha / Bateria da Império Serrano 25 - Phoenix (FRA) 26 - Vanessa da Mata / Fióti / DJ Incidental 27 - Barão Vermelho

Fundição Progresso 19 - BaianaSystem 20 - Tim Music no Samba: Xande de Pilares & Mumuzinho - Participação: Bateria do Salgueiro 26 – Johnny Hooker / Letrux 27 - Nando Reis

Teatro Odisseia 21 - Radnor With Lee (EUA) 28 - Demon Hunter (EUA) / Pantokrator (SUE)

Teatro Riachuelo 16 - Leila Pinheiro: Voz & Piano 23 - Ed Motta: Baile do Flashback 30 - Laila Garin & A Roda

Teatro Rival 20 - João Bosco: Voz & Violão 25 - Angela Ro Ro 26 - Bloco Sargento Pimenta 27 - Geraldo Azevedo: Voz & Violão

Audio Rebel 16 - Adaury Mothé Trio 17 - Rafael Rocha Quinteto 28 - N.D.R. / Triunfe / Dissonância 29 - Ana Baird & Camila Costa: Perigosas

Espaço Sérgio Porto 18 - Sinara 25 - Karine Carvalho: Galega Hits

Sala Baden Powell 19 - Sempre Livre / Sylvinho Blau Blau / Dr. Silvana & Cia. 20 – Nelson Sargento 21 – Banda do Síndico 24 - João Donato - Participação: Carlos Lyra & Roberto Menescal & Marcos Valle 25 - Mario Adnet: Jobim Jazz 26 – Marcos Ariel 27 – Cris Delanno 28 - Azymuth

Beco das Garrafas 17 - André Gonçalves 18 - Lu Oliveira 19 - Georgiana de Moraes & Fernanda Cunha & Camilla Dias: Homenagem a Vinicius de Moraes (20h) 19 - Joyce Cândido: Homenagem a Elis Regina (22h30) 20 - Hélio Delmiro (21h) 20 - Maíra Freitas & Taís Feijão (22h30) 21 - Dóris Monteiro 24 - Rosana Sabença 25 - Conexão Rio: Homenagem a Tom Jobim 26 - Amanda Bravo: Homenagem a Durval Ferreira - Participação: Paulinho Trompete, Mauricio Einhorn, Rosana Sabença, Billy Blanco Jr., Thaís Fraga 27 - Hector Costita & Joseval Paes 31 - Maria Luiza

Casa de Cultura Laura Alvim 16 - Dani Black 21 – Pedro Mann 23 - Davi Moraes 28 – Qinho Canta Marina Lima 30 - Matheus VK

Teatro Café Pequeno 18 – Verônica Sabino 25 – Elisa Queirós

Blue Note Rio 16 - Big Gilson 17 - Roberto Menescal 18 - Gabriel Moura 19 - Daniel Jobim & Daniel Boaventura: Homenagem a Tom Jobim & Frank Sinatra 20 - MPB-4 23 - Escalandrum (ARG) 24 - Mayer Hawthorne (EUA) 25 - Wanda Sá & Gilson Peranzzetta & Mauro Senise: Homenagem a Tom Jobim & Vinicius de Moraes

KM de Vantagens Hall 19 – Molejo & É O Tchan – Participação: Ludmilla 20 - Ney Matogrosso: Atento aos Sinais

Imperator 23 - Jazz Pras Sete: Chico Costa & Quarteto Artilheiro 24 - Quartas Brasileiras: Cordão da Bola Preta 27 - Forró Lánalaje: Marcelo Mimoso Trio / DJ Edna Carvalho 28 - Bloco Pipoca & Guaraná 31 - Toquinho: Voz & Violão - Participação: Camilla Faustino

Centro de Referência da Música (Tijuca) 17 - Ellen de Lima & Reginaldo Bessa: Homenagem a Lamartine Babo 18 - Rosa Marya Colin - Participação: Jefferson Gonçalves 19 - André Gabeh 17 - Eduardo Dussek 24 - Quinteto em Tom Maior 25 - Rosane Corrêa: Homenagem a Ella Fitzgerald 26 - Daíra: Homenagem a Belchior 31 - Ana Egito

Baile do Digitaldubs - HUB (Santo Cristo) 21 - Cedric "The Congos" Myton (JAM) 28 - Mad Professor & Aisha

Música no Deck - Barraca do Pepê (Barra da Tijuca) 20 – Filipe Ret 21 – Kell Smith 27 – Um 44k 28 – Luiza Possi Barra Blues Festival 26 - Sergio Diab Stratoman / Projeto Soul Jazz / Ana Egito / Alamo Leal Blues Groover’s / Corcel Mágico 27 - RJ Café / UniJazz Brasil / The Blue Fever / Sergio Rocha / Serra Blues Trio 28 - André Barroso / WestSide Blues / State of Blues / Victor Biglione Festival Downtown Sunset - Shopping Downtown (Barra da Tijuca) 20 – Gabriel O Pensador 27 – Biquini Cavadão

Rio Rock & Blues - Rock Experience (Lapa) 19 - Titanossauros / Conexão Japeri 20 - Love & The Lovers / The Loreleis 26 - The Smiths Cover 27 - Pedro Santana Trio / Elemento Surpresa / A Bolha Revisited

Circuito SESI 24 - Centro: Fhernanda Fernandes - Participação: Nana Kozak, Sandra Duailibe, Clarisse Grova, Ninah Joh, Andréa França

MIXXX: 17 – Matheus VK – Teto Solar / Botafogo 19 - Maratona Black - Baile Charme – Gafieira Elite / Centro 19 - O Rappa: Tour de Despedida – Quadra da Mocidade / Padre Miguel 20 - Festival Rock in Brisa 4: 90 Contos / Cosmobox – Espaço Tequila´s / Guaratiba 20 - Playmobille / Tem Amor – La Esquina / Lapa 20 - Indivíduo K / Cândido / Banheiro Azul – O Pecado Mora ao Lado / Praça da Bandeira 21 - Aniversário de 57 Anos do Cacique de Ramos 21 - Festival Lona Rock Sunday: Memora / The Outs / Corcel Mágico – Lona Terra / Guadalupe 21 - Lu Oliveira – Praia de Conceição de Jacareí / Mangaratiba 26 - Laurent Garnier (FRA) 26 - Bloco do S Convida KL Jay – Fosfobox / Copacabana 27 - Slide / Sollarium / Fresno / Glória / Strike - Clube Tamoio / São Gonçalo 27 – Matanza – Arena Fernando Torres / Parque de Madureira 27 - Visibilidade Transvestigenere - Beco Encantado: Mulher Pepita & MC Xuxu – Beco do Rato / Lapa 28 - Festa Divina Circus: IZA – Clube 4 Linhas / Bento Ribeiro 28 - Bloco Eficiente: Inclusão Se Faz Com Várias Mãos – Praça Paris / Glória 28 - Facing Fear / Stuff / Cidade Nua – Rock´N Beer Pub / São Gonçalo

exposição de fotografias de Raymond Depardon, “Un moment si doux”. Depois de passar por Paris e Buenos Aires, o CCBB Rio recebe as 170 fotografias de diferentes cores e formatos tiradas na Europa, África e América Latina, incluindo o Brasil. Ate 22 de janeiro. qua-seg 9am-21pm. Grátis.

FESTIVAL DE CULTURA DIGITAL: De 18 a 20 de janeiro, quinta a sábado, acontece no CCBB RJ DIGI – Festival de cultura digital, uma mega programação que inclui imersão, reflexão e diversão. Tem até shows geek. quinta, 19 de janeiro, às 21h, apresentação da orquestra Ritornello de Jedi, com repertório de trilhas musicais de videogames, séries e desenhos, com cordas e vozes, e arranjos exclusivos. O objetivo é dar acesso à formação clássica com temas musicais do cotidiano. sexta, 20 janeiro, às 21h, é a vez de The Screeners, banda que faz releituras rock ’n’ roll de trilhas sonoras clássicas do cinema, de videogames, séries de TV, desenhos animados. É tudo grátis, das 9 às 21h.

MOSTRA NA CAIXA CULTURAL RIO DE JANEIRO EXIBE O CINEMA DE HAL HARTLEY Programação reúne todos os 14 longas do diretor americano, além de debate, sessões comentadas e um curso de roteiro cinematográfico de 23 de janeiro a 4 de fevereiro de 2018 (terça a domingo)

O Ministério da Cultura, o Centro Cultural Banco do Brasil e a Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro apresentam a 14ª Mostra Melhores Filmes do Ano Além das exibições dos filmes, a mostra traz homenagens e catálogo especial com textos sobre os filmes e as iniciativas cinematográficas que fizeram a diferença em 2017 De 24 de janeiro a 1 de fevereiro
PROG IN BRASIL: Carl Palmer, Premiata Forneria Marconi, estarão no Brasil em 2018, se apresentando nas cidades de Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo, como parte da Top Cat Concert Series 2018. Os italianos do Premiata Forneria Marconi CHEGAM EM ABRIL. O grupo de rock progressivo, formado em 1971, vem lançar seu novo álbum 'Emotional tattoos', e também vai tocar seus clássicos. Maio vai trazer o baterista do Emerson, Lake & Palmer e também do Asia, Carl Palmer, com seu tributo ao ELP.Show promete surpresas com algumas participações especiais de peso.

No dia 24/jan, começa no CCBB SP a mostra Sonora: Ennio Morricone, que homanageia o maestro no ano que completa 90 anos. Ao todo, serão exibidos 22 filmes que têm a marca musical do maestro.

Nico Rezende fará show em homenagem a Chet Baker dia 26/01 no Blue Note. Aliás, esse ano completa 30 anos da morte do Chet!!! 2018 marca o trigésimo aniversário da morte de Chet Baker. Nico Rezende presta homenagem ao trompetista no palco do Blue Note Rio, no dia 26 de janeiro (sexta), para apresentar alguns clássicos imortalizados por Baker. Estão no programa canções como ‘Time after time’, My funny valentine’ e ‘There will never be another you’.

RU PAUL´S DRAG RACE TOUR: Em 2018, as drag queens de RuPaul's Drag Race vão levar a turnê oficial do reality-show, WERQ THE WORLD TOUR, para a terra do “Come to Brazil”! Michelle Visage vai comandar a apresentação no Brasil e todos os shows contarão com performances ao vivo de algumas das drag queens mais inesquecíveis de RuPaul's Drag Race, entre elas, as recém-divulgadas participantes da terceira temporada de All Stars, Shangela e Kennedy Davenport. Outras fan favorites devem marcar presença, como Detox, Kim Chi, Violet Chachki, Valentina e Peppermint. Ainda haverá um pré-show com DJ set e performance de Lady Bunny, a drag queen que é uma lenda da cena noturna de Nova York. 23/FEV TEATRO BRADESCO/RJ

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers