Pages

Wednesday, October 25, 2006

Revistas em revista

Baseado nuns offs do topico abaixo, vamos falar de revistas de musica brasileiras. Desde que me entendo por gente já vi um bocado. Nao peguei a primeira versão da Rolling stone, nem o Jornal de música. Mas cheguei a comprar a somtres e ate um jornal paulista chamado Canja (no qual escrevia o paulo ricardo antes do rpm). dai, com o rock brazuca vieram roll e bizz e, entre elas, por um curto tempo, a pipoca moderna (na qual fiz estagio, antes mesmo de acabar o segundo grau). a roll durou o tempo em que o argentino dono dela ficou no brasil (em buenos aires ele editava a pelo) e a bizz, se nao me engano, foi a unica revista de musica pop/rock brazuca a durar mais de cinco anos. nesse gap veio o jornal rock press, da editora q fazia o planeta diario (q, + tarde, juntando-se a galera da revista casseta popular deu no q vcs já sabem). mas nada emplacava. tipo a bizzu (feita pelo petrillo, q agora edita o international magazine). varios pequenos jornais e revistas que mal chegaram ao numero dez e a gente nem se lembra mais dos nomes aconteceram. e agora, ate a chegada da nova bizz e da versao pra valer da rolling stone, só tivemos as ja defuntas zero e front, a brava rock press (que usa o nome do velho jornal cedido por luiz antonio mello), a labpop e a outracoisa, todas aqui do rio, e a dynamite de sp (ainda sai a rock brigade?). lembram de mais alguma? qual acham que foi a melhor que ja tivemos? acham que a rs brazuca vai emplacar? e a nova bizz? o que está faltando? um jornal do tipo nme? será que, com a internet e a tecnologia, ainda precisamos de ler coisas no papel? alias, ninguem le no brasil e as revistas nao tem anunciantes. a culpa é nossa, entao?

35 comments:

resist said...

realmente bizarro. ninguém lê aqui. o metrô é um bom exemplo , eu acho..um lugar bom pra ir lendo alguma coisa..ate uma amiga gringa q morou aqui ja notou isso. no metro o povo podia ler alguma coisa mas a impressao q da é q ta todo mundo anestesiado..

outro dia lia uma revista no metro e uma mulher ja coroa , trabalhadora humilde, do meu lado sentada dividindo banco, começou a olhar pra revista e olhar pra minha cara. da uns dois minutos a mulher tira um folheto da bolsa e começa a ler o folheto com uma concentração q dava gosto de ver, sem sacanagem..

a ideia q da é q se houvesse mais incentivo talvez o habito se difundisse com mais facilidade mas tem muito colarinho branco q conta com a ignorancia da nação entao fica no plano das ideias utopicas..

iga_rio said...

Fala Tom,

A Rock brigade ainda existe sim... e inclusive possui um selo e senão me engano vende mais que a Bizz!!! mas respondendo a sua pergunta, para mim a melhor foi a Bizz na fase ínicio dos anos 90... Quanto a edição nacional da Rolling Stone eu acredito que vai vingar sim Apesar da concorrência com a Bizz... tem a revista da Mtv que eu não gosto, acho muito fraca....

Apesar de tudo acredito que em época de internet é complicado uma revista sobreviver como antigamente, já que depende da cultura local e como o resist já comentou é dificil vermos pessoas com esse interesse aqui...

Abraços,

Onaicram said...

Algumas coisa vc esqueceu, Tom. As de música eletrônica, por exemplo, tipo Beatz e Volume 1. A Mosh, q não é o fanzine, mas uma outra editada por um cara q esqueci o nome aqui do Rio (formato da Bizz e afins), a Inter Magazine (q acho uma merda, parece publicação oficial de gravadora, super chapa branca), e mais algumas q saíram nos últimos anos. Quase sempre compro o primeiro número, mas as ditas cujas nunca passam de seis meses. Pelo menos vou formando um arquivo de responsa ... rs.
O problema da falta de continuidade se deve a uma série de fatores, todos eles bem amarrados, o q dificulta uma solução mais simples: falta de informação, cultura pop e interesse de quem compra, medo de ousar por parte de quem edita, má distribuição, linha editorial excessivamente concentrada no q acontece no eixo Sul-Sudeste, alguns preços meio exorbitantes, a internet (quem hj em dia se atualiza por essas revistas), e, convenhamos, um pouco de bunda molice dos leitores, pois outro dia mesmo aqui vc disse q um editor falou q as edições mais vendidas eram as que tinham na capa as mesmas figurinhas de sempre: Legião, Guns etc.

nelson soares said...

Tirando as mencionadas, que em sua maioria tiveram bons momentos nos anos 80, lembrei de uma que até hoje guardo exemplares.

A "Yeah!", voltada pro skate mas que sempre mandava alguns artigos rock que serviram pra aguçar minha curiosidade naqueles tempos pré-pré-pré-internet.

tom said...

é verdade, esqueci de citar as mags eletronicas, mas alem destas q vcs citaram tbm teve (ou ainda tem?) a dj world e a dj magazine. ha tbm as revistas de estilo e comportamento, que misturam musica no caldo, como a vizoo, e aquelas milhares de revistas feitas em sao paulo so para quem circula nos jardins e compra roupas de grife, e q tbm duram um ano ou dois...

tom said...

a yeah! era de um amigo meu de sampa, o skatista dr. anshowinhas, q fez muita coisa nessa area na epoca. era uma revista muito boa. tbm nessa area skate, que sempre tem musica rolando, existiram outras de circulacao local e vida curta, sendo que a ultima carioca foi a skt & bordas, do falecido tatu, vocalista do coquetel molotov, que a bancava sozinho

fabio fernandes said...

bem, colecionei a bizz até quase o fim da década de 90, depois nunca mais comprei, só leio nas bancas :)
tinha a primeira bizz, minha mãe comprou e me deu de presente na época, nunca me esqueço ... e, se até meados da década de 90 eu gostava bastante da revista (gostava mais do que a roll e outras da época), depois tomei um pouco de hojerizah, e não conseguia nem folhear mais.
tbém colecionei os primeiros cinco anos da rock press (tinha até as edições que saíram em formato de tablóide e depois qdo passou para revista) e sempre achei uma das mais completas que tivemos por aqui.
ainda na década de 90 curti a vírus e a general (ambas com pouca duração, tinha todas tbém mas me desfiz), a vip (que tem uns textos bem legais), a trip. o international magazine no começo era legal mas depois, como já disseram, parece que só tem release. gostava da beatz tbém.
hj em dia, gosto um pouco da laboratório pop e da mosh.
a que faço questão de comprar é a outra coisa do lobão, tbém tenho todas, mesmo que não goste do cd que venha encartado (o que é bem difícil). por enquanto, estas são as que lembro.

tom said...

como pude esquecer de citar a 'outracoisa'? é a unica revista cujo cd brinde vale realmente a pena. eles so trazem cds de bandas bacanas, albuns oficiais, nada de coletaneas xexelentas ou faixas de jabas de gravadoras. muito bacana. pena q muita gente nem saiba que ela exista. quem edita é o brodim adilson pereira, que ja passou pelo grobo e pelo extra...

fabio fernandes said...

sem contar as matérias que, independentemente se falam de música ou não, todas sempre de qualidade. e parece que agora é mensal, pois mês passado teve o da plebe rude e esta semana já vi nas bancas a nova, com cd do carbona.

tom said...

essa capa da primeira rolling stone brasileira faz par com a da atual versao americana, que traz a fergie do black eyed peas quase na mesma pose da giselle e num fundo de mesma cor. as revistas gringas de franquia costumam fazer isso. rola muiuto com a playboy q capas daqui sejam copias de capas gringas so que com a carne local

Felipe Passarelli said...

Po bem legal a Rolling Stone brazuca, deve pegar com certeza. Tem nome, tem patrocinador, tem matérias boas e fotos iradas. RS é meio que histórico na vida de todos os amantes de musica, apesar de ela hoje não representar o pensamento "mais under" e sim pop, falo da americana, mas as fotos de capa da RS sempre foram demais, me lembro uma do Smashing Pumpkins q tenho aqui qnd lançaram o MCAIS.

Hoje em dia, em termos de musica, nasceu a geração "Pitchfork", que é a mais conceituada nos EUA e no mundo. Mostrando o diferente, o que a gente gosta, mas não é revista, é site, uma outra mídia que vale de revista tem tudo lá, e eles estão certos em 80% no que dizem, e os criticos são FDPs mesmo, passam o fino :)

Mas a Pitchfork é um caso a parte, lá tem publico, eles tem vários anunciantes, tem lojas indies especializadas, lojas de vinis, anuncios de shows, e muito mais, coisa que aqui não tem, acho dificil fazer uma revista ao estilo TOTAL indie novo no brasil, a não ser que tenha publico o que é dificil.

A Midia impressa não acaba tão rapido assim não, a internet é somente um gancho de continuação das revistas, eu pelo menos leio a Época (pra mim a melhor revista semanal, odeio a veja) e leio o grobo todo dia, acho um saco ficar lendo jornal em internet, agora coisas pequenas e instantanas a boa é a internet, pq no jornal vai sair no dia seguinte o que vc quer ler, isso se tiver no jornal. Ex critica de show.

Falando em show, amanhã terá 3 shows especiais, conheci Amadou & Marian essa semana, o som é DEMAIS, tipo a história deles é linda, eles são cegos e se conheceram num instituto na Africa. Casaram e fizeram um som totalmente diferente, ritimos africanos com musica eletronica, cantado em frances e africano. Recomendo, a pitchfork deu 8.0 no album tb, contagiante.

Daft Punk vai ser sonho, e D-Ban (como chamam devendra la nos EUA) vai ser bem Freak (to adorando folk, muito bom mesmo)

Mas o que mais quero ver é o TV On the Radio de todos, um dos melhores albuns do ano e a banda que ja curtia bem antes de falarem deles aqui.

E vc Tom e cova, esperam ver que shows, quais espectativas???

Espero que a gente se esbarre la Tom, abraços :))))

OBS: Não sabia sobre o "Automatic For The People" e Kurt Kobain, por isso o disco é profundo.... Sinstro mais amo esse album, e a coletanea é demais, REM conheci com o Out of Time, não tinhamos internet nem idade ainda. Out of time eu tinha 11 anos acho!! hehehe

zero said...

minha praia sempre foi mais o cinema, comprava revistas de musica ocasionalmente estou lendo a rs brasil e estou gostando (só acho difícil que mantenham o preço) e tb a outracoisa.Mas gostaria de compartilhar com vcs a tentativa de responder algumas perguntas do Tom. Sobre oq está faltando, bem vamos no básico que é o mercado consumidor, atingir uma massa de consumo que pague a revista. Acho que teriamos essa massa se tivessemos um equilibrio social, cultural e economico maior. Por exemplo outro dia peguei o mapa do estado do rio e olhei a nossa capital e me dei conta que parece que todo o resto não existe (oq chega para o pessoal de tres rios,itaperuna, sao fidélis etc..)e mesmo na capital o mercado esta restrito basicante a zona sul (onde tudo acontece) qual foi o último show/festival em nova iguaçu ou exposição/peça de teatro em coelho da rocha?. Essa triste realidade vale para todo o pais.Quanto a se ler pouco ou a internet nos afastar do papel, acho que são problemas, a principio, relativamente pequenos diante do problema citado acima.
Bem e quanto a culpa ser nossa, SEMPRE É. pode parecer pieguas mas o poder de mudar as coisas está em nossas mãos, mas temos umA forte tendencia em fugir de responsabilidades e somos muito imediatistas queremos que as mudanças ocorram rápido senão não tem valor, mas mesmo uma pequena semente deixada depois de uma vida inteira de luta tem o seu valor.
Um Forte abraço pessoal.

PEDRO BAMBAATAA said...

gostei do topico...
aqui em casa eu e minha irmã sempre fomos ratos de publicações que falassem, de rock, pois eram tempos sem MTV e internet...

gostava muito da pipoca moderna e do jornal ROCK PRESS,que o pessoal da FLU fazia (foi esse que vc mencionou no tópico tom?)...

em 86 comecei a colecionar a BIZZ,
pois gostava linha editorial e diagramação. Porém com o tempo detectei um bairrismo foda, para o lado das bandas de sampa... meteram o pau nos discoS, do FINIS AFRICAE, do HOJERIZAH e PICASSOS FALSOS... mandei muita carta mentendo o pau nos críticos de lá... acabei ficando puto e cancelei minha assinatura...

mas sem dúvida umas das melhores para mim era a REFLEXO... mas durou apenas 3 números... muito alto nível...

na década de 90, quando comecei a curtir musica eletronica, assinei um fanzine de musica, que se chamava algo como "? CONTROL", já não me lembro o nome...

neste mesmo período, minha irmã montou o fanzine de metal "BACKSTAGE", que teve uma boa distribuição chegando a ser vendido em bancas... e em 93, se não me engano, foi o único fanzine a entrevistar o KURT COBAIN...
mas a maioria das pessoas tiveram de largar o fanzine, para trabalhar... uma pena...

hoje em dia uso mesmo a rede para me informar sobre música e o rio fanzine é claro...

abraços...

Lord Vader said...

Gostei da Rolling stone , bastante material , edição de primeira , e tomara que fique , apesar da orientação mais mainstream.
Já tava com saudade de pegar uma revista de papel e folhear , porque ultimamente a net tava cobrindo o quesito informação , inclusive muitos lançamentos citados já foram baixados e dissecados a muito tempo , mas até isso foi interessante.
A Bizz no começo dos 90 , com Andre Forastieri , Andre Barcinski , Fabio Massari , Miranda , etc , foi um marco , assim como a General , que durou pouco mas era sensacional .
E o Rio Fanzine ? Também descobri muito som lá nesses anos todos , e comentavamos entre amigos que a parada poderia ter sido um tabloide a parte , tipo um NME . Durante um tempo cheguei a guardar uma porrada de edições.

Lord Vader said...

e a proposito : Rogerio Duprat Rest in peace ...

Sandman said...

Como ja falaram por aqui, o que mais atrapalha uma revista no brasil é que nao temos o habito de ler.Quando eu era bem novinho, comprava todas as edicoes da "Placar".Eu era o unico menino da minha idade q comprava a revista.Ate hoje, nao conheco ning que costume comprar ela mensalmente.Falei da Placar pq ela trata de um assunto que os brasileiros amam:O Futebol.

Se pra vender revista "de bola" ta dificil, imagine de musica :S
Comprei a nova rs e adorei ate pq fala de varios assuntos.A capa da bizz desse mes, por exemplo, é com o renato russo.Pow, ja to de saco cheio neh hehee
O preco das revistas atrapalha mto tb, assim como a preguica do publico fan de musica.

A internet tb atrapalhou este mercado.Hoje em dia existe o orkut, my space, blog(dos proprios musicos) you tube, wikipedia...vc so nao sabe mais sobre a sua banda favorita se nao quiser :)
-----
vcs esqueceram da Roadie Crew, aquela revista de metal lml
(nao compro a revista, mas pelo que sei, ela eh ate q caprichada e sempre tem varias informacoes e entrevistas da bandas "from hell")

tom said...

claudy, a editora da rock press, mandou email lembrando destas:

"Bem, a Brigade existe e deve vender mais q a bizz. Existem ainda a Valhalla, Roadie Crew, Outracoisa, Jukebox (mini, começando), Guita Player Brasil, Lab Pop, Rock File."

tom said...

a ideia de fazer do rio fanzine uma revista ou jornal ja veio e foi um monte de vezes. todas esbarraram no crucial: quem vai pagar? sem publicidade, nao rola. e se a gente tiveses entrado numa das aventuras, certamente a coluna teria acabado e a revista tambem. preferimos esperar pela internet e, quem sabe, essa sera a ultima encarnacao da coluna no futuro.

Gustavo Ramos said...

concordo com o zero. acho q o problema é cultural, social e economico. O povo brasileiro não tem o hábito de ler. E qndo faz isso, lê jornais, revistas q tem uma abordagem mta rasa do fato. por isso q jornais como o extra, o meia hora são os mais vendidos. pq são jornais de leitura rápida e baratos.
E o q acontece com a internet. Na maioria das vezes o q vc lê na internet são artigos, notas, reportagens, de leitura rápida.
Então eu digo: é por isso q a internet, as vezes, atrapalha a venda de revistas. Pq o povo é preguiçoso. Mas leitores q procuram saber mais detalhadamente, com mais profundidade sobre determinada banda, ou show, compram uma revista.
Vcs concordam com isso?

tom said...

a gente sempre se compara com os vizinhos argentinos nesse caso: lá eles ja tem a versao portenha da rolling stone faz tempo, bem como uma versao da espetacular revista francesa les unrockptibles e varios outros titulos locais. pq a proporcao de livrarias e gente que le na argentina é tipo de 80 pra 20 (em 100%) em relação ao brasil

Vander said...

acho q a única revista de musica q tivemos foi a bizz, a rock press foi interessante mas era muito pequena, engraçado q nas bancas tem varios tipos de revistas especializadas para bateria, guitarra, etc e não tem de cultura pop,

eu ainda gosto muito de revista, até pq nao da pra vc sentar num buteco com um computador pra tomar uma ceva enquanto lê, agora pra mim o pitchfork é muuuito mais importante q as criticas de revista, mesmo comparando com as "grandes" tipo uncut, Q e mojo, nada compara a vc no trampo dar um clique num desses sites bacanas e saber que uma banda sua acaba de lançar um single,

curti bastante a rs e fiquei pasmo com a quantidade de anunciantes! a coitada da bizz levou uns 3 meses pra conseguir alguns gatos pingados de anunciantes, talvez isso explique o preço mais em conta da rs, mas senti falta de um pouco de humor e a bizz tem escritores melhores, acho q só uma vai sobreviver no mercado, pena,

felipe, minha expectativa é o YYYs e daft e tv sao bonus, mistério pq em sampa vendeu tao poucos ingressos!!!

e o jarvis já ta rolando e achei bem pulp e também o the shins q sao uns indies bem bacaninhas

Rocha06 said...

Olhei a Rolling Stone várias vezes na banca mais ainda não tive vontade de comprar...hoje em dia a gente tem acesso a tanta coisa pela internet que eu tenho a impressão de que vou pegar a RS e só ver notícia velha...nem gosto tanto da original, prefiro a Q inglesa.
É, Daft Punk tá foda mesmo...os cambistas tão vendendo a 300 paus o ingresso, não dá. Acho que vou ter que me conformar a só assistir à Patti Smith e os YYYs amanhã. Pena, sei que vai ser um showzasso. Mas o Tim tá bem fraquinho esse ano comparado com o ano passado.

Rocha06 said...

Ainda nesse tópico leitura, acho que o "hábito" de ler não combina muito com as características típicas do brasileiro médio. Por exemplo:

-a leitura é algo solitário. Talvez uma das práticas mais solitárias que existe. E o brasileiro curte mesmo é um social(vide Orkut). Imagina alguém deixar de ir pro bar tomar choppe com os amigos pra ficar em casa lendo um livro(ou revista). Imagina deixar de ir pegar mulher na rua pra ficar lendo um livro.

-Com tantas coisas à disposição, com tantas distrações e aparatos tecnológicos(tv, computador, videogame, Ipod, etc.) a competição fica difícil. Leitura é algo que exige concentração absoluta. Já os outros não. É possível estar na internet, ver televisão e ouvir música(e, se bobear, de quebra, falar no telefone) ao mesmo tempo.

-É preciso reservar um certo tempo para a leitura. E em meio ao trabalho, estudo, vida social, família e outras responsabilidades, fica difícil encontrar tempo pra isso. Conheço gente que não lê muito por falta de tempo mesmo.

Calvin said...

Fecho com o Sandman: se nem revista sobre futebol, que é a paixão nacional, o brasileiro compra, imagina sobre rock...


A única revista de música que eu comprei com alguma freqüência foi a Rock Press. Acho que comprei só uma ou duas revistas bizz na vida.

A internet preenche bem mais minha necessidade de informação. O único problema é que adoro ler no banheiro! E nessas horas faz uma falta danada ter uma revistinha à mão, hehe.

tom said...

a gente nao precisa andar com livros de céline ou baudelaire debaixo do braço commo fazem os franceses, mas ler um pouco mais seria uma boa. isso nao significa falta de tempo ou abdicar da internet. ate pq, a grande maioria dos brasileiros nao tem acesso a rede. eu dou conta disso no banheiro (como o calvin) ou antes de dormir, p ex. funciona (rs)

Gabriel said...

A rs eu não li ainda, mas gostei muito da nova bizz. Um dos trunfos da revista é não ignorar que o mesmo público q lê a revista usa internet pra conhecer as novidades, daí as citações de vídeos, mash ups e versões que rolam na rede.
Acho que aqui as pessoas tratam a leitura como superfluo, qdo a economia no país está mais equilibrada (como agora) tem espaço pras revistas de futebol, de música, etc, sobra um dinheirinho pro público comprá-las. Placar e Bizz (pra citar as da abril) vão e voltam de tempos em tempos. Infelizmente, na primeira crise parece que as vendas despencam.

Rocha06 said...

Antes de dormir normalmente me dá sono...o livro tem que ser muiiito bom

Sandman said...

o bom de ler revista e jornal eh achar um rio fanzine de 12 de outubro de 2001 (5 anos !!) sobre uma novidade q corria lah fora, chamada "air guitar" hahaha

tom said...

off: acabei de chegar do show do daft punk e so tenho uma coisa a dizer: foi sen-sa-cio-nal!!!

fabio fernandes said...

a noite de ontem só confirmou duas teorias minhas: o daft é realmente sensacional e o devendra ... puta, acho que foi o pior show da minha vida, a coisa mais chata que já vi. o casal amadou & marian deu de mil a zero no cara. sem contar que o chato ainda concorreu com o mauval: perdeu de goleada, é óbvio !
e acho que a marina passou no teste do tim festival, o lugar tava ótimo, quase nem senti muita saudade do mam.

PEDRO BAMBAATAA said...

filhos gemeos do darth vader aterrisarm na nossa cidade?

que foi isso ontem o na marinha?

acho que agora posso dizer que
que vi um show verdadeiramente
de música eletrônica na minha vida...

com relação a marina achei muito pequena em relação ao mam, os bares muito perto do palco, quase sai na porrada com um play para pegar uma cerveja e o lugar para vc ir de carro é uma merda...

tem de deixar o carro muito longe...

mas quanto ao show?

resumindo, valeu a pena aturar tudo isso...

abraços

Felipe Passarelli said...

Fala Tom!

Nossa, que "Brainwasher" ontem heim, demais Daft Punk mesmo, o som tava tipo incrível e a tal pirâmide é mágica mesmo. Foi ótimo mas com alguns poréns: Muito curto pelo dinheiro gasto e o set é praticamente O MESMO em todos os lugares do mundo, colocando uma dúvida: Séra que eles fizeram ao vivo mesmo? Nota 8,0

Amadou & Marian: A melhor atração de sexta, realmente tudo que Mano Chao coloca o dedo vira ouro. Fez até o mais cansado dos esqueletos ficarem de pé, incrível a afinidade com o publico, o carisma e a interação com a banda, fora o histórico importante que carregam na mala, e ainda são cegos! Imagina se não fossem! Nota DEZ!

Devendra foi a decepção total, o que era aquele mendigo "hipster" alcolatra no Palco Lab??? Sinceramente, esperava fidelidade aos albuns de estúdio, mas NADA estava igual, o cara tava louquíssimo, a voz horrivel, um repertório non-sense (eu mesmo só reconheci 3 musicas mais cover da Lauryn Hill e lost in Paradise do Caetano de resto não entendi mais nada). Achei um absurdo com o publico que gosta das musicas dele, que são acusticas e viajantes, pra um meia boca eletrico sem alma. Nota ZERO (mesmo não gostei)

Hoje aposto minhas fichas no TVOR e YYY, acho que nao tem como ser ruim, e Thievery vai ser bonus e a surpresa, eles fazem um som bem gostoso, bem bom.

O set list do Daft foi esse no Rio (e em todos os lugares do mundo):

01 - Robot Rock
02 - Technologic vs Oh Yeah
03 - Television Rules The Nation vs Crescendolls
04 - Too Long
05 - Steam machine vs Around The World
06 - Too long
07 - Face To Face vs Harder Better Faster Stronger vs Short Circuit
08 - One More Time vs Aerodynamic
09 - The Prime Time of Your Life vs Rollin' and Scratchin'
08 - One More Time vs Aerodynamic
09 - The Prime Time of Your Life vs Rollin' and Scratchin'
10 - Da Funk
11 - Superheroes vs Human After All vs Rock'n'roll

Off: The Shines é lindo Tom adoro muito!!!! Se puder pega os dois anteriores que são bem melhores, o "Oh, Inverted World" e o "Chutes Too Narrow" que são clássicos no mundo indie. Tem outros mais esses dois são excelentes.

E Você Tom só viu o Daft mesmo?? Só encontrei o Jamari (impossível nao achar rs) e não te vi mas vai ve vc me viu, sempre me acha! hehehe

Abraços!! Human after All! :p

Rodney Brocanelli said...

Queria citar outras revistas: uma delas é a Zero, que era editada aqui em São Paulo pelo Luiz Cesar Pimentel. Durou uns dois anos e teve sucesso de público. Em alguns fóruns da Internet (orkut, etc) tem sempre alguem a lembrar dela. Outra é a Frente. Essa foi mais efêmera, durou apenas três edições e também sua base era aqui em São Paulo. O editor era o Ricardo Alexandre, o mesmo que comanda hoje a redação da Bizz. Essa vinda da Rolling Stone até que foi bacana. Nunca vi tanta gente falando de revistas como agora.

Ah, valeu pela citação à LabPop, Fabio.

Vida Fuleira said...

Lembro de um fanzine que deu um grande passo nos anos 90 e virou revista. Era editado em São Paulo e se chamava Panacea. Acho que só durou uma meia dúzia de números.

Rodney Brocanelli said...

E falaram da Mosh aqui, mas devo informar que existiu uma outra Mosh que circulou em 2004. Era da mesma editora da Guitar Player, entre outras revistas dedicadas a instrumentos. O editor era o Regis Tadeu, esse mesmo que faz algumas participações no programa Superpop, da Luciana Gimenez. Essa Mosh também não durou muito.

NA CIDADE

NATAL NA ÁREA:

CASAS & SHOWS: Circo Voador 08 - B.Negão Bota Som / BaianaSystem 09 - Far From Alaska / Scalene 10 – Scracho / Gabriel Elias 11 - Estreia do Documentário "Nosso Sagrado": Debate + Roda de Samba (Kebajê, Andreia Caffé, Rogério Família) 15 - Snarky Puppy (EUA) 16 e 17 - Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso 21 - Samba Iaiá: Pretinho da Serrinha - Participação: Mariana Aydar, Mariene de Castro, João Bosco 22 - Festa Mistério do Planeta / Primavera nos Dentes (Charles Gavin, Duda Brack, Paulo Rafael, Pedro Coelho, Felipe Ventura): Homenagem ao Secos & Molhados / Pepeu Gomes - Participação: Baby do Brasil & Pedro Baby 23 - Amigos da Onça: Onçaspectiva 2017 28 – Forróçacana 29 – 1Kilo

Fundição Progresso 08 - Arcade Fire (CAN) / Bomba Estéreo (COL) 09 - Racionais MCs / Choice MC / BK / Ghetto Brothers 16 - Gal Costa & Gilberto Gil & Nando Reis: Trinca de Ases

Teatro Rival 06 – Ricardo Brito Talk Show: Leoni, Ruy Faria, Gilson Peranzzetta 07 – Steve Rothery Band (ING) 08 – Ana Costa & Carrapicho Rangel 09 – Tia Surica: Homenagem a Clara Nunes 14 – Jota Maranhão & Altay Veloso 16 – Ordinarius 20 – Rival Rebolado: Edição de Natal 22 - Edu Falaschi: Rebirth of Shadows Tour - Parte 2 28 – Claudio Lins 30 - Jay Vaquer

Teatro Riachuelo 12 – Elba Ramalho 13 - Luiza Possi: Tributo a Michael Jackson 19 - Baby do Brasil

Vivo Rio 14 – Carminho (POR) Canta Tom Jobim 16 – Milton Nascimento & Tiago Iorc 29 – Pabllo Vittar

Memorial Getúlio Vargas (Glória) 08 – Grupo Vocal Pé na Rua 14 – Quintas Acústicas: Alexandre Marzullo 17 – Grupo Vocal Zanzibar Casa Julieta de Serpa (Flamengo) 03 - Paris Jazz & Blues: Marcio Ciribelli 10 - Paris Jazz & Blues: Tunai & Wagner Tiso

Etnohaus (Botafogo) 07 – Paulo Sartori & Johanna Amaya 08 – Laura Lagub 10 – Janna Linhares 15 – Caio Castelo 16 – Filtra / Comodoro 21 - Ivo Senra & Lúcio Vieira: ECO Botto Bar (Botafogo) 05 e 12 – Toni Platão 07 – Zabumba Atômica 08 – Chris Crochemore

Audio Rebel 09 - Macabea 10 - Herzegovina / Ballet Clandestino (SP) / Gangue Morcego 15 - BacaFest: Mauk & Os Cadillacs Malditos / AlBaca / Two Step Flow 16 - Illy 18 - Melvin & Os Inoxidáveis / Homobono / Mamute Flutuante 20 - Lourenço Vasconcellos Vibrafone Trio Solar de Botafogo 08 - Whipallas / Fleeting Circus 09 - Les DeuxLuxes (CAN) 10 – Sophia Abrão 12 – Júlia 16 – Lado Alado

Sala Baden Powell 06 - Adriana 15 - Wanda Sá & Quarteto do Rio Theatro Net Rio 05 - Zélia Duncan & Jaques Morelenbaum 12 – Joyce Cândido 13 – Ziza Fernandes

Casa de Cultura Laura Alvim 07 - Natália Garcez: Tali! 05 - Lucas Santtana 10 – Lan Lanh 12 - Dois Reis 16 – FestLip Show: Joss Dee (ANG) / DJ Lili Prohmann 19 - Ayrton Montarroyos Teatro Ipanema 05 - Primavera nos Dentes (Charles Gavin, Duda Brack, Paulo Rafael, Pedro Coelho, Felipe Ventura): Homenagem ao Secos & Molhados 09 - Fernanda Gonzaga 12 – Arto Lindsay & Jonas Sá & Thiago Nassif 15 - Do Amor & Rubinho Jacobina 19 - Lancellottis - Ivor & Domenico & Alvaro 21 - Baleia

Blue Note 07 – Orquestra Atlântica Convida Ricardo Silveira 08 - Stefano Bollani Quinteto 09 – A Cor do Som (20h) 09 - Zé da Velha & Silvério Pontes (22h30) 11 - Zé Paulo Becker & Semente Choro Jazz 12 - Bianca Gismonti Trio: Gismonti 70 - Participação: Jane Duboc & Jaques Morelenbaum 13 - Alma Thomas: Homenagem a Nina Simone – Participação: Ellen Oléria 14 – Airto Moreira 15 – Jesuton 15 - Leila Maria: Homenagem a Billie Holiday 16 - Raul Mascarenhas 18 - Zé Paulo Becker & Semente Choro Jazz 19 - Tributo a Luiz Melodia: Ana Bispo, Chico Chico, Claudia Amorim, Doralyce, Duda Brack, João Mantuano, Katia Jorgensen, Maíra Freitas, Mari Blue, Mihay, Taís Feijão, Tyaro Maia, Vandro Augusto 20 - Mauricio Einhorn & Nelson Faria 21 – Orquestra Atlântica Convida Vitor Santos 22 e 23 – Carlinhos Brown 26 e 27 – Toquinho 30 - Bossacucanova & Roberto Menescal

KM de Vantagens Hall 06 – The Wailers / Ponto de Equilíbrio 08 – Maria Bethânia 09 – Zé Ramalho 16 – Raça Negra Rio Arena 15 - Deep Purple / Cheap Trick / Tesla

III Barra Blues Festival Área de Eventos do Rio 2 Shopping – Barra da Tijuca 15 – Sergio Diab / Projeto Soul Jazz / Alamo Leal & Blues Groovers 16 – RJ Café / UniJazz Orquestra / The Blue Fever / Sérgio Rocha 17 – West Side Blues / Corcel Mágico / State of Blues / Victor Biglione Trio

Engenhão 09 - Festival de Tatuagem: Pedras Pilotáveis / Filtro Vermelho / Nove Zero Nove / Filipe Ret 10 - Festival de Tatuagem: Eu Amo Baile Charme / We Are The Revenge / Kanon 23 - Eu Amo Baile Funk: Stevie B / MC Cacau / Willian & Duda / Danda & Tafarel / Coiote & Raposão / DJ Cidinho / DJ Grandmaster Rafael

Imperator 06 – Quartas Brasileiras: Leny Andrade: Homenagem a Emílio Santiago 09 – Terraço: Leão Etíope do Méier + Junta Local: Junu / DJs Rajão e Bruno Negrão 09 – Detonautas / Drenna / Folks 10 – Baile Black Bom: Banda Consciência Tranquila / DJ Flash 12 – Terraço: Jazz Pras Sete: ((TRIO)) 13 – Terraço: Forró Lanalaje: Conterrâneos 13 – Márcio Gomes 14 – Samba do Imperator: Grupo Arruda, Nelson Sargento, André Mata 17 - Beach Combers / Arte no Escuro / Cólera / Gangrena Gasosa

Planet Music 09 - Maieuttica / Involuntarium / Colwire (SP) / No Trauma / Quantum 17 - Festival Irmandade Underground: Go! Victory / A Marcha das Árvores / Eu, Você e um Oceano / Faithless / Inner Flow / Santaria / Arena Centro de Referência da Música (Tijuca) 07 - Jeff Gardner: Homenagem a Johnny Alf 08 - Trem Vocal 09 - Júlia Vargas 10 - Equale: Homenagem a Dorival Caymmi 12 - Sarau dos Sambistas 14 - Eduardo Ponti

Bar dos Descasados (Santa Teresa) 07 – Ed Motta 14 – Toni Garrido 21 – Sandra de Sá

Aparelho (Centro) 07 - Ricardo Dias Gomes / Joana Queiroz 09 - Anjos de Vidro / Mara Rúbia 11 - Michel Temer Trio / Test (SP) 14 - Winter (EUA) / My Magical Glowing Lens (ES) 16 - LoveJoy / Ênio Berlota & A Nóia Coletivo Machina (Centro) 07 - Astro Venga / Lunares 09 - Test (SP) / Entropiah (ESP) / Jessica Worms / Sorry For All (SP) 14 - Blastfemme / Lâmmia 15 - Tailten / Punching Namard 23 - LoveJoy / Cidade Chumbo Motim (Centro) 08 - Talude / Chico de Barro / SLVDR 09 - Rawph / Warmest Winter / Lacerda 10 - Quasar / Eliminadorzinho / gorduratrans 16 - Desgraça / Yukio

CCBB 09 - Orquestra Bom Me Quer Paquetá e Corais da Escola de Música Villa-Lobos 15 - Nilze Carvalho 16 - Farra dos Brinquedos 16 - Madrugada no Centro: Rico Dalasam / Minha Luz é de Led 17 - Folia de Reis Céu na Terra BNDES 06 - Vicente Paschoal 07 - Alaíde Costa Convida Turíbio Santos 13 - Paulo Bellinati & Cristina Azuma 14 – Guinga

Festival Wine Jazz, Bossa & Blues Inverso Restaurante (Jockey Clube) 06 - Maurício Einhorn & Jefferson Gonçalves & Gabriel Grossi 07 - Azymuth 08 - Wagner Tiso & Victor Biglione

Festival Novas Frequências 06 – Audio Rebel: Louis Laurain (FRA) / Luisa Lemgruber & Gabriela Mureb & Sanannda Acácia 07 – Oi Futuro Flamengo (16h): Dewi De Vree & Patrizia Ruthensteiner: Magnetoceptia (performance sonora) 07 – Lagoa Rodrigo de Freitas (17h): Dewi De Vree & Patrizia Ruthensteiner: Magnetoceptia (performance sonora) 07 – Audio Rebel: Jeremy Gara (CAN) / Flores Feias 08 – Igreja do Carmo (Lapa): William Basinski / Dewi De Vree & Patrizia Ruthensteiner 09 – Parque Lage: Chelpa Ferro: Acusma para Crianças 09 – MAM: 09 - Nicolas Field & Pontogor: To The Bone (performance sonora) 09 – Local não divulgado: Festa O/NDA: Acid Arab (FRA) / Aïsha Devi (SUI) / Carrot Green / Stellar OM Source (FR) / grassmass apresenta: Coisas - a synth tribute to Moacir Santos / Deo’Jorge 10 – Sala Mário Tavares (Centro): Chelplexx (Chelpa Ferro + Duplexx) / ensemBle baBel plays Christian Marclay (CH)

Íris Festival (Rio City Lab / Santo Cristo) 27 - Roberta Nistra / Sambanosso / DJ MAM & Sotaque Carregado / Agytoê 28 - Beach Combers / Bloco Cru / Bloco Toca Raul 29 - New Kids on The Bloco / Bloco Fogo & Paixão / DJ Sany Pitbull

Circuito SESC 07 – Tijuca: Zé Bigode - Participação: Thiago El Niño 09 - Duque de Caxias: Sotaque do Nordeste 09 - Nova Iguaçu: Expresso Santiago 10 - Madureira: Carlos Dafé 10 – Engenho de Dentro: Zé Bigode - Participação: Thiago El Niño 10 - São Gonçalo: Dorina 12 - SESC Ginástico: Frejat 16 - Niterói: Sotaque do Nordeste 16 - Nova Iguaçu: Leoni 17 - Nova Iguaçu: Dorina 17 - São Gonçalo: Sotaque do Nordeste

MIXXX: 7 - Laura Lagub - Participação: Marcela Mangabeira – Teatro Café Pequeno 07 - Cidade Negra – Shopping Village Mall 07 - Mari Blue - Participação: Duda Brack, Mihay, Zé Ibarra – Rock Experience / Lapa 07 - Hare Festival Psicodélico: Eletrotupiniquim – Hareburguer Leblon 08 - Camila Costa & Rubinho Jacobina – Casa Igba / Santa Teresa 08 - Banda Nós 3 – Teatro Ziembinski 08 - 1º Cortejo Pré-Carnaval Maracatu Baque Mulher – Casa Nem / Lapa – Indo até a FEBARJ 08 - Ensaio Aberto do Bloco Planta na Mente – Largo dos Arcos da Lapa 08 - IZA / MC Sabrina / Drik Barbosa / Filhas de Bamba / DJ Ingrid Nepomuceno – Unidos da Villa Rica / Copacabana 08 - BudxRio: Manie Gang / TechnoBrass – Bar do Nanam / Praça Tiradentes 09 - Festival Hippie Punk Beatnik: Ventura / Igor Anti-Projeto / Ramyrez 77 / Mau Presságio / Atentado 70 / AMEOPOEMA – Centro Cultural Toca Raul – Duque de Caxias 09 - Festival Trama: Luíza Boê / Kosmo Coletivo Urbano / Jamelão Sound System / DJ Eloy Vergara – Malha / São Cristóvão 09 - Orquestra Petrobras Sinfônica: Thiller Sinfônico - Homenagem a Michael Jackson – Theatro Municipal 09 – Arthus Fochi Trio – Parque das Ruínas / Santa Teresa 09 - Festival Rock no Parque: Espinoza / Lenhadores – Arena Dicró / Penha 09 - Quasar / Chico de Barro / Eliminadorzinho – PEGA / Duque de Caxias 09 - AtitudExtrema / Tereza Bicuda / Universo Inverso – Arena Renato Russo / Ilha do Governador 09 - Luísa Lacerda & Carlos Chaves – Casa de Esquina / Grajaú 09 - Braza – Lona Carlos Zéfiro / Anchieta 09 - Contando Bicicletas – Estúdio Fórum 09 - CharmeBloco - Praça Marechal Âncora / Praça XV 10 - Festival Hippie Punk Beatnik: Fanfarra Locomotiva da Baixada – Centro Cultural Toca Raul / Duque de Caxias 10 - Letrux (pocket show) – Ahlma / Leblon 10 - Headbanger Fest: Nervosa / Siriun / Vorgok – La Esquina / Lapa 10 – Rio Na Rua: Melim - Posto 8 / Leblon 10 - Bloco Cru - A Volta! - Parque dos Patins / Lagoa 12 - Noite Faro: Castello Branco – FM Hall 12 - Festival Realmente Som: Sinara – Ganjah Lapa 13 - Roda de Samba do Fundo de Quintal - Participação: Maria Rita & Sombrinha – Cacique de Ramos 13 - Mario Adnet & Paulo Jobim: Jobim Sinfônico – Sala Cecília Meireles 13 e 14 - Mariene de Castro & Almério (POR) – Teatro XP Investimentos / Lapa 14 - Funarte Plural: Alvaro Lancellotti – Teatro Glauce Rocha / Centro 15 - Varanda Suspensa: Fausto Fawcett & Omulu – Parque Lage 15 - Tavinho Paes - Lançamento do livro "Bob Dylan - A Liberdade que Canta": Arnaldo Brandão, Fred Nascimento, Cash Crash, Marcela Sperandio & Cecilia Spyer, Bayard Tonelli – Estúdio Hanói / Botafogo 15 - Duda Brack & Rodrigo Garcia – Ganjah Lapa 15 - Guilherme Arantes – Teatro Oi Casa Grande 15 - Laboratório do Éter – La Carmelita / Lapa 16 - Raf F. Guimarães / AlBaca / Two Step Flow – Estúdio Hanói / Botafogo 16 - Braza - Lona Jacob do Bandolim / Jacarepaguá 16 - Two Step Flow / Força & Honra / Blind Freedom / Gambrinus 74 – Praça do Pinheiro / Jacarepaguá 16 - Alcione - Participação: Maria Bethânia & Bateria da Mangueira – Ribalta / Barra da Tijuca 17 - Festival Boca do Rock: Diabo Verde / Nove Zero Nove / We Are The Revenge – Lira de Ouro / Duque de Caxias 17 - Taurus / Nervochaos / Coldblood / Velho – La Esquina / Lapa 17 - Matanza / Diplomatas – Lona Jacob do Bandolim / Jacarepaguá 17 - Festival Arena Alternatiba 2: Dwo / Alter / Indivíduo K / Altopo – Arena Chacrinha / Pedra de Guaratiba 22 - O Último Baile do Bené: Flora Matos / MC Marcinho – Viaduto de Madureira 27 - George Israel - Baretto Londra / Fasano 30 - Pré-Reveillon POPline: IZA - Espaço Sacadura / Saúde

Vila Encantada de Natal, que chega ao Rio a partir de 8/12 (6af), nas cidades de: Caxias (8/12, 6af); Itaboraí (9/12, sáb); São Gonçalo (10/12, dom); Casimiro de Abreu (15/12, 6af); Rio das Ostras (16/12, sáb) e São Pedro da Aldeia (17/12, dom). A caravana itinerante chega na cidade com uma carreta-palco imensa, a equipe realiza uma oficina de enfeites natalinos com a população, enfeitam - com o que produziram - a praça onde acontecerá a apresentação de cinema e teatro ao ar live, todos com a temática lúdica e afetuosa do Natal. ______________________________

A SÉTIMA edição da Mostra de Cinema Polonês, acontece de quarta-feira dia 6 a 11 de dezembro no CCBB de São Paulo após passar pelo Rio e Brasília. Com curadoria da historiadora de arte Ewa Zukrowska (polonesa residente em SP), o evento presta homenagem ao diretor e roteirista Juliusz Machukski, aclamado como o "rei da comédia" pelos críticos de seu país e exibe sete de seus filmes. Entre os títulos inéditos no país tem "Sexmissão", que quando estreou em 1983 levou 12 milhões de poloneses ao cinema.

FEIRA RETOKE: uma ótima oportunidade para as compras de Natal, com três edições em dezembro, a partir deste primeiro fim de semana do mês de dezembro, neste sábado, 2/12, na Lapa. As outras edições da feira colaborativa, que reúne moda, decoração, arte, gastronomia, saúde, beleza e novas tendências do Rio, acontecem na Barra, dia 9/12 e, na Tijuca, nos dias 15, 16 e 17/12.

Abertura da exposição de fotografias de Raymond Depardon, “Un moment si doux”, no dia 1º de novembro. Depois de passar por Paris e Buenos Aires, o CCBB Rio recebe as 170 fotografias de diferentes cores e formatos tiradas na Europa, África e América Latina, incluindo o Brasil. Ate 22 de janeiro. qua-seg 9am-21pm. Grátis.

Escola de Cinema Darcy Ribeiro/rj apresenta Mostra de Cinema Leila Diniz Em comemoração aos 15 anos da escola e a inauguração da Sala de Dramaturgia Leila Diniz   Entrada franca ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO Sala de Dramaturgia Leila Diniz Rua da Alfândega, 5 – Centro - Rio de Janeiro

Entre os dias 13 e 18 de dezembro, acontecerá a 12ª edição do Festival Internacional de Cinema Feminino – FEMINA - no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro. O evento é realizado pelo Instituto de Cultura e Cidadania Femina que, desde 2004, se dedica a exibir longas, médias e curtas-metragens dirigidos por mulheres e/ou com temática feminina.

Retrospectiva do Cinema Brasileiro reúne a diversidade da produção nacional no CineSesc/SP e abre exposição: “Ozualdo Candeias, Fotografias” - 07/12/2017 O CineSesc realiza a 18ª edição da Retrospectiva do Cinema Brasileiro durante todo o mês de dezembro (de 07/12 a 03/01/2018). Nesta edição, a curadoria foi realizada pela montadora de cinema Cristina Amaral, do crítico de cinema Chico Fireman e a equipe do CineSesc. Foi selecionado o total de 55 filmes, sendo 26 longas-metragens de ficção, 24 documentários e cinco curtas- entre os 141 filmes lançados no período. Na abertura da 18ª edição da Retrospectiva do Cinema Brasileiro será exibida a cópia restaurada do filme A Margem, de Ozualdo Candeias, e exposição:

“IRMÃOS MAYSLES – A DISCIPLINA DO OLHAR“ exibirá 30 filmes, entre curtas, médias e longas, e promoverá debate e masterclass de 30 de novembro a 13 de dezembro na Caixa Belas Artes, em São Paulo. A mostra tem o patrocínio da CAIXA e do Governo Federal.

CIRQUE DU SOLEIL CHEGA AO RIO DE JANEIRO COM ESPETÁCULO INÉDITO, NO PARQUE OLIMPICO Após temporada de sucesso em São Paulo, AMALUNA estreia no Rio de Janeiro dia 28 de dezembro
ARCADE FIRE NA FUNDIÇÃO: A BANDA CANADENSE ARCADE FIRE SE APRESNTA NO DIA 08/12 (SEXTA) NA FUNDIÇÃO PROGRESSO, COM SHOW DA TURNE 'INFINITE CONTENT'. NO SÁBADO, 09, SE APESNTA NA ARENA ANEHMEBI/SP. NO RIO, O SHOW TEM ABERTURA DA BOMBA STEREO.

SNARKY PUPPY A BANDA DE MODERN JAZZ SE APRESENTA 15/12, NO CIRCO VOADOR ABERTURA: Pandeiro Repique Duo com part. Carlos Malta e Gabriel Grossi

A Bela da Tarde, longa de Luis Buñuel Clássico de Luis Buñuel retorna ao cinema com distribuição da Zeta Filmes, em Cópia Restaurada – Estreia dia 07/12/2017 - 50 anos!

SOLID ROCK: a participação da banda Lynyrd Skynyrd no Solid Rock (Curitiba, Pedreira Paulo Leminski, dia 12/12; São Paulo, Allianz Parque, dia 13/13; e Rio de Janeiro, Jeunesse Arena, dia 15/12) acaba de ser CANCELADA por motivos pessoais da banda. No lugar, Cheap Trick será a banda que fará parte do lineup, junto do Deep Purple e Tesla. Mais informações sobre devolução de ingressos serão divulgadas em breve.

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers