Pages

Sunday, February 24, 2008

KLING KLANG


Tavassistindo ao DVd do show da turnê "Minimum/Maximum", do Kraftwerk (que passou por aqui em 2004, num armazém, Nokia Trends) e me lembrei do primeiro contacto que tive com os homens-máquina. Foi uma visão, algo que a galerinha que hj só conhece música baixando, não mais terá. Ia, preguiçosamente, até o sebo onde eu comprava meus discos (Duarte, no Centro, que vendia os vinis carimbados, ou seja, metade do preço ou menos), quando vi na vitrine a capa acima. Parei, olhei de novo e pensei: quem são? Não conhecia o Kraftwerk até então, mesmo eles já tendo lançado discos antes. Era uma coisa de gente mais velha ou progressivo, imaginava. E foi assim que a música eletrônica entrou na minha vida, junto com o punk rock (este disco é da mesma época de Clash e Pistols, mas só conheci alguns anos depois, depois até do Devo!). Era o som mais estranho e diferente que já tinha ouvido em meus menos de 20 anos de vida. Como eles faziam aquilo? Criando os próprios instrumentos e gravando tudo em seu prório estúdio, o Kling Klang (com o qual excursionavam num caminhão, hj usam teclados/laptops), mais de 20 anos antes de Daft Punk e Chemical Brothers! Revendo o show, fica claro pq o Krafterk é atemporal e está em TODA a e-music que se faz até hoje (basta ouvir Justice): pq eles não são vanguarda ou modernos à força. Eles simplesmente o são e, além de tudo, fazem a ponte com o tradicional, nunca renegam o que veio antes. É como ouvir uma peça de Mozart, jamais ficará velha. Assim como os germanos. Eles eram o futuro antes do conceito de futuro que começamos a ter depois dos anos 70, e continuarão sendo. É música clássica, no mais estrito senso da palavra. Fazem um concerto, não um show. É a revolução industrial mixada com a tecnológica. State of the art.

53 comments:

PEDRO BAMBAATAA said...

olá tom leão, conheci o kraftwerk na casa de um amigo progressa, no
fim dos anos 70...
demorei a compreender o som dos caras é bem verdade...
mas em 1987, influenciado muito
pela flu-fm, comprei o "ELETRIC CAFÉ"... e fiquei bem impressionado com o quê ouvi...
porém fiquei fascinado, mesmo
com o show de 98 no FREE JAZZ...
pareciamos,que estavamos numa
nave espacial...
juntamente com ECHO E IGGY POP, meus 3 shows inesquecíveís...

abraços!!

tom said...

POIZÉ, BAMBAATAA, ESSE SHOW DO KRAFT NO TIM FOI INESQUECIVEL, JUSTAMENTE PQ ELES TROUXERAM TODO O KLING KLANG DE NAVIO, TIVERAM UM PALCO SO PRA ELES, LEMBRA? (O MASSIVE ATTACK TOCOU DO OUTRO LADO, NO PALCO NORMAL, QUASE FUI EMBORA, CHAPEI NUM CANTO, MESMO GOSTANDO DO MASSIVE, PQ DEPOIS DO KRAFT, NADA MAIS FAZIA SENTIDO). JA FIZEMOS UM POST AQUI SOBRE NOSSOS SHOWS FAVORITOS? NAO ME LEMBRO. VOU ABRIR ESSA IDEIA EM BREVE...

RENATO BIAO said...

puxa tom, maior coincidência , tava baixando de manhã esse show, pois ontem na madruga tava ouvindo umas bandas do que chamavam 'technopop' nessa época- se bem q acho q o kraft não cabe no rótulo, o q fazem é inclassificável...
lembro bem desse show no free jazz, vcs chegaram a dizr no zine de papel q a chance deles retornarem seria zero.felizmente erraram , consegui ver os dois concertos,hehehehe...
teve também um lance engraçado na época desse primeiro show , uma repórter 'tentou' entrevistar o florian e ele respondia com monossílabos...a guria ficou tão sem-graça q disse q aquilo fazia parte da 'atitude robótica' do grupo.acho q essa pérola tá no you tube...se achar posto o link aqui.

tom said...

biao, a chance de voltar com aquele show era zero, nao da banda voltar ao pais. tanto que eles nunca mais excursionaram com o kling klang, pq era custoso, e so vieram aqui pq a empresaria deles tinha um caso com um brasileiro (ou vice-versa). agora, o show é mais simples, teloes e laptops com teclados, da pra ir a qq hora. mas vale mais a pena comprar o dvd do que baixar, pq vem com som dts 5.1, isso baixado daria uns 8 giga!!!

fabio fernandes said...

eu tbém sempre fui muito fã do kraftwerk e tbém fui fisgado através "electric cafe".
sem contar que nunca imaginei que conseguiria ver dois shows do grupo aqui no rio de janeiro: achava pouco improvável que eles viessem até o brasil.
e aquele show do free jazz deu vontade de chorar de tão bom, e literalmente, os caras engoliram o massive attack, não teve prá mais ninguém.
e, pouco tempo depois, lá estávamos nós de novo, desta vez no armazém, outra noite tbém inesquecível.

PEDRO BAMBAATAA said...

sim tom já tivemos um post com os melhores shows...

engraçado, a na época do show tive a mesma sensação de vc...
me amarrava no massive attack, pois achava o "blues lines" uns
dos meus 10 discos favoritos,
mas depois do kraft, fiquei com
vontade de ir embora... rs...

abraços

pacheco said...

FUI ENGANADO!

Eu não consigo acreditar que 2 semanas atrás, quando vi juno, achei o filme excelente, agradável e bonitinho.

Hoje minha irmã chegou em casa e falou que achou o filme mais ou menos... eu perguntei por quê. Ela disse que nunca tinha chorado de raiva no final de um filme. Ela não tava acreditando que o filme ia ser sobre uma irresponsável que fica grávida e simplesmente dá a criança. Isso é praticamente um ode à irresponsabilidade, a fazer MERDA e não sofrer nem um tantinho por isso, não lidar com as consequencias. E NINGUÉM no filme critica essa atitude. Nem ela mesma. Engraçado, né?

Como eu pude gostar da Juno?

Pedro said...

tom, eu fui sabado na batalha dos mcs.
e nao é q a parada é maneira mesmo.
O clima tava otimo e os manos cariocas sao bem simpaticos rs
Como já é tradicao no Rio, o lugar estava uma mistura só.
O ruim mesmo foi o show do D2.Mega burocratico.
-----------
E obvio, temos q lembrar que sem os germanos, nao haveria batalha de mcs :)
-----
Quanto ao juno, eu continuo achando o filme maravilhoso.
Po, pq a personagem principal deveria ser punida ?
Ela falhou em nao prevenir a gravidez, mas tomou uma atitude certa, entregando a criança para adoção.
O grande barato do filme é como a personagem encara esta situaçao como mta "ginga".Ela poderia ter feito um aborto e pronto, acabdo com o problema.Mas brilhantemente, achou uma solução inteligente para ela e para a criança.
E com certeza esse tipo de situaçao é traumática para uma adolescente.Enfim, qualquer tipo de puniçao neste caso, acho desnecessario.Juno já aprendeu a liçao
:)

iga_rio said...

Fala Tom,

Acabei de chegar de 3 semanas na europa, e fiquei 5 dias em Berlim. porem ao contrário do que eu esperava os alemãs não estão tão contaminados pelo hip hop americano. já em outros países como Austria, Holanda e Espanha rolava de tudo.

Abraços,

Alessandro said...

Alguns amigos tiveram a reação da raiva diante do final do filme. Queriam um final "feliz" com fogos de artíficio...

Dai segue duas perguntas:
Seria "responsabiidade" fazer aborto?
Dar a criança para a adoção seria um crime?

wallacebarros said...

Tom, essa premiação do Oscar teve muitas surpresas! Esperava a Ellen Page ganhar como melhor atriz (eu estava torcendo por ela)

Rainha Popota said...

Pacheco, estou incrivelmente decepcionada com a sua conclusão sobre Juno!!!! Primeiro: ÓBVIO que não é um "ode à irresponsabilidade", só porque é basicamente o ÚNICO filme já feito que lida com o fato de uma gravidez na adolescência sem virar um dramalhão soluçante.

Não é como se retratasse uma adolescente promíscua que saía por aí usando drogas e dando pra geral sem nem se preocupar com nada! Ela era uma simples e normal ADOLESCENTE que, como todas as outras, passa por experiências tipicamente adolescentes e, às vezes, acidentes acontecem. Por mais que nós, pessoas super-hiper-mega certinhas, não gostemos de admitir...

Acho, aliás, que, como o próprio Pedro comentou, ela achou uma solução madura e BRILHANTE para a situação. E, devo comentar, INCRIVELMENTE altruísta, pois, como mulher, posso apenas imaginar o sacrifício que é você servir de mero hospedeiro de um negócio vivo dentro de você por nove meses, para depois doá-lo. Era muito mais fácil simplesmente se livrar do feijãozinho naquela clínica e fingir que nada tinha acontecido!

Você realmente acha que ela não sofreu nadinha? Só porque os pais dela não a expulsaram de casa? Você acha que não é sofrer desfilar pela ESCOLA com um barrigão de 9 meses, cuidar de um bebê que não é seu, achar uma família perfeita, e passar o resto da vida convivendo com o peso dessa decisão ? Você não viu a cena dela chorando pra caralho na cama do hospital sabendo que o bebezinho que se alimentou dela (e que ela teve o trabalho de expelir) estava nos braços de uma outra pessoa e ela nunca mais o veria? Eu, sinceramente, não consigo pensar em sofrimentos muito piores.

Mas, do mesmo modo, não espero que você entenda totalmente, já que você não é mulher. Acho curioso que sua irmã tenha pensado assim, mas em todo caso... Eu continuo achando que foi um filme lindo, tocando, sensível, inusitado de diversas maneiras e, acima de tudo, uma ÓTIMA influência sobre meninas adolescentes, que com certeza pensarão duas vezes antes de fazerem certas coisas. E, o melhor de tudo: sem lições de moral.

Diablo, você mereceu.

PEDRO BAMBAATAA said...

tom, bem que vc fez um post,
sobre supremacia...
não é que o filme, fez o josé
wilker torcer seu nariz... rs...
papou 2 ou 3 premios...

quero ver também o filme da
francesinha sobre a piaf...

abraços!!

tom said...

nao sou mulé mas to contigo nessa explanação, popota. o grande lance de juno é lidar com o tema de forma leve, sem dramas. tipo, ela fez uma cagada e vai tentar acertar do melhor modo possivel. ela nao é uma popozuda sem noção que engravidou num baile funk e vai largar um muleque pra ser o ladrao do futuro na cidade. mais aplausos para diablo cody!!!

tom said...

off: as atracoes internacionais do ano do abril pro rock serao a ja manjada banda heavy helloween, e a lendaria e reformada the new york dolls, que ta em turne de comeback ha dois anos (nesse meio tempo, ate um dos integrantes morreu), mas sobrou o david johanssen.

pacheco said...

Yipieee! Primeira vez que eu provoco algum tipo de rebuliço! =D

Vamos então à tão famosa "resposta-típica-de-gente-chata-do-imdb-utilizando-quotes-alheios"

-----------------------------------
Essa opinião de vcs foi a que eu tive quando eu vi o filme! Minha nota pra ele no imdb foi 9 =)

Mas depois que ela comentou isso, comecei a pensar... Parece que é simples, vc pode fazer o que quiser que é só doar o filho depois. Muito fácil. Retrato da geração foda-se. Vcs falaram que é um filme sem lição de moral... isso é bom?

Continuo adorando o filme, pois também achei muito bonito e divertido, quase chorei, com certeza o verei todas as vezes que passar na televisão.

E eu não tenho uma opinião totalmente formada a respeito, estou matutando ainda... o fato é que esse tipo de irresponsabilidade é uma grande praga, um grande drama muito recorrente. Mas, a partir do momento que a pessoa engravida, talvez a melhor opção seja dar a criança pra uma outra pessoa. Ou não? Quem é essa pessoa? Essa criança não devia ser criada pela mãe? Nem leite materno a coitada vai tomar, vai crescer com parmalat.

Eu não sou mulher mas sou um ser humano, estamos falando de como lidar com crianças que vêm ao mundo.

Esse filme lida com uma gravidez adolescente totalmente surreal, por isso todos acham bonitinho. Faça sexo sem pensar nas consequencias, pois depois é só doar pro casal que tenha a cara mais bonita no jornal.

Fernanda, vc falou de altruismo.. no começo do filme ela não dava a mínima pra criança, era só uma coisa que ia crescer nela e ir pra algum lugar depois.

"Ela era uma simples e normal ADOLESCENTE que, como todas as outras, passa por experiências tipicamente adolescentes e, às vezes, acidentes acontecem."
-Exatamente, acontecem porque os jovens são inconsequentes. Parabéns pra nós adolescentes. Foi realmente acidente? Eles tavam bêbados, drogados? Pra mim acidente é furar camisinha.

" Era muito mais fácil simplesmente se livrar do feijãozinho naquela clínica e fingir que nada tinha acontecido!"
- não seria mais fácil MESMO! Vc não disse que era mulher??? Como pode dizer isso? Vc que ODIOU 4 meses, 2 semanas, 22 segundos e alguns milésimos, veja como foi FÀCIL decidir matar o bichinho. O mais fácil é transferir a responsabilidade para outra pessoa. Aliás, jovem adora fazer isso, fugir de maneira fácil ao invés de enfrentar as coisas.

"Você realmente acha que ela não sofreu nadinha?"
- Não sofreu, e nem acho que ela deveria sofrer, acho que ela devia dar mais importância ao que aconteceu. Ficar grávida acidentalmente não é perder o cpf.

"Só porque os pais dela não a expulsaram de casa? Você acha que não é sofrer desfilar pela ESCOLA com um barrigão de 9 meses, cuidar de um bebê que não é seu, achar uma família perfeita, e passar o resto da vida convivendo com o peso dessa decisão ?"
- Se ela sofreu, não apareceu no filme. Os pais dela não deviam ter a expulsado de casa, mas o fato é que eles lidaram com o assunto como se ela tivesse dito "não vou poder jantar hoje com vcs". Acho ÓTIMO não fazer tempestade em copo d´água, aliás, tenho um grande sticker escrito "NO STRESS" na minha testa. Mas brincar com seres vivos não é assunto to be taken lightly.

"Você não viu a cena dela chorando pra caralho na cama do hospital sabendo que o bebezinho que se alimentou dela (e que ela teve o trabalho de expelir) estava nos braços de uma outra pessoa e ela nunca mais o veria? Eu, sinceramente, não consigo pensar em sofrimentos muito piores."
- Achei essa cena linda, parecia um arrependimento de ter alguma vez PENSANDO em dar a criança para uma outra qualquer, o surgimento do AMOR materno. Hmmm... ela deu o filho e YAAAAAY!


"Mas, do mesmo modo, não espero que você entenda totalmente, já que você não é mulher."
- Quem disse? ;)

"e, acima de tudo, uma ÓTIMA influência sobre meninas adolescentes, que com certeza pensarão duas vezes antes de fazerem certas coisas. E, o melhor de tudo: sem lições de moral."
-Pensarão duas vezes:
primeiro pensamento: "não vou fazer isso porque posso ficar grávida"
segundo pensamento: "Ah, foda-se, é só doar a criança pra um orfanato"

"Diablo, você mereceu."
- Concordo, excelente filme.

Popota, estou incrivelmente decepcionado com sua decepção! Coloquei um assunto a ser discutido, espero que vc não ache agora que eu sou uma pessoa terrível por causa dela!

Também estou decepcionado com sua afirmação "Mas, do mesmo modo, não espero que você entenda totalmente, já que você não é mulher." Achei muito anti-popota essa frase (isto é, anti-inteligente,racional). Achei bem ofensivo também...

Enfim... adorei o filme e concordo e discordo com as opiniões de vcs ao mesmo tempo.

"Alguns amigos tiveram a reação da raiva diante do final do filme. Queriam um final "feliz" com fogos de artíficio..."
-hahahah, o final FOI feliz e com fogos de artificio!


Ah... sangue negro é melhor que no country for old men.

Abraços!

pacheco said...

Discussão paralela:

Quem mais concorda que esse filme foi o filme MAIS MAL LEGENDADO DE TODOS OS TEMPOS??? Se vc não fala ingles perde toda a graça.

Alessandro said...

Alguém aqui ouviu o novo do Breeders?
Achei CHATO do começo ao fim!
Tem até um "bolerão" em espanhol, muito sem noção!!! hehehehe...

LINK Breeders
http://rapidshare.com/files/94571907/TB_MB_2008.zip

Já vindo da longínqua Nova Zelandia a surpresa é o álbum dos Die!Die!Die!
Vale ouvir a pancada garage-punk dos caras! O baterista é sensacional!!!

LINK Die!Die!Die!
http://uploaded.to/?id=58ga7l

wander said...

nunca me interessei muito pelo kraftwerk, apesar de ter um fã ardoroso ao lado, sempre achei eles meio... gelados, digamos

breeders não dá pra entender, lançam um disco nota 10 (last splash claro) e depois porcaria insossa, mas vou ouvir esse, mesma coisa com black francis, como pode? o pixies era perfeito!

valeu por contarem o final do filme, rs, juno que não fiquei puto

em a sete palmos a claire também faz um aborto, sem muitos dramas também - aliás revi a série e é fantástica mesmo,

gosto de seus comentários rainha popota, mas esse seu nick name...rs, até fui ao google

RENATO BIAO said...

maybe perhaps yes!

off:a melhor coisa do oscar foi marion cottilard ter ganho o premio de melhor atriz.nunca a academia foi tão justa!!!

concordo em parte com o pacheco...em geral,TODOS os filmes entrangeiros são mal traduzidos.muito do sentido e da interpretação de certas cenas vai pelo ralo aí.

Pedro said...

esse comentario do pacheco foi a coisa mais longa q li nos ultimos meses haha
:)
----
Popota, obrigado pela citacao
(ja fui no seu blog e achei otimo)
---
Popota e pacheco, quando falei do sofrimento de Juno, levei em consideraçao o behind the scenes.
No filme, realmente vc nao ve ela sofrendo tanto.Porem, qualquer pessoa que passa por essa situacao é horrivel.Amigos meus, que tiveram namoradas q fizeram abortos, pensam nisso ate hj.
Entregar alguem para adocao, ou mesmo fazer um aborto, deve ser uma situacao traumatica para qualquer pessoa.

Eu concordo com o pacheco, quando ele diz q isso é fugir do problema.
Mas tb entendo que criar um filho que nao foi desejado, pode gerar um problema mto pior posteriormente.

Eu nao tento colocar que aquilo é certo ou errado.Cada um sabe o melhor para a sua vida.

------
Popota, eu tb entendo perfeitamente o seu lado.Para nós, homens, é moleza.Meu pai e o pai da minha amiga, tem filhas fora do casamento.V c eles pagam pensao ? v c eles dao atencao?
Claramente: Meteram a piroca e sairam fora.
Na maioria das vezes é a melhor q sofre a gravidez sozinha(como em juno) e tem q se virar pra criar e cuidar da criança.
É foda, so fã das mulheres haha
----------
gente, to morrendo de sono.Se nao entenderem nada, desculpas
rs

pacheco said...

Haha, é pedro, me superei!

A verdade é que não existe coisa certa a fazer. Existe o errado, que é abortar (sou pro-choice, mas apoio o aborto apenas em casos de estupro).

Pode ser que ela tenha feito a melhor escolha, aliás, acredito que ela a tenha feito. Mas o filme passa um "ar" de "não tem problema nenhum em ser irresponsável e engravidar, e dar o filho pra alguém não tem nada demais". E é por isso mesmo que ele é tão light e agradável. Só tenho medo do que isso pode causar.

Abraços!

pacheco said...

o post era sobre Kraftwerk e eu não falei nada deles.

Não sei qual é faixa etária do pessoal aqui, então não sei se entenderão...

Kraftwerk pra mim é o Blade Runner da música. Os pais da minha geração IDOLATRAM, e nós filhos achamos legalzinho, mas nada demais. =)

Claro que isso é uma generalização falsa, mas já pesquisei e creio que seja assim mesmo.

Rainha Popota said...

Pacheco, eu te acho extremamente inteligente e, se não achasse, não me daria ao trabalho de expor meu ponto-de-vista, pois com gente burrinha eu nem perco tempo. Ou seja, a decepção não foi porque eu te "acho uma pessoa horrível", mas porque eu esperava um pouco de sensibilidade.

O negócio do "não entender por não ser mulher" pode soar ignorante, mas essa é uma afirmação verdadeira... Por mais sensível e inteligente que seja um homem, ele NUNCA vai conseguir entender plenamente essa situação, simplesmente por ser íntimo demais.

É uma questão de corpo e mente femininos, sabe? Assim como um homem nunca poderá entender os efeitos devastadores de uma mastectomia, e como uma mulher nunca entende plenamente o que significa para um homem ser impotente... Digo, é uma questão de corpo que se reflete no psicológico de um jeito meio inexplicável. Sou contra essa divisão de sexos, mas, nesse caso, é o que é, gente...

Não acredito que tenha ficado isso de "é só dar o filho". Acho que essa é uma interpretação muito superficial, de alguém que não teve sensibilidade o suficiente para se deixar tocar pelo filme. Mesmo que tivesse dado essa impressão, a cena dela na cama teria mudado TUDO. A Diablo conseguiu, naquela cena sozinha, fazer o peso da situação ser sentido. Eu, que sou a pessoa mais anti-criança do mundo, chorei como uma vadia, parece que eu senti toda a dor da Juno (e isso já é toda a punição de que uma pessoa precisa).

O filme não mostrou o sofrimeeeeeeeeento de uma gravidez simplesmente por não ser essa proposta! Quantos mil filmes do mundo já não fazem isso? Essas coisas ficaram implícitas, o foco era em um outro ponto da situação, na própria vida do adolescente!

E eu odiei o 4 meses por ser CHATO, não por causa do tema. O aborto é doloroso, complicado, traumático, SIM. Mas é rápido, e, no final das contas, o impacto físico e o desgaste emocional são bem mais curtos. Uma coisa é um dia se sentindo mal, outra coisa é quase um ano naquele desconforto todo, sem nem ter o consolo de "no final vou segurar meu filho nos braços". Eu NUNCA teria a força da Juno, faria um aborto na hora.

Isso não é "fugir do problema", cara. Isso é achar uma solução de compromisso, na qual ambos ela e o bebê poderiam ter um desfecho razoável. Ela, no auge de seus 16 anos, não poderia dar condições para a criança, e achou alguém para dá-la.

E, de fato, os dois não se protegeram para evitar a gravidez. Vacilo feio, também acho. Irresponsabilidade, também acho. Mas não acredito que as pessoas mereçam ser punidas pela eternidade por deslizes momentâneos. O pai e a madrasta souberam perceber a gravidade da situação e viram que o que ela ia viver durante 9 meses já seria o suficiente para uma lição. E te garanto que funcionou como uma experiência maravilhosa de aprendizado.

"No começo do filme ela não dava a mínima pra criança". É, concordo. E , com os meses, ela viu isso mudar. E essa é a beleza de Juno.

Novamente, não te acho uma pessoa horrível, mas teremos que concordar em discordar nessa.

Atenciosamente ;D

;*


P.S: Pedro, o Popota é um diminutivo para "Hipopótama". Oh, a minha auto-estima bomba, haha!

tom said...

o que blade runner e kraftwerk tem em comum é o fato de ambos terem sido visionarios/revolucionarios e terem criado o padrao para um tipo de musica e cinema que se fez depois deles. como filme, br ate pode deixar a desejar (feito com pouca grana e muita imaginação) e, ao vivo, o kraft é um bocado frio e estático. mas, sem ambos, nao teriamos metade de certas coisas que hj apreciamos na area deles. isso é o q os torna classicos

Lord Vader said...

Poxa , Conheci o Kraft já em 91/92 , revirando uma caixa de papelao , cheio de vinis de um colega mais velho , dei de cara com o Radio Activity , e mais uma vez , curioso pela arte da capa , escutei e fiquei de bobeira. Na época só escutava rock , e de eletronica ouvia os Technopop que chegavam por aqui , sem desconfiar que havia uma matriz para tudo aquilo , e eu acabava de encontra-la . O que mais gosto dos caras é o conceito robotico , autonomo , Metropolis mesmo , totalmente europeu , gelado , impessoal . Alemão . A ponte Berlin / Londres nos deu todo o Technopop oitentista , parte da New wave . Dizem que o Ian Curts era fanatico poelos climas frios do Kraftwerk . Pra mim os caras são eternos , unicos .

tom said...

se fossemos listar o q o kraftwerk influenciou e inspirou, a lista seria longuissima: o techno, que deu no techno detroit e na eletronica de club como conhecemos hj; o electro, que deu no electro funk de ny, que deu no funk carioca e no electro alemao; o techno-pop, os chemical brothers, o joy division, daft punk, justice... caray, todas as bases e samples e tudo o q neguim faz hj saiu deles! e eles até inventaram os proprios instrumentos, pq na epoca nao existia sample, bateria eletronica, nada do que a galera usa hoje no pc. tipo, sao a matriz, o molde

tom said...

ja o blade runner, tbm citado pelo pacheco, éo molde de todos os clipes da mtv nos anos 80, pai do conceito cyberpunk (antes mesmo do livro ter sido escrito), forma de todos os filmes sci-fi feitos depois, tocou no assunto da superpopulação asiatica e poluição do planeta antes, fala de clonagem humana, é bem avançado e mostra um futuro totalmente plausivel. é como os beatles (q era o som de minha mae): nao sou fa, mas sei que, sem eles, nao haveria arctic monkeys...

pacheco said...

Exatamente Tom, é bem visível a importancia dos dois na música e no cinema!

Mas os Beatles também foram muito importantes, e nunca soam "dated". Eu to dizendo isso mais pelo kraftwerk, porque o blade runner eu vi há uns 7 anos atrás, talvez eu adore agora. Vou dar mais uma chance!!

Sobre Juno...

"Não acredito que tenha ficado isso de "é só dar o filho". Acho que essa é uma interpretação muito superficial, de alguém que não teve sensibilidade o suficiente para se deixar tocar pelo filme."

-Eu me deixei tocar pelo filme, tanto que eu disse FUI ENGANADO no primeiro post! =) E, no caso da minha irmã, ela CHOROU no final de RAIVA, acho que isso sensibilidade alright.

Já disse também que provavelmente foi a melhor coisa a ser feita pela juno. Mas essa também teria sido a melhor coisa a ser feita naquele filme "ligeiramente grávidos", mas não, o cara pára de ser um drogado vagabundo pra poder ser um bom pai. Aliás, excelente filme e bastante verdadeiro.

"mas porque eu esperava um pouco de sensibilidade."

-Eu acho muito insensível dar seu próprio filho pra outro, sorry...

----------------------------------
(Agora, admitindo uma falha na minha argumentação)- Não devia ter falado que vc não gostou do 4 meses etc como um argumento, isso não tem nada a ver com nada, de fato vc não gostou por ser chato! Eu também achei chato. Sorry ;) Foi um comentário bem imbecil.
---------------------------------

E vc continua dizendo que o aborto é mais rápido e não deixa marcas, AQUELA PESSOA VAI PENSAR NO FETO PRO RESTO DA VIDA, acho difícil ela sorrir novamente algum dia.

"a cena dela na cama teria mudado TUDO"
-seeee ela tivesse decidido ficar com o filho! Como já disse, aquele é um momento BEM sentimental, mostra um amor de MÃE, que NUNCA deixaria o bebezinho na mão de outros. E mais uma vez repito.. quando eu vi o filme, fiquei bastante emocionado com a cena.

"Mas não acredito que as pessoas mereçam ser punidas pela eternidade por deslizes momentâneos" - Eu também não acho! Já disse que ninguém tem que sofrer. Elas têm que perceber A MERDA que fizeram, e no filme parece que o que aconteceu não foi NADA, e que tem uma solução FÁCIL. Nâo falei que ninguém tem que punir ninguém.

Popota, eu acho que até estamos concordando em vários pontos.

O fato é que o filme coloca tudo num ambiente bem bonitinho (com direito a fogos de artifício!), tanto que continuo adorando o filme. Mas a minha proposta foi discutir isso como seria na vida real, se isso é ético, se isso é amor de verdade. A gente vê esse filme e não tem dúvidas de que ela fez a coisa certa. Por que?

1. A Juno é muito fofa.
2. Ela solta algumas das frases mais geniais.
3.Ela toca guitarra e canta bem
4. EXISTE no jornal um casal aparentemente IMACULADO saído diretamente de HOLLYWOOD que procura exatamente um recém nascido, isto é, que não tem vontade nenhuma de adotar nos ORFANATOS, onde existem MILHARES de crianças sofrendo sem pais há muuuito tempo!
E o mais importante:
5. Belle and sebastian.

Desculpe por estar batendo na memsa tecla, é que toda vez que vc fala "Falta de sensibilidade" eu fico muito sensibilizado... ;)

Abraços, popota, a gente se fala hoje no show do los bife!!!

pacheco said...

Ah sim... Mil desculpas para os que não viram o filme e leram a discussão! Eu devia ter colocado um grande SPOILER ALERT! =/

tom said...

mas blade runner e kraftwerk tbm (ainda) nao soam datados. na ultima vez q toquei na ddk tava rolando um kraftwerk e uma figura veio me perguntar se aquilo era novo. bom, era um remix de radioactivitat, que tem, pelo menos, uns 35 anos!!! o blade ja fez 25 e continua com o seu assunto em pauta, embora se passe em 2019, acho que vamos passar dessa data pra começar a ter coisas que o filme mostra. mas é isso, assim como os beatles e mozart, sao classicos, e nunca ficarao totalmente datados...

pacheco said...

O blade runner eu não achei datado não, acho que eu era novo mesmo. Mas kraftwerk eu achei... pelo menos o cd que eu ouvi, Computer World. To ouvindo Autobahn agora e estou gostando bem mais.

pacheco said...

"O que mais gosto dos caras é o conceito robotico , autonomo , Metropolis mesmo , totalmente europeu , gelado , impessoal . Alemão ."

Acho que é disso que eu não gosto! =)

pacheco said...

Sabe quem me apresentou ao kraftwerk, tom? ;)

tom said...

nao sei, pacheco. quem? ingo, o cão dinamarques? mas esse impessoalismo e frieza faz parte do conceito dos homens-maquina. eles querem mostrar como, numa sociedade toda industrializada e tecnologica, as coisas ficam impessoais, frias e automaticas. é um comentario... maquinas simplesmente funcionam, calculam, nao tem sentimentos, fazem o seu trabalho e ponto final...

pacheco said...

Sim! ingo, o cão dinamarques! Eres um gênio! =D

Sim sim, entendo esse comentário "sociedade autonoma". Mas isso é que nem pintar um quadro todo preto e dar o nome de "Memória". Conceito incrível, muito profundo e tal... mas o quadro preto continua sendo um quadro preto. Portanto admiro a idéia, mas não o tenho na parede da minha casa.

fabio fernandes said...

avaliação de que um tópico é sucesso aqui na cova é a quantidade de comentários e este aqui que mixa juno & kraftwerk já pode entrar nos anais (sem trocadilhos) da história deste blog ... :)

brunobbl said...

TOM

O CONCEITO DA MÚSICA ELETRÔNICA NÃO SURGIU LÁ PELA ALEMANHA CIRCA DÉCADA DE 20 ?

ABS

BRUNO

tom said...

bruno, o conceito de musica eletro-acustica surgiu no começo do seculo passado, sendo que nos anos 20 ja haviam experiencias nesse campo, tanto na alemanha quanto em outras partes da europa. mas foi so a partir dos anos 60, com o surgimento dos circuitos e dos sintetizadores, que a musica eletronica de fato apareceu (e, com ela, o kraftwerk, que deu os parametros). antes era uma coisa mais experimental do que musical mesmo

pacheco said...

Vc gosta de Amon Tobin, Tom? Eu acho demais!

tom said...

faz tempo q nao ouço nada do amon tobin, mas acho o trabalho dele legal, mas nao sei como esta agora. alias, ele deve estar lançando algo novo, pq vi o nome dele numa dessas revistas de musica inglesa na capa. alias 2, pra quem nao sabe, o amon tem raizes brasileiras, mas vive em londra desde moleque, certa vez o entrevistamos para o rio fanzine, ele ate foi la na redação e falou alguma coisa em portugues enrolado...

brunobbl said...

ALGUÉM JÁ OUVIU O NOVO DA MINOGUE OU O GNARLS BARKLEY ?

ABS

BRUNO

RENATO BIAO said...

bom , eu conheci o kraft através de um colega de classe q tava cantarolando 'boing buum tschack' na sala de aula, qdo tinha 12 anos... nessa época eu ouvia muito os discos da minha mãe(beatles, queen, floyd)e uns q ela tinha me dado - kiss , depeche, o primeiro dos smiths...
ele disse q tinha ouvido aquilo num programa de rádio da furacão 2000(inacreditável dizer isso hoje em dia), então corremos atrás e descobrimos quem era.

uma influência q vejo claramente no kraft é stockhausen- só fui descobrir anos depois...tão inovador qto.

Felipe Passarelli said...

kraftwerk - paixão pós free jazz em 98 e em 2004. broxou depois o show do massive attack (pior ordem de line up ever)

the breeders - decepcionante pra quem já fez cannoball

Juno - ainda não vi e nem li a discussão do tópico pra não perder a graça.

blade runner - não me lembro mas vi

o que tenho escutado: vampire weekend, foals, high places, crystal castles, hercules & love affair, el guincho, why?, glass candy, chromatics

o lucio ribeiro tocou quase tudo isso na fosfobox, o set dele é muito bom! (play-pause não mixagem)

revelação nacional: mallu magalhães (15 anos), incrível essa menina.

see ya

Pedro said...

eu nao me lembro direito do Blade.
Eu nunca fui mto fã de filme sci-fi
Eu sei q na minha locadora tem umas 3 versoes (a luxo, a mega luxo e a ultra luxo rsss)
Tem alguma diferença???
Vou ver c alugo nesse final de semana.
---
C eu nao me engano, nos anos 90, uma revista fodona de emusic lá de fora colocou o Kraftwerk na capa e fez a seguinte pergunta : Mais influentes que os Beatles ?

wander said...

como a safra de bons discos não está boa, estou apelando pros singles, e o que tem me agradado:

1) Gnarls barklys - Run (run away children, run for your life)
2) Ting tings - é isso? sei q gostei bastante
3) Hercules - Hegarty cai bem até em dance music!
4) REM - Parece q vai voltar a ser bom de novo, já tinha desistido dos caras
5) Supergrass- tipo led-stripes
6) Guillemots - Kriss kross e get over it - meio over demais, mas gostei
7) Nick Cave - dig lazarus dig
8) Moby - Alice e disco lies (nem sei se é nova)
9) MGMT - bom esse disco, time to pretend já vale o disco
10) Moz - All you need is me

não bateram ainda: vampire, foals, these new puritans, e um monte de coisa ditas como salvadoras

discos razoáveis, tipo nota 7: british sea power, cat power, goldfrap, hot chip (sonzinho chato)

acho q esse ano vou abandonar essa coisa de disco e me concentrar em singles, rola até uma listinha de download de indie rock por mês

enfim, tudo está descartável mesmo

popota, achei q seu nome era classificação XX, enfim, boas alfaces, rs mas vc é menor q a beth ditto não?

tom said...

a safra musical tava tao fraca nos ultimos dois meses que eu quase nao ouvi musica, vi mais filmes. mas, recentemente, ouvi alguma coisa: vampire weekend (achei ok), novo da miss kittin (gostei), novo da goldfrapp (ainda nao ouvi todo, ta mais acustico), sia (uma cantora que ja botou voz pro zero7), hot chip (ok tbm), baixei esse single do moby, mas nao ouvi, happy mondays (poize, eles voltaram) e a trilha sonora de there will be blood, que achei fantastica

tom said...

as diferenças entre os blade runner ja foram comentadas num post so do filme algumas semanas atras, mas, basicamente, ha o filme normal e a versao do diretor (sem narração off), entao lançaram um dvd de capa azul que traz a versao do diretor remasterizado, alem das duas anteriores (nomal americana e a internacional) e um dvd so de bons extras; e a versao definitiva (5 dvds!), capa metalizada, que traz ate o copiao do filme, nunca mostrado, que dura umas 4hrs, com ainda mais extras, overdose.

Alessandro said...

POR FAVOR BAIXEM O DISCO DO DIE!DIE!DIE!

ESPETACULAR!!!!

wander said...

achei bonito o goldfrap, mas é disco de detalhes

miss kittin não sabia, baixarei

sia - a musica q encerra a sete palmos acho q é dela, não?

vou ouvir essa mallu magalhães pra saber o hype

uma das metas do ano é voltar a ver filmes, tava achando tudo muito chato e previsível, 15 min depois vc já saca o final, mas existem as pérolas que salvam, tipo um Requiem para um sonho ou almodovares

Blade runner ou laranja mecânica, qual influenciou mais? Laranja é do início dos anos 70 e é punk! Acho laranja ainda o meu filme de todos os tempos, nunca vai haver outro como Kubrick na direção, eu acho

fabio fernandes said...

os coveiros acompanharam a treta entre o black crowes e a revista maxim ?
pois é, na edição de março a revista deu uma cotação razoável (2 estrelas e meia em uma escala de 5) para o novo cd da banda ... que não foi lançado e nem sequer vazou na internet, só tem um single rolando por aí (goodbye daughters of the revolution). resumindo, publicaram a crítica sem terem ouvido o cd na íntegra. a revista já assumiu o erro fazendo o seu "mea culpa" e pedindo desculpa a banda e aos leitores.
eventualmente, tenho a sensação que alguns críticos não ouvem todo o cd para criticar, mas esta é inédita: o cd não estava nem pronto !!! rsrs

Lord Vader said...

meio off
Gostei mto do novo British sea power .: " Do you like rock music ?" , ate postei no meu brogui.
Avho que vale a pena baixar.

Pedro said...

haha
fabio, essa foi a melhor noticia dos ultimos anos
hahaah
Já tem tempo que nao leio uma critica sobre algum disco.A critica nunca vai acabar, mas acho que as pessoas cada vez mais vao procurar informacoes em lugares como este blog, por exemplo.
---------
Nossa, eu eu ja estava achando que somente eu estava dando mais bola para os filmes do que para os cds lancados esse ano.Ta fraco demais.
Hj, no meu mp3, so tem discos com mais de 10 anos rss
Tirando o ultimo do super furry animals.
------

NA CIDADE

JULIANAS:

casas & shows: Circo Voador 18 – Metá Metá / Rakta 19 – Roberta Sá  20 – Testament (EUA) 25 – Johnny Hooker 26 – O Baú do Raul – 25 Anos: Marcelo Nova / Mauricio Baia / B.Negão / Chico Chico / Karina Buhr / Rick Ferreira / Vivi Seixas

Fundição Progresso 18 e 19 – Novos Baianos 25 - Mitchell Brunnings (HOL) / Orquestra Brasileira de Música Jamaicana 26 – Festival RapRJ 7: Cone Crew Diretoria / Luccas Carlos / Froid / 1Kilo / ADL – Participação: Ducon / Modestiaparte – Participação: Liink & Buddy Poke

Teatro Rival 18 – Festa La Cumbia 19 - Afrojazz - Participação: Larissa Luz & Jesuton 23 - Michael Sweet (Stryper) & John Schlitt (Petra) 24 - Júlia Bosco & Emerson Leal & Gustavo Macacko – Participação: Mart´nália & Simone Mazzer 25 – Alma Thomas 26 – Jay Vaquer 50 meia Setor A, 40 meia Setor B, 30 meia Lounge 30 – Cabaré Diferentão

Teatro Riachuelo 29 – Paulo Ricardo Teatro Odisseia 18 – Ordinária - Baile do Lindote: Molejo 24 - The World is a Beautiful Place & I am No Longer Afraid to Die / gorduratrans / E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante  26 - Esteban Tavares / Sheffield 

Vivo Rio 18 - Postmodern Jukebox (EUA)  19 – Barão Vermelho 20 – Roy Hargrove & Roberta Gambarini 25 - Jacob Collier (ING) 

Baratos da Ribeiro (Botafogo) 19 – Vespeiro: Marcelo Perdido / Real Sociedade / O Branco e o Índio 26 - Vespeiro: Tacy de Campos / Jonnata Doll & Os Garotos Solventes

Estúdio Hanói (Botafogo) 18 - Nativity in Black Fest: Justabeli (SP) / Dark Tower / Profane Art  19 - Festival Nativity in Black: Justabeli (SP) / Dark Tower / Profane Art  27 - Back To Hanoi Metal Fest: Forkill / Unmasked Brains / Evil Inside / Savant  30 - Rectal Smegma (HOL) / Uzômi / Baga  Audio Rebel 16 – Quintavant: Thiago França: Sambanzo 17 – Quintavant: Thiago França: Space Charanga Quarteto 18 - Jair Naves & Britt Harris / Kasparhauser 19 – Quintavant: Ava Rocha 20 - Homenagem a John Coltrane (Widor Santiago, Sergio Barrozo, Adaury Mothé, Didac Thiago, Roberto Rutigliano) 23 – Quintavant: Hans Koch (SUI) - Participação: Bella, Thomas Rohrer, Cadu Tenório, Antonio Panda Gianfratti 24 – Quintavant: Hans Koch (SUI) - Participação: Thomas Rohrer, Antonio Panda Gianfratti 30 – Quintavant: AJJA (Pedro Calmon & Alex Frias)

Espaço Sérgio Porto 18 - Marcio Lugó / Capela  24 - Mulheres de Buço 25 - Whipallas 31 - CEP 20.000

Sala Baden Powell 16 - Donatinho: Homenagem a João Donato - Participação: Ithamara Koorax, Wanda Sá, Cris Delanno, Amanda Bravo, Ricardo Silveira 19 - Quarteto do Rio 23 - Lúcia Menezes 26 - Marcel Powell - Homenagem a Baden Powell - Participação: Thais Motta, Ithamara Koorax, Gabriel Aquino, Amanda Bravo, Dilma Oliveira 27 - Dorina Canta Aldir Blanc 30 - Eliana Pittman

Theatro Net Rio 16 – Laila Garin & A Roda 22 – Paulo Miklos 12/09 Simone Mazzer

Beco das Garrafas Casa de Cultura Laura Alvim 09 e 10 – Festival Levada: Luísa Maita 15 – Katerina Polemi 16 e 17 – Festival Levada: Apanhador Só 23 e 24 – Festival Levada: Bruna Mendez 30 e 31 – Festival Levada: Tamy

Teatro Ipanema 15 - A.Nota: Sambas do Absurdo (Juçara Marçal & Rodrigo Campos & Gui Amabis) 16 - Aíla (PA) – Participação: Posada 17 - Ana Frango Elétrico / Thiago Nassif 18 - Amora Pêra 22 - A.Nota: Marcelo Vig & Marcos Suzano

Teatro Café Pequeno 17 - Lu Dantas & Natália Boere 24 - Marcos Oliveira 31 - Filtra

Metropolitan 24 – Hanson (EUA) 26 - Lindsey Stirling (EUA) Teatro Bradesco 18 – Leo Jaime 24 – Almir Sater

Teatro Municipal de Niterói 18 e 19 – Roberta Campos 22 – Clube do Choro Homenageia Noel Rosa 24 – Quarteto do Rio

Planet Music (Cascadura) 18 - Torture Squad / Hatefulmurder / Reckoning Hour / Warcursed  19 - Black Days (SP) / Sheffield / Amsterdan / LaVille  26 - Festival Invasão Underground 2: Inversa (SP) / Maieuttica / Adrift / Tormentta / The Last Whale 

Imperator 16 - Quartas Brasileiras: Tia Surica - Tributo a Clara Nunes - Participação: Nilze Carvalho, Ana Quintas, Mariene de Castro 22 – Jazz Pras Sete: Folakemi Duo 23 – Maurício Mattar – Participação: Alexandre Pires 24 - Homenagem a Dalva de Oliveira: Amelinha, Zezé Motta, Dóris Monteiro, Leny Andrade, Rita Beneditto, Áurea Martins, Agnaldo Timóteo, Simone Mazzer, Zé Renato, Eliana Pittman, Rosa Maria Colyn, Luciene Franco, Ellen de Lima, Ataulfo Alves Jr, Gottsha 30 – Agnaldo Timóteo 31 – Samba do Imperator: Grupo Arruda, Marquinhos de Oswaldo Cruz, Arlindinho

Centro de Referência da Música Carioca Artur da Távola (Tijuca) 16 – Coletivo Samba na Rua 17 – Quinta Instrumental: Jimmy Santa Cruz 18 – Victor Mus 19 – Danilo Caymmi 23 – Fábrica Nômade Sonora 24 – Quinta Instrumental: Carlos Café 25 – Laura Zennet 26 – Quarteto do Rio 30 – Projeto Vitrola

FM Hall 23 – Manu Gavassi (grátis) 29 – Illy (grátis)

La Esquina (Lapa) 17 - Red Mess / Blind Horse / Stoned Jesus 24 – Mobile Drink

Smokey Rio (Lapa) 19 – Festa Rio Vinil Clube 26 – Bel Almeida Ganjah (Lapa) 18 – Duda Brack & Thiago Ramil 23 – Festa HempFyah: Rafyah Dread & Hempfield DubLab / Lion Dornellas / André Pfefer / Tagu Selectah Vibration 25 - Azul Casu & 3 du Mar

Casa de Baco (Lapa) 17 – Gafieira Pé de Louro 19 – Relógio de Dalí 24 – Joyce Cândido

CCBB 18 - Festival CCBB - Quanto Mais Tropicália, Melhor: Pato Fu / Céu – Praça do Centro Cultural dos Correios (22h – R$ 20) 19 - Festival CCBB - Quanto Mais Tropicália, Melhor: Pedro Luís & A Parede / Tom Zé – Praça do Centro Cultural dos Correios (22h – R$ 10)

Quintas no BNDES 17 - Byafra: 35 Anos de Sucesso 24 - Luiza Borges 31 - Tarita de Souza

Circuito SESC 16 – Copacabana: Philippe Baden Powell & Quarteto Ludere: Baden Powell 80 Anos 18 – Niterói: Clara Gurjão 26 – Engenho de Dentro: Clara Gurjão Circuito SESI 26 – Duque de Caxias: Tiê 25 – Jacarepaguá: Tiê _____________________________________________________________

mixx: 18 - Carmen Blues – Bar Kunin / Vila Isabel 18 – Sara & Nina – Olho da Rua / Vila Isabel 18 - Ronaldo Diamante – TribOz / Glória 18 - Wake the Dead Festival: Surra (SP) / Rats / Der Baum (SP) / Nove Zero Nove – Clube Mageense / Magé 18 – RaggaBrass – Boulevard Olímpico / Praça Mauá 18 - O Rappa - Tour de Despedida – Quadra da Grande Rio / Duque de Caxias 19 - Insurgente Rock Festival: Maieuttica / Ágona / Born2Bleed / Melyra / Forkill / Negah – Caixa de Surpresa / Bangu 19 - Breaking Bad - A Festa: Cervical / Controle / Mau Presságio – Buffallos Bar / Méier 19 - Festa RapSoul 5 Anos: Rael – Armazém / Praça Mauá 19 - Akira Presidente – Espaço BF / Mesquita

20 - Caxias Hell Festival: Velho / Justabeli (SP) / Dark Tower / Gutted Souls / Unnature / Vicious – Lira de Ouro / Duque de Caxias 25 - Bloco Fanfarra D´Águas – Praça das Nações / Bonsucesso 25 - Rogério Caetano - Participação: Hamilton de Holanda – Eco Som / Botafogo 25 - Arraiá do Bloco Vem Cá, Minha Flor – Feira de São Cristóvão

LEO JAIME LEO "GUANABARA" JAIME Com mais de 30 anos de carreira, Leo Jaime experimenta momentos de grande intensidade em sua vida profissional. Além da obra consagrada, como cantor e compositor, o artista está sempre atuando em novos projetos. Humor, interpretações arrebatadoras, inteligência e versatilidade são as marcas deste artista que apresenta ao publico carioca, no dia 18 de agosto, no Teatro Bradesco Rio, o espetáculo “Leo “Guanabara” Jaime”. No show ele relembra seus grandes sucessos musicais e as histórias por trás das canções e dos bastidores do Rock Brasil

PROGRAMAÇÃO BLUE NOTE JAZZ CLUB RIO (ONDE ERA A MIRANDA, NO COMPLEXO LAGOON, NA LAGOA, LADO LEBLON):   07/09 - Quinta-feira 20:00 Maceo Parker 22:30 Maceo Parker   08/09 – Sexta-feira 21:00 Maceo Parker 23:30 Maceo Parker   09/09 – Sábado 21:00 Sergio Mendes 23:30 Sergio Mendes   10/09 – Domingo 20:00 Sergio Mendes 22:30 Sergio Mendes   13/09 - Quarta-feira 20:00 Jaques Morelenbaum convida   16/09 – Sábado 21:00 Baby do Brasil 23:30 Baby do Brasil   17/09 – Domingo 20:00 Baby do Brasil 22:30 Baby do Brasil   20/09 - Quarta-feira   20:00 Jaques Morelenbaum convida   27/09 - Quarta-feira 20:00 Anne Paceo 28/09 Quinta-feira   20:00 Orquestra Atlântica 22:30 Orquestra Atlântica    Outubro   04/10 - Quarta-feira 20:00 Ala.Ni 05/10 – Quinta-feira 20:00 Chris Botti 22:30 Chris Botti  06/10 – Sexta-feira 21:00 Chris Botti 23:30 Chris Botti    07/10 – Sábado 21:00 Chris Botti 23:30 Chris Botti    08/10 – Domingo  20:00 Chris Botti 22:30 Chris Botti  11/10 - Quarta-feira 20:00 Teresa Salgueiro 22:30 Teresa Salgueiro    12/10 – Quinta-feira 20:00 Teresa Salgueiro 22:30 Teresa Salgueiro    20/10 – Sexta-feira 21:00 Chick Corea & Steve Gadd Band 23:30 Chick Corea & Steve Gadd Band   Novembro 02/11 Quinta-feira 20:00 Spyro Gyra 22:30 Spyro Gyra   03/11 Sexta-feira 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   04/11 Sábado 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   15/11 Quarta-feira 20:00 Laura Perrudin   16/11 Quinta-feira 20:00 Didier Lockwood Trio 22:30 Didier Lockwood Trio

ULTRA BRASIL ANUNCIA A PHASE 1 DE SEU LINEUP PARA A EDIÇÃO 2017: ADAM BEYER, ALESSO, ARMIN VAN BUUREN, DAVID GUETTA, JAMIE JONES, JOSEPH CAPRIATI, SASHA & JOHN DIGWEED e THE MARTINEZ BROTHERS SERÃO HEADLINERS FESTIVAL ACONTECE NOS DIAS 12, 13 E 14 DE OUTUBRO NO SAMBÓDROMO DO RIO

_______________________________________________________ CURSOS DE AGOSTO no Estação NET Botafogo    - História do Cinema Independente Brasileiro, com Cavi Borges    - Ancine e o fomento ao audiovisual brasileiro, com Julio Augusto Zucca    - Cinema Afrodisíaco? O sexo na tela, com Dodô Azevedo

Circuito Estação NET de Cinema e Cinemateca do MAM apresentam: Exposição CINEMA EM CASA: Equipamentos do acervo da Cinemateca do MAM. A partir de 23 de fevereiro, no Estação NET Botafogo de 23 de fevereiro a 23 de agosto 2017 Horário de visitação: 14h às 22h Entrada franca

DISTOPIAS BRASILEIRAS NO CINEMA A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 15 a 27 de agosto de 2017, a mostra cinematográfica Brasil Distópico, que traça um panorama da produção nacional sobre as distopias. Para a programação, os curadores Luís Fernando Moura e Rodrigo Almeida selecionaram 37 curtas e longas-metragens que imaginam diferentes futuros sombrios para o país, entre clássicos da ficção-científica brasileira e obras menos conhecidas.  Na programação, filmes como O quinto poder (1962), de Alberto Pieralisi, e Brasil ano 2000 (1969), de Walter Lima Júnior. Outras incorporam as convenções da ficção científica, encenando a ameaça nuclear e o colapso do planeta, como Parada 88: o limite de alerta (1978), de José de Anchieta; e Oceano Atlantis (1993), de Francisco de Paula. Há, ainda, aqueles que instalam o cinema de gênero em imaginários locais do Brasil, como é o caso de Abrigo nuclear (1981), de Roberto Pires; e Areias Escaldantes (1985). ESTE ULTIMO, TRAZ NO ELENCO, VARIOS NOMES E BANDAS DO ROCK BRASIL DOS ANOS 80, COMO LOBÃO, TITÃS, E TEMA-TITULO DE LULU SANTOS.

DEIXA NA RÉGUA: O filme estreia no dia 10 de Agosto no INSTITUTO MOREIRA SALLES com sessões às 16h e 20h e no CINE SANTA com sessão às 17h10. Deixa Na Régua. Direção: Emílio Domingos. Produção: Osmose Filmes. Documentário. Brasil. 73 minutos.

COM SESSÕES LOTADAS EM ALGUMAS CIDADES, UCI ABRE MAIS SALAS PARA “DAVID GILMOUR: LIVE IN POMPEII” E AGORA APRESENTA A EXIBIÇÃO EM XPLUS  Ingressos já estão à venda e o público poderá conferir o show também com o poderoso som Dolby Atmos em 360º



BLITZ AO VIVO: No embalo do lançamento do álbum 'Aventuras 2', Evandro Mesquita e sua Blitz finalizam seu quarto DVD, gravado no Circo Voador em abril, para lançamento em outubro. A banda está a todo vapor, com presença confirmada no próximo Rock In Rio e tem turnê pelos Estados Unidos confirmada em fevereiro de 2018

FESTIVAL DE CINEMA DA NOVA ZELANDIA

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers