Pular para o conteúdo principal

SHHHH!!!


O cinema hj chegou a um tal nivel tecnico q ate cansa. Eu sempre gostei das novidades na telona, do efeito sensurround aos filmes 3D, do telao do imax a projeção digital 4k (e sinto falta por nao ter visto Ben-Hur em 70m/m, pois eu sequer era nascido qndo ele estreou). Mas, as vzs, é tanta tecnica q se esquecem do filme, sao apenas produtos sem alma, na maioria das vzs. Por isso, hj a maioria deles parece demo de computer graphics, tudo roda, gira, explode. Dai que, um filme mudo (!) e em preto e branco (!!), como 'O artista', acaba soando como o maior dos truques, justamente por oferecer uma experiencia diametralmente oposta a de um 'Avatar'.

E foi com imenso prazer q assisti a este filme ousado para os dias de hj, apesar de contar uma historia simples e ate ja vista, de certa forma, no classico 'cantando na chuva' (a transição do cinema mudo para o falado). Muita gente sequer deve ter visto um filme mudo na vida e vai ate achar isso uma bizarrice. Ano passado, revendo um Chaplin mudo no Municipal, só com o acompanhamento ao vivo da orquestra, pensei: filme p-b muita gente ainda faz, queria ver alguem ter coragem de bancar um filme mudo. O frances Michel Hazanavicius teve. E foi esperto ao fazer essa homenagem a Hollywood, co-produzida com dinheiro americano e usando nomes locais, exceto o ator principal, o frances Jean DuJardin, dos filmes do agente OSS 117 -- que, historicamente, veio antes do famoso James Bond, dai seus filmes se passarem nos anos 50 --, ambos dirigidos pelo mesmo Hazanavicius; um passado no Cairo, e outro, no Rio. O ultimo filme mudo mainstrem foi 'Silent movie' (a ultima loucura de Mel Brooks, 1976), que era colorido.

Mesmo sem som (apenas com a bela trilha de ludovic bource, que ganhou o globo de ouro por ela), 'ouvimos' e sentimos tudo o q se passa na tela (até o corte é aquele quadrado antigo, ele so nao foi rodado em rotação acelerada), esquecemos logo que se trata de um filme mudo e entramos naquele mundo paralelo, mais estranho do que se fosse um sci-fi (como assim, ja existiu um tempo em que os filmes nao 'falavam'?), ainda que parte dos efeitos do filme tenham sido feitos digitalmente, o que soa algo incongruente. Existiu. E, se o novo tem que dar lugar ao mais novo, como sempre, é bom q jamais se esqueça dos pioneiros que abriram o caminho. nao se vai ao futuro sem dar uma olhadinha para tras, parece 'dizer' o filme...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS SHOWS QUE VEM POR AI!

A agenda de shows internacionais no Brasil, neste primeiro semestre, está bem movimentada. Teremos desde grandes atrações inéditas (Phil Collins), até velhos conhecidos (Foo Fighters) e despedidas (Ozzy). Infelizmente, algumas das atrações, como Gorillaz e Depeche Mode, apenas em SP





DEPECHE MODE - SÃO FRANCISCO


PHIL COLLINS

PRIMEIRA VEZ NO BRASIL, SOLO - JÁ VEIO COM O GENESIS, NOS ANOS 70,
COM ABERTURA DO PRETENDERS

 22 FEVEREIRO: MARACANÃ/RJ
 24 FEVEREIRO: ALLIANZ PARQUE/SP
 27 FEVEREIRO: BEIRA RIO/POA




FOO FIGHTERS

COM ABERTURA DO QUEENS OF THE STONE AGE 

25 FEVEREIRO: MARACANÃ /RJ
27 FEVEREIRO : ALLIANZ PARQUE /SP
2 MARÇO: PEDREIRA PAULO LEMINSKI/CURITIBA
4 MARÇO: BEIRA RIO/POA


KATY PERRY

REI PANTERA

Vão dizer pra você que 'Pantera Negra', é o primeiro filme de super herói Marvel negro. Não é (Blade, veio bem antes). Ou, que é o primeiro filme com cast quase totalmente negro. Outra inverdade, basta uma rápida pesquisa. O fato é que, independentemente desses detalhes, 'Black Panther' é um filmaço, dos melhores do MCU (o Marvel Cinematic Universe). Não diria o melhor, pq 'Capitão América: guerra civil' (onde o Pantera Negra foi formalmente introduzido), detém esse titulo, desde os primeiros do Homem de Ferro e Vingadores. E, está acima do ultimo Marvel, o 'Thor: Ragnarok'. Muita gente gostou deste, pelo seu tom brincalhão. Achei um tanto demais da conta.


Por outro lado, os mais jovens irão achar 'Pantera negra' um bocado sério. É um filme que (quase) não deixa espaço pra piadinha barata. A história de T´Challa (Chadwick Boseman, que se revelou na cinebio de James Brown), o herdeiro do trono de Wakanda (um fictício e super avançado país africano…

ENVENENADO PELO ESTILO

Paul Thomas Anderson é um prodígio. Aos 26, realizou 'Boogie nights', seu longa de estreia, que aumentava um curta que ele tinha feito dez anos antes, sobre um fictício ator pornô chamado Dirk Diggler. Seu trabalho seguinte, foi o ambicioso 'Magnolia', espécie de homenagem a Robert Altman: um filme longo e cheio de personagens, cujas historias se entrecruzam aleatoriamente. Daí em diante, cada novo filme seu era esperado com altas expectativas, pelos fãs e pela crítica. Ele fez até um com Adam Sandler (!?), 'embriagado de amor'. Mas, sua obra-prima, veio em 2007: 'There will be blood' (sangue negro), um daqueles raros filmes que, quando acaba, dá vontade de aplaudir de pé na sala, e gritar 'bravo!' Um dos grandes trunfos do filme, é Daniel Day-Lewis, que, não a toa, ganhou Oscar de melhor ator no ano seguinte. É um dos cinco melhores filmes deste novo século.


Agora, no momento em que Day-Lewis anuncia sua aposentadoria do cinema, se juntou no…