Pages

Monday, December 28, 2009

LE BLOND

ANTES DO RENASCIMENTO DA LAPA E DO SURGIMENTO DO BAIXO GÁVEA, O LEBLON ERA O BAIRRO BOEMIO DO RIO. LUGAR TRANQUILO, FIM DE LINHA, NADA AFETADO. NAO SE IA LÁ A TOA. COM O ROCK BRASIL DOS 80S, GERAL IA PRA LA DEPOIS DOS SHOWS COMER NO RA (REAL ASTORIA, EXTINTO), NO DIAGONAL, NA PIZZARIA GUANABARA E NO GORDON, PQ, FORA OS BARES DA PRADO JUNIOR (COPA), SÓ ESTES FICAVAM ABERTOS ATE O AMANHECER. E FOI LÁ QUE CAZUZA VIU O DIA NASCER FELIZ INUMERAS VZS, LOBAO TOCAVA PIANO NO BAR DO RA, PAULO CESAR PEREIO, FILAVA BEBIDA NA MESA DOS OUTROS, E POR AÍ AFORA. DEPOIS, UMA GALERA ADOTOU O BG PRA CONCORRER, SER MAIS ALTERNATIVO. E, HJ, TEMOS A LAPA (PRA QUEM GOSTA DE CHEIRO DE MIJO). E O LEBLON AINDA É PONTO DE PARADA NA MADRUGA PRA UMA PIZZA OU SANDUBA, MAS NAO TEM MAIS AQUELE CLIMA. AGORA, O BAIRRO (POR CULPA DAS NOVELAS DA GROBO) PARECE UM MISTO DE BARRA COM ALGUM PEDAÇO DOS JARDINS PAULISTANOS, SÓ QUE ARTIFICIAL. FICA CHEIO DE GENTE WANNABE SE ACHANDO, LOTADO DE PAPARAZZI. SÓ O GALETO E A LETRAS & EXPRESSOES AINDA GUARDAM UM JEITO DO BAIRRO DE ANTES. AINDA É UMA BOA OPÇÃO PARA A LARICA DA MADRUGA (TEM O FOCACCIA, O KEB, O ANDYS) MAS É TRISTE VER UM BAIRRO VIRAR PARQUE TEMÁTICO E SE DESCARACTERIZAR TANTO COMO TÁ ROLANDO LÁ...

14 comments:

Vulgo Dudu said...

Logo no começo do texto eu ia dizer isto mesmo que você escreveu lá pela metade: as novelas fizeram o favor de tornar o Leblon um Projac ao ar livre. Uma vez, uma amiga da minha esposa que veio do interior queria de qualquer maneira conhecer o Leblon para esbarrar em celebridades e tirar fotos. E conseguiu!

Abs!

Tiago Velasco said...

Pô, Tom... Não sou da época do baixo Leblon, tenho 29, então era muito pequeno...
Morei algum tempo no bairro, minha mãe mora lá até hoje, e continuo achando o melhor bairro do Rio.
Diferentemente de Ipanema, que parece exalar uma sofisticação peruesca e vazia, o leblon conserva um ar de bairro família, onde as pessoas se conhecem etc.
É bem verdade que hoje há esse clima novela-da-Globo que é bem chato, mas, na minha opinião, ainda não avacalhou com o bairro.
Sem falar que há regiões e regiões... Na área da minha mãe, próxima aos cinemas, acho que ainda consegue se manter afastada do Manoel Carlos way of life.
Mas pode ser apenas a minha memória afetiva que não me deixa enxergar o que vc fala.

tom said...

tbm ja morei la, tiago, qndo a letras era a banca da minha esquina (os donos eram os atendentes) e tudo era mais calmo. mas, realmente, esse lado manoel carlos rola mais da praça ate o baixo, sobretudo na dias ferreira, que, ha nao muito, era uma rua quase deserta. eu gosto das melhorias, mas nao gosto da afetação. mas, ate hj, corto o cabelo no salao do sto agostinho (corto com seu joao ha uns 25 anos!) e la ainda parece um bairro do interior. mas, ate qndo?

Tiago Velasco said...

Ah, o meu irmão tb ainda corta lá no Sto. Agostinho. Eu tb ia lá quando era mais novo. Essas coisas ainda fazem do bairro algo interioresco.
Mas acho que o seu questionamento procede: até qdo?

tom said...

sem contar que isso encareceu o bairro. qndo sai da area, os serviços e o condominio foram para a estratosfera (tipo, certa vez o cara que foi instalar um ar no meu quarto cobrou 80% do valor do aparelho so pq era o leblon!) eu mandei ele ir pra puta que o pariu e instalei com o porteiro (rs) e o condo no meu antigo predio ja ta batendo na casa dos $ 3 mil, o que é impraticavel num predio antigo (e mais caro por ser pequeno) hj vivo bem melhor em outra area, mas ainda tenho coisas que faço por lá e adoro o cinemao leblon, o ultimo de rua que restou no rio...

tom said...

Outro bairro muito legal da cidade que se modificou de outra forma foi a tijuca. uma copacabana sem praia, maior em extensao, que abrigava o maior numero de salas de cinema da cidade (batia ate a cinelandia), foi tomado pelas favelas nas encostas (que sao o outro lado do que vemos na gavea e jd botanico) e perdeu seu clima de bairro familiar, repleto de ruas com vilas e casa maneiras. se fosse um bairro da zs nao deixariam isso ter acontecido

Mais said...

Excelente!!!

Lismar Santos said...

Como passei a sair sozinho na metade dos anos 90, estou mais familiarizado com a Lapa. Mas tb apareço no Leblon às vezes, com alguns amigos de lá de perto. Bato um papo, bebo meu guaraná (lei seca, só vou de carro pq é longe) e abstraio das carinhas blasé (owh!).
Mas a Lapa tem de tudo (fora o ranço de urina) e o bus passa perto (bebe-se sem preocupação). Bateu 5 da matina já fica fácil de pegar o caminho da roça.

PEDRO BAMBAATAA said...

é tom, moro na tijuca desde 1977, quando voltei de brasília...

hoje, quando vou a praça sans pena, volto deprimido...

me lembro de ir aos sabados nos grandes cinemas...
me lembro da estréia do filme do AC/DC à meia noite no América... demais!!

hoje a sans pena foi sucateada...
só lojas populares... o comercio melhor foi todo para dentro do shopping tijuca...

do lebron, me lembro daquele galeto que tinha perto do la mole...

bem legal, eu e meus amigos, saímos a noite e parávemos lá decidindo para onde íamnos..

gente parava lá para ficar em pé mesmo, vendo as meninas bonitas passando e bebendo vários chopps gelados...

bons tempos!!

Lord Vader said...

Pô , eu que saí fora do Rio há alguns anos noto cada vez mais o sucateamento da cidade. Quando eu vivia no Rio eu não me dava tanta conta da decadência porque vc meio que se acostuma , mas quando vc fica um tempo sem ir dá um choque rever certos lugares.
Mesmo indo toda semana pro Rio eu não vou a todos os bairros , então quando rola de ir a certos lugares específicos é mto foda , dá uma mistura de tristeza com vergonha , e infelizmente até um alívio por não estar mais na cidade .
Esse glamour do Leblon é até engraçado , mas como é um bairro gostoso que não está totalmente sitiado ainda , a tendência é que preços e taxas subam ainda mais . Mas se por acaso tivesse que voltar pro Rio acharia ótimo viver lá , mas realmente os preços são sem noção.
E a tijuca ? Brincadeira .. acho que é o bairro simbolo da decadência do Rio , uma pena . Nos anos 90 pegava o metrô direto pra fuçar cds nas lojas da galeria e a coisa já tava bem estranha , imagino agora ..

piranhacamuflada said...

eu msm sendo da zona norte anos atrás frequentava o baixo gávea com a galera do "rock" e dava uns rolés pelo Leblon, era bacana e tb seguro diferente de outros lugares no RJ na época. da última vez q fui mostrando o bairro pro meu boy paulistano encontrei com o Manoel Carlos na letras...hahahaha...e eu dizendo q o bairro não era só cenario de novela, Fail total!

Bem said...

Bah, a ZN e a ZO estao ferradas ha anos e ninguém fala nada

Guto Jimenez said...

Mi corazón mora lá, e ela diz q adoraria morar no "Leblon do Manoel Carlos"... Tb vejo a bio diversidade de "sissis" e "hypadas" direto, uma realidade triste pra um lugar q já foi obrigatório nos finais de noite. Po, nem o spaghetti aos frutos do mar da Guanabara é o mesmo! O bairro poderia ser dividido em 2: o bom Leblon iria do Jardim de Alá até a praça; dali em diante, podia-se chamar Globoville ou qquer coisa q do gênero...

Aluisio said...

Que Lebron q nada, o melhor bairro do Rio é Laranjeiras! General Glicério e arredores é como o Leblon dos anos 70, só q sem praia rsrs.

Saudações tricolores!

NA CIDADE

NOVEMBERINAS:

Teatro Odisseia 17 – Siriun / Gutted Souls / Obituary (EUA)  21 – Delain (HOL) 26 - Vanguart / Ariella

Teatro Rival 16 – Tempero Carioca 17 - Eddie 22 – Rival Rebolado 23 – Nelson Sargento 25 – Festa Batmakumba: Abayomy 30 - Festival Norueguês: Sondre Lerche / Greni

Teatro Riachuelo 22 – Golden Boys

Casa Julieta de Serpa (Praia do Flamengo) 19 - Paris Jazz & Blues: Marcio Lott & Charles Marot Trio  26 - Paris Jazz & Blues: Carol Fazu

Coordenadas Bar (Botafogo) 05, 12, 19 e 26 – Pedro Baby & Convidados 21 - Sérgio Rocha Blues Band: Homenagem a Celso Blues Boy Estúdio Fórum (Botafogo) 24 - Sexta Infame: PxExNxE (COL) / Blaspherion / Lástima / Baga

Solar de Botafogo 16 – Paulo Malaguti 22 - Andrea Dutra & Cacala Carvalho & Elisa Queirós: Salto Triplo 24 - Kosmus / Aura / Psilocibina 29 – Gabriel Calisman Audio Rebel 17 - Ostra Brains / ‎Whatever Happened to Baby Jane (ES) 18 - Os Chás / Ente 19 - Altair Martins & Widor Santiago & Marcelo Magalhães Pinto & Didac Tiago & Roberto Rutigliano: Homenagem a Miles Davis & John Coltrane

Theatro Net Rio 27 -  Alessandra Verney  29 – Silva Canta Marisa Monte 

Blue Note 16 - Didier Lockwood Trio (FRA)  17 - Antônio Carlos & Jocafi Convidam Ithamara Koorax (20h)  17 e 18 - Amaro Freitas (22h30) 22 - Banda Zil (20h) 22 - Lina Nyberg (SUE) – Participação: Ilessi (22h30) 23 – Quarteto do Rio & Roberto Menescal – Participação: Joyce & Wanda Sá & Pedro Miranda (20h) 23 – Insula (22h30) 24 e 25 - Kenny Garret Quartet  29 e 30 - Ed Motta: Baile do Flashback

Ganjah Lapa 16 - Samba Que Elas Querem 17 - Anjos de Vidro / Mara Rúbia 22 - Conterrâneos 28 – Theozin

Sala Baden Powell 18 – Boca Livre 19 - Fhernanda Fernandes - Participação: Andréa França, Clarisse Grova, Nana Kozak, Ninah Jo, Sandra Duailib 22 – Doralyce & Maracutaia 25 - Augusto Martins & Paulo Malaguti 26 - João Carlos Assis Brasil & Carlos Navas

KM de Vantagens Hall 17 e 18 – Marisa Monte & Paulinho da Viola

Praça da Apoteose 18 e 19 - DNCE / Bruno Mars

Teatro da UFF (Niterói) 24 a 26 – MPB – a Era dos Festivais: Soraya Ravenle & Edu Krieger & Marcelo Caldi & Fabiano Salek & PC Castilho

Planet Music (Cascadura) 18 - Fugindo da Realidade / De Outono / Fall Back / Visceral Fear / We Are The Revenge  25 - For Annie / Ollie / Colorado / Visceral Fear

Imperator 19 - Folakemi / Jesuton / DJ Marcello MBGroove 20 – Mariene de Castro 21 – Terraço do Imperator: Jazz Pras Sete: Pimenta Jazz Trio 22 – Marcio Gomes 23 – Humberto Gessinger: “A Revolta dos Dândis – 30 Anos” 24 – Cidade Negra Canta Gilberto Gil 25 – Terraço do Imperator: Forró Lánalaje: Trio Ventura / DJ Edna Carvalho 25 – Paulinho Moska 26 - Fafá de Belém (com Manoel & Felipe Cordeiro): Guitarradas do Pará 28 – Coral Imperator

Centro de Referência da Música (Tijuca) 16 – Magali 17 – Carlos Uzêda 18 – Ana Costa & Carrapicho Rangel 21 - Dagô 23 – Felipe Adetokunbo 24 – Nina Rosa & Thiago Kobe 25 – Rodrigo Maranhão & Pretinho da Serrinha 29 – Joyce Cândido Canta Elis Regina  30 – Michel Taski O Pecado Mora Ao Lado (Praça da Bandeira) 15 - Acidez (MEX) / Pós-Sismo / Juventude Maldita (SP) / Dissgrama  18 - Sétimo Andar / Circus / Roterdan / Pilfer

Aparelho (Centro) 18 - Second Come 24 - Felipe Zenicola / Marcos Campello / Lucas Pires  Motim (Centro) 24 - Gragoatá / Vitor Milagres / Daniel Villares

Quintas no BNDES 19h - grátis 16 - Karla da Silva 23 - CDR Style 30 - Sergio Santos

Teatro Glauce Rocha (Centro) 16 - Fábrica Orquestra  23 - Alice Passos & Maurício Carrilho  30 - Olivia & Francis Hime CCBB 18 - Madrugada no Centro: Larissa Luz - Participação: MV Bill & Caio Prado / Festas Soul de Santa, Trap'in, QXO  Museu de Arte do Rio 24 - Sarau do Alemão / Rincon Sapiência

Som no Deck T.T. Burger - Leblon 19h - grátis 16 - Os Camelos 23 - Pimenta Jazz Trio 30 - Qinho

BRASIL EM TRANSE: Com curadoria de Ismail Xavier e coordenação da Sociedade Amigos da Cinemateca, em parceria com a Cinemateca Brasileira e o Cinusp, esta Mostra reúne mesas de debate e exibição de filmes que acontece de 16 de novembro a 1º de dezembro, em São Paulo. CINEMATECA BRASILEIRA

Circuito SESC 17 - São Gonçalo: Cassiano & Trio Beija Flor (16h - grátis) 18 - Copacabana: Guilherme Pimenta Trio (16h - grátis) 19 - São Gonçalo: Monarco (16h - R$ 20) 20 - São João de Meriti: Ed Motta SOLO (16h - R$ 20) 24 - Niterói: De Leve (19h - R$ 20) 25 - Madureira: De Leve (17h - R$ 20) 25 - Ramos: Cassiano & Trio Beija Flor (17h - grátis) 25 - São Gonçalo: Bebeto (17h - R$ 20) 26 - Madureira: Dorina (17h - grátis) 26 - São Gonçalo: De Leve (19h - R$ 20) 29 - Tijuca: Marcelo D2 & SambaDrive (19h30 - R$ 20) 30 - Tijuca: De Leve (20h - R$ 20) ______________________________

MIXX: 17 – Santos – Praça XV 17 - Victor Bertrami Quarteto - Participação: Azymuth, Arthur Maia, Robertinho Silva, Kiko Continentino – Casa com a Música / Lapa 17 - Aether / Tempus Fugit – Lona Elza Osborne / Campo Grande 18 - Festival Rock no Parque: Bala N'Agulha / Dona Penha – Arena Dicró / Penha 18 - Wake The Dead Festival: Surra (SP) / Rats / Der Baum (SP) / Nove Zero Nove – Magé Futebol Clube 19 - Surra (SP) / Plastic Fire / Halé / Triunfe – La Esquina / Lapa

25 – Qinho - Ahlma.CC / Leblon 25 - AcaraJazZ: Bondesom / Juliana Linhares / Doralyce – Rio City Lab / Santo Cristo 26 - Alaska (SP) / Hover / Whipallas – La Esquina / Lapa 26 - Cervical / Mari & The GoodFellas / Facing Fear – Calabouço / Vila Isabel 29 - Baculeju da Sandra de Sá – Teatro Glaucio Gill / Copacabana

o MIMO, que chega a Olinda nesse fim de semana (17 a 19 de novembro).   É a última etapa de 2017 do festival – depois de passar por Portugal, Tirandentes, Ouro Preto, Paraty e Rio de Janeiro –, com 44 atrações gratuitas de música, cinema e educação.

Abertura da exposição de fotografias de Raymond Depardon, “Un moment si doux”, no dia 1º de novembro. Depois de passar por Paris e Buenos Aires, o CCBB Rio recebe as 170 fotografias de diferentes cores e formatos tiradas na Europa, África e América Latina, incluindo o Brasil. Ate 22 de janeiro. qua-seg 9am-21pm. Grátis.

SHOW SOBREGAL - MARCELA MANGABEIRA Dia: 16 de novembro (quinta-feira) Horário: 20h Local: Teatro Municipal Café Pequeno Endereço: Av. Ataulfo de Paiva, 269, Leblon - Rio de Janeiro, RJ Tel.: 2294-4480

50 ANOS DE CARREIRA: Antônio Carlos e Jocáfi convidam Ithamara Koorax Dia 17 de novembro (sexta) Blue Note Rio – Av. Borges de Medeiro, 1424 - Lagoa   SESSÃO: Sessão: 20 horas

Tropicália ganha exposição tech com livre reinterpretação conceitual Nos 50 anos do movimento, na Galeria BNDES   Os artistas Barbara Castro e Luiz Ludwig, do estúdio Ambos&&, apresentam uma livre reinterpretação dos conceitos do movimento tropicalista à luz da arte e da tecnologia. Com a exposição Vamos Comer, estimulam o público a “devorar” experiências sensoriais e orgânicas, incluindo quatro instalações de arte computacional. Ela está aberta a visitações na Galeria BNDES, no Rio, entre os dias 18 de outubro e 1º de dezembro, de segunda a sexta, das 10h às 19h

Parque Villa-Lobos/SP recebe SlowKids em 18 de novembro     Evento gratuito busca desacelerar as crianças do universo tecnológico com um dia inteiro de brincadeiras tradicionais, teatro, literatura e música; “Kombi dos sonhos” será uma das novidades desta nona edição

MOSTRA DE CINEMA ARGENTINO CONTEMPORÂNEO VOLTA À CAIXA CULTURAL RIO DE JANEIRO EM SUA SEGUNDA EDIÇÃO   Histórias extraordinárias apresenta uma seleção com os melhores filmes recentes do país vizinho. Debates com cineastas e especialistas completam a programação Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Cinema 2 Endereço: Av. Almirante Barroso, 25 – Centro  (Metrô e VLT: Estação Carioca) Telefone: (21) 3980-3815 Data: de 07 a 19 de novembro de 2017 (terça-feira a domingo)

'Cria', novo espetáculo de Alice Ripoll no grupo Suave, traz 'dancinha', dança contemporânea e funk ao Sergio Porto/HUMAITÁ e ao Centro Coreográfico. o trabalho estreia dia 17 com 10 dançarinos em uma mistura inovadora que também traz a dança afro, o afrofunk, o passinho, contato- improvisação e linguagem teatral de 17 a 20 de novembro de 2017 Horários: Sexta-feira - 21h                 Sábado - 21h                 Domingo - 20h                 Segunda-feira - 21h

O espetáculo “Kid Morengueira – Olha o breque!” homenageia Moreira da Silva (1902 – 2000), o cantor que popularizou o samba de breque, tornando-se um ícone da música brasileira. O samba permitiu a ele criticar, sempre com muito bom humor, os poderosos com seus desmandos, os malandros que conheceu na noite, e os compositores que ajudou a tornar conhecidos. A peça estreia para uma curta temporada no Teatro I do Sesc Tijuca - de 03 de novembro a 03 de dezembro, de sexta a domingo, sempre às 20:00.

Após o sucesso da temporada nos meses de abril e maio desse ano, que passou por sete cidades brasileiras e esgotou em todas as praças, o espetáculo “STOMDUP” de Tom Cavalcante volta para novas apresentações no Rio de Janeiro (dia 01 de novembro, no Teatro Bradesco Rio); Natal (dia 30 de novembro, no Teatro Riachuelo); Fortaleza (dia 01 de dezembro, no Teatro RioMar Fortaleza).

SOLID ROCK: a participação da banda Lynyrd Skynyrd no Solid Rock (Curitiba, Pedreira Paulo Leminski, dia 12/12; São Paulo, Allianz Parque, dia 13/13; e Rio de Janeiro, Jeunesse Arena, dia 15/12) acaba de ser CANCELADA por motivos pessoais da banda. No lugar, Cheap Trick será a banda que fará parte do lineup, junto do Deep Purple e Tesla. Mais informações sobre devolução de ingressos serão divulgadas em breve.

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers