Pages

Thursday, September 16, 2010

SOBRE O RIO FANZINE

OUVINDO O PGM DO MAUVAL NA TERÇA A NOITE É Q ME CAIU A FICHA DO FIM E DA IMPORTÂNCIA DO RIO FANZINE. E TBM DA DIFERENÇA Q HÁ ENTRE UMA COISA NA INTERNET E UMA FÍSICA. EMBORA CADA VEZ MAIS A GENTE CIRCULE PELA REDE, SAIR NO JORNAL É A PROVA VIVA DE Q ALGO EXISTE E ESTÁ ACONTECENDO. A GALERA DAS BANDAS E DAS FESTAS PARECE CONFIAR MAIS SE SAI ALGO IMPRESSO NUM JORNAL, QUE DÁ PRA GUARDAR E TAL. MAS NÓS SAIMOS DO AR ANTES QUE FOSSEMOS SAÍDOS DO CADERNO, Q VAI MUDAR E NAO COMPORTA NADA Q N SEJA LIGADO AO FIM DE SEMANA. DESSA FORMA, PODEREMOS DAR UM GÁS NO SITE DO RF NO GLOBONLINE, Q, ATÉ AGORA ERA APENAS UM BLOG POUCO ATUALIZADO. É A MESMA COISA, SÓ QUE DIFERENTE. VOU SENTIR FALTA DE BOLAR A DIAGRAMAÇÃO COM O LÉO E VER O VISUAL PRONTO DEPOIS. ONLINE É SÓ ENCAIXAR IMAGENS E PRONTO. ISSO FARÁ FALTA. MAS AGORA -- E COMO INTEGRANTE DO CULTURA ONLINE DO GLOBON, EU -- ESTAREMOS AINDA MAIS ATUALIZADOS, NÃO APENAS NA SEXTA-FEIRA. APAREÇAM.

16 comments:

Leo said...

Realmente uma pena. Deixamos de ter um Zine dentro de um jornal para termos mais uma página em "www".
Boa sensaçào de sobreviver aos formatos, mas sensação estranha de saber que aquele impresso que lia devagar para não acabar ( ! ), agora vai ser mais uma página fugaz na rede.
É isso aí.

Leo Daflon

Vulgo Dudu said...

Eu tenho a impressão que tudo o que é impresso é mais passível de ser difundido, disseminado. Ainda que a internet tenha um espaço ilimitado, o conteúdo fica restrito ao hábito da digitação do endereço na barra de endereços. Acho que isso, com cultura, é ainda mais forte. Eu escrevo resenhas cinematográficas no JB, que agora é só digital. Em poucas semanas, já percebo uma mudança radical na maneira como o conteúdo é partilhado, mensurado e classificado. O hábito de pôr a Revista Programa debaixo do braço, ou o hábito de começar a ler o Rio Show pelo Rio Fanzine, eram quase uma liturgia, hábitos levados à serio por muita gente. Mas parece ser esse o destino da notícia - ser digital, circular digitalmente, ocupar o menor espaço físico possível. Vida longa ao RF, ainda que seja gerado por sequências binárias.

Abs!

um blog de links said...

Vcs nunca serão apenas mais uma página!
Os bons permanecem e continuam para sempre!
e o Rio Fanzine é o melhor!

Rio Fanzine forever!

beijos e boa sorte

Cynthia

axiscassiel said...

Se muitos ainda estão presos na galáxia de Gutemberg o problema é deles. A web multiplica o alcance, te dá recursos de audio e video e vc pode usar o aparato do jornal pra isso. O Rio Fanzine agora é universal e acessível pelo arquivo do blog a qualquer hora, o que o impresso não permitia.

electroshake said...

RF Forevis!!!!! <3

Jenner said...

bola fora dos marketeiros do globo - um jornal só se sustenta com REPUTAÇÃO, algo que sem duvida o RF impresso transferia ao conteudo. Reputação conquistada bravamente que sobreviveu por 24 anos, de onda em onda - sem levar "caldo". aparecer impresso nas páginas do globo era mais que um reconhecimento, era uma subversão. nós, músicos e leitores assíduos, só temos a lamentar - tenho a impressão clara q foi só um "até logo", a cena musical e cultural do rio já anda uma desgraça há pelo menos 5-6 anos - perder o RF no Globo é a ultima paulada antes de morrer. uma pena. Tom (e Calbuque) sou muito grato por tudo.
Abs
Jenner

Jenner said...

bola fora dos marketeiros do globo - um jornal só se sustenta com REPUTAÇÃO, algo que sem duvida o RF impresso transferia ao conteudo. Reputação conquistada bravamente que sobreviveu por 24 anos, de onda em onda - sem levar "caldo". aparecer impresso nas páginas do globo era mais que um reconhecimento, era uma subversão. nós, músicos e leitores assíduos, só temos a lamentar - tenho a impressão clara q foi só um "até logo", a cena musical e cultural do rio já anda uma desgraça há pelo menos 5-6 anos - perder o RF no Globo é a ultima paulada antes de morrer. uma pena. Tom (e Calbuque) sou muito grato por tudo.
Abs
Jenner

PEDRO BAMBAATAA said...

já cansei de falar aqui. o rio fanzine é responsavel juntamente com o rocka 26 da minha passagem de "um metaleiro de visão estreita", para um apreciador não só do rock mas da música pop de uma forma geral.

Ontem mesmo fim a saber belo blog do maval que sua primeira matéria foi na "pipoca moderna" a qual tb lia e ainda tenho as edições.

Época, que para um suburbano como eu, vcs eram uma das poucas fontes com informação sobre rock e cultura.

Fiquei feliz em vc mencionar a Ana M. Bahiana, minha escriba favorita, que tb acompanhava na finada Som Três.

Sem dúvida, acho que não ter o meio impresso é não ter algo paupável, um veículo de informação que vc pode levar para qualquer lugar;

Em compensação com o underground caindo no mainstream cada vez mais rápido (principalmente devido a net) as pessoas procuraram outras fontes para sua atualização.

De qualquer forma deixar de ver o espaço quando se abria o caderno e mais recentemente a revista vai ficar dificil, para nós...
Mas enfim, bola para frente!

um abraço tom!!

Cris said...

Eu não sou de ir às festas, mas sempre acompanhei o Rio Fanzine pois os textos eram (são) ótimos e ficava por dentro do que rolava na noite, das novidades das bandas ... Afinal, me interesso pelas coisas do mundo (e mundanas). Vou acompanhar agora online!

Lord Vader said...

Comecei a ler o RF ainda moleque em 89 , e numa época pré MTV , cabo e internet , aguardava afoito sempre pela próxima edição , e nem sei dizer o tamanho da influência do caderno na formação do meu senso estético , não por imposição , mas pela força da informação. Hoje o mundo está mudado , tudo tem que ser sensorial/imediato e nada mais pode ser cerebral/semanal . Confesso também que (por outros motivos) deixei de ler jornal há um ano , mas era bom saber que o RF existia bravamente dentro de um veículo como o globo , quase como um intruso , um penetra. Bem , ainda tenho um monte de RF em folha dupla , grandões , guardados em algum lugar lá na casa da minha vó , tenho o livro (hey , que tal um livro vol 2 ??) , mas sobretudo devo parte da minha "formação" aos dois malucos fanzineiros que ajudaram a me desvirtuar , às rezenhas de discos e filmes que de outra forma jamais saberia que existiam (e às geniais ilustrações do Cruz tb). E como disse Anne Rice , meu mundo se parece cada vez mais com um panteão de estátuas quebradas , rss , mas é assim mesmo que as coisas são. Como disse o Dudu , vida longa ao novo formato zero/Um , e obrigado pelos peixes ...

Christiano said...

Acredito que as possibilidades proporcionada por uma página eletrônica pode deixar o Rio Fanzine ainda mais interessante - pois, nela, pode-se inserir links para áudio e vídeo, o que, a versão impressa não permite. Mas há um porém:

Como tornar o blog do Rio Fanzine diferente de tantos outros blogs que abordam cultura pop? Como evitar que o RF não seja apenas mais um na indistinção comum num ambiente de tanta informação como a internet?

O jornal impresso, querendo ou não, dá uma certa legitimidade no que diz respeito a veracidade da informação - porque aí também entra a credibilidade do veículo - que é importante.

Textos rápidos disponibilizados a todo momento no blog, muitas vezes, até pelas condições de "urgência" em que são feitos podem ser excessivamente rasos e de menos qualidade. Talvez parte do conteúdo devesse ser publicada semanalmente em edições, semelhantemente ao que era feito no jornal impresso - nas quais se incluiria artigos menos ligado diretamente com a agenda de shows, maiores e mais aprofundados.

Quando digo especificamente sobre qualidade, me refiro especificamente à larga experiência que vocês tem acumuladas em mais de duas décadas com o RF e trabalhando no jornalismo cultural em geral, além do amplo conhecimento sobre os muitos assuntos que abordam. Para que o blog não seja apenas mais um na "multidão" a qualidade é, sem dúvida, um elemento fortemente legitimador perante aos leitores. Assim tornando o blog uma referência para aqueles que procuram bons textos e credibilidade de informação; desse modo, sendo um diferencial em relação a tantos outros blogs que usam a própria internet - única e exclusivamente - como fonte e que com muita frequência tem como resultado, em sua maior parte, o recorrente uso de informações totalmente equivocadas.

Desejo bons ventos para a nova fase do Rio Fanzine.

Christiano Santos

Gustavo Gaspar said...

É uma pena!
Cresci lendo essa coluna, que era um oásis de informação, tanto na forma quanto no conteúdo. Até hoje tenho algumas colunas guardadas ainda no fim dos 80's, com ilustrações do Cruz, e fotos de bandas que eu nunca tinha ouvido falar e queria conhecer!
Sei que as coisas mudam, mas certamente vai fazer falta abrir o jornal na sexta e ir direto para a folha do RF...
Um abraço e muito obrigado por esses anos de informação e cultura alternativa.

Bem said...

Faz uma versao em PDF e deixa em algum lugar para a galera baixar. Eu fazia isso com meu zine...

Bem said...

Acho que pra molecada que nasceu no século XXI essa discussão não vai fazer o menor sentido. Para nós, dinossauros, bom mesmo e o que está impresso, pois é mais "seguro", já que existe no mundo material. E ao contrário do blog, um jornal dá um trabalho imenso para criar.

Viva os átomos! Viva os bits! Morte ao falso metal!

Felipe Proença said...

pô ziggy, que pena... já tinha achado uma merda vcs terem perdido aquele espaço maravilhoso no segundo caderno aos domingos, ficando só com aquela coluna no rio show. agora ateh a coluna do r.s. eles tiraram de vcs. que pena. fica registrado o meu repudio e protesto pelo o ocorrido. E é claro que o papel NUNCA sera´substituido pelo computador. espero, sinceramente, que um ia vcs voltem a ter o fanzine no papel novamente.

Gabi Aoyagi said...

Nada contra as modernidades do dia a dia. Mas ler no jornal é outra coisa! Muito mais confortável e mais agradável! Triste fim. :(

NA CIDADE

JULIANAS:

casas & shows: Circo Voador 18 – Metá Metá / Rakta 19 – Roberta Sá  20 – Testament (EUA) 25 – Johnny Hooker 26 – O Baú do Raul – 25 Anos: Marcelo Nova / Mauricio Baia / B.Negão / Chico Chico / Karina Buhr / Rick Ferreira / Vivi Seixas

Fundição Progresso 18 e 19 – Novos Baianos 25 - Mitchell Brunnings (HOL) / Orquestra Brasileira de Música Jamaicana 26 – Festival RapRJ 7: Cone Crew Diretoria / Luccas Carlos / Froid / 1Kilo / ADL – Participação: Ducon / Modestiaparte – Participação: Liink & Buddy Poke

Teatro Rival 18 – Festa La Cumbia 19 - Afrojazz - Participação: Larissa Luz & Jesuton 23 - Michael Sweet (Stryper) & John Schlitt (Petra) 24 - Júlia Bosco & Emerson Leal & Gustavo Macacko – Participação: Mart´nália & Simone Mazzer 25 – Alma Thomas 26 – Jay Vaquer 50 meia Setor A, 40 meia Setor B, 30 meia Lounge 30 – Cabaré Diferentão

Teatro Riachuelo 29 – Paulo Ricardo Teatro Odisseia 18 – Ordinária - Baile do Lindote: Molejo 24 - The World is a Beautiful Place & I am No Longer Afraid to Die / gorduratrans / E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante  26 - Esteban Tavares / Sheffield 

Vivo Rio 18 - Postmodern Jukebox (EUA)  19 – Barão Vermelho 20 – Roy Hargrove & Roberta Gambarini 25 - Jacob Collier (ING) 

Baratos da Ribeiro (Botafogo) 19 – Vespeiro: Marcelo Perdido / Real Sociedade / O Branco e o Índio 26 - Vespeiro: Tacy de Campos / Jonnata Doll & Os Garotos Solventes

Estúdio Hanói (Botafogo) 18 - Nativity in Black Fest: Justabeli (SP) / Dark Tower / Profane Art  19 - Festival Nativity in Black: Justabeli (SP) / Dark Tower / Profane Art  27 - Back To Hanoi Metal Fest: Forkill / Unmasked Brains / Evil Inside / Savant  30 - Rectal Smegma (HOL) / Uzômi / Baga  Audio Rebel 16 – Quintavant: Thiago França: Sambanzo 17 – Quintavant: Thiago França: Space Charanga Quarteto 18 - Jair Naves & Britt Harris / Kasparhauser 19 – Quintavant: Ava Rocha 20 - Homenagem a John Coltrane (Widor Santiago, Sergio Barrozo, Adaury Mothé, Didac Thiago, Roberto Rutigliano) 23 – Quintavant: Hans Koch (SUI) - Participação: Bella, Thomas Rohrer, Cadu Tenório, Antonio Panda Gianfratti 24 – Quintavant: Hans Koch (SUI) - Participação: Thomas Rohrer, Antonio Panda Gianfratti 30 – Quintavant: AJJA (Pedro Calmon & Alex Frias)

Espaço Sérgio Porto 18 - Marcio Lugó / Capela  24 - Mulheres de Buço 25 - Whipallas 31 - CEP 20.000

Sala Baden Powell 16 - Donatinho: Homenagem a João Donato - Participação: Ithamara Koorax, Wanda Sá, Cris Delanno, Amanda Bravo, Ricardo Silveira 19 - Quarteto do Rio 23 - Lúcia Menezes 26 - Marcel Powell - Homenagem a Baden Powell - Participação: Thais Motta, Ithamara Koorax, Gabriel Aquino, Amanda Bravo, Dilma Oliveira 27 - Dorina Canta Aldir Blanc 30 - Eliana Pittman

Theatro Net Rio 16 – Laila Garin & A Roda 22 – Paulo Miklos 12/09 Simone Mazzer

Beco das Garrafas Casa de Cultura Laura Alvim 09 e 10 – Festival Levada: Luísa Maita 15 – Katerina Polemi 16 e 17 – Festival Levada: Apanhador Só 23 e 24 – Festival Levada: Bruna Mendez 30 e 31 – Festival Levada: Tamy

Teatro Ipanema 15 - A.Nota: Sambas do Absurdo (Juçara Marçal & Rodrigo Campos & Gui Amabis) 16 - Aíla (PA) – Participação: Posada 17 - Ana Frango Elétrico / Thiago Nassif 18 - Amora Pêra 22 - A.Nota: Marcelo Vig & Marcos Suzano

Teatro Café Pequeno 17 - Lu Dantas & Natália Boere 24 - Marcos Oliveira 31 - Filtra

Metropolitan 24 – Hanson (EUA) 26 - Lindsey Stirling (EUA) Teatro Bradesco 18 – Leo Jaime 24 – Almir Sater

Teatro Municipal de Niterói 18 e 19 – Roberta Campos 22 – Clube do Choro Homenageia Noel Rosa 24 – Quarteto do Rio

Planet Music (Cascadura) 18 - Torture Squad / Hatefulmurder / Reckoning Hour / Warcursed  19 - Black Days (SP) / Sheffield / Amsterdan / LaVille  26 - Festival Invasão Underground 2: Inversa (SP) / Maieuttica / Adrift / Tormentta / The Last Whale 

Imperator 16 - Quartas Brasileiras: Tia Surica - Tributo a Clara Nunes - Participação: Nilze Carvalho, Ana Quintas, Mariene de Castro 22 – Jazz Pras Sete: Folakemi Duo 23 – Maurício Mattar – Participação: Alexandre Pires 24 - Homenagem a Dalva de Oliveira: Amelinha, Zezé Motta, Dóris Monteiro, Leny Andrade, Rita Beneditto, Áurea Martins, Agnaldo Timóteo, Simone Mazzer, Zé Renato, Eliana Pittman, Rosa Maria Colyn, Luciene Franco, Ellen de Lima, Ataulfo Alves Jr, Gottsha 30 – Agnaldo Timóteo 31 – Samba do Imperator: Grupo Arruda, Marquinhos de Oswaldo Cruz, Arlindinho

Centro de Referência da Música Carioca Artur da Távola (Tijuca) 16 – Coletivo Samba na Rua 17 – Quinta Instrumental: Jimmy Santa Cruz 18 – Victor Mus 19 – Danilo Caymmi 23 – Fábrica Nômade Sonora 24 – Quinta Instrumental: Carlos Café 25 – Laura Zennet 26 – Quarteto do Rio 30 – Projeto Vitrola

FM Hall 23 – Manu Gavassi (grátis) 29 – Illy (grátis)

La Esquina (Lapa) 17 - Red Mess / Blind Horse / Stoned Jesus 24 – Mobile Drink

Smokey Rio (Lapa) 19 – Festa Rio Vinil Clube 26 – Bel Almeida Ganjah (Lapa) 18 – Duda Brack & Thiago Ramil 23 – Festa HempFyah: Rafyah Dread & Hempfield DubLab / Lion Dornellas / André Pfefer / Tagu Selectah Vibration 25 - Azul Casu & 3 du Mar

Casa de Baco (Lapa) 17 – Gafieira Pé de Louro 19 – Relógio de Dalí 24 – Joyce Cândido

CCBB 18 - Festival CCBB - Quanto Mais Tropicália, Melhor: Pato Fu / Céu – Praça do Centro Cultural dos Correios (22h – R$ 20) 19 - Festival CCBB - Quanto Mais Tropicália, Melhor: Pedro Luís & A Parede / Tom Zé – Praça do Centro Cultural dos Correios (22h – R$ 10)

Quintas no BNDES 17 - Byafra: 35 Anos de Sucesso 24 - Luiza Borges 31 - Tarita de Souza

Circuito SESC 16 – Copacabana: Philippe Baden Powell & Quarteto Ludere: Baden Powell 80 Anos 18 – Niterói: Clara Gurjão 26 – Engenho de Dentro: Clara Gurjão Circuito SESI 26 – Duque de Caxias: Tiê 25 – Jacarepaguá: Tiê _____________________________________________________________

mixx: 18 - Carmen Blues – Bar Kunin / Vila Isabel 18 – Sara & Nina – Olho da Rua / Vila Isabel 18 - Ronaldo Diamante – TribOz / Glória 18 - Wake the Dead Festival: Surra (SP) / Rats / Der Baum (SP) / Nove Zero Nove – Clube Mageense / Magé 18 – RaggaBrass – Boulevard Olímpico / Praça Mauá 18 - O Rappa - Tour de Despedida – Quadra da Grande Rio / Duque de Caxias 19 - Insurgente Rock Festival: Maieuttica / Ágona / Born2Bleed / Melyra / Forkill / Negah – Caixa de Surpresa / Bangu 19 - Breaking Bad - A Festa: Cervical / Controle / Mau Presságio – Buffallos Bar / Méier 19 - Festa RapSoul 5 Anos: Rael – Armazém / Praça Mauá 19 - Akira Presidente – Espaço BF / Mesquita

20 - Caxias Hell Festival: Velho / Justabeli (SP) / Dark Tower / Gutted Souls / Unnature / Vicious – Lira de Ouro / Duque de Caxias 25 - Bloco Fanfarra D´Águas – Praça das Nações / Bonsucesso 25 - Rogério Caetano - Participação: Hamilton de Holanda – Eco Som / Botafogo 25 - Arraiá do Bloco Vem Cá, Minha Flor – Feira de São Cristóvão

LEO JAIME LEO "GUANABARA" JAIME Com mais de 30 anos de carreira, Leo Jaime experimenta momentos de grande intensidade em sua vida profissional. Além da obra consagrada, como cantor e compositor, o artista está sempre atuando em novos projetos. Humor, interpretações arrebatadoras, inteligência e versatilidade são as marcas deste artista que apresenta ao publico carioca, no dia 18 de agosto, no Teatro Bradesco Rio, o espetáculo “Leo “Guanabara” Jaime”. No show ele relembra seus grandes sucessos musicais e as histórias por trás das canções e dos bastidores do Rock Brasil

PROGRAMAÇÃO BLUE NOTE JAZZ CLUB RIO (ONDE ERA A MIRANDA, NO COMPLEXO LAGOON, NA LAGOA, LADO LEBLON):   07/09 - Quinta-feira 20:00 Maceo Parker 22:30 Maceo Parker   08/09 – Sexta-feira 21:00 Maceo Parker 23:30 Maceo Parker   09/09 – Sábado 21:00 Sergio Mendes 23:30 Sergio Mendes   10/09 – Domingo 20:00 Sergio Mendes 22:30 Sergio Mendes   13/09 - Quarta-feira 20:00 Jaques Morelenbaum convida   16/09 – Sábado 21:00 Baby do Brasil 23:30 Baby do Brasil   17/09 – Domingo 20:00 Baby do Brasil 22:30 Baby do Brasil   20/09 - Quarta-feira   20:00 Jaques Morelenbaum convida   27/09 - Quarta-feira 20:00 Anne Paceo 28/09 Quinta-feira   20:00 Orquestra Atlântica 22:30 Orquestra Atlântica    Outubro   04/10 - Quarta-feira 20:00 Ala.Ni 05/10 – Quinta-feira 20:00 Chris Botti 22:30 Chris Botti  06/10 – Sexta-feira 21:00 Chris Botti 23:30 Chris Botti    07/10 – Sábado 21:00 Chris Botti 23:30 Chris Botti    08/10 – Domingo  20:00 Chris Botti 22:30 Chris Botti  11/10 - Quarta-feira 20:00 Teresa Salgueiro 22:30 Teresa Salgueiro    12/10 – Quinta-feira 20:00 Teresa Salgueiro 22:30 Teresa Salgueiro    20/10 – Sexta-feira 21:00 Chick Corea & Steve Gadd Band 23:30 Chick Corea & Steve Gadd Band   Novembro 02/11 Quinta-feira 20:00 Spyro Gyra 22:30 Spyro Gyra   03/11 Sexta-feira 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   04/11 Sábado 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   15/11 Quarta-feira 20:00 Laura Perrudin   16/11 Quinta-feira 20:00 Didier Lockwood Trio 22:30 Didier Lockwood Trio

ULTRA BRASIL ANUNCIA A PHASE 1 DE SEU LINEUP PARA A EDIÇÃO 2017: ADAM BEYER, ALESSO, ARMIN VAN BUUREN, DAVID GUETTA, JAMIE JONES, JOSEPH CAPRIATI, SASHA & JOHN DIGWEED e THE MARTINEZ BROTHERS SERÃO HEADLINERS FESTIVAL ACONTECE NOS DIAS 12, 13 E 14 DE OUTUBRO NO SAMBÓDROMO DO RIO

_______________________________________________________ CURSOS DE AGOSTO no Estação NET Botafogo    - História do Cinema Independente Brasileiro, com Cavi Borges    - Ancine e o fomento ao audiovisual brasileiro, com Julio Augusto Zucca    - Cinema Afrodisíaco? O sexo na tela, com Dodô Azevedo

Circuito Estação NET de Cinema e Cinemateca do MAM apresentam: Exposição CINEMA EM CASA: Equipamentos do acervo da Cinemateca do MAM. A partir de 23 de fevereiro, no Estação NET Botafogo de 23 de fevereiro a 23 de agosto 2017 Horário de visitação: 14h às 22h Entrada franca

DISTOPIAS BRASILEIRAS NO CINEMA A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 15 a 27 de agosto de 2017, a mostra cinematográfica Brasil Distópico, que traça um panorama da produção nacional sobre as distopias. Para a programação, os curadores Luís Fernando Moura e Rodrigo Almeida selecionaram 37 curtas e longas-metragens que imaginam diferentes futuros sombrios para o país, entre clássicos da ficção-científica brasileira e obras menos conhecidas.  Na programação, filmes como O quinto poder (1962), de Alberto Pieralisi, e Brasil ano 2000 (1969), de Walter Lima Júnior. Outras incorporam as convenções da ficção científica, encenando a ameaça nuclear e o colapso do planeta, como Parada 88: o limite de alerta (1978), de José de Anchieta; e Oceano Atlantis (1993), de Francisco de Paula. Há, ainda, aqueles que instalam o cinema de gênero em imaginários locais do Brasil, como é o caso de Abrigo nuclear (1981), de Roberto Pires; e Areias Escaldantes (1985). ESTE ULTIMO, TRAZ NO ELENCO, VARIOS NOMES E BANDAS DO ROCK BRASIL DOS ANOS 80, COMO LOBÃO, TITÃS, E TEMA-TITULO DE LULU SANTOS.

DEIXA NA RÉGUA: O filme estreia no dia 10 de Agosto no INSTITUTO MOREIRA SALLES com sessões às 16h e 20h e no CINE SANTA com sessão às 17h10. Deixa Na Régua. Direção: Emílio Domingos. Produção: Osmose Filmes. Documentário. Brasil. 73 minutos.

COM SESSÕES LOTADAS EM ALGUMAS CIDADES, UCI ABRE MAIS SALAS PARA “DAVID GILMOUR: LIVE IN POMPEII” E AGORA APRESENTA A EXIBIÇÃO EM XPLUS  Ingressos já estão à venda e o público poderá conferir o show também com o poderoso som Dolby Atmos em 360º



BLITZ AO VIVO: No embalo do lançamento do álbum 'Aventuras 2', Evandro Mesquita e sua Blitz finalizam seu quarto DVD, gravado no Circo Voador em abril, para lançamento em outubro. A banda está a todo vapor, com presença confirmada no próximo Rock In Rio e tem turnê pelos Estados Unidos confirmada em fevereiro de 2018

FESTIVAL DE CINEMA DA NOVA ZELANDIA

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers