Pular para o conteúdo principal

Play. Stop. Rec. A FITA CASSETE, REBOBINOU



Dia destes, assisti ao documentário ‘Cassette: a documentary mixtape’, feito para celebrar os 50 anos da fita cassete. A mídia, foi criada pelo engenheiro da Philips, o holandês Lou Ottens (ainda vivo, aos 90), em 1963, e exibida naquele, mesmo ano, numa feira de eletrônica, em Berlim. Logo, os japoneses copiaram a ideia, e Lou, teve de ir a Tóquio, pedir que, já que é para copiar, que pelo menos, se criasse um padrão. Foi por isso, segundo ele, que o formato durou tanto tempo.




   Hoje, com o cassete experimentando um revival, similar ao do vinil (já existem gravadoras, aqui e no exterior, produzindo novamente as fitas; além de um cassette day, como o record store day do vinil), é bom recordar como a fita cassete foi importante em sua época. A princípio – e com o uso de um aparelho gravador portátil, também lançado pela Philips – tornou possível, não apenas levar a música ‘para viagem’ (antes do conceito japonês do walkman, da Sony), como também gravar sons externos e músicas diretamente do rádio – além de possibilitar a cultura do bootleg, gravações piratas, ao vivo, de shows.

  Outra coisa bacana que o cassete possibilitou: a cultura da mixtape, aquela fitinha que você gravava, com amor e carinho, para algum amigo querido ou namorada. A seleção meticulosa das músicas, e a arte das capas, eram partes importantes do processo. Hoje, usa-se o termo ‘mixtape’, para seleções de faixas digitais.

  No começo da cultura hip-hop, o cassete foi importante por dois motivos: permitia gravar o set dos DJs (só havia como ouvir aquelas músicas nas festas, já que eram tocadas e mixadas em vinil, na hora) e, depois, carrega-las e divulga-las através dos ghetto-blasters, aqueles potentes aparelhos de som portáteis.

   Depois, as mixtapes foram parte importante do processo de divulgação da cena alternativa do rock. Qualquer um, com um pequeno estúdio portátil ou um bom microfone acoplado ao gravador, produzia seu próprio disco em casa e depois o distribuía, através das chamadas demo tapes, nos shows, festas, passando de mão em mão. Foi a primeira vez em que a musica foi realmente livre. Existiu até uma gravadora, em Nova York, a ROIR (que, sequer é citada no documentário) que gravava e lançava bandas punk apenas em cassete.




  Curiosamente, Lou Ottens, que pontua o filme com suas lembranças das Compact Cassettes (como foram chamadas no começo), não tem a menor saudade das fitas, que ele considera um formato ultrapassado e obsoleto (de fato, as fitas nunca tiveram bom som ou durabilidade). Lou, foi também um dos criadores do compact disc, o popular CD, que também já ficou ultrapassado. Como ele diz: é melhor sempre olhar para a frente.

  Hoje, com a música fluindo fácil, digitalmente, e por serviços de streaming, como Deezer, Spotify e outros, a ‘volta’ do cassete ficará restrita apenas a um pequeno grupo de cultuadores e fãs de mídia vintage. Mas, sua importância, jamais será apagada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Winner winner, chicken dinner!

É o lema de quem ganha na mesa de blackjack (21) em Las Vegas. A frase, que diz a lenda, é de autoria de um oriental, que quebrou a banca num dos cassinos da cidade nos anos 50, é dita várias vezes no filme "21" (aqui, "Quebrando a banca"), que estréia semana q vem e vi hj cedo numa cabine. Ela significa algo como, quem ganha paga o jantar. O filme é interessante. Apesar de envolver galera e ter uma trilha sonora atual (com direito a faixa inédita do LCD, não tem aquela edição frenética MTV. Até porque, a história de um grupo de geniozinhos do MIT (Massachusetts Institute of Technology) que têm a capacidade de contar decks de cartas de baralho (sem precisar ser autistas, como o rain man) e vão faturar algum na maciota em Las Vegas, aconteceu mesmo na vida real. Isso é o ponto de maior interesse no filme, sacar os bastidores desse fato verídico. Os atores, a maioria novatos (tem o carinha de "Across the universe", mas tbm tem Kevin Spacey e a gatinha Kate …

KELVIN?

UNZAMIGOS MEU FORO RANGAR EM COPA DEPOIS DO SHOW DO JUSTICE E ACABARO ALI NA REGIAO DA PRADO JUNIOR TRAÇANDO UM GALETO COM AS PUTAS E TRAVECO. DADO MOMENTO, UM DELES VE UM ANUNCIO COLADO NUM ORELHÃO DO LADO DO BAR QUE DIZIA: "LOURINHA GOSTOSA. FAÇO KELVIN ATÉ O FINAL!", AI, GERAL BOLOU. O QUÊ OU QUEM DIABOS É KELVIN? NEGUIM JÁ DESCOLADO EM PUTARIA NÃO SABIA O QUE ERA AQUILO. KELVIN? WHATTAFUCK? A SOLUÇÃO? LIGAR PRA PUTA, É CLARO. AÍ, ELA EXPLICOU A PARADA: KELVIN É FAZER GARGANTA PROFUNDA ATÉ O FINAL SEM USAR CAMISINHA (20 CONTOS). MATADA METADE DA CHARADA. MAS POR QUE KELVIN? FIZ UMA BUSCA NO GOOGLE E SÓ APARECERAM DOIS LINKS SOBRE A PARADA!!! (O RESTO TODO ERA LIGADO A PESSOAS CHAMADAS KELVIN OU AO GRAU KELVIN). UM ERA UM FÓRUM NO QUAL A MESMA RESPOSTA E PERGUNTA QUE FAÇO AQUI ERA REQUERIDA, OUTRO ERA UM ANUNCIO DE JORNAL DE UMA VAGABA QUE FAZ KELVIN. ENTÃO, O MISTÉRIO CONTINUA: POR QUÊ KELVIN? ALGUÉM AÍ SABE?

O QUE É CABINE?

SEMPRE QUE TUITO OU COMENTO QUE VI OU VOU VER TAL FILME NUMA 'CABINE', UMA GALERA PERGUNTA: 'O QUE É ISSO?' BOM, CABINE É O TERMO DADO PARA SESSÕES FECHADAS DE UM FILME PARA A IMPRENSA. GERALMENTE ACONTECEM UMA SEMANA OU ALGUNS DIAS ANTES DE O FILME ESTREAR, PARA DAR TEMPO DE PEGAR O FECHAMENTO DOS JORNAIS OU DE A PESSOA FAZER UMA MATERIA COM MAIS DETALHES; OU ENTREVISTAR ALGUEM DO ELENCO. LA FORA, ESTAS SESSOES SAO CHAMADAS DE SCREENERS. ENTAO, PQ AQUI SE USA O TERMO 'CABINE'?

O TERMO CABINE VEM DO FATO DE QUE, EM OUTROS TEMPOS, ESTAS SESSOES ACONTECIAM EM CABINES PRIVATIVAS (COMO UM BOM HOME THEATER CASEIRO DOS DIAS ATUAIS), NAO EM SALAS DE CINEMA COMO HJ,  MAS NOS ESCRITORIOS DAS PROPRIAS DISTRIBUIDORAS, A MAIORIA DELAS LOCALIZADA NO CENTRO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, NA CHAMADA CINELANDIA (A MATRIZ DE TODAS AS MAJORS ANTES FICAVAM AQUI, AGORA MUITAS MIGRARAM PRA SP). CHEGUEI A PEGAR ALGUMAS DAS VELHAS CABINES ORIGINAIS DA CIDADE FUNCIONANDO, MESMO QUANDO AI…