Pages

Saturday, October 28, 2006

ROCK, RO-BOT ROCK!


AS CINCO NOTAS DE CONTATOS IMEDIATOS DO TERCEIRO GRAU (IGUAL AS QUE ROBBIE WILLIAMS USOU NA ABERTURA DE SEU SHOW) AVISARAM QUE A CORTINA IA SE ABRIR E O DAFT PUNK TOCAR NA NOSSA CASA. AFINAL! A DUPLA DE ROBOS ASSUMIU A POSIÇÃO NA BASE DE COMANDO DE UMA PIRAMIDE QUE AS VZS LEMBRAVA UM GENIUS (SIGAM AS CORES E REPITAM OS PADRÕES) OU "CUBO" MAGICO PELAS CORES EMANADAS E "PERFORMIZARAM" UM MEGAMIX DE QUASE TODAS AS SUAS MÚSICAS DE TODOS OS SEUS DISCOS SEM TOCAR EXATAMENTE NENHUMA INTEIRA OU DE MODO CONVENCIONAL. APENAS DA ABERTURA COM ROBOT ROCK, A CARTA DE INTENÇÕES, ATE CHEGAR AO FINAL, COM HUMAN AFTER ALL, O RESULTADO DO ROTEIRO FOI UMA TRIP QUASE ININTERRUPTA DE CERCA DE 80 MINUTOS. ROBOS NAO FALAM, SO COMPUTAM. A MUSICA, POR OUTRO LADO, FALA, ENVOLVE, TOCA, ENVOLVE. SOM PODEROSO, GRAVES MATADORES NAS HORAS CERTAS (DAQUELES DE DAR CAGANEIRA), LUZES CALEIDOSCOPICAS E PROJEÇÕES QUE CRIAVAM, NOS TELÕES, FORMAS GEOMETRICAS E TRANSFORMAVAM O QUE ESTAVA NO PALCO NUM DESENHO ABSTRATO QUE NUNCA SE REPETIA. ENQUANTO ISSO, OS ROBOS EM SUAS JAQUETAS DE COURO DE GRIFE SEGUIAM APERTANDO BOTOES, CORTANDO FREQUENCIAS, COLANDO TRECHOS DE MUSICAS AQUI E ALI. E, ASSIM COMO CHEGARAM, MUDOS, SE FORAM. E NOS DEIXARAM CHAPADOS. E QUERENDO MAIS!!!

34 comments:

tom said...

muita gente me perguntou depois do show como é q eles fazem. repito o q um dos bros hartnoll me disse certa vez depois de um show do orbital: geralmente live acts de eletronica sao pre-programados em estudio, para fazer sync com as luzes e as projeções, senao virava uma zona. ai neguinho fica ao vivo so disparando os envelopes com as musicas e padroes, com algum improviso. um set basico dura de 50 a 80 minutos, q é um tempo bom pra nao enjoar e a maquina nao dar pau. e-music é mais performance. tudo foi criado pelos artistas, mas ao vivo é mais ou menos assim que rola. e eles sao robos, afinal. é um outro conceito.

tom said...
This comment has been removed by a blog administrator.
tom said...

e sabem do que mais? camisetas da turne por apenas vinte contos! eles tocam ainda no chile, argentina e fecham atour com um show no bang festival em miami.

tom said...

o brogue ta estranho. nao ta numerando os comments e dando pau as vzs. bom, mais um pouco de tim: a marina nao é tao bom de chegar e sair qnto o mam e a area em volta, as passarelas de acesso, estao completamente escuras e abandonadas, caso vc seja da area, chegue a pe ou de bus pou pare o carro na gloria/flamengo, tem que passar por uns lugares sinistros. nao ha nenhuma placa do festival ou qualquer segurança...

Felipe Passarelli said...

Foi ótimo mas não achei isso tudo que você falou Tom, talvez você gosta mais deles do que eu, mas já vimos show pirotécnicos bem melhores aqui no Brasil (U2 por exemplo no começo do ano), foi um show 4 estrelas não 5 por deixar coisas a desejar, e mesmo sendo eletronico, poderia durar mais, seria impossível???

Mas foi um bom show, mas ainda fico "em shows ao todo" com o do FF no Circo Voador, e esse papo de musica não tem cara acho meio retrô, ve os Klaxons hoje em dia, mostram a cara e fazem bonito na "New Rave" explodiando Glow por tudo que é lado. Kraftwerk que os digam, foi excepcional, expecialmente da primeira vez que vieram. e foram 2 horas de show.

Engraçado que só você achou maravilhosérrimo de quem eu conheço, foi o máximo mais podia ser mais, sei lá.

Aí tom, fresquinho, CD duplo do Pulp Peel Sessions rolando na internet, dois CDs com todos os classicos e apresentações maravilhosas, estou gostando muito do Pulp, acho que meu anjo batia mais com o Grunge e Oasis na Época, mas nada como voltar aos bons tempos, e sim Jarvis tá ótimo tb.

Fiquei pensando no que vc falou, realmente as bandas depois do 3 disco se perdem na propósta original e ficam se baseando no primeiro, dai perde a esssencia. Boa sacada Tom.

One More Time Hoje. Valeu!

tom said...

gosto de ver shows das bandas que aprecio la na grade. e isso influencia bastante no todo. onde eu tava rolou um clima bonito, todo mundo dançando junto, sorrindo, alguns se abraçando, tinha tbm uma mini colonia francesa a minha esquerda com umas petittes perdendo a linha, me lembrei das primeiras festas oops la na guetto. memories... (rs)

Carlos Guarany said...

Acho que dos grandes da cena eletrônica só falta pra mim assistir aos Franceses do Air e o Daft Punk. Se pintar por aqui estarei lá. Tom, superou o Kraft 98 ou os Chems 99? Rolou Rollin'Scratchin' (pra mim o esporro mais bem feito da e-music!)?

Achei o lineup do Tim melhor que o do BDO 2007, fraaaaaaco, de novidade só salva o Muse.(www.bigdayout.com)

tom said...

tim fest so far: pista motomix um erro, lugar de passagem, nem vc dança direito, nem passa. deveria ter uma saida lateral pra galera. thievery corp fez musica de churrascaria pos-moderna (!). tvotr bom, mas capenga (perderam os instrumentos). patti smith, 60 anos, incrivel. karen o, muito parecida com siouxsie dos banshees, mas a inglesa é mais classuda. saldo final: daft punk foi o melhor show ate agora.

PEDRO BAMBAATAA said...

tom, concordo com tudo que falou sobre a marina, principaolmente com relação a passarela...

não sei se ano que vem irei se for neste local de novo...

eles tem de melhorar muito...

acho ideal para vc ir de carro...

Sergio Luiz Valle said...

Concordo com o Tom!

Fui com grande espectativa conferir a apresentação do duo Thievery Corporation, que fechou a noite e me desapontei com o som do TimLab muita reverberação para um som classudo, sem contar que eles tocaram as musicas mais animadas que não é o forte do TC, pensando no país do samba.

Não entendo esse oba oba pro Bonde do rolê??!!

Molestia a parte, minhas fotos do Daft Punk estao melhores que de muito fotografo PRO confiram?

http://www.flickr.com/photos/selusava

Abraços

Sergio Luiz Valle said...

PS: Oi Tom, "chupei" seu texto da Daft para as fotos que fiz do show, coloquei seu nome lá, não sei se posso fazer isso somente, não me processe, se vc quiser eu tiro ou coloco o link pro seu blog.
Abração

tom said...

sergio, bota um link aqui pra cova que fica tudo bem, blz? []s tom

tom said...

guarany, nao diria que o daft superou o chem bros, foi uma onda mais diferente, mais discotheque. por outro lado, tem bastante a ver com o kraft, esse lance retro, vocoder, como o primeiro show do kraft aqui. nao rolou nenhuma musica completa, foi tudo mashup, mas rollin & scratchin, claro, apareceu la pelo finalzinho, qndo eu ja tava todo torto (rsrsrsrs)

fabio fernandes said...

questão difícil esta ... chem, kraftwerk (na primeira ou segunda vez), daft, orbital ?

bem, acho que o problema da marina é realmente a localização, tirando isso, dou nota 9 para o espaço. realmente, tava tudo escuro e abandonado pelos arredores com poucos policiais, algumas viaturas. por exemplo, quem saísse (a pé) em direção ao lgo do machado/catete/lapa atravessava uma passarela iluminada com policiais mas logo em seguida, outra passarela mal iluminada e deserta ... porém, um serviço que funcionou foram os das vans gratuitas, que levavam até lugares estratégicos (aeroporto, mourisco, copa etc.).
pode parecer bobeira tbém, mas outro lance que eu (e minha namorada tbém) adorei foram os pipoqueiros e o cachorro quente, uma alternativa bem acessível aos bares e seus cardápio$$$ ... sem contar que o saquinho da pipoca era caracterizado, grande sacada !

tom said...

tive a chance de ver um show do underworld em 1998 na irlanda, com orbital abrindo, e posso dizer que foi o show mais visual e bem produzido que vi em termos de eletronica, barrava facil os do chem bros e orbital. underworld vai tocar aqui mes que vem numa especie de rave numa fazenda. sera que vai ter toda essa produção? nao sei. agora, em termos de som e viagem, um que vi do orb numa praia nos eua em 95 foi the best, tipo de deixar em transe mesmo. no meu rank pessoal de shows assim, ficariam: the orb, kraftwerk 1, daft punk, chem bros e orbital

resist said...

nao achei o tvotr fraco nao. vi la na frente e mesmo com o problema dos instrumentos acho q conseguiram fazer um bom show..

yeah yeah yeahs tb achei interessante mas nao é "O" show..
mas boa presença de palco da karen o.

resist said...

lendo na pressa tom, agora vi q vc disse q achou bom mas capenga..

realmente um dos guitarristas apresentou problemas durante o show, mas tirando isso, acho q levaram bem o som....

tom said...

nao disse q o tvotr foi fraco, mas capenga, pq eles tocaram sem os instrumentos da banda, que foram extraviados pela america airlines. entao eles tiverasm que comprar guitarras no dia do show, pegar emprestado partes do equipamento do thievery corporation e dois dos musicos ficaram sem fazer nada, pq eram o tecladista e o percussao, que nao havia no palco...

resist said...

ok tom. entendi. tava interpretando de outra maneira mas agora captei vossa mensagem..

alias, acho q o tvotr foi mal encaixado. tinha tudo pra fazer uma boa dobradinha no main stage com o yyy's visto q integrantes da banda ja produziram videos e discos deles.

problema recorrente em festivais no brasil..

Carlos Guarany said...

Baixei o show do Daft do Coachela filmado da platéia. O som tá ruim, a camera treme, não é para menos, mas deu para sentir o vibe. Realmente é tudo mixado o tempo todo, vários inserts e improvisações. Mas tão dizendo que todos os shows são iguaizinhos sugerindo que seria tudo gravado e os caras só ficam encenando. Será? Não acredito pois seria uma coisa fácil de descobrir pois hoje tudo que show se acha na internet. Anyway tb não me importo, pois acho que show de e-music é experiência em todos os sentidos. Primeiro Free/TIM que eu perco :(

Gustavo Ramos said...

Na média eu dou uma nota 6,5 para o tim na marina. Acho q teve alguns problemas sendo o transporte o pior, na minha opinião. Eu fui no sábado assistir Patti Smith e yyy's. A minha ida foi tranquila, fui de taxi. Mas a volta foi dificil. Tinha uma fila enorme para pegar um taxi. Não tinha nenhum tipo de transporte alternativo. O fábio fernandes citou q havia vans fazendo o transporte para lugares estrategicos, mas eu não as vi em momento algum. Tive q ir andando até a Glória para pegar um onibus. Não vi nenhum policiamento ao redor. Nada. Mto mal iluminado.
Qnto a organização interna, achei a area interna bacana. Mas fazendo algumas ressalvas. A area motomix, estava mto mal localizada. Na saida vc tinha q obrigatoriamente passar por ela. Um perrengue!
O som do palco lab(acho q era esse o palco mais próximo) vazava direto no palco stage. Principalmente durante o show da Patti Smith. isso era bastante incomodo. Achei mto legal os banheiros no palco stage. Mto criativo a decoração.
Já os shows q assisti. Gostei do Mombojó, cumpriram o seu dever, fazendo um show bastante correto, mas prejudicado um pouco no ínicio devido ao som.
Patti Smith, o melhor show da noite, na minha opinião. Um pouco curto e com alguns problemas no som tb. Ela ainda possue carisma apesar da idade. Mas faltou "rock n roll nigger" e "Dancing barefoot".
Fiquei decepcionado com yyy's. Achei o som ruim. Achei Karen O mto fake. Enfim, foi o q o bernardo araujo diz hj no segundo caderno:"a presapada ganha da música de goleada".

Vander said...

daft punk isplaying in my head pelo altura do som,

aq em sampa minhas preferencias foram:

1) YYYs num show sensacional, Karen possuída, deitou e rolou, só faltou tocar cheated hearts mas tudo bem;

2) TV on the radio, que nem gosto muito dos discos mas ao vivo eles são foda, faltou somente mais som,~

3) daft punk foi bom mas nao me causou muito impacto com seus robos e parafernalia, terminaram distribuindo beijos pra galera

4) my chemical Olodum ou Thivery eu achei merecida a vaia pelo atraso, um show bem tocado, com qualidade, mas aproveitei pra procurar o cara da cerveja

5) mombojo eu realmente nao entendo

Rocha06 said...

Bom, já que ninguém falou muito sobre o assunto, cabe a mim a tarefa: o que foi a Patti Smith?? Não conhecia muitas músicas, só os hits. Mas passei mal. Além de ela ter uma puta voz e uma puta presença de palco, tava de ótimo humor e deu alguns dos discursos mais incensados que eu já vi num palco. Roqueiro adora se mostrar politizado e tal mas a maioria desses discursos soa muito forçado. Os dela não. Já acertou começando o show com Gimmer Shelter dos Stones. Hipnotizou a platéia toda.

O YYYs, que fizeram um showzinho marromeno(e o som tava totalmente estourado) é que deveriam ter aberto pra ela.

Felipe Passarelli said...

Fala Tom!!!!

Putz, primeiro tenho que dizer que foi O MELHOR DOMINGO DE TODA A MINHA VIDA. (Voce deve imaginar todos os motivos, inclusive no Brasil, sacou né???):D

Surpresa para DJ Shadow que fez um show impecável, viajei pacas, foi lindo. A mesma vibe que você disse ter sentido no Daft Punk, tive lá na frente ontem no Beastie Boys.

Eles são OS CARAS MESMO, nossa, mesmo sabendo o que ia rola, tem improvisos, as conversas, satiras, informalidade, enfim tudo que um show diferente mais de responsa pode fazer.

Definitivamente o melhor dia do Tim Festival, quase chorei de felicidade, ainda de quebra teve Caetano sendo "Rocker" e saindo ovacionado pela platéia basicamente de 25 anos a 30, uma platéia jovem, coisa que ele mesmo deve ter ficado surpreendido. Lindo demais, nunca tinha asssistido a um show de Caetano, e fiquei apaixonado, pelo menos por essa faze mais rocker, tipo ele é um puta frontman, e sabe FAZER AO VIVO!!! Chicoteou o DEVENDRA!!!!

Sabado não vi Patti Smith, mas gostei muito do TV on the Radio, foi um show honesto, pq eles podiam fazer o show sem falar que tinham perdidos os equipamentos, mas deve ter prejudicado mesmo, som estava ruim. YYY foi OK, muito curto o show nada demais, mais foi bom ver a Karen-O. Mombojó foi lindo também COMO SEMPRE.

Bonde do Rolê foi outra surpresa, gostei mesmo, gosto muito da Marina, super fofa, tem carisma no palco, e eles ainda vão crescer muito anda, adorei o Mesh up com a Tiêta!!! Me diverti muito!!!! Ainda peguei a camisa que eles jogaram!! :)

Thievery Corporation foi macumba pra gringo ver, como disseram, não sabia do sucesso deles aqui, inclusive entre os plays e patricias, mas foi um momento de eu relax e deitar na arquibancada. Os albuns, pelo menos do que vi, são bem melhores d que o que vi ao vivo.

Depois tb teve Pet Duo me acabei, e ontem camilo rocha acabou a noite com um acid electro lindo, dancei até a ultima musica.

Teve mais erros e acertos, gostei muito do Tim Festival mas vou fazer meu top aqui:

1 - Beastie Boys
2 - Daft Punk
3 - Amadou e Marian
4 - DJ Shadow
5 - YYY
6 -TV on The Radio
7 - Mombojó
8 - Bonde do Role
9 - Caetano
10 - Thievey Corporation

Foi mais ou menos assim a ordem de shows que curti.

é isso ai tom, foi no domingo também??? Não comentou nada ainda! :)

Abraços! 3 MCS AND ONE DJ ONLY!!! :)

fabio fernandes said...

sou mais um que não entendeu muito bem tv on the radio não tocar no mesmo palco que yyy, ficou realmente estranho eles ensanduichados entre bonde do rolê (que gosto até um poucos mais do que o css) e thievery corporation.
piadinha: acho que sei pqe o tv on the radio decepcionou algumas pessoas, é pqe os caras viram todo o show do devendra, tava lá no meio da platéia. sem dúvida, deve ter rolado uma má influência do riponga em cima dos caras.
inclusive, o próprio devendra ficou prá lá e prá cá (antes do show) passeando normalmente, qqer um chegava e podia conversar na boa.

agora, pelo visto, o beastie boys fez um puta show, tal e qual no imperator, pena que não pude ir.

fabio fernandes said...

gustavo:
as vans estavam saindo da entrada principal, ali mesmo perto daquela fila imensa para o táxi. achei uma mão na roda, eram muitas vans e o serviço gratuito foi uma ótima sacada.

amanhã será transmitido um show do scissor na rede, no site global-cool.com.

iga_rio said...

Fala pessoal !!
Como eu esperava o Beastie Boys detonou!!!! assim com no Imperator os caras mandarm bem pra Kralho !!!! nada como um show do Beastie para lavar a alma... impecavel... o único porem foi o horario... por ser nun domingo bem que poderia come;car mais cedo...

Abraços,

ricabel said...

caraio. beastie boys foi inesquecível. du caralho ver o tim fest, um evento de público nariz pra cima, perdendo a linha e caindo no bailão. o clima ali na rodinha tava especial pra cacete. só nego de 25 anos pra cima, pulando, se abraçando, se acabando, emoção demais. era gente que passou a pré e a adolescência venerando o trio. parada anos 90 total, me senti no saudoso imperator. os caras ainda reservaram umas pérolas: brass monkey, shake your rump, eggman e, claro, o hino: NO SLEEP TIL BROOKLYN. essa noite tá marcada na cachola e não se apaga nunca mais.

Gustavo Ramos said...

Valeu, Fabio Fernades. Mas mesmo assim esse serviço de van não foi divulgado, pelo menos por lá, não vi nenhum tipo de placa. Mas um ponto negativo da organização.

fabio fernandes said...

chato é ler na coluna gente boa uma situação que a gente vê acontecer direto: preta gil chega com 9 acompanhantes (obviamente todos sem ingressos) ao tim festival e, logo depois, todos estão lá dentro com as pulseiras que dão direito aos shows ...
quero dizer que é chato ver um monte de vips "sem-noção" que não tem a mínima idéia de quem tá se apresentando desfrutar das regalias de ser "famoso" ...

tom said...

o broder e coveiro residente bruno natal me pediu pra postar isso:

sergio luis,

fiz uma montagem com suas fotos e usei pra ilustrar minha resenha no URBe (www.gardenal.org/URBe).

dei crédito e link para o seu flickr. se não gostar da idéia, dá um toque que eu retiro a foto.

abs!

bruno natal.

tom said...

sabe e o que é pior dessas ditas "celebridades"? alem de nao ter noção do que vao ver, vao apenas pra aparecer e falar alto na orelha dos outros. alem do mais, esses putos tem grana, mas nao pagam pra entrar em nada, muitas vzs tomando o lugar de quem poderia ter comprado o ingresso. e ainda tiram marra. é triste.

Felipe Passarelli said...

Pô essa é a bad total mesmo Tom.

Várias vezes me deparo com artistas ali para serem fotografados e dar " a voz e opnião sobre o show", porquê na cabeça de muita gente, o que importa é o pensamento deles, como no caso lá que eu li da Sandra de Sá, que achou legal o Daft Punk, mas conheceu no dia anterior ouvindo um remix de "Michael Jackson" (????????)

Porra, existem tantos amantes de musica que a mídia se quer da valor e essas declarações desses pregos ficam como uma vizão do show em geral, pq tem colunas que só falam o que eles pensam.

Vi a Globo inteira, um ponto positivo é que você esta dançando e vendo entre elas e nem sempre rola aquele fanatismo, reconhece olha mais dança como todo mundo, como mais um.

Mas essa parada de entrar pra ficar In é coisa mais ridiculas que acontecem no Brasil (Mas será que é só aqui Tom, lá fora não rola isso??), vide Rolling Stones, com uma farta area vip, com pessoas com o prego do Dado "Dollar"bella falando que conhecia satisfaction só mais é muito bom.

Isso me irrita profundamente, as vezes um fã de uma vida, que tem todos os discos, e trabalhou dobrado pra conseguir comprar um ingresso e outros dado de bandeja, só falta passar a famosa bandeja de pó da rede globo pra eles cheirarem sinceramente.

Nós amantes e que pelo menos entendemos bastante de musica ficamos constrangidos realmente, mas será que tem solução?? A Hierarquia da Fama não seria eterna??

É dificil, mas os atores de novela parecem ter sangue nobre, mas não é isso.

Acho dificil mudar esse rumo, se vc tiver propostas Tom, coloca ai....

Abraços! Happy Haloween!! ho ho ho ho!! (parece papai noel hauahauha)

Sergio Luiz Valle said...

Oi Tom, coloquei o link pra Cova lá em todas as fotos do DPunk, valleu!

Oi Bruno espero que esteja bem!
Beleza, ficou otimo!
Tudo certo amigo pois vc colocou/atribuiu
o link para as minha fotos.

Eu leio o UrBe mas não tinha lido ainda
sobre o Tim!

Abração
Sergio

NA CIDADE

JULIANAS:

casas & shows: Circo Voador 18 – Metá Metá / Rakta 19 – Roberta Sá  20 – Testament (EUA) 25 – Johnny Hooker 26 – O Baú do Raul – 25 Anos: Marcelo Nova / Mauricio Baia / B.Negão / Chico Chico / Karina Buhr / Rick Ferreira / Vivi Seixas

Fundição Progresso 18 e 19 – Novos Baianos 25 - Mitchell Brunnings (HOL) / Orquestra Brasileira de Música Jamaicana 26 – Festival RapRJ 7: Cone Crew Diretoria / Luccas Carlos / Froid / 1Kilo / ADL – Participação: Ducon / Modestiaparte – Participação: Liink & Buddy Poke

Teatro Rival 18 – Festa La Cumbia 19 - Afrojazz - Participação: Larissa Luz & Jesuton 23 - Michael Sweet (Stryper) & John Schlitt (Petra) 24 - Júlia Bosco & Emerson Leal & Gustavo Macacko – Participação: Mart´nália & Simone Mazzer 25 – Alma Thomas 26 – Jay Vaquer 50 meia Setor A, 40 meia Setor B, 30 meia Lounge 30 – Cabaré Diferentão

Teatro Riachuelo 29 – Paulo Ricardo Teatro Odisseia 18 – Ordinária - Baile do Lindote: Molejo 24 - The World is a Beautiful Place & I am No Longer Afraid to Die / gorduratrans / E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante  26 - Esteban Tavares / Sheffield 

Vivo Rio 18 - Postmodern Jukebox (EUA)  19 – Barão Vermelho 20 – Roy Hargrove & Roberta Gambarini 25 - Jacob Collier (ING) 

Baratos da Ribeiro (Botafogo) 19 – Vespeiro: Marcelo Perdido / Real Sociedade / O Branco e o Índio 26 - Vespeiro: Tacy de Campos / Jonnata Doll & Os Garotos Solventes

Estúdio Hanói (Botafogo) 18 - Nativity in Black Fest: Justabeli (SP) / Dark Tower / Profane Art  19 - Festival Nativity in Black: Justabeli (SP) / Dark Tower / Profane Art  27 - Back To Hanoi Metal Fest: Forkill / Unmasked Brains / Evil Inside / Savant  30 - Rectal Smegma (HOL) / Uzômi / Baga  Audio Rebel 16 – Quintavant: Thiago França: Sambanzo 17 – Quintavant: Thiago França: Space Charanga Quarteto 18 - Jair Naves & Britt Harris / Kasparhauser 19 – Quintavant: Ava Rocha 20 - Homenagem a John Coltrane (Widor Santiago, Sergio Barrozo, Adaury Mothé, Didac Thiago, Roberto Rutigliano) 23 – Quintavant: Hans Koch (SUI) - Participação: Bella, Thomas Rohrer, Cadu Tenório, Antonio Panda Gianfratti 24 – Quintavant: Hans Koch (SUI) - Participação: Thomas Rohrer, Antonio Panda Gianfratti 30 – Quintavant: AJJA (Pedro Calmon & Alex Frias)

Espaço Sérgio Porto 18 - Marcio Lugó / Capela  24 - Mulheres de Buço 25 - Whipallas 31 - CEP 20.000

Sala Baden Powell 16 - Donatinho: Homenagem a João Donato - Participação: Ithamara Koorax, Wanda Sá, Cris Delanno, Amanda Bravo, Ricardo Silveira 19 - Quarteto do Rio 23 - Lúcia Menezes 26 - Marcel Powell - Homenagem a Baden Powell - Participação: Thais Motta, Ithamara Koorax, Gabriel Aquino, Amanda Bravo, Dilma Oliveira 27 - Dorina Canta Aldir Blanc 30 - Eliana Pittman

Theatro Net Rio 16 – Laila Garin & A Roda 22 – Paulo Miklos 12/09 Simone Mazzer

Beco das Garrafas Casa de Cultura Laura Alvim 09 e 10 – Festival Levada: Luísa Maita 15 – Katerina Polemi 16 e 17 – Festival Levada: Apanhador Só 23 e 24 – Festival Levada: Bruna Mendez 30 e 31 – Festival Levada: Tamy

Teatro Ipanema 15 - A.Nota: Sambas do Absurdo (Juçara Marçal & Rodrigo Campos & Gui Amabis) 16 - Aíla (PA) – Participação: Posada 17 - Ana Frango Elétrico / Thiago Nassif 18 - Amora Pêra 22 - A.Nota: Marcelo Vig & Marcos Suzano

Teatro Café Pequeno 17 - Lu Dantas & Natália Boere 24 - Marcos Oliveira 31 - Filtra

Metropolitan 24 – Hanson (EUA) 26 - Lindsey Stirling (EUA) Teatro Bradesco 18 – Leo Jaime 24 – Almir Sater

Teatro Municipal de Niterói 18 e 19 – Roberta Campos 22 – Clube do Choro Homenageia Noel Rosa 24 – Quarteto do Rio

Planet Music (Cascadura) 18 - Torture Squad / Hatefulmurder / Reckoning Hour / Warcursed  19 - Black Days (SP) / Sheffield / Amsterdan / LaVille  26 - Festival Invasão Underground 2: Inversa (SP) / Maieuttica / Adrift / Tormentta / The Last Whale 

Imperator 16 - Quartas Brasileiras: Tia Surica - Tributo a Clara Nunes - Participação: Nilze Carvalho, Ana Quintas, Mariene de Castro 22 – Jazz Pras Sete: Folakemi Duo 23 – Maurício Mattar – Participação: Alexandre Pires 24 - Homenagem a Dalva de Oliveira: Amelinha, Zezé Motta, Dóris Monteiro, Leny Andrade, Rita Beneditto, Áurea Martins, Agnaldo Timóteo, Simone Mazzer, Zé Renato, Eliana Pittman, Rosa Maria Colyn, Luciene Franco, Ellen de Lima, Ataulfo Alves Jr, Gottsha 30 – Agnaldo Timóteo 31 – Samba do Imperator: Grupo Arruda, Marquinhos de Oswaldo Cruz, Arlindinho

Centro de Referência da Música Carioca Artur da Távola (Tijuca) 16 – Coletivo Samba na Rua 17 – Quinta Instrumental: Jimmy Santa Cruz 18 – Victor Mus 19 – Danilo Caymmi 23 – Fábrica Nômade Sonora 24 – Quinta Instrumental: Carlos Café 25 – Laura Zennet 26 – Quarteto do Rio 30 – Projeto Vitrola

FM Hall 23 – Manu Gavassi (grátis) 29 – Illy (grátis)

La Esquina (Lapa) 17 - Red Mess / Blind Horse / Stoned Jesus 24 – Mobile Drink

Smokey Rio (Lapa) 19 – Festa Rio Vinil Clube 26 – Bel Almeida Ganjah (Lapa) 18 – Duda Brack & Thiago Ramil 23 – Festa HempFyah: Rafyah Dread & Hempfield DubLab / Lion Dornellas / André Pfefer / Tagu Selectah Vibration 25 - Azul Casu & 3 du Mar

Casa de Baco (Lapa) 17 – Gafieira Pé de Louro 19 – Relógio de Dalí 24 – Joyce Cândido

CCBB 18 - Festival CCBB - Quanto Mais Tropicália, Melhor: Pato Fu / Céu – Praça do Centro Cultural dos Correios (22h – R$ 20) 19 - Festival CCBB - Quanto Mais Tropicália, Melhor: Pedro Luís & A Parede / Tom Zé – Praça do Centro Cultural dos Correios (22h – R$ 10)

Quintas no BNDES 17 - Byafra: 35 Anos de Sucesso 24 - Luiza Borges 31 - Tarita de Souza

Circuito SESC 16 – Copacabana: Philippe Baden Powell & Quarteto Ludere: Baden Powell 80 Anos 18 – Niterói: Clara Gurjão 26 – Engenho de Dentro: Clara Gurjão Circuito SESI 26 – Duque de Caxias: Tiê 25 – Jacarepaguá: Tiê _____________________________________________________________

mixx: 18 - Carmen Blues – Bar Kunin / Vila Isabel 18 – Sara & Nina – Olho da Rua / Vila Isabel 18 - Ronaldo Diamante – TribOz / Glória 18 - Wake the Dead Festival: Surra (SP) / Rats / Der Baum (SP) / Nove Zero Nove – Clube Mageense / Magé 18 – RaggaBrass – Boulevard Olímpico / Praça Mauá 18 - O Rappa - Tour de Despedida – Quadra da Grande Rio / Duque de Caxias 19 - Insurgente Rock Festival: Maieuttica / Ágona / Born2Bleed / Melyra / Forkill / Negah – Caixa de Surpresa / Bangu 19 - Breaking Bad - A Festa: Cervical / Controle / Mau Presságio – Buffallos Bar / Méier 19 - Festa RapSoul 5 Anos: Rael – Armazém / Praça Mauá 19 - Akira Presidente – Espaço BF / Mesquita

20 - Caxias Hell Festival: Velho / Justabeli (SP) / Dark Tower / Gutted Souls / Unnature / Vicious – Lira de Ouro / Duque de Caxias 25 - Bloco Fanfarra D´Águas – Praça das Nações / Bonsucesso 25 - Rogério Caetano - Participação: Hamilton de Holanda – Eco Som / Botafogo 25 - Arraiá do Bloco Vem Cá, Minha Flor – Feira de São Cristóvão

LEO JAIME LEO "GUANABARA" JAIME Com mais de 30 anos de carreira, Leo Jaime experimenta momentos de grande intensidade em sua vida profissional. Além da obra consagrada, como cantor e compositor, o artista está sempre atuando em novos projetos. Humor, interpretações arrebatadoras, inteligência e versatilidade são as marcas deste artista que apresenta ao publico carioca, no dia 18 de agosto, no Teatro Bradesco Rio, o espetáculo “Leo “Guanabara” Jaime”. No show ele relembra seus grandes sucessos musicais e as histórias por trás das canções e dos bastidores do Rock Brasil

PROGRAMAÇÃO BLUE NOTE JAZZ CLUB RIO (ONDE ERA A MIRANDA, NO COMPLEXO LAGOON, NA LAGOA, LADO LEBLON):   07/09 - Quinta-feira 20:00 Maceo Parker 22:30 Maceo Parker   08/09 – Sexta-feira 21:00 Maceo Parker 23:30 Maceo Parker   09/09 – Sábado 21:00 Sergio Mendes 23:30 Sergio Mendes   10/09 – Domingo 20:00 Sergio Mendes 22:30 Sergio Mendes   13/09 - Quarta-feira 20:00 Jaques Morelenbaum convida   16/09 – Sábado 21:00 Baby do Brasil 23:30 Baby do Brasil   17/09 – Domingo 20:00 Baby do Brasil 22:30 Baby do Brasil   20/09 - Quarta-feira   20:00 Jaques Morelenbaum convida   27/09 - Quarta-feira 20:00 Anne Paceo 28/09 Quinta-feira   20:00 Orquestra Atlântica 22:30 Orquestra Atlântica    Outubro   04/10 - Quarta-feira 20:00 Ala.Ni 05/10 – Quinta-feira 20:00 Chris Botti 22:30 Chris Botti  06/10 – Sexta-feira 21:00 Chris Botti 23:30 Chris Botti    07/10 – Sábado 21:00 Chris Botti 23:30 Chris Botti    08/10 – Domingo  20:00 Chris Botti 22:30 Chris Botti  11/10 - Quarta-feira 20:00 Teresa Salgueiro 22:30 Teresa Salgueiro    12/10 – Quinta-feira 20:00 Teresa Salgueiro 22:30 Teresa Salgueiro    20/10 – Sexta-feira 21:00 Chick Corea & Steve Gadd Band 23:30 Chick Corea & Steve Gadd Band   Novembro 02/11 Quinta-feira 20:00 Spyro Gyra 22:30 Spyro Gyra   03/11 Sexta-feira 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   04/11 Sábado 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   15/11 Quarta-feira 20:00 Laura Perrudin   16/11 Quinta-feira 20:00 Didier Lockwood Trio 22:30 Didier Lockwood Trio

ULTRA BRASIL ANUNCIA A PHASE 1 DE SEU LINEUP PARA A EDIÇÃO 2017: ADAM BEYER, ALESSO, ARMIN VAN BUUREN, DAVID GUETTA, JAMIE JONES, JOSEPH CAPRIATI, SASHA & JOHN DIGWEED e THE MARTINEZ BROTHERS SERÃO HEADLINERS FESTIVAL ACONTECE NOS DIAS 12, 13 E 14 DE OUTUBRO NO SAMBÓDROMO DO RIO

_______________________________________________________ CURSOS DE AGOSTO no Estação NET Botafogo    - História do Cinema Independente Brasileiro, com Cavi Borges    - Ancine e o fomento ao audiovisual brasileiro, com Julio Augusto Zucca    - Cinema Afrodisíaco? O sexo na tela, com Dodô Azevedo

Circuito Estação NET de Cinema e Cinemateca do MAM apresentam: Exposição CINEMA EM CASA: Equipamentos do acervo da Cinemateca do MAM. A partir de 23 de fevereiro, no Estação NET Botafogo de 23 de fevereiro a 23 de agosto 2017 Horário de visitação: 14h às 22h Entrada franca

DISTOPIAS BRASILEIRAS NO CINEMA A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 15 a 27 de agosto de 2017, a mostra cinematográfica Brasil Distópico, que traça um panorama da produção nacional sobre as distopias. Para a programação, os curadores Luís Fernando Moura e Rodrigo Almeida selecionaram 37 curtas e longas-metragens que imaginam diferentes futuros sombrios para o país, entre clássicos da ficção-científica brasileira e obras menos conhecidas.  Na programação, filmes como O quinto poder (1962), de Alberto Pieralisi, e Brasil ano 2000 (1969), de Walter Lima Júnior. Outras incorporam as convenções da ficção científica, encenando a ameaça nuclear e o colapso do planeta, como Parada 88: o limite de alerta (1978), de José de Anchieta; e Oceano Atlantis (1993), de Francisco de Paula. Há, ainda, aqueles que instalam o cinema de gênero em imaginários locais do Brasil, como é o caso de Abrigo nuclear (1981), de Roberto Pires; e Areias Escaldantes (1985). ESTE ULTIMO, TRAZ NO ELENCO, VARIOS NOMES E BANDAS DO ROCK BRASIL DOS ANOS 80, COMO LOBÃO, TITÃS, E TEMA-TITULO DE LULU SANTOS.

DEIXA NA RÉGUA: O filme estreia no dia 10 de Agosto no INSTITUTO MOREIRA SALLES com sessões às 16h e 20h e no CINE SANTA com sessão às 17h10. Deixa Na Régua. Direção: Emílio Domingos. Produção: Osmose Filmes. Documentário. Brasil. 73 minutos.

COM SESSÕES LOTADAS EM ALGUMAS CIDADES, UCI ABRE MAIS SALAS PARA “DAVID GILMOUR: LIVE IN POMPEII” E AGORA APRESENTA A EXIBIÇÃO EM XPLUS  Ingressos já estão à venda e o público poderá conferir o show também com o poderoso som Dolby Atmos em 360º



BLITZ AO VIVO: No embalo do lançamento do álbum 'Aventuras 2', Evandro Mesquita e sua Blitz finalizam seu quarto DVD, gravado no Circo Voador em abril, para lançamento em outubro. A banda está a todo vapor, com presença confirmada no próximo Rock In Rio e tem turnê pelos Estados Unidos confirmada em fevereiro de 2018

FESTIVAL DE CINEMA DA NOVA ZELANDIA

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers