Pages

Saturday, December 17, 2005

THERE'S NO RAVE ANYMORE

tava revendo em dvd o doc 'better living through circuitry' (que passou numa mostra rio ha uns tres anos) e constatei algo q eu ja sabia, mas agora ficou claro. nao existe mais rave do jeito q se conhecia. no comeco e ate final dos anos 90, as pessoas iam a essas grandes celebracoes com musica eletronica so para se divertir, confraternizar e viajar. todo mundo se produzia, havia uma certa alegria infantil, era como uma grande volta a infancia, mas tbm servia para expandir a mente e fazer amizades. conheci muita gente legal em raves, alguns sao bons amigos ate hj, muitos continuam conectados mundo a fora (havia muitos estrangeiros e gente q se conhecia via internet só por causa do som e das festas). vendo as festas de hj e comparando com o q vi no doc, realmente nao ha mais nada em comum. passou na tv cenas de uma festa de psy que rolou no riocentro. e as pessoas: so playboy, gente nadave, visual micareta, sem nenhuma alegria no rosto ou com cara de quem estava celebrando. sao umas pessoas que so vao pra ficar doidonas e nem curtem muito o som ou o lance de se conectar com o outro. da impressao ate q se vc tentar isso pode acabar espancando por pits e pats. as drogas numa rave eram usadas de um modo pagao, para expandir a mente. hj é só pra ficar doidao e pronto. nao ha mais a menor vibe nessas festas que rolam aqui. nenhuma pessoa legal. onde elas estao? fechadas nos quartos, no computador?

15 comments:

fabio fernandes said...

concordo em gênero, número e grau sobre o público e sobre estes tipos de festas que ocorrem atualmente que não chegam nem aos pés do que acontecia há poucos anos atrás.
sobre a "rave" no riocentro (outra escalação inusitada: trance, mas tinha o marky ?!?), e a ação da polícia ... absurda.
é mais fácil prender os plays se drogando do que ir atrás dos traficantes, dos pms corruptos que usam o "caveirão" para sequestrar pessoas. a polícia e a mídia vão ficar martelando isso por uns dias: 28 presos em uma festa de música eletrônica (como passou no rjtv e no jornal da globo), o que ajuda mais ainda a enterrar a imagem deste tipo de festa.

Sandman said...

pq vc acha q eu nao vou mais???
pow,agora o pessoal so c preocupa em falar de bala, tirar uma onda, levar um lango lango
ou seja..aparecer
uma mulher do meu antigo trabalho adora raves
tem q ver, alem de maior micareteira, vive gastando a grana com drogas :(
dai conheci uns amigos dela e sinceramente achei o pessoal mto nada a ver
"madchester??"
o q??
ahh..to fora...hahaha

--------
pow tom, nao consigo a mais de duas semanas, ver o rio fanzine :(
tanto no pc da minha casa quanto em outros pcs
o link das materias sempre da erro
ta acontecendo com mais alguem???

Felipe Passarelli said...

ótimo tópico tom, tipo estava comentando isso agora com um amigo, muita coincidencia!

Até akele play do bbb, Marcelo Dourado foi preso sinistroooooooo......

Rave aqui chegou depois dos clubes, acho que a primeira foi o festival das tribos, que foi foda, depois bunker rave (só de lembrar do Laurent Garnier fico arrepiado).

Rave mesmo de conexão, reflexão, misticismo e onde se encontra tudo e todos rolavam em goiás, brasilia, minas, em fazendas em são paulo, até em paraty numa ilha eu fui com praia privé e tudo foi a celebra lindo, essa fase rave durou entre 1999-2003, onde a rave era rave. Saiam 4 onibus lotados daqui pros lugares mais inusitados. Lugares lindos pelo brasil, cachoeiras, pessoal nadando pelado, na maior paz e fiz amizade com o pessoal do brasil inteiro e galera gringa (muito israelense)que agradeço ate hoje por ter conhecido.

Sem policiais, sem ninguem pra encher o saco, um ajudando o outro, gastando, mesmo sendo psy foi rave, e quem ia conhecia os djs e as musicas como eu conhecia, atigamente era fanático, gostava muito de full on.

Quaaaaaaase fui nessa festa, ainda bem que não fui, isso não é rave é festa, pra mim lugar cercado de policiais não é rave, fora a paranóia que da dos caras te revistarem e tal, to fora, pelo menos de psy, que ja esta mais do que manjado.

O encartizinho do Gilted generation do Prodigy mostra realmente como era, aquela foto é demias, da ponte sendo cerradas, com os policiais

OBS: TOM,

Vc já chegou a ir a alguma rave no brasil ou só la fora?

Quais Raves que voce foi e quem eram os DJa principais?

Abraços

iga_rio said...

Fala Tom,

OFF TOPIC:
Deu ontem na MTV que o Fraz Ferdinad foi confirmado como banda de abertura dos shows do U2 no Chile !!!!
Vc sabe alguma coisa a respeito Tom ???

Abraços,

Felipe Passarelli said...

tom vc se esqueceu de responder o que te perguntei acima. to no stand by abs

tom said...

sandman, ja reclamei com o pessoal que cuida do online e eles disseram que estavam tendo problemas no servidor. mas ja era pra ter acertado. bisarei a reclamacao. e vcs tbm podem fazer o mesmo.

felipe, a primeira rave no rio foi a love galaktika, na fundicao, feita por um alemao so com djs alemaos (marushka e mais dois). teve duas. mas, na epoca, nao rolou. chegou antes do tempo (aqui), meados de 1997. a primeira rave q fui, foi la fora, for real, em londra 88, no boca a boca mesmo (raver), tinha q ligar prum numero pra confirmar o local e tudo. e depois numa festa de galpao em ny. na epoca o mdma era do tamanho de um cebion!!! dava pra quatro! :-) e o clima era friendly total. o sonho acabou, de novo...

mas a melhor q fui, ja em 94, foi numa praia nos eua com the orb ao vivo, ja contei isso aqui. foi perfeita. o legal era q tinha policiais fazendo drug test na porta pra vc n tomar parada errada (!) e vendiam tbm maconha e ecstasy herbais, tudo civilizado, sem esse clima de terror, mas tbm sem essa galera que nao sabe usar. venda e exageros nao eram tolerados. mas eu fiquei so na agua, pq o cheiro de chas e ervas em geral me enjoam, vomito na hora esses lances (rs)

bruno lima said...

fala tom

eu tb concordo contigo. e eu q achava q só era nessas festas com hip hop americano de péssima qualidade q apareceriam essas figuras. e eu tb naum curto muito essas coisas de psy trance, astrix, infected mushroom, etc...eu to ouvindo o cd q vem nessa mixmag de dez e está excelente. house de primeira qualidade.

eu acabei de comprar o novo cd de singles do new order e vale a pena ouvir tom a faixa temptation remixada do secret machines. muito bom.

abs.

Felipe Passarelli said...

po que foda em tom, esse teste era feito esse pelo site dancesafe.org?

Via sempre lá antes de comprar o md rs (hoje em dia nos usa e canada, não vendem mais o E como conhecemos, por desenhos, agora somente em capsulas e 100% pure, dando assim mais garantia e satisfacion, converso direto sobre isso com neguinho de fora, e o que a gente fuma eles chamam "brown horse puppy", lá só skunk, sonho!
rs)

Me lembro dessa Galatika sim Tom, se não me lembro saiu ate no rf anos atras, mas foi num galpão, falo de raves de acampar no meio do mato, bem voodoo people mesmo, diz as lendas que aqui começou na bahia, em trancoso (me falaram que é uma loucura o local, to muito afim de conhecer).

OBS: Aproveitando o link, queria que se vc pusesse, me indicasse uns DVDs de Show pra comprar Tom, já ganhei o do Audioslave - Live in Cuba (recomendo) e o do U2 Vertigo Tour. To com milhões de amigo ocultos e estou sem idéia alguma. Pode dar um help aí de Lançamentos bons de 2005 que vc tenha visto e que tenha lançado aqui? abs!

fabio fernandes said...

ainda tenho o flyer da love galaktika, guardado aqui em casa. lembro tbém das festas da valéria (valdemente) e qdo a bitch surgiu no tivoli, se não me engano.

tom said...

rave no mato, as primeiras no brasil foram a avonts em sp e tbm umas no vale do amanhecer em brasilia, na comunidade rajneesh. e rolavam tbm algumas na bahia. no rio a bunker deve ter sido a primeira, pelo menos a ser divulgada oficialmente. mas aqui ja comecou errado, pq rave de fato nao se divulga na midia, so no boca a boca (rave) e aconteciam muuito longe dos centros urbanos, num esquema meio de mutirao. nunca tivemos essas aqui... bom, houve uma epoca que rolavam umas festas na praia, na reserva, feitas a base de geradores, so ia quem sabia, isso tava mais perto do espirito raver

tom said...

felipe, ja tentei baixar 'hey dj', mas a unica torrent q achei tava morta, sem semeadores. vc tem algum link? o cartaz é bacana...

Felipe Passarelli said...

Tom se cadastra nesse site, é o melhor de lançamentos de filme.

http://www.tus-kvcd-group.org

(TUS: The Usual Suspects rs)

Peguei o Hey Dj lá

o site é da inglaterra,
Tipo, sempre tem a novidade da semana seguinte por exemplo, e é em KVCD, tamanho de um CD, ou seja, varia de 700 a 800 mb, e a imagem é excelente. Não tenho gravador de DVD ainda nem um computador que suprte gigas de filme, esse é o melhor formato pra computador. Vejo no VLC Media tudo.

Fodz que peguei esse habito, baixo um filme, vejo, deleto e já estou surfando em outro torrent de filmes! rs (blockbuster ta perdendo uma grana comigo rs)

Só quando o filme for muito bom vou ao cinema, vou ver king kong com certeza no cine, mas já me falaram que a bunda vai ficar quadrada de tanto tempo. rs

Abraços

tom said...

mas, independentemente dessa parada de ser rave ou nao, o que me deixa puto é que a imprensa sempre cai em cima qndo pegam quatro pilulas de E, um baseado amassado e seis frascos de lança universitario numa festa com mais de dez mil pessoas. tem muito mais 'drogas' numa micareta ou em qualquer baile de carnaval, mas nao dao o memso esatque. só pq é som eletronico. suposta rave?

Felipe Passarelli said...

a mídia (globo descaradamente) transformou a cena eletrônica em um demônio a ser combatido.

me lembro até hoje da primeira "batida" da Globo, em 2000 acho, que foi justamente no belissimo festival Celebra em Paraty, camping de 7 dias 24hs party music dont stop, aonde psy ainda era alternativo, mostrando as pessoas vendendo as coisas, rendendo uma semana de reportagem no jornal hoje (sim psy já foi alternativo um dia, as pessoas se abrassavam, curtiam a vida, viviam o momento, pensavam sobre a natureza)

depois do sucesso do psy, a coisa ficou grande, e foi crescendo progressivamente até como está hoje. milhões de traficas se interessaram pelo sucesso do ecstasy, que era restrito aos clubs como bunker, e festas da X, galpão etc e os consumidores também, muitos adictos, e com certeza filho de muita gente famosa se estragou em raves e alguem resolveu botar a boca no trambone.

o E foi a droga da classe média a partir de 2000.

Daí virou micareta mesmo.

cheio de pessoas ridículas que são as mesmas da micareta, não tiram nem o abadá meu deus!

sua pergunta acima, onde estão essas pessoas que entravam na onda e saiam:

a maioria não sai mais, fica no computador mesmo, estao ouvindo rock, saindo pra barzinhos, se casando, tendo filhos, até pq já não se dar pra se misturar com essa new school pq como vc disse se vc abraçar um cara no estado de felicidade, voce vai levar uma porrada linda.

o problema é essa nova geração que já pegou a onda errada de rave e de drogas, se drogam muito mais, fazem a mistura com a porra toda, o negócio é ficar doidão e pagar de rico pq usou tantas drogas (acompanho isso pq a mulekada toda do meu prédio ta nessa, nas épocas de hollywood rock nem sabia de ecstasy)

Esse "sonho" infelizmente acabou, virou um pesadelo e um big brother rave, qnd se acaba a liberdade não tem rave.

R.I.P para a palavra "rave" no Brasil

abs

Rafael Bernardi said...

TchÊ, por um muito acaso entrei na tua página e li toda a sequÊncia de posts sobre a indignação de vcs quanto ao que ocorre com a cena eletrônica aí na banda(território) de vcs.
Aqui quem vos escreve é apenas um humilde entusiasta da boa música e da vibração que ela nos passa.
Sou de Porto Alegre e infelizmente não acompanhei a tamanha energia que rolava nas primeiras raves.
Aqui na minha banda tiveram poucas com esse mesmo espírito com que com nostalgia escreves os posts acima. Algumas que rolaram em SC nas praias desertas e nos aparatos da serra aqui no RS estavam entre elas e sempre trouxeram sorrisos nos rostos de quem as lembram.
Mas hj em dia é impraticável ir em algum lugar onde a maldade não esteja imperando por todo o lado, chega até a dar um sentimento de medo quando se reflete que a probabilidade de que tudo isso piore é a mais provável.
Fui numa "RAVE" dessas na sexta feira por aqui, só pra terem uma idéia tinha uma medida judicial que impedia de o som atingir tantos decibéis ....onde já se viu isso?

Na realidade era isso, queria demonstrar um pouco da minha indignação com o que se passa. Até peço desculpas por invadir este espaço.
Fikem na paz!
Falei!
Fui!

NA CIDADE

JULIANAS:

casas & shows: Circo Voador 18 – Metá Metá / Rakta 19 – Roberta Sá  20 – Testament (EUA) 25 – Johnny Hooker 26 – O Baú do Raul – 25 Anos: Marcelo Nova / Mauricio Baia / B.Negão / Chico Chico / Karina Buhr / Rick Ferreira / Vivi Seixas

Fundição Progresso 18 e 19 – Novos Baianos 25 - Mitchell Brunnings (HOL) / Orquestra Brasileira de Música Jamaicana 26 – Festival RapRJ 7: Cone Crew Diretoria / Luccas Carlos / Froid / 1Kilo / ADL – Participação: Ducon / Modestiaparte – Participação: Liink & Buddy Poke

Teatro Rival 18 – Festa La Cumbia 19 - Afrojazz - Participação: Larissa Luz & Jesuton 23 - Michael Sweet (Stryper) & John Schlitt (Petra) 24 - Júlia Bosco & Emerson Leal & Gustavo Macacko – Participação: Mart´nália & Simone Mazzer 25 – Alma Thomas 26 – Jay Vaquer 50 meia Setor A, 40 meia Setor B, 30 meia Lounge 30 – Cabaré Diferentão

Teatro Riachuelo 29 – Paulo Ricardo Teatro Odisseia 18 – Ordinária - Baile do Lindote: Molejo 24 - The World is a Beautiful Place & I am No Longer Afraid to Die / gorduratrans / E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante  26 - Esteban Tavares / Sheffield 

Vivo Rio 18 - Postmodern Jukebox (EUA)  19 – Barão Vermelho 20 – Roy Hargrove & Roberta Gambarini 25 - Jacob Collier (ING) 

Baratos da Ribeiro (Botafogo) 19 – Vespeiro: Marcelo Perdido / Real Sociedade / O Branco e o Índio 26 - Vespeiro: Tacy de Campos / Jonnata Doll & Os Garotos Solventes

Estúdio Hanói (Botafogo) 18 - Nativity in Black Fest: Justabeli (SP) / Dark Tower / Profane Art  19 - Festival Nativity in Black: Justabeli (SP) / Dark Tower / Profane Art  27 - Back To Hanoi Metal Fest: Forkill / Unmasked Brains / Evil Inside / Savant  30 - Rectal Smegma (HOL) / Uzômi / Baga  Audio Rebel 16 – Quintavant: Thiago França: Sambanzo 17 – Quintavant: Thiago França: Space Charanga Quarteto 18 - Jair Naves & Britt Harris / Kasparhauser 19 – Quintavant: Ava Rocha 20 - Homenagem a John Coltrane (Widor Santiago, Sergio Barrozo, Adaury Mothé, Didac Thiago, Roberto Rutigliano) 23 – Quintavant: Hans Koch (SUI) - Participação: Bella, Thomas Rohrer, Cadu Tenório, Antonio Panda Gianfratti 24 – Quintavant: Hans Koch (SUI) - Participação: Thomas Rohrer, Antonio Panda Gianfratti 30 – Quintavant: AJJA (Pedro Calmon & Alex Frias)

Espaço Sérgio Porto 18 - Marcio Lugó / Capela  24 - Mulheres de Buço 25 - Whipallas 31 - CEP 20.000

Sala Baden Powell 16 - Donatinho: Homenagem a João Donato - Participação: Ithamara Koorax, Wanda Sá, Cris Delanno, Amanda Bravo, Ricardo Silveira 19 - Quarteto do Rio 23 - Lúcia Menezes 26 - Marcel Powell - Homenagem a Baden Powell - Participação: Thais Motta, Ithamara Koorax, Gabriel Aquino, Amanda Bravo, Dilma Oliveira 27 - Dorina Canta Aldir Blanc 30 - Eliana Pittman

Theatro Net Rio 16 – Laila Garin & A Roda 22 – Paulo Miklos 12/09 Simone Mazzer

Beco das Garrafas Casa de Cultura Laura Alvim 09 e 10 – Festival Levada: Luísa Maita 15 – Katerina Polemi 16 e 17 – Festival Levada: Apanhador Só 23 e 24 – Festival Levada: Bruna Mendez 30 e 31 – Festival Levada: Tamy

Teatro Ipanema 15 - A.Nota: Sambas do Absurdo (Juçara Marçal & Rodrigo Campos & Gui Amabis) 16 - Aíla (PA) – Participação: Posada 17 - Ana Frango Elétrico / Thiago Nassif 18 - Amora Pêra 22 - A.Nota: Marcelo Vig & Marcos Suzano

Teatro Café Pequeno 17 - Lu Dantas & Natália Boere 24 - Marcos Oliveira 31 - Filtra

Metropolitan 24 – Hanson (EUA) 26 - Lindsey Stirling (EUA) Teatro Bradesco 18 – Leo Jaime 24 – Almir Sater

Teatro Municipal de Niterói 18 e 19 – Roberta Campos 22 – Clube do Choro Homenageia Noel Rosa 24 – Quarteto do Rio

Planet Music (Cascadura) 18 - Torture Squad / Hatefulmurder / Reckoning Hour / Warcursed  19 - Black Days (SP) / Sheffield / Amsterdan / LaVille  26 - Festival Invasão Underground 2: Inversa (SP) / Maieuttica / Adrift / Tormentta / The Last Whale 

Imperator 16 - Quartas Brasileiras: Tia Surica - Tributo a Clara Nunes - Participação: Nilze Carvalho, Ana Quintas, Mariene de Castro 22 – Jazz Pras Sete: Folakemi Duo 23 – Maurício Mattar – Participação: Alexandre Pires 24 - Homenagem a Dalva de Oliveira: Amelinha, Zezé Motta, Dóris Monteiro, Leny Andrade, Rita Beneditto, Áurea Martins, Agnaldo Timóteo, Simone Mazzer, Zé Renato, Eliana Pittman, Rosa Maria Colyn, Luciene Franco, Ellen de Lima, Ataulfo Alves Jr, Gottsha 30 – Agnaldo Timóteo 31 – Samba do Imperator: Grupo Arruda, Marquinhos de Oswaldo Cruz, Arlindinho

Centro de Referência da Música Carioca Artur da Távola (Tijuca) 16 – Coletivo Samba na Rua 17 – Quinta Instrumental: Jimmy Santa Cruz 18 – Victor Mus 19 – Danilo Caymmi 23 – Fábrica Nômade Sonora 24 – Quinta Instrumental: Carlos Café 25 – Laura Zennet 26 – Quarteto do Rio 30 – Projeto Vitrola

FM Hall 23 – Manu Gavassi (grátis) 29 – Illy (grátis)

La Esquina (Lapa) 17 - Red Mess / Blind Horse / Stoned Jesus 24 – Mobile Drink

Smokey Rio (Lapa) 19 – Festa Rio Vinil Clube 26 – Bel Almeida Ganjah (Lapa) 18 – Duda Brack & Thiago Ramil 23 – Festa HempFyah: Rafyah Dread & Hempfield DubLab / Lion Dornellas / André Pfefer / Tagu Selectah Vibration 25 - Azul Casu & 3 du Mar

Casa de Baco (Lapa) 17 – Gafieira Pé de Louro 19 – Relógio de Dalí 24 – Joyce Cândido

CCBB 18 - Festival CCBB - Quanto Mais Tropicália, Melhor: Pato Fu / Céu – Praça do Centro Cultural dos Correios (22h – R$ 20) 19 - Festival CCBB - Quanto Mais Tropicália, Melhor: Pedro Luís & A Parede / Tom Zé – Praça do Centro Cultural dos Correios (22h – R$ 10)

Quintas no BNDES 17 - Byafra: 35 Anos de Sucesso 24 - Luiza Borges 31 - Tarita de Souza

Circuito SESC 16 – Copacabana: Philippe Baden Powell & Quarteto Ludere: Baden Powell 80 Anos 18 – Niterói: Clara Gurjão 26 – Engenho de Dentro: Clara Gurjão Circuito SESI 26 – Duque de Caxias: Tiê 25 – Jacarepaguá: Tiê _____________________________________________________________

mixx: 18 - Carmen Blues – Bar Kunin / Vila Isabel 18 – Sara & Nina – Olho da Rua / Vila Isabel 18 - Ronaldo Diamante – TribOz / Glória 18 - Wake the Dead Festival: Surra (SP) / Rats / Der Baum (SP) / Nove Zero Nove – Clube Mageense / Magé 18 – RaggaBrass – Boulevard Olímpico / Praça Mauá 18 - O Rappa - Tour de Despedida – Quadra da Grande Rio / Duque de Caxias 19 - Insurgente Rock Festival: Maieuttica / Ágona / Born2Bleed / Melyra / Forkill / Negah – Caixa de Surpresa / Bangu 19 - Breaking Bad - A Festa: Cervical / Controle / Mau Presságio – Buffallos Bar / Méier 19 - Festa RapSoul 5 Anos: Rael – Armazém / Praça Mauá 19 - Akira Presidente – Espaço BF / Mesquita

20 - Caxias Hell Festival: Velho / Justabeli (SP) / Dark Tower / Gutted Souls / Unnature / Vicious – Lira de Ouro / Duque de Caxias 25 - Bloco Fanfarra D´Águas – Praça das Nações / Bonsucesso 25 - Rogério Caetano - Participação: Hamilton de Holanda – Eco Som / Botafogo 25 - Arraiá do Bloco Vem Cá, Minha Flor – Feira de São Cristóvão

LEO JAIME LEO "GUANABARA" JAIME Com mais de 30 anos de carreira, Leo Jaime experimenta momentos de grande intensidade em sua vida profissional. Além da obra consagrada, como cantor e compositor, o artista está sempre atuando em novos projetos. Humor, interpretações arrebatadoras, inteligência e versatilidade são as marcas deste artista que apresenta ao publico carioca, no dia 18 de agosto, no Teatro Bradesco Rio, o espetáculo “Leo “Guanabara” Jaime”. No show ele relembra seus grandes sucessos musicais e as histórias por trás das canções e dos bastidores do Rock Brasil

PROGRAMAÇÃO BLUE NOTE JAZZ CLUB RIO (ONDE ERA A MIRANDA, NO COMPLEXO LAGOON, NA LAGOA, LADO LEBLON):   07/09 - Quinta-feira 20:00 Maceo Parker 22:30 Maceo Parker   08/09 – Sexta-feira 21:00 Maceo Parker 23:30 Maceo Parker   09/09 – Sábado 21:00 Sergio Mendes 23:30 Sergio Mendes   10/09 – Domingo 20:00 Sergio Mendes 22:30 Sergio Mendes   13/09 - Quarta-feira 20:00 Jaques Morelenbaum convida   16/09 – Sábado 21:00 Baby do Brasil 23:30 Baby do Brasil   17/09 – Domingo 20:00 Baby do Brasil 22:30 Baby do Brasil   20/09 - Quarta-feira   20:00 Jaques Morelenbaum convida   27/09 - Quarta-feira 20:00 Anne Paceo 28/09 Quinta-feira   20:00 Orquestra Atlântica 22:30 Orquestra Atlântica    Outubro   04/10 - Quarta-feira 20:00 Ala.Ni 05/10 – Quinta-feira 20:00 Chris Botti 22:30 Chris Botti  06/10 – Sexta-feira 21:00 Chris Botti 23:30 Chris Botti    07/10 – Sábado 21:00 Chris Botti 23:30 Chris Botti    08/10 – Domingo  20:00 Chris Botti 22:30 Chris Botti  11/10 - Quarta-feira 20:00 Teresa Salgueiro 22:30 Teresa Salgueiro    12/10 – Quinta-feira 20:00 Teresa Salgueiro 22:30 Teresa Salgueiro    20/10 – Sexta-feira 21:00 Chick Corea & Steve Gadd Band 23:30 Chick Corea & Steve Gadd Band   Novembro 02/11 Quinta-feira 20:00 Spyro Gyra 22:30 Spyro Gyra   03/11 Sexta-feira 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   04/11 Sábado 21:00 Spyro Gyra 23:30 Spyro Gyra   15/11 Quarta-feira 20:00 Laura Perrudin   16/11 Quinta-feira 20:00 Didier Lockwood Trio 22:30 Didier Lockwood Trio

ULTRA BRASIL ANUNCIA A PHASE 1 DE SEU LINEUP PARA A EDIÇÃO 2017: ADAM BEYER, ALESSO, ARMIN VAN BUUREN, DAVID GUETTA, JAMIE JONES, JOSEPH CAPRIATI, SASHA & JOHN DIGWEED e THE MARTINEZ BROTHERS SERÃO HEADLINERS FESTIVAL ACONTECE NOS DIAS 12, 13 E 14 DE OUTUBRO NO SAMBÓDROMO DO RIO

_______________________________________________________ CURSOS DE AGOSTO no Estação NET Botafogo    - História do Cinema Independente Brasileiro, com Cavi Borges    - Ancine e o fomento ao audiovisual brasileiro, com Julio Augusto Zucca    - Cinema Afrodisíaco? O sexo na tela, com Dodô Azevedo

Circuito Estação NET de Cinema e Cinemateca do MAM apresentam: Exposição CINEMA EM CASA: Equipamentos do acervo da Cinemateca do MAM. A partir de 23 de fevereiro, no Estação NET Botafogo de 23 de fevereiro a 23 de agosto 2017 Horário de visitação: 14h às 22h Entrada franca

DISTOPIAS BRASILEIRAS NO CINEMA A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 15 a 27 de agosto de 2017, a mostra cinematográfica Brasil Distópico, que traça um panorama da produção nacional sobre as distopias. Para a programação, os curadores Luís Fernando Moura e Rodrigo Almeida selecionaram 37 curtas e longas-metragens que imaginam diferentes futuros sombrios para o país, entre clássicos da ficção-científica brasileira e obras menos conhecidas.  Na programação, filmes como O quinto poder (1962), de Alberto Pieralisi, e Brasil ano 2000 (1969), de Walter Lima Júnior. Outras incorporam as convenções da ficção científica, encenando a ameaça nuclear e o colapso do planeta, como Parada 88: o limite de alerta (1978), de José de Anchieta; e Oceano Atlantis (1993), de Francisco de Paula. Há, ainda, aqueles que instalam o cinema de gênero em imaginários locais do Brasil, como é o caso de Abrigo nuclear (1981), de Roberto Pires; e Areias Escaldantes (1985). ESTE ULTIMO, TRAZ NO ELENCO, VARIOS NOMES E BANDAS DO ROCK BRASIL DOS ANOS 80, COMO LOBÃO, TITÃS, E TEMA-TITULO DE LULU SANTOS.

DEIXA NA RÉGUA: O filme estreia no dia 10 de Agosto no INSTITUTO MOREIRA SALLES com sessões às 16h e 20h e no CINE SANTA com sessão às 17h10. Deixa Na Régua. Direção: Emílio Domingos. Produção: Osmose Filmes. Documentário. Brasil. 73 minutos.

COM SESSÕES LOTADAS EM ALGUMAS CIDADES, UCI ABRE MAIS SALAS PARA “DAVID GILMOUR: LIVE IN POMPEII” E AGORA APRESENTA A EXIBIÇÃO EM XPLUS  Ingressos já estão à venda e o público poderá conferir o show também com o poderoso som Dolby Atmos em 360º



BLITZ AO VIVO: No embalo do lançamento do álbum 'Aventuras 2', Evandro Mesquita e sua Blitz finalizam seu quarto DVD, gravado no Circo Voador em abril, para lançamento em outubro. A banda está a todo vapor, com presença confirmada no próximo Rock In Rio e tem turnê pelos Estados Unidos confirmada em fevereiro de 2018

FESTIVAL DE CINEMA DA NOVA ZELANDIA

(colaborou @DonnieDarko73);

Blog Archive

Buscar

About Me

tom leão
Vanuatu
amigo dos amigos, amante de música, cinema, boa comida, de pedaladas e caminhadas
View my complete profile
Powered by Blogger.

Popular Posts

Translate

Followers